História Gregory Órion- Do outro lado do Olimpo - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Tags Cronos, Guerra, Inimigo, Percy, Semideus
Exibições 5
Palavras 2.552
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Mutilação, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


ATENÇÃO!!!!
Tenho que esclarecer algumas coisas antes que vocês leiam esse capítulo.
Essa história,no momento, está se passando ANTES do Percy chegar ao acampamento, exatamente um verão antes dele chegar.
Vocês vão entender melhor a cronologia ao decorrer da história. Só quero que entendam que alguns personagens como o Luke vão aparecer nessa primeira fase da fic.

Capítulo 3 - Meio Garoto e Meio Deus


(LEIAM AS NOTAS INICIAIS!)




-Hey garoto, oque aconteceu com esse seu braço?-o motorista perguntou. Aquele cachorro havia rasgado meu braço com suas garras,Billy havia enrolado seu casaco de time pra estancar o sangramento,mas não estava dando muito certo, e eu estava morrendo de dor.


-Meus deuses!-Billy exclamou encarando meu braço, quando fui olhar o casaco dele já estava encharcado de sangue. Me senti um pouco tonto, detestava sangue,me causa enjoo.-Bebe isso, vai fazer você se sentir melhor.


Ele me entregou um vidrinho de "Néctar", e eu fiz cara feia. Aquilo tinha cara de ser suco de maçã, e se tem uma fruta que eu não gosto é maçã. Mesmo assim abri o vidrinho a contra gosto, tomando um pequeno gole, afastando a boca daquilo rapidamente.

Aquilo tinha o gosto do bolo de canela que minha mãe fazia todo natal pra gente,parecia ter acabado de sair do forno.

-Cara, oque é isso?-olhei pra ele assustado.


-Néctar.-ele bufou.-Termina de beber isso logo.


-Senhor?-o taxista olhou para ele, desde que Billy mostrou o bolo de dinheiro, ele estava o chamando de senhor, e até perguntou em que rádio ele queria que tocasse.-Posso fazer uma peegunta?


-Oque é?-ele parecia muito mais interessado em olhar as árvores pela janela.


-Tem certeza que é aqui?-ele perguntou parando o carro e olhando para nós como se fossemos malucos. Estávamos no meio do nada, a única coisa que tinha ali era uma plantação com uma plaquinha escrito "Colha seus próprios Morangos", e uma colina com um grande Pinheiro no topo.


-Tenho sim. Toma,fica com o troco.-ele jogou duzentos dólares para o cara, a corrida tinha ficado em duzentos e vinte,mas ele não esperou o motorista reclamar e me arrancou do carro, correndo em direção a uma colina. Enquanto sabíamos, ouvi o homem nos xingar, e o barulho dos peneus cantando, provavelmente ele ficou com preguiça de nos seguir para cobrar seu dinheiro.


-Esse é o tal acampamento?-Peguntei.


-Sim,estamos quase chegando, e nem sinal de monstros!-ele parecia animado.-Deuses, como estou com saudades da July!


-July?-olhei para ele, até a feição dele mudou ao falar aquele nome.


-Minha namorada.-Sorriu para mim.-Não se preocupe, vou te apresentar a todos! Você vai adorar esse lugar, as ninfas me prometeram uma festa quando eu voltasse,todas as filhas de Afrodite vão estar lá, cara, você tem que ir!


-Filhas de Afrodite?-parei de andar bruscamente,estavamos quase chegando ao topo.-Tipo a deusa Afrodite?!?


-Greg, precisamos terminar de subir...-a expressão dele voltou a ser preocupada, olhava para os lados como se aquele Poodle demoníaco estivesse atrás de alguma moita, só esperando para atacar novamente.


-Oque é esse lugar?-Perguntei receoso, conhecia vagamente a história de Afrodite. Era um mito da mitologia grega, Deusa do amor, era descrita nos livros como a deusa mais bela do Olimpo, e por ironia era casada com o deus mais feio. Mas não fazia sentido ele falar que existiam filhas da deusa ali, e ele também faloy algo sobre ninfas.


-Estamos quase chegando, Quiron vai te explicar tudo, não é seguro falar disso aqui, não agora.-eu ia protestar,mas me lembrei doque aconteceu quando eu não fiz oque ele mandou. Mais um pouco e aquele cachorro arrancaria meu braço,minha sorte foi ele estar ali pra me salvar.


-Vamos logo então.-Sai correndo em direção ao Pinheiro, quanto mais rápido a gente chegasse,mais rápido eu teria respostas para minhas perguntas, e olha que não eram poucas.


Ao chegar ao Pinheiro, vi algo pendurado em seus galhos, e eu poderia confundir com uma pequena casa na árvore se aquilo não tivesse se mexido. 

Parei para olhar melhor, e percebi que aquela coisa tinha escamas, e grandes olhos amarelos me encaravam fixamente.


-Ótimo! Era oque faltava!- ri nervosamente sentindo arrepios por todo meu corpo. Minha vontade era pegar a espada de dentro da mochila, mas eu ainda estava sentido as dores da última vez que fui tentar lutar com ela. Havia um Dragão do tamanho de um cavalo pendurado sobre a árvore.


-Ah, esse é o Peleu!-Billy pegou sua mochila, tirando uma maçã,dando a mesma para o pequeno Dragão,que a pegou com a boca.-Ele protege a árvore, e a árvore protege todo o acampamento.


-E quem protege o acampamento dele?-recuei dois passos, olhando a criatura como se ela fosse me comer vivo a qualquer momento.


-"Está com medo de um bichinho desses?"-ele imitou minha voz rindo, me lembrei que disse isso segundos antes de um pequeno Poodle se transformar em um cachorro de quase dois metros de altura.-Ele não é perigoso, e se eu fosse você,não falaria assim na frente dele, Peleu é um pouco sensível. Vamos, estão todos esperando, e daqui a pouco vai ser a hora da fogueira.


Passei pelo Dragão tentando ser o mais discreto possível. Por mais que ele tivesse falado aquilo, eu não confiava naquele bicho ainda.

Olhando de lá conseguia ver algumas construções que lembravam um pouco as ruínas de cidades gregas, a única diferença era que elas estavam novas e muito bem conservadas. 

Havia também alguns estábulos que pareciam normais a primeira vista, a única diferença era que alguns dos cavalos tinham asas. 

Notei também que alguns campistas passeavam por lá carregando armas de todos tipos e tamanhos, e alguns praticavam tiro ao alvo. Eu teria ficado super animado ao ver toda aquela coleção de armas, mas estava apavorado demais pra isso. 


-Hey, Billy!-ouvi alguém gritar. Era um outro menino-bode, parecia um pouco mais velho que meu "amigo". Ele correu até nós sorrindo.-Você já chegou cara? Esse foi rápido hein?


-Foi rápido,mas ele deu trabalho!-ele riu em resposta, dando um tapinha no meu ombro.-Esse é o Gregory.


-Aquele que a mãe veio pedir armas?-ele questionou, recebendo um aceno positivo de Billy.-Muito bom te ver aqui Greg, pensávamos que você iria morrer depois daquele acidente com...


-Ele não sabe.-Billy o interrompeu.-Não podemos falar.


-Não sei de que?-perguntei confuso, tinha acontecido alguma coisa com minha mãe quando ela veio em NY?


-Ah...Bem...Esquece isso!-ele coçou a nuca.-Me chamo Mike, se precisar de alguma coisa é só avisar, tenho que ir agora,o conselho me mandou sair em missão, acham que pode ter alguns semideuses na Califórnia, acho que vou ter que passar o verão inteiro lá.


-Semideuses?-Billy ia falar algo,mas eu o interrompi, desde que conheci esse cara ele não respondeu uma pergunta sequer sobre oque estava acontecendo ali, e eu já estava de saco cheio disso.


-Acho melhor a gente ir falar com o Quíron e o Sr D.-Ele botou a mão no meu ombro, olhando para Mike em seguida.-Boa sorte com a missão, tenho que ir agora também.


Eles se despediram e o garoto seguiu seu caminho, descendo a colina.


-Você disse que ia me explicar tudo quando eu chegasse.-cruzei os braços, esperando que ele começasse a falar.


-Olha...É meio difícil explicar essas coisas...-coçou a nuca.-Oque você sabe sobre os deuses gregos?


-Tipo Zeus, Hades e Hércules?-fiquei confuso, oque aquilo tinha haver com o poodle gigante que nos atacou, ou com o fato dele ser metade animal de Jardim?


-Cuidado,nomes são poderosos!-ele olhou para o céu, como se esperasse que algo ruim acontecesse, mas não houve nada.-E Hércules não é um deus! 


-E oque eu tenho haver com isso?-perguntei, pra mim aquilo não fazia diferença nenhuma.


-Hércules era um semideus. Um filho de um deus com um mortal. Greg....-suspirou.-Os deuses...Eles são reais,eles estão muito vivos, e estão aqui em nos EUA,mas especificamente em Nova York, mas eles passeiam por outros estados também.


Minha vontade era de rir, Billy certamente tinha fumado algum baseado durante nossa viajem, e talvez eu tivesse fumado também,pois estava vendo garotos com traseiros peludos,cachorros gigantes,dragões e cavalos com asas. Mas a dor no meu braço me despertou, eu estava machucado. Aquela coisa me machucou, aquele ferimento era real, e por mais que eu me esforçasse para acreditar que não foi um monstro que fez aquilo, eu não conseguia.


-M-mas....Isso é...Impossível.-Me senti tonto derrepente, e botei a mão na cabeça.-Eles são só lendas!


-Eu pareço uma lenda pra você?-ele pareceu ofendido.-Aquele Cão infernal era uma lenda? Acredite em mim, Greg, os deuses, e todos os seres dos antigos contos gregos, são bem reais. E você mais que ninguém é prova disso.


-Eu? Mas...Oque eu tenho haver com isso?-o ferimento no meu braço doía cada vez mais.


-Você é como Hércules.-ele disse sério.-Fruto da relação entre um deus grego e uma mulher mortal. Você é um Semideus.


Eu ia falar alguma coisa, mas não consegui nem abrir a boca de tão surpreso que estava. Olhei em volta e vi algumas pessoas treinavam arco-e-flecha, outras afiavam a lâmina de espadas, garotos bodes andavam por todos os lados, e eu podia jurar que vi lava saindo da parede de escalada deles. 


-Meu pai...Você sabe quem ele é?-perguntei ainda olhando ao nosso redor.


-Sei, sua mãe me contou,mas não posso te falar quem é ainda.


-Porque não?-fechei a cara. O que ele podia falar afinal?


-Seu pai tem que reclamar você oficialmente.-começou a andar,e eu o segui.


-Onde ele está? Vamos falar com ele então!-exclamei.


-Não é assim que as coisas funcionam.-ele acenava para algumas pessoas enquanto andávamos.- Os deuses são ocupados, não tem tempo para suas crias mortais, mas as vezes eles reconhecem suas crianças com algum tipo de sinal. 


-As vezes?!?-gritei, recebendo alguns olhares.-Está falando que pode acontecer de eu não saber quem é meu pai?


-Olha...Existe alguns semideuses que não são reclamados.- ele trocou o peso de um casco para o outro.


-Ou seja, pode acontecer que eu nunca saiba quem é meu pai.-murmurei,se tudo aquilo fosse real, se os deuses realmente existissem, e se meu pai era um deles, oque custava tirar dez minutinhos pra me recinhecer como filho? Oque custava ele vir até mim e dizer que era meu pai? Um deus deve ter como fazer isso sem atrapalhar sua agenda.


-Você é um caso diferente...Quíron, o Sr D. e até os conselheiros chefes dos chalés sabem quem é seu pai. Talvez ele não demore muito para te reconhecer.-ele me olhou.- Escute...É um pouco complicado de falar sobre isso aqui... 


-Complicado como?-questionei.


-Estou proibido de falar sobre isso,mas...-Billy olhou para os lados.-Acho que você precisa saber. Ano passado....


-Billy!- ele pulou com o susto,olhei para o dono da voz e dei de cara com um Homem de meia idade aparentemente normal, usava um suéter verde e tinha um sorriso amigável no rosto,me olhou como se me conhecesse desde que eu era um bebê.- Parece que você trouxe o jovem Gregory são e salvo com você!


-S-sim senhor.-ele gaguejou,me olhando assustado.


-Como está sua mãe, garoto?-ele me perguntou, antes de responder, me dei conta que ele era muito mais alto que eu,me forcei olhar para baixo, e me deparei com um corsel Branco abaixo de sua cintura. Metade de seu corpo era um cavalo.


-Todo mundo conhece minha mãe aqui?-perguntei, ainda olhando para seus cascos,me esforçando para não fazer nenhum comentário desagradável sobre eles.


-Ah, Normani era uma de minhas melhores alunas!-ele dizia como se divertisse com as memória.- Filha de Hermes, com uma habilidade incrível com arco e flecha. Atirava melhor doque alguns filhos de Apolo! Me lembro de sua primeira missão... Ela tinha dezessete anos, nunca tinha saído do acampamento,foi atrás de um dos autônomos de Hefesto que se perdeu. Voltou vitoriosa e depois saiu do acampamento, só fui ter notícias dela novamente quando você estava para nascer.


-Minha mãe é como eu? Digo, metade deusa?-aquilo estava cada vez mais estranho.


-O nome é semideus, criança.-ele suspirou.-E sim, ela é filha de Hermes, o deus das estradas e dos ladrões. Oque você conhece sobre mitologia grega?


-Não muita coisa.-admiti.


-Bom, você terá que aprender rápido, se quiser sobreviver aqui.-Ele se virou para Billy.-Vá até o Conselho falar de sua missão, deixe que eu mostro o acampamento para ele.


Ele assentiu e saiu trotando, acompanhei ele com o olhar até ele sumir de vista por entre um pequeno grupo de campistas.


-Como foi a viagem até aqui?-o homem Cavalo perguntou.


-Ah, foi ótima! Só fomos atacados por um poodle de dois metros e meu braço está com um buraco enorme!-ironizei.


-Billy não lhe deu Néctar e Ambrosia?-ele ergueu uma sobrancelha.


-Ele me deu um vidrinho de Néctar,mas ainda dói.-falei.


-Me deixe examinar.-ele se aproximou de mim, tirando o casaco ensanguentado do meu braço, e eu fiquei muito surpreso com oque vi.-Parece que já está melhorando,deve parar de doer em breve.


No lugar que deveria ter um rasgo enorme feito pelas garras do poodle, tinha apenas uma longa cicatriz vermelha, passei os dedos por ela e estava quente, parecia que tinha acabado de cicatrizar, e eu ainda sentia um pouco de dor.


-Você demora um pouco pra se curar...-ele botou a mão no queixo,me analisando.-Geralmente outros semideuses já estariam cem por cento bons. Isso deve ficar cicatriz.


-Oque é aquilo que eu bebi?-engoli seco, ainda podia sentir o gosto do bolo de canela na minha boca.


-Néctar, a bebida dos deuses. Para vocês, semideuses, um pouco pode curar as feridas,mas se beber demais...Bem...Você não iria viver o suficiente para beber mais que dois copos.-ele começou a andar, e eu o segui.

Aquilo tudo era loucura! Por vários momentos eu quis acreditar que aquelas pessoas com espadas eram loucas, e que a metade cavalo do Diretor de atividades era apenas minha imaginação, mas eu sabia muito bem que aquilo era real.

Enquanto andávamos ele me explicava sobre os deuses, fazendo breves descrições deles, e apontando para seus chalés. Quatro deles estavam vazios: Zeus, Hera, Poseidon e Ártemis. Quíron me explicou que Zeus e Poseidon tinham jurado não ter mais filhos mortais, e Hera e Ártemis não tinham filhos com mortais. Os outros chalés tinham pelo menos dois campistas, como era o caso de Hefesto, e o mais cheio era o de Hermes, das janelas podia ver várias pessoas perambulando por lá.

Fizemos um passei por todo o acampamento: o Anfiteatro, a Forja , os estábulos, a parede de escalada, uma área dedicada ao treinamento de arco-e-flecha, uma fogueira com uma espécie de arquibancada, e o refeitório. 


-Cada semideus fica no chalé que representa seu pai Olimpiano

-ele disse enquanto voltávamos para área dos chalés.


-Então eu não tenho onde dormir?-perguntei confuso, talvez alguém pudesse me emprestar um saco de dormir, e eu tava meu jeito. Podia dormir na forja,ou no Anfiteatro...


-Você vai dormir no chalé onze por enquanto.-ele sorriu, pareceu achar graça da minha pergunta.


-Onze...-tentei lembrar qual deus ele repeesentava.- Hermes?


-Sim, ele acolhe os novos campistas até que eles saibam quem é seu pai.-ele fez um gesto para um garoto que estava longe.-Aquele é o conselheiro chefe do chalé onze, Luke Castellian.


-Quíron.-o garoto se aproximou de nós, tinha uma longa cicatriz no rosto, e me lembrava muito um elfo, daqueles no estilo Senhor dos Anéis.


-Luke, esse é o Gregory. Quero que ajude ele a se instalar no chalé.-o centauro (descobri que esse era o nome, e percebi que seria desrespeitoso chama-lo de "Homem-Cavalo") falou.


-Esse é aquele Gregory?-ele me olhou de cima a baixo. Algo me dizia para não deixar minha mochila perto desse cara.


-Parece que você já ouviu falar de mim também.-Fechei a cara, todos ali me olhavam como se eu não devesse está vivo, e quando eu perguntava sobre isso à Quíron ele simplesmente desconversa.


-Bem, digamos que foi uma surpresa ver um filho de deus com uma semideusa...-ele falava com cuidado, olhando para o centauro como quem pedia permissão para continuar.-Geralmente a maioria de nós morre antes de chegar a idade adulta, e não costumamos ter...Hã... Romances com deuses.


-Hm.-olhei para o chão desconfortável com o assunto.


-Você deve está cansado, vamos ao chalé, logo será a hora do jantar.-quando ele disse aquilo eu olhei para cima, já estava escurecendo mesmo,a silueta da lua já começava a ganhar forma, e eu mal tinha visto o tempo passar.


-Vamos então.-enfiei a mão nos bolsos, e o segui. 

Esse realmente não seria um verão agradável.






Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...