História Guardian Angel - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amizade, Bts, Depressão, Drama, Jikook, Jimin, Jungkook, Muito Drama, Romance
Visualizações 7
Palavras 4.421
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Capítulo novo anjinho, espero que gostem!!

LEIAM AS NOTAS FINAIS POR FAVOR :3

BOA LEITURA

Capítulo 8 - Eu Sempre Vou Te Salvar


Fanfic / Fanfiction Guardian Angel - Capítulo 8 - Eu Sempre Vou Te Salvar

14:30 da tarde:

— JIMIN!!! – Joguei as sacolas que carregava em mãos e corri por aquele beco enquanto fechava minhas mãos em punhos firmes, levantando um de meus punhos soquei a cara de um dos quatro homens que rodeavam Jimin, acertando-o em cheio, meu peito subia e descia desesperado, enquanto a adrenalina corria como veneno em meu corpo, chutei o estomago de mais um deles assim que ele veio em minha direção querendo defender o companheiro que levara um soco meu, desviei de um terceiro que vinha por trás acertando logo em seguida uma cotovelada em seu rosto, o quarto que segurava Jimin já ferido o soltou e veio em minha direção, como um touro raivoso, trinquei os dentes e esperei que ele investisse primeiro, assim que ele fez, segurei seu braço e girei jogando seu corpo para frente e o derrubando no chão com força.

Olhei para trás e Jimin estava caído no chão com alguns cortes em seus lábios inchados, sua roupa suja, ele não parecia ter desmaiado ainda, mas estava fraco, olhei furioso para os quatro caras que se preparavam para um novo round.

— Malditos, vou fazê-los pagar por isso!! – Exclamei correndo até eles pronto para acabar com cada um deles, eu estava mais que furioso, o sentimento que eu corria por mim naquele momento era de ódio, eu queria apenas acabar com todos eles, fazê-los pagar por terem machucado Jimin, e eu iria, com toda certeza.

Algumas horas atrás: 09:00 da manhã

­— Jimin...você está acordado? – Perguntei abrindo a porta de seu quarto e o vendo sentado na cama lendo algum livro que eu tinha na estante daquele quarto, ele levantou seus olhos.

— Sim...algum problema? – Perguntou fechando o livro e sentando-se direito, me aproximei da cama me sentando na beirada.

— Nenhum, só queria saber se não quer caminhar um pouco...ficar preso aqui...não faz bem – Murmurei olhando para o quarto levemente iluminado, Jimin suspirou.

— Não sei se quero sair... – Resmungou puxando a coberta para perto de seu queixo, sorri de lado.

— Eu sei que nesse momento lá fora é assustador, mas...não se preocupe, não vou deixar que nada aconteça... – Sorri um pouco mais e vi ele desviar seus olhos dos meus novamente – Olha, vamos lá...temos que pegar algum sol, e hoje ele está mais quente que os dias anteriores, huh? Vamos? – Perguntei novamente sorrindo o fazendo olhar para mim, levantei minhas mãos como se me rendesse – Prometo que não iremos demorar, o que me diz? – Queria muito que ele aceitasse, queria que ele saísse comigo para que eu pudesse mostrar a ele, ou pelo menos tentar, o meu lado do mundo, o que eu via. Jimin suspirou confirmando com a cabeça, sorri ainda mais – Ótimo! Isso é ótimo!

— Mas me prometa novamente que não vamos demorar... – Falou me encarando com o cenho levemente franzido, confirmei.

— Eu prometo, agora levante-se e lave seu rosto, eu irei preparar nosso café da manhã e logo depois do almoço podemos sair, o que acha? – Perguntei e ele confirmou sem muito animo, mas já era um começo, deixei Jimin no quarto mais um pouco e fui na cozinha preparar nosso café da manhã.

Desde a última visita de Taehyung, onde Jimin dissera que iria embora, eu venho tentando todos os dias trazer um pouco de felicidade a ele, raramente eu consigo um sorriso dele, mas nenhum deles se comparam ao que ele deu na mesa de jantar naquele dia que Tae estava aqui, mas não vou desistir, agora que eu sei o porquê de Jimin estar aqui e de eu estar o ajudando, eu não pretendo desistir tão fácil, demore o tempo que for.

Não demorou para que eu ouvisse os passinhos de Jimin vindo na direção da cozinha, e sempre que sentia sua presença eu não conseguia segurar um sorriso, mesmo se eu forçasse eu acabava sorrindo, e ele nem percebia o quanto sua presença era boa, o quanto trazia felicidade ao seu redor, suspirei me virando e o vendo em pé, próximo ao balcão.

— Porque me olha assim? – Perguntei quando notei seu olhar sobre mim, Jimin negou desviando os olhos e se sentando em uma das cadeiras da mesa de jantar, sorri de lado e levei a panela com nosso café da manhã até o suporte sobre a mesa – Bem, o cardápio ainda não mudou, como eu falei, não sou muito de cozinhar, mas estou trabalhando nisso e aprendendo novas receitas, logo eu trarei outros tipos de comida para comermos, prometo – Murmurei me sentando na ponta da mesa e sorrindo para Jimin um tanto sem jeito, ele olhou para a panela e inalou o cheiro brevemente.

— Não se preocupe, está bom...eu gosto de sua comida, mesmo que seus conhecimentos sejam...limitados – Sua voz saiu baixa e levemente tímida, ri suavemente e coloquei um pouco em seu prato e em seguida no meu.

— Depois do almoço...vou te levar em um lugar onde Taehyung e eu vamos, é legal e calmo, além de ser maravilhosamente belo – Comentei comendo, Jimin confirmou com a cabeça, mas vi que ele não estava com vontade de sair, suspirei tocando sua mão o fazendo olhar para mim – Saiba que tudo isso é para ajudar você...como nós dois sabemos agora o porquê de estarmos um na vida do outro...devemos nos ajudar para que você possa ajudar outras pessoas....então, mesmo que seja difícil Jimin...tente um pouco mais...e me ajude a ajudar você, huh? Tudo bem? – Falei e ele, que me encarava, demorou alguns segundos para confirmar.

Assim que terminamos de comer, Jimin me ajudou a limpar a mesa e lavar as coisas, enquanto eu lavava a louça ele secava, depois fomos para a sala e ficamos por ali, hora assistindo algo na televisão, hora eu tentava puxar algum assunto com ele.

— Jimin...posso fazer uma pergunta? – Perguntei chamando sua atenção, ele estava sentado na ponta do sofá como sempre, com as pernas encolhidas até o peito e com os olhos voltados para o canal de desenhos que assistíamos, Jimin desviou seus olhos da TV e olhou para mim confirmando – Você pretende, quando ficar bem, quando estiver bem, voltar para Busan? – Perguntei a ele que voltou os olhos para a TV.

— Não sei...não sei nem se vou ficar bem... – Murmurou baixinho a última frase, continuei o observando, logo ele me olhou de volta – Por que pergunta? – Perguntou olhando levemente curioso, dou de ombros.

— Curiosidade...você disse uma vez que faz um bom tempo que não fala com seus pais, queria saber se você algum dia pensa em voltar a vê-los... – Murmurei e ele suspirou abraçando suas pernas e apoiando o queixo nos joelhos.

— Às vezes eu ligo para eles... – Começou com os olhos vidrados em algum ponto no chão – Mas não consigo falar com eles, sempre que eu escuto a voz de um deles eu...desisto e desligo...não tenho coragem de falar com eles porque sei que eles irão pedir como estou e....não posso mentir, dizendo que estou bem, ou que minha missão está dando certo... – Jimin fechou seus olhos por alguns segundos e engoliu em seco, provavelmente estava se segurando para não chorar novamente, confirmei suspirando.

— Eu também não falo com minha família...já faz algum tempo...desde que vim para cá, cursar minha faculdade... – Olhei para a janela da sala e para além dela, onde tinha um céu azul claro e nuvens brancas sendo levadas pelo vento, senti os olhos de Jimin em mim.

— Por que não fala com eles? – Perguntou ele baixinho, voltei meus olhos para Jimin e sorri de lado me acomodando melhor no sofá.

— Meus pais vivem ocupados com o trabalho deles...e meu irmão mais velho também tem seu trabalho e sua família para cuidar...não é como se eles tivessem tempo para me ouvir...por isso tenho Taehyung hyung, que me ouve e tem tempo para ser minha família... – Sorrio e me recosto no sofá deixando minha cabeça para trás e olhando para o teto.

— Você não se sente...sozinho ou chateado com eles por não ter um tempo para você? – Perguntou Jimin e quando olhei para ele o mesmo tinha os punhos agarrado em suas calças, provavelmente pronto para ouvir algo que o acertaria em cheio, neguei.

— Não, no início eu até queria receber mais atenção de meus pais e meu irmão, mas conforme fui crescendo eu percebi que eles faziam o possível para mim...isso e depois que descobri que meu irmão desistiu da faculdade que ele tanto queria fazer para que eu viesse para cá fazer a que eu queria...desde esse dia, eu sei que mesmo eles não tendo muito tempo, mesmo não nos falando com frequência, sei que me amam e sei que estão dando o melhor por mim lá...então eu dou o meu melhor aqui, por eles também – Sorri sincero e Jimin respirou fundo me olhando com os olhinhos inchados brilhando, corei levemente desviando meu olhar para a televisão novamente.

Após algumas horas, fiz o almoço para nós dois e recebi uma ligação da faculdade, dizendo que as aulas recomeçariam na próxima semana, fiquei pensando como Taehyung reagiu a essa notícia.

— Porquê...vocês não estavam tendo aula? – Ouvi a voz baixa de Jimin murmurar sentado na mesa da cozinha, me virei com a panela em mãos colocando sobre o suporte.

— Bem...houve um acidente com um dos alunos no laboratório de ciências...o prédio todo da faculdade ficou fechado para desintoxicação... – Comentei e vi os olhinhos de Jimin assustados, sorri levemente – Mas ninguém se machucou, foi apenas uma bomba de gases...ela era inofensiva, mas o cheiro que ela tinha – Fiz uma careta ao me lembrar do cheiro horrível que o gás exalava – Era um crime aquele cheiro, por isso fecharam o prédio para limpar tudo...ficamos todo esse tempo sem aulas e nessa segunda retornaremos – Sorri me sentando na mesa e abrindo a panela, corei um pouco por ser a mesma coisa que de manhã cedo – Desculpa...eu realmente não sei fazer outro prato ainda... – Murmurei quando Jimin olhou para a panela, ele me encarou e negou.

— Eu já disse, não se preocupe com isso...eu gosto...de sua comida – Ele sorriu levemente, e baixou os olhos para o prato começando a comer, fiquei o observando enquanto almoçávamos e suspirei aliviado, Jimin aparentava estar melhor, desde o dia em que ele chegou aqui, ele tem melhorado aos poucos, falado mais comigo, e sorrido mais, mesmo que bem pouco, seus pesadelos ainda eram um problema que não tinha acabado, mas eu o ajudaria nisso com certeza, outra coisa que pode-se dizer ter mudado é seu medo de sair de casa, nos primeiros dias sempre que saia comigo, ficava apavorado, chorava muito, mas nos últimos dias ele não chorou mais e não aparenta estar tão abatido quando andávamos em meio as pessoas, eu acredito que ele esteja aos poucos lutando para ver o mundo de outra forma, da mesma forma que eu.

Jimin se levantou e em silencio levou seu prato até a pia, o lavando e o colocando no escorredor, em seguida sem olhar para mim seguiu para fora da cozinha, indo para seu quarto, como eu disse, ele mudou, mas para ele estar consideravelmente bem, vai demorar um pouco.

Lavei o resto da louça suja e guardei as sobras do almoço na geladeira, em seguida olhei no relógio e vi que era quase uma hora, fui para o meu quarto e separei minha roupa para quando eu fosse tomar banho para sair, eu queria levar Jimin em um lugar especial para Taehyung e eu, e distraí-lo um pouco desse lugar, ficar dentro desse apartamento por tanto tempo não vai o ajudar em nada, por isso quero que ele respire um ar diferente, que ele se sinta livre.

Fui até seu quarto e bati algumas vezes antes de entrar, ele estava na janela de seu quarto, olhando para baixo, com os braços cruzados próximo ao corpo e firmando-se no parapeito da janela, seus cabelos rosados já perdendo a cor próximo das raízes balançavam com o vento que entrava pela janela, suspirei caminhando para perto dele.

— Jimin... – Chamei baixo, não querendo assusta-lo, mas parei de me aproximar ao ver seu rosto, ver as lagrimas correndo por suas bochechas até o queixo, pingando e sendo levadas pelo vento, senti meu peito doer e estreitando meus olhos eu caminhei o pouco espaço que faltava para de fato chegar até ele e encostei minha testa em suas costas, senti ele se assustar levemente, mas não se virou, desencostei minha testa de suas costas e levei meus braços até ele e o rodeei calmamente, em um abraço firme, porém, carinhoso, queria que ele apenas soubesse que eu estava ali.

Senti os dedos pequenos de Jimin rodearem um de meus pulsos e ficar ali por algum tempo, apertando-o levemente enquanto seu peito subia e descia em uma respiração levemente descompassada, sentia algumas de suas lagrimas pingarem em meus braços e com isso fechei meus olhos o trazendo para mais perto de mim.

— Eu...não conheço você completamente, Jimin..., mas eu sinto que te conheço...e sempre que você chora...eu sinto como se algo dentro de mim...se quebrasse... – Aquelas palavras saiam de minha boca sem que eu de fato soubesse porque eu estava as dizendo, nem de onde elas vinham, pois eu não conseguia pensar em mais nada, além de querer abraçá-lo, de tirar sua dor, de secar suas lagrimas para sempre – Eu quero proteger você...quero ajudar você...eu me importo com você...eu...amo você – Falei baixinho, Jimin soluçou alto e saiu do meu abraço para se virar de frente para mim, suas lagrimas caiam cada vez mais grossas, e o brilho de seus olhos era de uma dor intensa, ele olhava em meus olhos procurando alguma coisa, ou alguém, não sabia dizer ao certo.

— Como você...? – Sua voz era falhada, estava assustado, franzi o cenho levemente e levei minha mão até seu rosto, mas ele a empurrou – Não diga mais isso...não diga nunca mais essas palavras! – Exclamou me deixando surpreso, em seguida me empurrou para longe dele e abraçou seu corpo fincando suas curtas unhas em seus braços – Não ouse dizer essas palavras...não diga! – Falava enquanto uma enchente de lagrimas pingavam de seu rosto para o chão.

— J-Jimin...o que foi que eu disse de errado? – Perguntei confuso, preocupado e sentindo meu peito todo doer com aquela visão de Jimin a minha frente.

— Essas palavras...por favor, não diga elas nunca mais... – Ele disse olhando para mim, em seguida caminhou até ficar em minha frente socando meu peito levemente segurando minha camiseta com força – Elas doem mais do que qualquer outra forma de machucar, elas...matam – Ele disse sussurrando, segurei seu punho que segurava minha camiseta e o fiz olhar para mim.

— Porque? Porque elas são tão ruins assim? Porque elas machucam você? Porque elas matam para você? Me diga Jimin, porque essas palavras fazem tão mal a você? Quero saber... – Falei e encostei minha testa na sua e fechei os olhos por um breve momento, em seguida os abri encarando os olhinhos pequenos de Jimin, vendo um mundo refletindo em seus olhos, esse garoto já foi tão feliz, ele já deu sorrisos maravilhosos e belos – Me deixe entender você, Park Jimin... – Sussurrei segurando com mais força seu punho sem desviar meus olhos dos seus.

— Não quero que você me entenda JungKook...não quero que saiba quem eu sou....nem nada disso...eu só quero que prometa não me dizer mais essas palavras...me prometa – Pediu me encarando ainda com lagrimas correndo por seu rosto, mordi a parte inferior do meu lábio e suspirei.

— Não...não vou prometer – Falei e segurei sua outra mão e o empurrei para a janela, o virei de frente para ela e apontei – Eu prometo que irei tirar você dessa bolha de tristeza, desse mundo cheio de dor, eu prometo a você...que vou te mostrar um mundo em que você possa sorrir, que você seja feliz...é isso o que eu prometo...e quando eu conseguir...eu direi essas palavras de novo e de novo, quantas vezes forem preciso, para você saber que eu me importo com você! Que eu...preciso que você seja feliz! – Falei logo atrás de si, senti meus olhos arderem e logo borrarem, o abracei novamente, o impedindo de se virar e me ver assim.

— JungKook... – Jimin sussurrou segurando meus braços, mordi o lábio inferior impedindo de soluços escaparem por ela e o apertei ainda mais em meus braços, fechando meus olhos com força impedindo de lágrimas rolarem por meu rosto, enquanto apoiava minha cabeça no topo da cabeça de Jimin.

— É isso que eu prometerei a você, Park Jimin...por isso não me peça para não tentar te entender, para não tentar saber quem você é, porque eu vou querer, ou vou tentar...mesmo que leve cem anos...eu vou te salvar...sempre...

15:00 da tarde:

— Jimin! – Corri até ele que estava caído no chão, me agachei ao seu lado e toquei seu rosto – Jimin por favor...acorde...e fale comigo... – Pedia em meio a minha respiração acelerada, seus olhos se abriram e ele me encarou antes de fazer uma careta – Jimin! Deus, o que estava na sua cabeça ao ter saído de perto de mim desse jeito! – Perguntei o pegando no colo com até pouca dificuldade, ele era leve, ele não disse nada, apenas baixou seus olhos enquanto enlaçava seus braços em meu pescoço.

Corri com ele para a saída daquela rua estreita e olhei para os dois lados da rua, arfando pesadamente, olhei para Jimin novamente estreitando meus olhos, ele não estava acordando, mordi meu lábio com força o abraçando enquanto acariciava seus cabelos levemente.

— Aguente Jimin...aguente mais um pouco...por favor – Pedia baixo olhando para os dois lados da rua, pedindo mentalmente que alguém passasse por ali com um carro.

— Hyung! – Olhei para trás vendo um garotinho vir até nós dois com dificuldade, ele estava bastante ferido, mais ferido que Jimin aparentava estar – Eu chamei...chamei a emergência...eles estão...vindo – Falava com a voz entrecortada, e quase nem terminou de dizer e pude ver a ambulância virar na esquina, arfei colocando Jimin no chão novamente e acenei exasperado para eles que pararam a nossa frente, dois enfermeiros saíram e uma médica mandou que colocassem Jimin na maca, em seguida correu até o garoto que estava quase caindo exausto, a ajudei a colocá-lo na ambulância e junto deles fomos rápido para o hospital.

— Aguente firme...por favor, aguente firme... – Sussurrei sentindo meus olhos arderem quando olhei para o caminho, vendo logo a entrada do hospital.

Por favor Deus, não o tire de mim agora, não agora...por favor...

Algumas horas antes: 13:00

Jimin não disse mais nada depois do que eu dissera, e depois que eu me acalmei e não deixei minhas lagrimas caírem, o deixei no quarto e fui tomar banho, eu não iria desistir, não iria.

Logo que saí, Jimin sem dizer nada, entrou no banheiro para tomar o seu banho, suspirei quando a porta se fechou e fui até meu quarto, me troquei e fui até a sala, peguei meu celular que estava no sofá e vi que era uma hora da tarde, daria tempo de irmos até lá, olhei para o caminho do banheiro e Jimin não tinha saído ainda, então mandei uma mensagem para Taehyung, pedindo o carro dele emprestado, mas ele disse que o carro estava no concerto, o que me deixou irritado, não pelo fato de que ele não podia me emprestar, mas pelo fato de como ele conseguia estragar suas coisas tão facilmente.

Quando Jimin saiu do banho e se trocou, colocando uma camiseta branca por baixo de uma camisa listrada de fundo branco com suas listras azuis, uma calça preta jeans com rasgados nos joelhos, ignorei o fato do mesmo estar fofo com aquela roupa, pelo fato da camisa ser de um tamanho maior que ele, e sorri suavemente.

— Iremos andando, eu levaria você de carro para ser mais rápido, mas Taehyung disse que o carro dele está no conserto, por isso vamos a pé, tudo bem? – Perguntei, mesmo sabendo que ele não se importava com isso, Jimin confirmou baixando os olhos para os tênis preto próximo a porta, foi até eles e se sentou no chão para calça-los – Jimin... – Chamei indo até ele, Jimin levantou seus olhinhos para mim e eu sorri levemente – Prometo que vai gostar de onde iremos... – Falei e o mesmo sorriu pequeno confirmando, o ajudei a se levantar quando o mesmo terminou de calçar o tênis, em seguida vesti o meu all star vermelho e saímos do apartamento e do prédio.

Jimin normalmente caminhava um pouco atrás de mim, e hoje não estava diferente, ele caminhava próximo a mim, mas ainda atrás, volte e meia ele segurava na barra da minha camisa preta com manchas de tinta branca, quando alguém passava por nós, ou segurava na manga da minha blusa, sempre que isso acontecia eu diminuía meus passos e segurava sua mão, passando para ele conforto e segurança, para o acalmar.

Fomos até um dos pontos de ônibus próximos e pegamos o primeiro que passou, Jimin e eu nos sentamos no fundo do ônibus que por sorte estava quase vazio, Jimin foi na janela observando os prédios e pessoas passando rápidas do lado de fora, cinco minutos depois paramos em um novo ponto onde descemos juntos e segurei sua mão o puxando para atravessar a rua, subimos uma rua estreita e bem acentuada.

Ao terminar de subir toda a rua, tínhamos saído do perímetro urbano, ou quase isso, chegando ao ponto mais alto da cidade, sorri segurando a mão de Jimin que me encarou e o puxei para o lugar onde Taehyung e eu descobrimos quando fugimos pela primeira vez da faculdade, aquele dia Taehyung estava passando por alguns problemas e para fugir deles saímos algumas aulas antes do final e percorremos a cidade inteira juntos, até encontrarmos esse lugar.

Era belo aquele lugar, dava para se ver uma enorme parte de Seoul, respirei fundo sorrindo ao me virar para a cidade e ver aquele grande mar de prédios e edifícios, Jimin passou por mim caminhando mais a frente, olhei para ele e o mesmo tinha os olhos arregalados, surpreso com a visão, sorri, pois eu também fiquei do mesmo jeito quando vim a primeira vez.

Seus olhos brilhavam como nunca tinha visto antes, e sua boca estava levemente entreaberta, uma cortina de vento levantou algumas folhas do chão assim como nossos cabelos e senti meu coração vibrar com a visão encantadora daqueles olhos de Jimin, de sua face e expressão surpresa, fechei minhas mãos em punhos e mordi a parte interna do meu lábio inferior.

Veja Jimin, veja o que é a vida, veja o quanto ela é bela e o quanto você precisa viver junto a ela, por favor, veja!

Caminhei até ele e toquei seu rosto limpando uma fina lágrima que correu por ele, ele me olhou e eu sorri suavemente.

— É bonito, não é? – Perguntei baixo, ele voltou seus olhos para a visão da cidade e confirmou.

— Nunca tinha visto esse lugar desde que cheguei aqui... – Jimin murmurou abraçando seus braços e estreitando os olhos encarando tudo – É....maravilhoso

— Isso é o que eu queria te mostrar...você não enxerga vida por que não está em um lugar alto o suficiente para enxerga-la, há muito mais vida do que você pode enxergar estando lá em baixo, mesmo que tudo esteja parecendo morto, depressivo e doloroso, há sempre vida, alegria, amor em algum lugar mais alto...você só precisa...subir até o final da rua, Jimin... – Falei levando minhas mãos aos bolsos da calça, ele voltou seus olhos para mim e logo vi novas lágrimas descerem por seu rosto.

— JungKook... – Choramingou e veio até mim, retirei minhas mãos dos bolsos e o abracei assim que ele veio até mim, fechei meus braços ao seu redor com força.

— Eu prometo Jimin...que vou te mostrar o melhor do mundo que eu enxergo...deixe-me mostra-lo, deixe-me tirar sua dor... – Saí do abraço e encarei seu rosto e olhos húmidos pelas lagrimas – Deixe-me semear a semente da felicidade em você, Park Jimin... – Pedi e o mesmo fungou voltando a me abraçar.

— Eu ainda não estou certo disso, ainda não consigo enxergar com tanta força o mundo que você vive, JungKook...nem ao menos sou capaz de imaginar como é...., mas eu confio em você...me faça vê-lo, JungKook...me faça ver o seu mundo... – Engoli em seco quando Jimin se calou, e não demorei a sorri o abraçando ainda mais.

Obrigado por confiar em mim...prometo que vou fazer o possível para que isso aconteça...prometo.

Ficamos por mais algum tempo observando aquela visão magnifica, depois voltamos a descer a rua bastante acentuada e quando chegamos ao final, Jimin parecia muito melhor que antes, caminhava ao meu lado, segurando minha mão com força, eu não deixava de sorrir, pois isso era um grande passo para que ele mudasse, voltávamos para onde tinha o ponto de ônibus, mas parei em frente a uma doceria, quando vi alguns doces que eu a muito tempo não comia, senti uma vontade louca de comê-los novamente, então me virei para Jimin.

— Espere, Jimin...eu irei comprar alguns daqueles doces...você pode esperar? – Perguntei a ele que confirmou com um leve manear, sorri e beijei o topo de sua cabeça, entrando na loja e indo até uma das atendentes – Olá, eu gostaria de uma porção daqueles doces... – Pedi apontando para o doce na vitrine, ela confirmou e foi até o fundo da doceria fazer meu pedido, suspirei e olhei para trás vendo Jimin recostado no pilar que dividia a vitrine da porta, sorri de lado e vi um pedaço de torta de morango logo ao lado e me voltei para outra atendente e pedi um pedaço daquela torta.

Quando as duas me entregaram os meus pedidos, eu logo as paguei e me virei para sair, nisso eu olhava para as sacolas sorrindo por finalmente encontrar aqueles doces que eu gostava tanto, quando saí da doceria eu me virei para onde Jimin estava, mas ele não estava mais onde deveria.

— Jimin? – Me perguntei olhando ao redor, franzi o cenho – Onde ele foi? – Murmurei enquanto olhava para todos os lados procurando aquele garoto, mas não o encontrando em lugar nenhum, nisso senti algo dentro de mim explodir, algo beirando ao medo, não sabia como descrever, mas sabia que era ruim.

Comecei a caminhar ainda o procurando, até que vi uma movimentação estranha entre uma rua estreita, em um beco, entre o prédio da doceria e outro, estreitei meus olhos vendo quatro garotos, caminhei um pouco mais para o lado, eles pareciam brigarem com alguém, quando notei com quem ele estava brigando, eu senti o ar abandonar completamente meus pulmões.

— JIMIN! – Gritei o vendo ser socado no rosto por um daqueles caras, soltei a sacola com o doce e corri o mais rápido contra aqueles caras, urrando e acertando cada um deles – Malditos, vou fazê-los pagar por isso!!


Notas Finais


*O "Amo você" do Kook para Jimin foi com o sentido de dizer a Jimin que Kook se importa com ele, e não que está se referindo ao sentido de estar apaixonado, não ainda pelo menos :v (Quis deixar claro para que não pensem que o Kook se declarou ao Jimin agora, certo? :3)

Abraço Da Uzuu Neko-chan :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...