História Grimorion o reino desconhecido - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~Yan-chan-S2

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 10
Palavras 2.009
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Eae galero :V bem vamos a mais um capítulo da fic kkk espero que todos tenham uma boa leitura e talvez esse capitulo seja um pouco talvez forte, desculpe se ofendi alguém não era a intenção mas bem, bora

Capítulo 5 - Bem vindo a cidade dos mortos


Fanfic / Fanfiction Grimorion o reino desconhecido - Capítulo 5 - Bem vindo a cidade dos mortos

Os ventos sopram sobre uma cidade desconhecida, suas ruas estão negras pela escuridão que assola o local, um unico casebre de madeira mantém suas luzes acesas, porem em seu interior pode ser ouvido o arrastar de um machado em seu piso e coerentes a tinir em um ritmo e agonizante, gritos podem ser ouvidos nas vazias ruas, proximo a uma igreja, uma congregação levando duas garotas para dentro da mesma.

-SOCORRO, ALGUÉM NOS AJUDE, FOMOS RAPTA...HMMM!!

Antes que a garota possa terminar sua frase ela é amordaçada, dentro do casebre, há um carrasco a proteger uma cela, a pessoa presa dentro da mesma é vektor, acorrentado da cabeça aos pés erguido ao ar, em uma posição como se estivesse em uma cruz, os gritos da mesma ecoam pelo casebre fazendo o mesmo acordar

-hu..L-luna!?

O mesmo tenta se mexer porem poucos movimentos podem  feitos apenas pelo levantar de suas pernas a uma determinada altura, vendo isso, o carrasco entra na cela aparentemente fora de si porem algo o impede de fazer qualquer coisa contra Vektor, uma marca aparece na mascara negra do carrasco, e aos poucos ela vai sumindo, aparenta ser como uma ampulheta.

-Ah droga! Preciso sair daqui, não consigo mexer...já sei se ao menos eu conseguir na horq certa...

Enquanto Vektor pensava, um badalar de um sino pode ser ouvido em toda a cidade e no mesmo momento a ampulheta se esgotou, o carrasco entra na cela e tenta desferir um golpe com seu machado na altura do abdómen de Vektor com o intuito de partir o mesmo ao meio

-AGORA!!

Vektor levanta as pernas juntas na altura da parte plana da lâmina do machado e acerta em cheio o mesmo e com o peso, acaba por fazer o carrasco se desequilibrar e acertar o mecanismo que segura as correntes de sua mão direita e solta a mesma

-Não acredito que deu certo, agora tenho que sair daqui!

Vektor quebra as correntes que seguram suas pernas puxando sua base usando a mão livre e depois faz o mesmo que segura suas mãos, porem nesse tempo o mesmo carrasco se levanta retirando seu machado da parede e desfere outro golpe contra Vektor, porem quando o golpe está prestes a acertá-lo, o sino toca novamente e o mesmo volta a se congelar com o machado proximo a sua face.

-AAAAAH!!... a não espera...ele congelou? Então o sino controla o tempo de movimentação deles é? Isso é bem útil

O mesmo pega o machado das mãos frias do carrasco

-Agora vamos ver o quão util isto é para tirar vidas!

Vektor da dois passos para trás e mira o machado em sua cintura 

-Espero que tenha espaço para isso aqui...AQUI VAAI!

Vektor arremessa o machado contra a cintura do carrasco dando um giro, fazendo o machado cravar em cheio em sua cintura e a parede de madeira podre da cela, porém nesse meio tempo, o sino toca novamente e quando o carrasco tenta entender a situação, Vektor chuta o machado fazendo a madeira se romper e as duas partes do carrasco serem arremessadas para fora e a parte de seu dorso ter seu peito cravado contra uma cerca de metal com suas pontas afiada.

-He assim você não é tão forte não é? Haha agora vamos atrás delas

Vektor pula do mesmo buraco feito pelo machado em direção a rua cai na parte da cabeça do carrasco, fazendo ele ter os espinhos mais cravados em sua barriga e sua cabeça esmagada no chão fazendo seu rosto "afundar" em sua cabeça

-He agora atrás delas, os gritos vieram do centro

Vektor começa a correr em direção ao centro da cidade, alguns sussurros podem ser ouvidos nos becos conforem ele corre, alguns vultos aparecem atrás do mesmo como se o seguissem.

Algum tempo correndo, Vektor avista a catedral porém ela está sendo vigiada por algumas pessoas encapuzadas, ele se esconde atrás de alguns caixotes

-droga deve ter algum jeit...

Antes que ele consiga terminar a frase, um vento frio passa pelas ruas, uma luz um pouco timida e esbranquiçada toma conta do local tendo origem de cima da catedral em seu horizonte, era a luz da lua, a mesma ilumina as ruas e, junto as mesmas os vultos que perseguiam, eram algumas pessoas com as vestimentas sujas e com as mesmas marcas em suas testas que o carrasco, porem quando a luz da lua os ilumina, eles começam a se contorcer e gritar.

-de tudo que podia acontecer por que diabos tinha que ser isso droga!

Vektor corre em direção da porta de igreja ignorando a existencia dos seres encapuzados que logo o seguram 

-me deixem passar droga ou vamos todos morrer!!...meu deus abaixem!

Vektor puxa suas mãos se soltando e abaixando, quandos os seres encapuzados olham para frente, parte de uma carroagem os acerta, fazendo ambos serem esmagados pela mesma quebrando a porta. As criaturas corr em em direção de Vektor, agora esta claro que são lobisomens, criaturas sanguinárias, o mesmo se arrasta para dentro da igreja porem uma das criaturas pula na direção dele porém e chutada em seu abdómen em direção das outras que são arremessadas para dentro de uma casa que estava um pouco a frente

-DROGA TENHO QUE FECHAR ESTÁ PORTA

Ele olha em volta e vê que em a cima da porta tem uma grande cruz de metal

-Bingo!

Em um rápido movimento, Vektor arremessa a roda que estava presa aos restos da carruagem nas correntes que seguram a cruz que estavam enferrujadas, as quebrando e fazendo a mesma cair na frente da porta a cobrindo com ela e alguns tijolos que caíram do impacto da roda

-isso irá segurá-los por um tempo...vamos acabar com isso logo antes que eu morra

Vektor começa a andar pela grande catedral, a mesma tem um ar frio, se aquilo algum dia foi a casa de Deus, ele ja a abandonou a um tempo, seu interior é iluminado por tochas difetente do casebre que outrora estava que era iluminado por lampiões.

Conforme ele anda, ele repara que os lobisomens tiveram a ampulheta removida quando se tranformaram, mas antes de tomar qualquer pensamento mais profundo, ele consegue escutar um choro de criança vindo de uma das portas

-parece com a...Sara!

Vektor corre até a porta e vê Sara sentada no chão

-Sara é você? Sou eu o amigo da Luna

Sara olha pelas grades e vê Vektor, ela sorri entre as lagrimas, quando ela vai dizer alguma coisa ela faz uma expressão de dor e volta a ficar quieta

-Se afaste da porta vou tirá-la daí mas tenho que quebrar a maçaneta e isso é perigoso

Sara se afasta para o canto da sala e Vektor da um chute na porta a arrombando

-okay venha cá ago...

Antes que ele perceba, Sara corre até ele e o abraça apertado, o mesmo a pega no colo e a abraça apertado, ele nota que Sara tem alguns ferimentos em suas costad e pernas

-O que ouve com você pequena Sara? 

O mesmo rasga parte de sua roupa e acaba por aparecer um pingente em seu braço era o pingente de Luna, ele o guarda no bolso e amarra nas ferridas das pernas dela para que ela possa andar um pouco, Sara olha para ela e sorri

-Obrigado moço, você não é tão mal assim, bem...me levaram junto com a tia Luna e tentaram colocar uma faca nas minhas costas, porem ela me salvou com algo, uma luz segou eles e ela me escondeu aqui, porem ela foi leva...

Quando Sara vai terminar de explicar, a igreja que estava quieta é inundada por gritos de ódio de muitas pessoas "queimem ela" "purifiquem a bruxa" eles dizem. Vektor corre com Sara até a parte de cima do salão principal da igreja e eles veem Luna amarrada em uma cruz ungida em óleo, ambos ficam assustados com tudo porém, Vektor antes que tenha qualquer pensamento, coloca Sara no chão e pula no meio da multidão caindo em cima de um membro dizendo

-SOLTEM ELA AGORA, VOU MATAR CADA UM DE VOCÊS SE NÃO FIZEREM ISSO

Porem, as pessoas começam a o atacar com socos, o mesmo tenta devolver alguns, por algum motivo seus socos estão mais fortes arremessando e até mesmo matando alguns membros da igreja, porem, ele acaba se ajoelhado e as pessoas continuam a atacá-lo.

Luna vendo tudo de lá de cima fica deseprada e grita por piedade e para pararem, porém de nada adianta, Sara consegue ir até as amarras que estavam presas a parte superior

-Calma tia vou te soltar, cuidado

Com dificuldades, Sara desamarra um lado das amarras, enquanto Sara corre para o outro lado meio mancando, Vektor olha para o pingente que cai de seu bolso e solta um grito de ódio. O mesmo segura a perna de quem esta a sua frente e o puxa o derrubando, ele o arrasta derrubando quem esta em volta

-PODEM ATÉ ME MATAR, MAS ELA SAI VIVA

Ele se levanta e começa a empurrar as pessoas, porem logo cai ao lado do pingente e o pega, enquanto isso, Luna é desamarrada e acaba por cair no chão, machucada ela se levanta e vê uma cena que a estremece, ela vê os membros segurando da igreja segurando Vektor de braços abertos e um deles com uma lança com o cabo de cruz dourada, quando eles vão cravar no peito dele, uma lança de pura luz perfura o peito do homem que estava  a segurando e o mata, quando todos olham para o altar aonde estava luna, ela já estava segurando outra, porem a mesma desmaia e a lança de luz que estava em sua mão desaparece, e a outra toma uma forma sólida. Neste momento de distração, Vektor se solta e pega a lança que luna arremessou e fica em posição de luta.

Os membros envolta dele se assustam e se afastam, aparentemente com medo 

-AGORA VOCÊS TEMEM NÃO?

Diz Vektor, porem antes que ele tome alguma atitude, um lobisomem pula na frente dele matando um membro, outros invadem, aparentemente toda aquela barulheira os atraiu

-DROGA DROGA DROGAAA 

Vektor corre em direção de Luna desviando de tudo e a pega no colo

-Sara vamos pule em mim, confie em mim por favor

Sara com medo de tudo aquilo não tem escolha e pula, Vektor vira de costa e ela agarra nas mesmas

-Boa garot...

-TIO VEK CORREEEEE

Sara corta a frase de Vektor que mesmo corre em direção a uma janela e pula da mesma caindo na rua em direção a floresta, porém antes que eles cheguem na saida eles veem uma pessoa aparentemente sã no colocal

-Sobreviventes por aqui!

O mesmo aponta para uma parte na floresta onde dá para ver a luz de uma cabana, sem muitas escolha, ele corre junto ao estranho para lá, quando Sara olha para trás, a igreja esta totalmente em chamas com as criaturas saindo pela janela, a cruz de cima da igreja cai e fica invertida no chão cravada no solo.

Enquanto eles corriam, Luna acorda e olha para Vektor. Logo eles entram na casa

-ufa chegamos

Diz o desconhecido que se vira para vektor revelando seu rosto

-Se lembra de mim? Sou izuna o protetor lembra?

As antigas memorias de Vektor começam a reaparecer em partes, eoe começa a se lembrar de amigos, inimigos, e de seu objetivo ali 

-izuna...? IZUNA cara quanto tempo estavamos te procurando, precisamos de ajuda

Ele coloca a mão no ombro de vektor 

-se acalme meu amigo, vocês estão seguros aqui, agora se entendam e tem alguns curativos ali na estante, vou fazer o selo de proteção na casa

Vektor acena positivamente e izuna vai para fora.

Luna, abraça Vektor com lágrimas no rosto  que acaba por se assustar

-NUNCA MAIS FAÇA ISSO OUVIU IDIOTA, VOCÊ ME ASSUSTOU 

Diz Luna o abraçando apertado, Vektor a abraça devolta e tenta confortar a mesma

-Calma esta tudo bem, desculpe é que eu precisva distrair eles de algum jeito hehe, mas agora esta tudo bem  

Luna levanta o rosto e se aproxima do de Vektor e...

-Quando vou poder descer tio?

Diz Sara colocando o rosto no meio os seprando

-Agora claro

Diz Vektor um pouco trémulo 

-S-sim também, vamos nos cuidar

Diz luna gaguejando e trémula saindo do colo de Vektor, ambos vão se cuidar, eles estão se cuidar...eles estão seguros...por enquanto

------na igreja-----

-nem mesmo com esses dons vocês conseguem pará-los?!

Diz uma criatura não identificável que começa a destruir a igreja e seus restos a implodindo

-malditos...vocês vão pagar...



Continua...?






Notas Finais


Bem aqui foi mais um capitulo galero, desculpe novamente se ofendi alguem com algo na história, espero que tenham tido uma boa leitura e que tenham gostado, até maais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...