História Guardião Dimensional - Capítulo 63


Escrita por: ~ e ~LordeKoorishiro

Visualizações 47
Palavras 5.009
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lírica, Luta, Magia, Mecha, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo-Ai, Shounen, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 63 - Perdas


Capítulo 063-

Todos estavam estáticos enquanto viam vários dragões adentrarem a cidade, cruzando o portão. Hisui olhava para o céu num misto de satisfação e alegria. Com isso, agora ela só precisava usar seu plano perfeito para poder salvar a cidade e ser adorada como salvadora por todos.

Kaori começou a ficar desesperada. Já haviam passados mais dragões que ela pudesse contar naquele momento. Hiroshi correu até ela, para proteger a princesa, enquanto a Fairy Tail se colocava em posição de batalha. Draco rosnava um pouco, pois sua missão havia falhado. Ele tinha chegado tarde, e não pode impedir a abertura do portão. Nisso, sentiu uma mão pequena em seu ombro, e ao olhar, viu sua mãe ali, com um sorriso no rosto.

—Não se preocupe. Você conseguiu vir aqui para nos avisar e tentar impedir. Estou orgulhosa de você. – Disse ela, com um sorriso no rosto. Draco se sentiu acolhido pela primeira vez em anos. Não recebera o amor de sua mãe, sendo que mal a conhecera. Ele queria abraça-la, porém, sabia que aquele não era o momento.

Haru olhava para o garoto se sentindo mal. Ela se culpou internamente por ter odiado a todos em outra dimensão, mesmo que não fosse com ela própria. Shirou olhou para ela com um olhar triste, sabendo o que se passava no coração da garota. Nesse momento ele sentiu mais raiva de Demigra do que nunca tinha sentido antes.

—Ótimo, então vamos ter que mostrar para esses dragões quem é que manda aqui. – Disse Natsu, batendo os punhos, surgindo uma chama neles. Nisso, surgiu ao seu lado, sendo que suas mãos estavam envoltas em esferas de agua.

De repente, sem aviso, uma grande bola de fogo veio na direção deles, que já se preparam para detê-la. Quando uma rajada de KI surgiu e a desviou. Eles olharam para quem tinha feito aquilo, e viram Katsu, envolto em um KI esbranquiçado, com seu cabelo azulado todo para cima. Ele parecia fazer força para manter aquela forma. Nisso, notaram que os outros se tornaram animatronicos de novo, com exceção dele.

—Filho? – Chamou Yuko, preocupada.

—Ash-oji me disse que sou um meio-Saiyajin como ele e a Kaze! Então eu quero poder usar o mesmo poder que eles! – Disse o garoto com a voz meio falhando, tentando liberar seu poder. O moreno olhou para ele surpreso, notando a quantidade de poder que o mesmo liberava.

Wendy olhou para as crianças, que haviam virado animatronicos de novo.

—Os poderes de Saiyajin dele... Eles impediram que ele virasse um animatronico… - Comentou a azulada, que estava ao lado de Ash.

—Katsu! – Gritou Nero, fazendo com que o garoto, que já havia conseguido estabilizar os poderes olhasse para ele. O rosado encarou as retinas brancas, em meio a escuridão dos olhos. O cabelo de Katsu se balançava sem controle, enquanto as orelhas se mantinha fixas, se movendo um pouco também. – Tome cuidado meu filho.

O garoto sorriu para o pai.

—Vou tomar papai!

—Ele vai estar comigo Nero, então não precisa se preocupar. – Comentou Ash, olhando para o céu, vendo os dragões começando a disparar os ataques contra a cidade. – Consegue voar urso?

Katsu faz um pouco de força, e levanta do chão, tendo ainda um certo desequilíbrio. Quando consegue se manter parado no ar, ele olha para o tio e assente.

—Ótimo. Vamos começar derrubando os que estão no céu. – Ash disse, virando Super Saiyajin. O garoto azulado olhou admirado para os cabelos loiros do tio, e sentindo a força que o mesmo emanava o deixava ainda mais empolgado. Ele olhou para o céu determinado.

“Com essa força… Eu vou proteger a Kaze-chan e a Shi-chan! ” Pensou ele, olhando para o urso grande e azul, que olhava para ele. Katsu não sabia dizer os sentimentos de Shinoa naquele momento, tendo em vista que não era possível medir os sentimentos dela naquela forma. Já Kazehana estava com medo pelo companheiro, e preocupada com ele. Visto que seu pai nunca deixara ela lutar, dizendo que era muito nova.

De repente, Ash e ele levantaram voo, indo em direção aos dragões. Kazehana levantou os braços querendo ir até eles, porém Wendy segurou o ombro dela com certa delicadeza. A pequena olhou para sua mãe, que tinha um sorriso no rosto.

—Eles vão ficar bem. Seu pai vai cuidar dele. Você pode ajudar levando a Shi-chan e os outros para um lugar seguro, que tal?

—Tudo bem. – Kazehana deu um sorriso concordando com sua mãe. Nisso, ela sai com os quatro animatronicos, enquanto são observados por todos. Assim que eles veem eles entrando dentro do hotel, Draco suspira e fala:

—Agora que eles estão seguros, vamos agir da seguinte maneira: Em duas horas, Motherglare vai liberar vários dragões terrestres de porte pequeno, mas ainda assim, vamos ter baixas por causa deles. Então temos que derrotar o maior número de dragões possíveis para conseguirmos dar conta dela e desses pequenos. – Disse ele, com um semblante sério no rosto. Draco tinha puxado a inteligência de sua mãe, e isso era inegável.

—Então só temos que bater nesses que estão aqui, certo? – Questionou Natsu, com um sorriso desafiador surgindo em seu rosto. Nisso, Nero surgiu ao seu lado.

—Se for isso, podemos dar um jeito. – Comentou o segundo rosado. Ambos se olharam, e pularam, enquanto asas dragonicas surgiam em suas costas, e eles partiam em direção aos dragões no céu.

Logo, todos os magos tinham se espalhado por toda Crocus, tentando dar um fim na invasão. As batalhas eram difíceis, porém os magos da Fairy Tail estavam se saindo bem. Katsu e Ash conseguiram derrubar alguns dragões, mesmo que o garoto estivesse com certa dificuldade para controlar os poderes. Ash olhou para ele, vendo que estava suspirando um pouco. Ambos estavam com roupas um tanto destruídas pelos ataques que haviam recebidos.

—Se você não derrotar esses dragões eles irão atrás da Kazehana e da Shinoa! É isso que você quer? VOCÊ QUER QUE ELAS SEJAM MORTAS, KATSU DRAGGION? – Gritou Ash, perfurando o peito de um dragão, que caiu de maneira estrondosa. O garoto gritou, e saiu voando, atravessando o corpo de outro.

—FIQUEM LONGE DELAS! – Gritou ele, lívido de raiva. Ash olhou para o garoto, que aparentemente tinha recuperado seu vigor, enquanto voltava a lutar contra os poderosos invasores.

“Acho que peguei pesado dessa vez… Mas… Ele ainda vai desinocentar minha princesinha…”

Pensou Ash, socando um dragão de menor porte.

Num outro canto da cidade, Erza fazia o possível e o impossível para conter os dragões. Ela havia quebrado algumas espadas e armaduras, e estava começando a ficar sem opções. Seu corpo também pedia por descanso, enquanto ela sentia ele ficando mais pesado. De repente, dois dragões surgiram na frente dela, que parou, enquanto ficava assustada pelo que via.

Um dos dragões, tinha uma larga cabeça, presas longas saindo pelos cantos da boca, e chifres em sua cabeça. O outro dragão ela não pode ver direito, pois ele logo brilho, e se tornou uma mulher. A mesma tinha cabelos escarlates como o seu, olhos castanhos, usava uma espécie de blusa que mostrava sua barriga, e tinha um decote generoso, exaltando seus seios, e usava uma capa branca, na mesma cor da saia que usava. A mulher tinha um olhar bondoso para ela.

—Q-Quem é você? – Questionou Erza, um pouco temerosa. A mulher tinha uma aparência idêntica à sua, enquanto o dragão apenas observava as duas. – P-por que se parece tanto comigo?

—Eu me chamo Eileen. – Disse ela, com a voz calma e tranquila, com um sorriso na mesma. –Você… - Ela passou a mão na barriga, notando algo. – É a Erza, não é?

A titânia congelou naquele momento. Como aquela mulher sabia seu nome, e ainda falava com ela como se conhecessem faz tempo. De repente, um rugido imponente é ouvido, chamando a atenção de todos. Uma dragoa branca, com a barriga e a parte de baixo das asas rosadas começou a voar lentamente, enquanto encarava o campo de batalha abaixo de si. Acima dele, haviam um homem, que ria com os braços abertos. Erza rosnou:

—Mirai Romeu…

Igneel olhou para Motherglare surpreso. Logo sua surpresa passou e ele ficou preocupado. Pelo o que Draco havia contado, após a aparição dela, vários morreriam, e isso resultaria no futuro do filho de Mavis e Ichigo. Ele olhou para Grandeeney, que assentiu. Os dois viraram dragões, e voaram até a dragoa, colidindo violentamente com ela. Assim que fizeram isso, Mirai Romeu desaba de cima da dragoa, porém, de alguma forma, consegue cair de pé. Nisso, ele olha para cima nesse momento.

—Liberte-os! – Gritou para a dragoa, que rugiu mais uma vez. Após isso, vários dragões menores surgiram. O homem olhou para aquela cena achando diversão, porém isso passa quando ouve pesados passos em sua direção. – Natsu… E… Nero, não é? Achou que eu não te conhecia?

O dito apenas bufou, enquanto chutou o adolescente para longe.

—Sinceramente, eu ficaria feliz se dissesse que não me conhece. – Respondeu Nero, dando um tiro de agua em um dos dragões pequenos que caiu morto. – Parece que não são muito fortes…

Natsu andou até Mirai Romeu, sendo que tinha uma expressão de ódio no rosto. Nisso, ele bateu a cabeça dele na testa de Romeu, que abriu um corte e ficou sangrando.

—Eu devia ter dado um fim em você desde a época em que ficava rondando minha imouto, seu doente – Rosnou Natsu com fúria. Nisso, chutou o rosto de Mirai Romeu, quebrando seu nariz. – Você não vai me atacar de volta, seu lixo?

Nisso, ele notou que o mesmo estava desmaiado devido ao último golpe que havia recebido. Natsu rosnou, enquanto bateu a cabeça do garoto no chão, trincando o mesmo.

—Fraco…

Em outro local, Haru, Draco e Shirou estavam descansando um pouco após terem derrotado vários dragões. A morena olhou para Draco, ainda com o sentimento de que o sofrimento dele fora culpa dela. O garoto sentiu que estava sendo observado, e olhou para sua tia, que assim que notou que ele olhava para ela, desviou o olhar.

—Tia… - De repente, Katsu foi jogado ao lado de Haru, e em seguida, um dos filhotes de Motherglare pulou uma parede semidestruída que eles usavam com esconderijo. Ele pulou, e disparou uma rajada de energia na direção de Haru.

A garota se levantou rápido para desviar, conseguindo fazer tal manobra. Porém foi atingida no estomago pelo rabo do dragão, e em seguida, com outra rajada de energia, sua perna direita foi perfurada, fazendo ela gritar de dor.

—HARU! – Gritou Shirou correndo até ela. Draco pula no dragão, o socando, enquanto olha para Haru e Shirou. A garota apertava sua perna com força, enquanto as lagrimas desciam dos olhos. Nisso, Shirou notou que o abdômen da garota, que foi onde o Dragão atingiu a cauda estava sangrando, pois estava cortado. – Haru…

—Eu estou bem… C-cuide do Draco! – Rosnou ela, com uma expressão de raiva no rosto, enquanto gemia de dor. Shirou olhou para Draco, sendo que o mesmo, que não estava olhando para o ser que os atacara não o mesmo se levantou atrás de si.

—DRACO! CUIDADO! – Gritou Shirou, se levantando para ir em direção do garoto. O dragão, abriu a boca, e liberou mais uma rajada de energia, que ia na direção de Haru, que não conseguia se mexer. Katsu estava enfraquecido, e se arrastando para ficar de pé. Haru pegou o garoto e o abraçou, escondendo o rosto dele em seus seios, que pela idade dela, ainda eram medianos.

—Desculpe Kat… - Disse ela, com o apelido que ela chamava ele quando se viam. Fechou os olhos, esperando o ataque final, porém ele nunca veio. Nisso, ela os abriu devagar, e viu uma cena, que deixou tudo para ela em câmera lenta. O raio de energia do Dragão havia parado, pois atingira Shirou na altura do tórax. Ele caiu, sendo que ao cair no chão, instantaneamente, seu sangue começou a se espalhar pelo local. – SHIROOOOOUUUUUUU!

Draco, que havia sido jogado de lado pelo adolescente, olhou furioso para o Dragão. Katsu viu Shirou morto no chão, se desenvencilhou de Haru, e correu para o mesmo.

—Shirou-oji? – Chamou ele, vendo que o mesmo não se mexia. Como um milagre, Shirou se virou para ele, devagar, enquanto cuspia sangue.

—K-Katsu… D-Desculpe… Não pude cumprir minha p-promessa… A você… - Disse ele, vomitando sangue. Haru parou ao lado de Katsu, enquanto derramava lagrimas. – Haru… Me desculpe… Eu não vou conseguir… Ficar com você p-para sempre… - Seu olhar voltou ao pequeno azulado, que tinha lágrimas nos olhos. Shirou criou uma esfera na mão, sendo que no centro dela, havia uma joia branca. – M-meus poderes de gelo… Katsu… P-proteja a Haru… Com eles… N-não deixe Demigra chegar perto dela…

Shirou, com suas últimas forças, bateu a pedra no peito de Katsu, sendo que o garoto caiu de costas. Onde ele bateu as mãos no chão, o chão congelou. Haru viu que Shirou havia morrido no momento em que transferiu seus poderes para Katsu, que estava deitado no chão. Ela se curvou em cima do corpo do amado, e começou a gritar, enquanto chorava.

Draco viu aquela cena, e ficou furioso, matando o dragão a sangue frio. Nisso, ocorreu um brilho, e alguém caiu na frente dele. Draco arregalou os olhos, mas logo sua expressão mudou para raiva. Parecido com seu avô, porém com cabelos ruivos, estava ali, na sua frente, Kyousuke, com uma expressão de quem não queria nada ali.

—Até que fim deixaram Crocus bonita… Sangue, dor e desespero… Tudo que eu mais gosto – Disse Kyousuke com um sorriso maldoso surgindo em seu rosto. Nisso, ele olhou para Draco, e seu sorriso aumentou mais ainda. – Isso… Achei você, meu sobrinho… Agora que te achei, vou terminar o que comecei naquela dimensão. A propósito, sua tia que te odiava está morta agora. Parece que o meu mestre perdeu o interesse naquela lá.

Draco sentiu o ódio subir a sua cabeça, fazendo ele ficar de pé. Ele rosnou, enquanto olhava com fúria para Kyousuke.

—VOCÊ MATOU MINHA FAMILIA! EU VOU TE MATAR AGORA! – Gritou, correndo na direção de Kyousuke, enquanto virava Super Saiyajin. Tentou dar um soco em Kyouske, porém o ruivo apenas desviou.

—Ops… Esqueci de dizer que eu não sou aquele Kyousuke. Embora aquele lá fosse bem fraco, para ser morto pelo seu pai. – Disse o ruivo, com um sorriso maldoso. – Mas descontei isso matando sua tia. Claro que brinquei um pouco com ela, se é que me entende.

—SEU DESGRAÇADO! – Gritou, lançando uma rajada de energia direta em Kyousuke, gerando uma explosão logo em seguida. Quando a poeira da explosão baixou, Kyouske não tinha um único arranhão. Draco foi se afastar, para tentar um novo ataque, porém sentiu o punho de Kyousuke atravessar seu peito. Seus cabelos caíram, voltando ao tom de azul. Ele cuspiu sangue, e logo após isso, Kyousuke o chutou na direção em que Haru estava, com o garoto caindo ao lado dela. Nisso Kyousuke olhou com um olhar lascivo na direção dela.

—Veja só se não vou poder ter duas Haru’s para mim hoje… - Comentou ele, com um sorriso igualmente lascivo como seus olhos. A garota não podia se defender. Por sorte, por ter o sangue de Wendy, as feridas dela estavam se curando lentamente. Nesse momento, um clarão dourado surgiu cegando os dois ali. Ao olharem para o lado da Haru, estava Katsu olhando para Kyousuke com fúria.

—Deixe a Haru em paz. – Disse o a garoto, com seus cabelos ficando loiros, enquanto as retinas antes brancas estavam verdes. – DEIXE ELA EM PAZ!

Longe dali Natsu olhava para um ser igual a ele. Com diferença que metade de seu corpo era completamente negro. Seus olhos eram dourados, e tinham chifres saindo de sua cabeça. Natsu rosnou para o outro, que riu ao ouvir isso.

—Ainda com esses hábitos antigos? Fingindo ser um dragão, sabendo que não é um mero Dragão? – Questionou E.N.D, com um sorriso maldoso no rosto. Seus dentes eram pontiagudos, e suas chamas eram vermelhas. – Logo se tornará como eu. Poderoso, e terá tudo aos seus pés. Mulheres… Dinheiros… Terá Fiore aos seus pés. E também… Aquela que você ama em segredo…

—Cale a boca – Rosnou Natsu, com seus punhos ficando rodeados de chamas. A temperatura naquele ponto aumentou a de tal forma que somente eles poderiam ficar ali.

—Se você se entregar ao seu lado negro… Terá aquela garota para você quando quiser…

—EU MANDEI CALAR A PORRA DA BOCA! – Gritou Natsu voando velozmente, e dando um forte soco em E.N.D que foi jogado para trás. O demônio sorriu, e devolveu o soco, com o punho rodeado em chamas. Natsu desviou, e acertou a lateral do rosto dele com um chute flamejante, jogando o oponente para o chão. – Eu sei… Que mesmo que eu seja companheiro de uma outra… Eu também amo a Yukino… E não existe outra dela aqui! Então NÃO OUSE FALAR DELA SEU MALDITO!

 Natsu deu outro soco em E.N.D, que foi jogado contra o chão, vomitando um pouco de sangue. O demônio pareceu perder a paciência, e voltou a ficar de pé, se preparando para atacar. Porém, foi impedido por Kyousuke, que pousou ali. O ruivo estava com marcas de quem havia apanhado um pouco, e parecia furioso.

—Vamos embora. Nosso serviço acabou por enquanto. – Disse, olhando para E.N.D que ficou com raiva. O rosado não questionou, apenas esperou o portal ser aberto por Kyousuke e entrou dentro, junto do garoto.

—Eu vou voltar, Natsu… E vou estar com – Ele disse o nome da garota lentamente, para fúria de Natsu, que rosnou enquanto encarava o chão. Assim como Katsu, ele tinha mais de uma companheira.

Haru foi até Draco, se arrastando um pouco. Katsu havia sumido, após começar a lutar com Kyousuke, sendo que ambos fugiram do alcance da visão dela. Seus ferimentos estavam um pouco melhores, graças a sua regeneração. Nisso, ela notou que Draco estava respirando, sendo que estava quase para morrer ela começou a curar ele, porém, ele bateu na mão dela, fazendo ela parar.

—N-não me cure… Haru-oba… - Murmurou ele. A garota começou a chorar.

—Droga Draco! Eu preciso te salvar! Foi culpa minha tudo o que você passou…  - Disse ela, chorando.

O garoto nega com a cabeça, enquanto mais sangue saia de sua boca. Ele entreabriu os olhos para Haru, sendo que sorria para ela. A garota não entendia por que ele estava sorrindo, mesmo dando seus últimos suspiros.

—F-foi culpa do Demigra… Não sua… Ele… Fez… Aquilo com você… - Disse o jovem.

“Ele está me confundindo com a Haru de lá” Pensou a morena, enquanto colocou a cabeça dele no colo dela.

—Draco… Eu… Devia ter te protegido… Eu… - A voz dela falhou devido ao choro. Nisso, sentiu a mão do sobrinho em seu rosto. – Fiquei com medo! Com medo de homens!

—Você… Obrigado, tia… Mesmo não sendo ela… Agora eu sei o que… Ela pensava… - Disse ele, dando seu último suspiro, e fechando os olhos de uma vez. Seu peito parou de subir e descer. Draco tinha entrado em óbito. Ela colocou a cabeça dele no chão lentamente, enquanto se afastava do corpo de Shirou e o do sobrinho.

Quando ia se afastar mais um pouco, Katsu veio andando até ela. O garoto tinha ferimentos por todo o corpo. Ela correu até ele. Ele andou um pouco até cair, porém, ela o segurou. Mais uma vez, Katsu ficou com o rosto nos seios da tia.

—Colocou a cabeça aí de novo… Urso pevertido… - Disse ela, acariciando a cabeça dele. Haru sabia que ainda era pequena. Não tinha seios grandes, mas parecia que Katsu gostava de ficar ali. Embora ela pudesse competir com Cherria com o tamanho deles – A Kaze vai me matar… Mas…

—Tia… Você parece a mãe da Kaze-chan… - Disse Katsu, cuspindo um pouco de sangue depois dessa fala. A morena olhou em volta desesperada, até achar uma casa.

Deixando de lado que era incrível que a mesma tivesse ficado de pé depois de tanta luta, se levantou com o garoto. Levou Katsu para lá. Ao contrário de Wendy, ela precisava fazer um contato corporal com a pessoa que iria curar. O azulado precisa de tratamento, pois muitas das feridas eram sérias. Ela entrou dentro da casa, e procurou nos cômodos, até achar uma cama em um dos quartos. Nisso, deitou Katsu na cama, tirando a roupa dele, enquanto tirou a própria. Ela subiu na cama, ficando sobre ele.

—Tia Haru? – Questionou ele, com os olhos ainda entreabertos. – O que está acontecendo?

—Fica quieto… Eu preciso te curar… Urso baka… - Comentou ela, o beijando em seguida. –S-só faça o que a tia mandar, tudo bem?

Katsu assente sem entender nada.

—Tia Haru está tudo bem? – Questionou Katsu, enquanto eles saiam da casa, a morena estava corada ao extremo.

Eles chegaram onde estava os corpos de Draco e Shirou. Mavis e Ichigo estavam chorando sobre o corpo do filho, enquanto Ash cobria o de Shirou com um tecido negro. Lagrimas desceram de seu rosto. Katsu olhava para ela. Nisso, ela olhou para o lado, e notou que havia uma pelúcia de um urso dourado. A pelúcia estava estranhamente limpa, e brilhava um pouco. Ela pegou a pelúcia.

—Está tudo bem… Ursinho…

 “Desculpe Shirou… Eu… Nem te dei meu primeiro beijo… Nem tivemos filhotes juntos… Eu sou uma idiota…” Pensou ela, derramando uma lagrima.

Draco despertou num local diferente de onde estava. Desta vez estava num vasto campo, onde o sol brilhava fortemente no céu azul. O garoto se levantou, e olhou em si, vendo que não tinha mais ferimentos em seu corpo. As que foram de seu avô um dia estavam perfeitas de novo. Nisso, ele ouviu alguém o chamando. Quando olhou para frente, uma lagrima desceu de seu olho.

A Fairy Tail de sua dimensão estava ali, com todos vivos, e ela inteira de novo. Nisso, Haru correu até ele, com Cana, Ichigo e Mavis atrás dela. A morena abraçou ele com força, para a surpresa dele.

—Estávamos preocupados com você! Seu baka! – Ela o beijou em seguida, para deixa-lo ainda mais surpreso. Após ela desgrudar dos lábios dele, Cana e seus pais o abraçaram. Mavis sorriu para ele e disse:

—Vamos para casa! – Haru segurou uma das mãos dele, enquanto estava corada. Draco sorriu.

“Acho que agora sei porque eu gostava tanto de você, mesmo com tudo aquilo… Tia”

—Vamos! – Respondeu ele sorrindo.

Se passaram três dias desde a luta contra os dragões. Makarov havia proclamado luto de uma semana na guilda, pela morte de Draco e Shirou. Haru tinha se despedido de todos rapidamente, sem falar com Katsu, enquanto saiu correndo da guilda, sem nem olhar para trás. Aquilo deixou o azulado triste.

—A Tia Haru não gosta de mim? – Questionou, estando preso a forma de Golden Freddy de novo. Eram quase meia noite, por isso a maldição se ativara, o transformando. O grande urso azul se aproximou dele, com passos pesados. Os movimentos estavam mais humanos, talvez por haver uma alma ali.

—A Tia Haru está triste por causa do Tio Shirou, Kat-kun. – Disse o coelho, porém com a voz de Shinoa. O urso dourado apenas suspirou, enquanto se sentava num canto.

 Ele olhou para a janela, enquanto observava a lua cheia de onde estava. Sua cabeça não saia de sua tia, enquanto revia a cena dela correndo para longe dele.

Kazehana estava saindo da sala onde havia uma televisão, sendo que ela e Mirajane tinham assistido a mais um capítulo de uma novela juntas. A pequena estava indo para a sala onde as crianças ficavam, para poder encontrar com Katsu e os outros por lá. Para isso, ela precisava passar pelo quarto dos pais.

Ao passar em frente a ele, viu que a porta estava entreaberta, e curiosamente, ela olhou para dentro do quarto.

—Ash! Como pode ser assim? A Haru está mal por causa do Shirou e do Draco os dois morreram na frente dela e você dia para deixarmos ela sozinha!? – Questiono Wendy, falando num tom alto que Kazehana nunca tinha ouvido de sua mãe. Nisso, Ash que estava de costas para ela se virou repentinamente.

—Dê um tempo para ela Wendy! Caramba, ela ainda está confusa, para que vamos forçar ela? Só para deixar ela mais confusa e com raiva da gente para ajudar! QUER QUE DEMIGRA PEGUE ELA!? - Ash ficou mais exaltado na última frase, assustando a pequena que se afastou um pouco da porta.

—SE NÃO AJUDARMOS ELA, AÍ SIM DEMIGRA VAI PEGAR ELA! – Gritou Wendy de volta, sendo que uma revoada de vento surgiu no quarto. Wendy gritou algo, porém Kazehana só ouviu apenas metade. - … DAR UM TEMPO!

Os olhinhos da pequena se encheram de lagrimas, e ela saiu dali correndo, sem que Ash ou Wendy notassem que ela tinha assistido a discussão.

“Papai e mamãe vão se separar igual a novela da tia Mira! E vão deixar a Kaze de lado! ” Pensou ela, chegando a sala de brinquedos. Ao chegar lá, viu Golden Freddy sentado ao lado de uma janela, enquanto olhava para fora dela. A albina correu até ele, e o abraçou, não se importando se o pelo dourado grudaria na sua roupa.

—Kaze? O que houve? – Questionou ele, notando que ela estava chorando. – O que aconteceu?

—Vamos embora daqui Kat-kun! A Kaze não quer mais ficar aqui! Não quer! – Disse ela, ficando de pé, e puxando o urso pelo braço. Ele não disse nada, apenas saiu correndo, sendo puxado por ela. Eles saíram do hotel sem que ninguém notasse, sendo que correram pelas ruas da semidestruída Crocus.

No quarto de Ash e Wendy, ambos estavam sentados na cama um de costas para outro, como se fossem crianças teimosas, que se recusavam em fazer as pazes.

—Hey – Ash a chamou.

—O que foi?

—Acho que exageramos. – Disse ele. – Vamos falar com a Haru depois.

—Tudo bem… Meu coração de mãe não me deixava descansar depois de ver ela sair correndo. – Respondeu Wendy, se virando para Ash. – Então… Que tal fazermos as pazes?

Ela olhou para a cama, com um sorriso travesso no rosto. Ash apenas sorriu, e foi se aproximando de Wendy. Quando iam se beijar, alguém empurra a porta do quarto deles com tudo. Eles olham, e veem Shinoa, na forma humana com as orelhas azuis do Bonnie na cabeça.

—A KAZE-CHAN E O KAT-KUN SUMIRAM!

Kazehana e Katsu estavam num morro, que ficava um pouco fora dos limites da cidade. O morro era um pouco mais alto que Crocus, mas era possível ver a cidade toda dali de cima. Os dois estavam sentados próximos a uma pedra. Katsu tinha voltado a forma humana, com as orelhas de urso douradas na cabeça.

—Seus pais vão se separar?

A pequena raposinha apenas assente com cabeça, olhando para o chão, enquanto abraçava os joelhos.

—Acho que sim. Minha mãe disse alguma coisa sobre dar um tempo… - Disse ela, triste. O garoto abraçou ela, enquanto pensava numa forma de impedir Ash e Wendy de se separarem. Eles ouvem o barulho de alguém se aproximando. Quando olham para trás, veem Haru com uma mochila nas costas. Ao ver ela, Kazehana, sem dizer nada, corre até ela e a abraça.

—Kaze? Kat? O que está acontecendo aqui?

Nisso lhe é explicado o motivo deles estarem ali, o que deixou a morena surpresa. Ela acariciou a cabeça de Kazehana, que olha para a irmã mais velha com os olhos cheios de lagrimas.

—Deve ser só um mal-entendido. – Disse ela. – Vamos voltar para o hotel, eles devem estar preocupados.

No hotel, todos já haviam procurado Kazehana e Katsu por todos os lugares, e haviam voltado para fazer uma pausa. Yuko estava desesperada, enquanto Nero tentava consolar ela.

—Será… Que eles foram pegos igual naquela vez? – Questionou Yuko, sendo que isso chamou a atenção de Ash e Wendy.

—Não… Minha bebezinha…  - Wendy caiu aos prantos de novo, enquanto Ash começava a levar a possibilidade a sério. Por eles demorarem da última vez, as crianças foram mortas. Ele não permitiria isso de novo.

—Vou ir atrás deles mais uma vez. – Disse o moreno, ficando de pé. – Se voar, devo achar eles rapidamente.

Antes que pudesse sair, a porta do hotel é aberta, e Kazehana, Katsu e Haru entram no local. Wendy e Yuko correm e abraçam as crianças.

—Porque fizeram isso? Deram um susto enorme na gente! – Exclamou Wendy, apertando a filha num abraço.

—Parece que ela ouviu uma discussão sua e do papai, e ela achou que vocês fossem se separar. Por isso fugiu com Katsu. Encontrei eles num morro ali atrás. – Disse ela.

—Isso é verdade, Kaze? – Questionou Ash, olhando para ela. A albina assente, e logo os dois a abraçam. – Sua mãe e eu nunca vamos nos separar, filha. E Haru? O que faz aqui?

Nisso, ele notou que o símbolo da Mermaid Hell havia sumido do braço da filha.

—E-eu quero entrar na Fairy Tail! – Exclamou ela, deixando todos em silêncio. Nisso, Katsu abraçou ela.

—Vai ficar comigo então, Haru-neesama? – Questionou ele. A garota assentiu, acariciando a cabeça dele com um sorriso. Nisso, Mirajane havia colocado o monshou da guilda no braço dela. Yuko olhou para Katsu com um sorriso e questionou:

—Porquê neesama, filho?

—Foi assim que a Haru-neesama pediu para chamar ela quando me ensinou a fazer filhotes. – Disse ele. Após isso, um silêncio constrangedor surgiu. Haru gelou.

—Katsu! Era segredo! – Gritou ela. O garoto colocou as mãos na boca ao notar que tinha falado demais. – O que eu faço agora…?

—Eu sugiro que corra, mais corra muito. – Disse Yuko, com uma veia na testa. – SUA DRAGOA PEVERTIDA! COMO OUSA DESINOCENTAR MEU BEBE!?

Haru sai correndo com Yuko atrás dela, e Katsu tentando segurar a mãe. Nero olha para Natsu e comenta:

—Bateu um orgulho do meu filhote agora…

—Meu sobrinho é foda!

—Calem a boca… Esse urso pervertido desinocentou minha pequena Haru… - Comentou Ash, sombrio com uma aura negra em torno de si. Por enquanto tudo estava bem entre eles.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...