História Guerra de corações. - Capítulo 28


Escrita por: ~ e ~Sweet_LoveSZ

Postado
Categorias Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Magnus Bane, Personagens Originais, Raphael Santiago, Simon Lewis
Visualizações 11
Palavras 2.643
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey, pessoas. Olha quem voltou, exatamente, eu. Não morri não. Desculpe pela demora pra postar. Ao longo do caminho escrevendo essa fic nós saímos muito dos trilhos, agora esta tudo ocorrendo como planejado. Estamos trabalhando em postar capítulos maiores. Quis fazer um pouco de drama nesse capítulo. Sabemos que a Sweet que é a semente da discórdia e sempre ferra com nossos shipps, mas desta vez fui eu. Sorry, love vcs. Até lá embaixo.

Capítulo 28 - Estava tudo bem até que... Adeus


Fanfic / Fanfiction Guerra de corações. - Capítulo 28 - Estava tudo bem até que... Adeus

Pov Simon

-O que ele está fazendo aqui?

Foi o que Raphael disse ao ver o pai, confesso que esperava um sorriso pelo menos.

-Oi filho. Quanto tempo

Senhor Santiago respondeu isso, talvez fosse melhor ter ficado quieto.

-Rapha eu o chamei aqui quando você...sabe -Engasguei com as palavras, como dizer ao seu namorado de forma gentil "O chamei aqui quando você entrou em coma à 6 meses", não acho um jeito bom de dizer isso - sofreu o acidente

-Por que o chamou? -Raphael questionou aparentando estar irritado.

-Ele é seu pai, tinha que saber o que houve.

Respondi de forma tranquila esperando que o senhor Santiago usasse isso para se desculpar, e dizer o que tinha dito a mim quando os médicos sugeriram desligar a máquina, mas não foi isso que ele fez, ele ficou calado, observando.

-Ele não fez um bom trabalho como pai, não merece esse título.

Rapha elevou um pouco a voz, fazendo eu me assustar com tal atitude.

-Os senhores terão que sair, preciso examinar o paciente.

A médica se pronunciou

Salvo pelo gongo, estava prestes a presenciar uma discussão entre eles.

-Certo -Disse a ela -Te vejo mais tarde. Fique bem.

Depositei um beijo em sua testa e sai acompanhado do Sr. Santiago, para deixar a equipe médica trabalhar. Coisa que eles não queriam fazer antes.

━━━━━━•✿•━━━━━━━━━━━━•✿•━━━━━━

Pov Alec

Eu e Magnus estávamos chegando na minha casa quando ouvimos uma discussão entre minha mãe e Daniel, sabendo do que Daniel é capaz corremos para ver o que estava acontecendo.

Ao entrar pude ver Daniel dando um tapa na cara de minha mãe. O sangue ferveu em minhas veias, me aproximei rapidamente e o joguei para longe dela, ele caiu em cima da mesinha de vidro que quebrou com o impacto,  ele se levantou e me encarou, sua face estava ensanguentada, Ele cambaleou para trás, mal conseguia ficar de pé, estava totalmente fora de si, não que sóbrio ele fosse uma boa pessoa.

- Fora daqui! Não quero você aqui quando voltarmos.

Meu tom de voz foi alto e direto, se ele não saísse eu não seria a mesma pessoa naquele momento

Volto a atenção a minha mãe que estava sentada no chão, ao lado dela Estava Magnus ajoelhado vendo se ela estava bem. Ajudei ela a levantar, Mag me olhou e suspirou fundo, ele não sabia o que dizer. E aparentemente nem eu.

-Mãe, esta tudo bem?

-Sim, filho. Não se preocupe

-Não me preocupar? Me diz, por que você esta com ele?

-Não sei responder a essa pergunta, querido.

-Por que ele fez isso?

A confrontei, não poderia deixar ele passar impune. Por mais que odiasse admitir isso, ele só faria isso se tivesse um motivo. É posso jurar ter ouvido eles falarem sobre o Sr. Santiago

-Ele pensou que eu estava o traindo com o Michael.

-Michael? Tipo Michael Santiago? O pai do Rapha? Por que ele acharia isso?

Magnus se pronunciou e por um momento eu pensei em contar pra minha mãe que Magnus sabia de tudo o que passamos com o Daniel, mas optei por ver onde essa conversa nos levaria.

-Eu estava conversando com o Sr. Santiago sobre o estado de Raphael, como você sabe eu estava tratando dele...

-Porque eu pedi... -Minha voz saiu mais baixa do que eu imaginava.

Abaixei a cabeça, talvez isso tudo fosse culpa minha, se eu não tivesse pedido à minha mãe que trocasse de lugar com a outra enfermeira só para me informar sobre o Rapha isso talvez não teria acontecido. Acho que fui muito egoísta em relação a isso

-Hey, filho. -Ela disse levantando meu rosto, fazendo que meus olhos esverdeados se encontrassem com os olhos cor de mel dela.

-Não foi sua culpa. Eu te conheço e sei que esta se culpando, mas o que você fez pro seu amigo, e pra mim aqui, só prova que você é mais que especial. Você é meu garotinho.

Sorri meio de lado, minhas bochechas ficaram coradas, provavelmente por ela ter dito "Você é meu garotinho" na frente do Magnus. Ela me chamava assim quando eu tinha 9 anos, me chamar assim agora é um pouco constrangedor, mas confesso que eu gostei. Sinto uma proximidade maior entre nós, como se velhos hábitos estivessem voltando a tona.

~♡~

Magnus esta deitado em meus braços enquanto esperamos minha mãe se arrumar. Iremos passar o natal na casa do Magnus, com a família dele e nossos amigos.

- Alec, você esta bem? Digo, com tudo o que aconteceu.

Magnus quebrou o silêncio que ali habitava.

Não sabia se eu estava bem, eu estava calmo agora, ali naquele momento em que estamos deitados no sofá, havia paz. Mas, tecnicamente, minha mãe e Daniel não terminaram, isso significa que ele ainda voltará. E não pretendo estar aqui com minha mãe quando isso acontecer

Quando estava prestes a responder algo, minha mãe desce as escadas e para no último degrau, ela nos encara e sorri. Ela vestia um vestido branco de rendas com brilho em dourado, o vestia era longo, e nos pés ela usava uma sandália branca.

-Filho, se não tiver problema eu pretendo passar o natal com uma amiga.

-Ta falando igual a uma adolescente.

-Tem razão, não preciso da sua permissão

Nós três rimos. Magnus a olha e diz

-Eu cuidarei bem do Alec.

-Não preciso de babá.

Digo e voltamos a rir.

Prezo por mais momentos assim.

-Então esta decidido. E meninos... -Seu rosto fica sério -Não façam nada que eu não faria.

-O que exatamente você não quer que nós façamos? -Magnus diz inocentemente e logo percebe do que se tratava. -Oh, entendi. Não precisa dizer.

Eu abri minha boca pra dizer algo, mas eu não sabia o que dizer então apenas sorri e afundei minha cabeça no ombro do Magnus. Com certeza minhas bochechas estavam vermelhas.

"Meu Deus, que vergonha!"

-Certo, estou indo. Vejo vocês amanhã.

Ela disse e se retirou. Magnus e eu saímos logo em seguida.

━━━━━━•✿•━━━━━━━━━━━━•✿•━━━━━━

Pov Raphael

Eu e Simon passamos o dia conversando sobre as coisas que aconteceram enquanto eu estive... Fora.

-Vamos passar o natal na casa do Magnus hoje, tudo bem pra você? Ou prefere ir pra sua casa?

Pergunto pra Simon um tanto quanto preocupado com a resposta, eu queria que ele passasse o natal conosco, mas não queria que ele escolhesse entre sua família e eu.

-Minha mãe vai passar com uns amigos, então eu vou. Além do mais, vai ser nosso primeiro natal juntos.

Ele se aproxima e me beija. Um beijo calmo e com paixão. Ele se afasta e volta a arrumar o quarto dele.

-Certeza que não quer ajuda? Isso ta um lixão, Si.

Ofereço minha ajuda pela milésima vez. Provavelmente ele vai responder a mesma coisa que antes. "Você precisa descansar'

-Rapha, não preciso de ajuda. Eu baguncei eu arrumo. Além do mais, você tem que descansar.

-Acho que seis meses já foram descanso o bastante.

Falo sorrindo e deito na cama dele.

-Arrumo isso depois.

Ele se deita ao meu lado e ficamos olhando o teto.

-Continua contando. Quero saber tudo que eu perdi.

-Bom, já contei que o Alec foi para o hospital por brigar com o padrasto?

-Sim, e eu perguntei por que ele brigou com padrasto.

-Verdade... Não falei muito com ele, mas foi o seguinte. Eu liguei pra casa dele pra contar o que tinha acontecido com você, o padrasto dele atendeu e disse que deixaria o recado falando pro Alec me ligar. Parece que quando o Alec chegou o padrasto dele começou a falar um monte de merda sobre nós sermos gays. O Alec falou que ele era um merda e mais um monte de coisa, o padrasto dele se irritou e quebrou uma garrafa de cerveja na cabeça do Alec.

-Meu Deus. Esse cara é louco.

-Pois é. O pior é quando ele bebi.

-Então foi por causa desse cara que o Alec foi morar com o Mag?

-Sim... Olha você, aprendendo rápido. Se fosse assim na escola tiraria ótimas notas

-Idiota.

Faço cara de irritado mas no final acabamos rindo.

Não consigo nem fingir que fico bravo com esse homem. Pareço um Bobô.

━━━━━━•✿•━━━━━━━━━━━━•✿•━━━━━━

Pov Autora

Estão todos reunidos na casa de Magnus, sentados à mesa. Conversando, rindo, lembrando das coisas que passaram, falando sobre o futuro entre outras coisas.

-Se eu explodir o banheiro público enquanto o Daniel usa, é crime?

Alec diz brincando igual aos outro, todos riem.

-Se você for pego, sim.

Simon fala, Alec para pra pensar e sorri.

-Vocês me dão cobertura?

Essa noite estava perfeita, estavam todos rindo e juntos.

-Sempre

Magnus diz e segura a mão de Alec que estava ao seu lado.

-Um brinde, a volta de Rapha e a novos começos.

Izzy levanta sua taça e todos fazem o mesmo

-A Rapha e a.novos começos

Todos dizem em um uníssono.

~♡~

Após jantarem, todos se reúnem na sala para abrir os presentes do amigo secreto que combinaram de fazer.

James é o primeiro

-Gente, eu ganhei um conjunto de anéis e uma carta mandando eu usar na mão direita. Eu acho que meu amigo secreto é Magnus.

Ele olha com esperança para todos esperando uma reação de alguém.

-Acertei? -Ele diz franzindo o cenho.

-Acertou!!

Magnus diz empolgado, levanta e abraça ele.

-Essa foi fácil!

Rapha falou rindo.

-Sua vez então, espertalhão.

Magnus diz direcionado ao Rapha.

-Então ta, vou provar como esse jogo é fácil.

Todos riram, ele se levantou e olhou todos.

-Eu ganhei uma camisa social, o clássico par de meias. Detalhe, estava escrito bordado na meia: Feliz natal, idiota. E eu também ganhei uma foto de mim mesmo dormindo na cama do hospital. Eu acho que meu amigo secreto é o Alec.

-Você tava babando cara.

Alec diz afirmando que Rapha acertou.

-Não tinha o direito de tirar uma foto minha babando.

-Estava hilário. -Si disse, fazendo com que o Rapha o encarasse incrédulo. Mas logo eles riram.

-Agora eu Vou. -Clary se levantou e tomou o lugar de Raphael na frente de todos

-Eu ganhei um caderno de desenho, tinta guache e um Pincel. E tinha um recado junto, dizendo: Desenhe seu melhor amigo mais lindo da sua vida. E atrás da carta uma flor bem mal desenhada. Por isso eu acho que meu amigo secreto é o Si.

-Acertou.

Disse o Simon.

-Minha flor estava linda, trabalhei muito nela.

-Tava igual a sua flor da terceira série, na exposição da escola.

-Foi uma dica.

Ele disse, mas todos sabiam que era só uma desculpa pra não assumir que ele não sabia desenhar uma flor.

-Minha vez

Jace se levantou e ficou de frente pra todos

-Eu ganhei uma corrente com uma cruz, uma bíblia com um recado: Você precisa de Jesus na vida, você parece o capeta, meu amigo. E carteira de couro, que é do gosto de uma certa pessoa que eu conheço bem

Todos riram do que estava escrito na carta.

Jace prosseguiu

-Meu amigo secreto é o Rapha, esse católico filho da mãe.

-Também te amo, amigo.

Rapha mandou beijinhos de um jeito que fez Jace se "irritar" e revirar os Olhos, ele se sentou para dar espaço para o próximo.

Magnus se levantou e foi no lugar de Jace.

-Bom, agora sou eu. Eu ganhei um anel prateado com as iniciais M.A.G. um cartão dizendo: M.A.G. significa: Melhor amigo gay. Isso foi bem importante já que eu não sabia o que era. Ganhei também um sobretudo roxo e preto com gliter. Tem ideia do que é isso, TINHA GLITER

Ele disse pulando de alegria e fazendo uma voz fina no "Tinha gliter".

-Meu amigo secreto é minha querida Isabelle, rainha de tudo. 

-Sim, essa sou eu.

Ela disse com aquele sorriso encantador e todos riram.

-Vai você agora, arrasadora.

Magnus se pronunciou em direção a Izzy

-Certo, agora eu.

Ela se posicionou no lugar em que todos estiveram antes.

-Eu ganhei um vestido preto chiquerimo. Sério ele é muito lindo. Ganhei uma bolsa vermelha, vermelho sangue muito linda. E um cartãozinho dizendo: Para minha princesa mais linda,  vestido digno de rainha gostosa. Confesso que fiquei um pouco corada em ler isso. Bom, eu acho que meu amigo secreto é o James.

-Errou, rainha gostosa.

Clary disse, e Izzy entendeu tudo.

-Foi você, sua vaca.

Ela disse sorrindo.

-Te enganei direitinho, Senhorita Isabelle.

Clary falou rindo

-Arrasou com a escolha do vestido, linda.

Izzy disse, Clary sorriu e todos estavam rindo.

-Fazer o que. Tenho bom gosto.

-Convencida.

Izzy sentou-se e Alec se levantou.

-Minha vez. Eu ganhei uma corrente com um pingente de um alce, uma jaqueta de couro e óculos escuro. Tinha um cartão escrito: Para meu viado favorito, te adoro, cara. Continue batendo em padrastos idiotas. Com toda certeza do mundo, posso afirmar que meu amigo secreto é o Jace.

-Você me conhece bem, cara. E aliás é um veado, não um alce.

Jace diz abraçando o amigo de lado e o acompanhando até o sofá, onde se sentaram e não pararam de rir, até que o Simon se levantou.

-Eu ganhei revistas em quadrinhos, que eu pensei estarem esgotadas por serem limitadas. Ganhei uma camiseta estampada de Star Wars, que eu adorei muito. Então eu acho que meu amigo secreto é o James, esse lindo e adorador de revistas em quadrinhos que eu amo muito.

-Acertou, eu sou incrível

Ele disse se gabando, todos voltaram a rir.

-Vamos assistir um filme de natal.

Clary sugeriu

-Isso é muito clichê

Disse Simon.

Alguém bateu na porta. Magnus levantou pra abrir.

-Olá, senhora Lightwood

-Magnus, pode chamar o Alec por favor

Magnus se assustou, tinha pavor em sua voz. Ela estava desesperada.

Ele chamou Alec, que apareceu rapidamente.

-Mãe? Esta tudo bem?

Ela tremia, mas não de frio, e sim de medo.

-Filho pode vir aqui um minutinho.

Eles foram para fora e fecharam a porta, Magnus entrou e foi pegar a sobremesa na geladeira.

-O que foi mãe?

-Temos que ir pra casa. Agora

-Me conta o que houve

-Não temos tempo, vamos agora.

Ela puxou ele, e começaram a andar  direção ao carro.

-Não vai me contar o que aconteceu?

-Te conto no carro, agora entra.

Ele obedeceu. Pegou o celular e mandou mensagem pro Magnus dizendo que já voltava, só tinha que resolver um problema.

No caminho sua mãe explicou o que aconteceu. Alec não conseguia acreditar no que ela dizia, era coisa de filme. Ele não  poderia estar vivendo aquilo.

Quando chegaram em casa, arrumaram as malas e as colocaram no carro.

-Mãe, tenho que falar com o Magnus.

-Filho não temos tempo.

-Eu preciso.

-Certo, te encontro no aeroporto

-Estarei lá, prometo.

Ela entrou no carro e dirigiu até que sumiu da vista de Alec.

Ele pegou um táxi e foi até a casa de seu amado

~♡~

-Como ass você tem que partir? Me conta o que houve

Magnus dizia com lágrimas nos olhos, Alec chorava também.

-Eu não quero ir, mas preciso.

-Só me diga o por que.

-Daniel

-O que tem ele?

- Ele ameaçou a mim e minha mãe, não podemos nem confiar na polícia. Ele tem infiltrados lá. Nós vamos morar com minha vó no Kansas.

-Então isso é um adeus?

-Sim, infelizmente. Vou sentir muito sua falta.

-Eu te amo

Magnus disse isso em meio a um abraço apertado.

-Também te amo.

Eles se afastaram, Alec viu que todos estavam atrás de Magnus.

Ele se aproximou deles chorando. Todos estavam triste.

-Abraço em grupo?

Izzy disse com um sorriso de lado.

Então foi feito, eles se abraçaram.

Quando se separaram Alec voltou ao táxi e acenou para os amigos. Eles acenaram de volta. Alec entrou no carro e seguiu caminho até o aeroporto.

~♡~

-Atenção senhores passageiros, última chamada para o vôo 36908, com destino a Lawrence, Kansas. Embarque na portão 37 ala A

-É o nosso... Vamos querido.

Pegamos nossas coisas e fomos.

Ao entrar no avião, nos ajeitamos nos acentos e após uns minutos e as instruções da aeromoça, sentimos o avião decolar.

Alec olha pela janela, e sem perceber deixa as lágrimas, que lutava para manter-las lá, descerem por suas bochechas. Ele nem se importa em limpar.


Continua...


Notas Finais


Foi isso, me desculpem qualquer erro, espero que tenham gostado. Comentem ai o que acharam. Meu core esta despedaçado💔💔 Mas foi um mal necessário. Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...