História Guerra dos Sobreviventes - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Mundo Apocalíptico, Romance
Visualizações 3
Palavras 1.501
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Survival, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Então meu povo,como esse é o capitulo a mais que prometi,bem,a história vai começar a tomar forma agr então é para aqueles que não droparam ela nos primeiros caps vão gostar,espero que gostem do cap,boa leitura.

Capítulo 6 - Capitulo 5


A menina de cabelos roxos me encarava furiosa enquanto eu apenas abria um sorriso cínico,não tinha muito oq ela fazer nessas condições,apenas continuei a prendendo contra a parede com a lâmina de aço que estava um pouco quente por conta da força dos golpes trocados tocasse o pescoço de Azura,a garota soltou um pequeno gemido...fiquei um pouco em dúvida se era dor ou prazer naquele momento,mas não era algo que importasse agora,eu olhei de canto para a mulher loira que tinha um sorriso convencido em seu rosto.

 

  -E então Azura? Meu reforço chegou,eu disse a você não disse?-ela virou a cabeça pra mim me olhando de cima,mesmo estando toda fodida e ainda por cima falou em tom autoritário- Vamos,me desamarre,agora!

 

Eu comecei a gargalhar ao ver o tom e o ar de superioridade que a tal Briene me olhava,pelo visto ela tinha um plano de fuga,se o tal reforço dela ia vir realmente provavelmente iria pegar a sobra do pequeno estrago que tinha feito lá fora

 

 -Quem pensa que é pra me mandar dessa maneira? Não sou reforço de ninguém,apenas vim pegar aquilo ali -apontei as mochilas com a cabeça- Além de velha é surda? Coitadinha,tão “jovial” pra estar desta forma,um dia com toda certeza você foi uma bela mulher,pena que o tempo passa pra todos -inclusive pra mim,já que eu estava perdendo um pouco meu reflexo,quase perdi a luta contra essa roxeada umas 3 vezes,bem,eu tinha que sair logo antes que viessem me procurar,eu olhei Azura dando um longo suspiro enquanto a soltava e continuava com a ponta da espada em sua garganta,alcancei uma algema perto de mim e a fiz se virar enquanto eu a prendia -Não é nada pessoal pirralha,mas sabe como é,tenho gente pra cuidar e muitas vidas nas costas,não posso simplesmente abandonar tudo chegando tão longe desse jeito,vc entende não é mesmo? -eu ri seco vendo como ela me encarava,segurei brevemente seu queixo com a mão- Que desperdício -dei de ombros pegando a espada dela do chão enquanto a loira ainda me olhava incrédulo,eu peguei uma das mochilas e coloquei ela nas costas,fui até Brienne e a libertei cortando com a espada de sua carcereira as algemas,mais uma vez ela me olhou sem acreditar- Não tenho nada contra você,ao que parece cometeu um crime,mas nenhum crime merece ser punido dessa forma -apontei para o rosto dela,a mesma simplesmente o escondeu e baixou a cabeça

 

  -Vou ficar lhe devendo uma...qual seu nome?

   -Me chamo Aspen,um prazer em conhecê-la Briene. -assim que terminei de falar eu comecei a ouvir uma agitação lá fora,olhei para a loira e mandei que corresse,por sorte ela tinha bastante energia ainda,minha situação estava se complicando mas não podia deixar minhas coisas por aqui para trás,eu tentei arrumar minhas coisas o mais rápido possível mas comecei a ouvir os tremores,suspirei pesadamente enquanto Azura começou a rir de mim,era passos,de vários inimigos,provavelmente a fuga de Brienne combinado aos corpos os alertou e eles correram pra ver a sua parceira,quando vi dezenas de homens se amontoavam à minha frente,larguei a mochila no chão vendo pistolas e arcos sendo apontado pra mim,ergui as mãos na altura da cabeça- Se eu disser aos senhores que estava passando por aqui quando tudo aconteceu vocês acreditariam? -sorri irônico,ninguém respondeu,um homem passou por mim e pude ouvir as algemas que coloquei na mulher atrás de mim foram soltas,um dos que estavam à minha frente apontou com a cabeça na minha direção,eu me virei e só pude ver o cabo da espada vindo em meu rosto,tudo escureceu e eu cai desmaiado no chão...minha missão tinha falhado


 

                                                  *  * *

 

Ahhhh,eu acordei,não sei quanto tempo depois,minha cabeça ainda girava,aquela desgraçada batia forte,enquanto minha visão ainda clareava eu pude ver que estava diante de uma mesa grande de madeira,tentei me mover mas estava amarrado,braços,pernas,e o restante do corpo,a minha frente tinha um prato,arroz,frango e algumas batatas- Que merda é essa? -disse quando minha cabeça parava de girar,ergui minha cabeça não vendo ninguém,mas comecei a ouvir barulhos metálicos,olhei para a minha direita e vi Azura comendo o mesmo que eu...porque ela estava ali? A azulada olhou pra mim erguendo a cabeça e me encarando,levantei uma sobrancelha não entendendo bem ainda o motivo de estarmos ali,até que uma voz grossa porém que aparentava ser um pouco...velha? Virei minha cabeça mais uma vez e cerrei os punhos ao ver o homem,mais de 20 anos se passaram,mas eu jamais poderia esquecer...era ele,o homem que assassinou meus pais na minha frente,aquela visão começou a voltar e passar diante de meus olhos,estava hiperventilando e queria me soltar daquelas amarras,o senhor sorriu parando de comer.

 

  -Vejo que acordou senhor Aspen,líder dos Guardiões das Sombras...vejo que também me reconhece...eu ainda lembro de você -ele começou a gargalhar sorrindo maldosamente- Seus pais foram os primeiros,fazer o que se eles resistiram a mim,não tenho culpa -ele disse pondo um pouco de arroz e batata na boca- Sabe,eu sempre pensei o que teria acontecido com você -ele apontou com o garfo pra mim- Imagine só,a minha surpresa ao saber que aquela criança se tornou um homem,um muito poderoso e influente na Europa -ele repousou o talher no prato batendo palmas- Foi realmente um grande feito...porém senhor Aspen,apesar do meu grande respeito por você -ele tornou sua expressão séria e se levantou- Isso não lhe dá o direito de vir ao meu território e roubar bem debaixo do meu nariz!

 

Eu respirei fundo,parei de hiperventilar e parei de tentar me soltar,olhei para o homem falando sério- Razar…,é não deveria ter vindo ao seu território e roubar de seus equipamentos,assim como você não deveria matar os pais de uma criança de 10 anos de idade bem na frente dela! Mas tudo bem,são as coisas da vida não é mesmo? -ri seco e abri um sorriso irônico- Já que aconteceu qual vai ser minha punição? Se me lembro bem vocês da Império do Mal adoram usar leis e outras coisas do medievalismo e do feudalismo estou correto? Pois bem,e ai? O que vai ser? Cortar minha mão,meu braço,me enforcar,cortar outra coisa...ou vai me matar?

 

   - Não irei fazer nada disso. - Razar disse calmamente, me olhando e se inclinando um pouco, para ficar mais próximo de mim, então sorriu enquanto apontava com a cabeça em direção a Azura- Linda, não acha?

Ah! Claro, como se eu fosse responder a ele. Mas, sim, ela era linda. Ele continuou sorrindo ao perceber meu silêncio, começando a caminhar calmamente ao nosso redor.

- Azura é minha filha. Sabe, Aspen, eu estou ficando velho como bem pode perceber. Perco minhas forças e influências a cada dia que passa, preciso garantir que minha herança sobreviva. Aliás... - ele parou, me encarando - A mulher que você libertou tentou me assassinar por discordar de meus ideais como líder. - Razar deu mais alguns passos, parando atrás de Azura. Começou a acariciar seus longos cabelos roxos enquanto ela nada dizia. Não parecia gostar daquela ideia, assim como eu não gostava. Razar continuou - Ela se tornará minha sucessora, aquela que terá o total poder sobre toda a guilda. Por esse mesmo motivo Azura, assim como eu, será perseguida e é jurada de morte por meus inimigos. Preciso assegurar que ela esteja protegida e que tenha logo um herdeiro para que assim meu sangue e meu nome seja eternamente respeitados. - ele abriu um sorriso malicioso enquanto Azura apertava os punhos, podia ver as veias tensas em seu pescoço - E é aí que você entra, Aspen.

Ergui os olhos para Razar que voltou a me encarar.

- Irá casar com Azura e protegê-la até que eu morra e Império do Mal esteja em suas mãos e que meus netos tenham crescido. Obviamente preciso de um homem honesto, alguém forte o suficiente para que possa aguentar esse cargo, quem melhor que um menino mirrado de dez anos que conseguiu sobreviver todos esses anos? É claro que em minha guilda não encontraria ninguém a seu nível e por isso mesmo nunca deixei Azura se relacionar com a ralé que me serve e como boa filha que é, jamais desobedeceu minhas ordens, não é mesmo, querida? - ele passou as pontas dos dedos no queixo dela, fazendo com que levantasse um pouco a cabeça para então desliza-los por uma cicatriz que havia ali. Não havia a notado antes.


 

 -Eu não tenho escolha não é?

 

 -Se você se recusar eu vou esmagar todos os que são importantes para você mais uma vez,vou me divertir esfolando cada um deles e os pendurando na porta de minha guilda,e vou fazer que observe tudo e quando achar que acabou eu vou dar seus amigos aos meus cães e em seguida vou te matar da forma mais fria que eu puder -ele abriu um sorriso- E então,meu futuro genro,aceita?

 

Eu estalei a língua cerrando os punhos e o olhei- Minha vontade é a de me levantar e matar você,meu futuro sogro,mas eu cumpro minhas palavras,e não vou deixar que meus amigos sejam massacrados por você e seus soldados...sim,eu aceito,vou me casar com Azura.

 


Notas Finais


Aguardem os proximos ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...