História Half Blond Talents - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Atena, Calipso, Charles "Charlie" Beckendorf, Chris Rodriguez, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Dionísio, Frank Zhang, Frank Zhang, Frederick Chase, Gleeson Hedge, Grover Underwood, Hazel Levesque, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Jason Grace, Jason Grace, Júniper, Leo Valdez, Luke Castellan, Nico di Angelo, Paul Blofis, Percy Jackson, Piper Mclean, Piper McLean, Poseidon, Rachel Elizabeth Dare, Sally Jackson, Silena Beauregard, Thalia Grace, Travis Stoll, Treinador Gleeson Hedge, Tyson, Will Solace, Zeus
Tags Annabeth, Hdo, Heróis Do Olimpo, Nico, Percabeth, Percy Jackson, Pjo, Thalia, Thalico
Visualizações 282
Palavras 2.285
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Festa, Hentai, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Voltei... antes e ainda com a batalha de raps... lembrando que ainda temos o cap de sexta!

GENTE... EU ESQUECI UMA COISA MUITO IMPORTANTE E VOLTEI EDITAR AS NOTAS DO AUTOR!
esse cap é para ~anaahsorry69, que me pediu com tanto carinho q eu ñ resisti e postei antes!

Aproveitem

Capítulo 19 - Conquista


POV Percy.

Eu estava ali, ajoelhado diante dela, e  a mercê dela. Expressar meus sentimentos foi difícil, principalmente diante da plateia que eram meus colegas, e incredulidade e surpresa eram expressões constantes que passavam o rosto da sabidinha; e minha autoconfiança foi ao Tártaro quando sua expressão virou um pouco triste e ela pôs as mãos nos meus ombros me erguendo.

Obedeci e fiquei diante dela, todos olhavam atentamente aquele casal curioso em cima de uma mesa, e até estranhei que nenhum professor veio parar minha pequena loucura. Meus batimentos que se pararam e eu gelei; o medo de levar o único e maior fora da minha vida era eminente.

- Annabeth. – chamei na intenção de dizer que foi uma loucura e me desculpar; idiotice pensar que ela iria querer um babaca egocêntrico como eu.

- Perceu. Só escuta. – murmurou e me encarou profundamente respirou e inspirou antes de começar.


Você não é o certo

Me quer de qualquer maneira

Garoto que se acha

Dono da escola inteira


Obsessão idiota

Já disse pra você

Foi lindo admito

Mas não posso compreender


Ela cantou um rap lindamente improvisado. Seu medo de mim e do que sentia era grande e perceptível nas palavras. O rap era lento como os do Hungria, e todos mundo me olhava abismado, respondi do único jeito que consegui.


Posso não ser o certo

Mas sim, quero você

Largo a popularidade

Se tiver chance de te ter


Não é passageiro

E eu posso provar

Eu me esforcei tanto

Deixe meu amor mostrar


As palavras que saíram eram completamente sinceras, e em certo ponto, como não havia rádio para a base de tão, os alunos acompanhavam com palmas, dando um ritmo meio lento. Girávamos na mesa, um de cada lado, como em uma batalha; eu iria para a esquerda e ela para a direita. E era a vez dela.


Por que logo por mim

Insiste em se apaixonar?

Pode ter qualquer garota

Não quero me enganar


Tenho fortes sentimentos

Por você não vou esconder

Minha cabeça fica inutil

Quando penso em você


Ela se sentia culpada, pelo menos foi o que captei na letra, não queria gostar de mim, mas não conseguia não gostar. Sorri antes de dar segmento.


Por que você é especial

Me faz querer mudar

Não quero outra garota

Pra você vou me declarar


Se tem fortes sentimentos

Não os oculte de mim

Esqueça o racional

Não vou mais ser assim


Eu gesticulava com as mãos e dava uma atuação sentimental a música que transmitia sem dificuldade meus sentimentos. Ela suspirou e prossegui parecendo menos insegura.


Quer saber a verdade?

Conseguiu me conquistar

Mas não posso admitir

Não quero me entregar


Se queria uma chance

Parabéns cê conseguiu

Com rap e seu jeitinho

Você me possuiu


Era tudo que eu precisava ouvir, ela gosta de mim e vai de dar uma chance. Meu sorriso se tornou largo e com muito sentimentos cantei os versos seguintes.


A verdade é um sonho

E você o paraíso

Não precisa ter medo

Vai estar segura comigo


Quero mais que uma chance

Mas ja é o suficiente

Ao provar meus sentimentos

Vou mudar a sua mente


Ela também sorriu e vi ao longe e com pouca atenção nossos amigos fazendo corações com as mãos. O verso que se seguiu na voz de Annabeth fez a felicidade que já era grande explodir dentro de mim.


Não posso evitar

Mesmo que eu tente

Basta você aparecer

Que bagunça minha mente


Essa declaração

Veio de modo inesperado

Mas foi muito bem aceita

Quero estar ao seu lado


Dei seguimento a nossa pequena batalha, mas desta vez me aproximando e quase colando nossos corpos.


Quando você está perto

Fico mais lerdo ainda

A boca fica seca

Só penso em como está linda


Essa declaração

Veio do meu coração

Se quer estar ao meu lado

Me farás feliz então


Ela corou antes de improvisar sua rima, novamente algo que amo nela, como é inocente a ponto de corar com vergonha.


Se diz que mudou

Eu posso acreditar

Confio o suficiente

Sei que não vai me enganar


Quero aceitar

Seu beijo é viciante

Quero ser sua namorada

De agora em diante.


Era isso! Ela aceitou! Ela disse sim! Sem me conter tomei seus lábios em um beijo casto, ela retribuiu ao som das palmas de todos presentes. Nos separamos sorrindo bobamente e eu finalizei nosso rap.


De toda minha vida

Esse é o melhor momento

Fale com os Deuses

Para eu parar no tempo


Olhei ameaçadoramente para todos os garotos antes de prosseguir.


Agora que todos sabem

Ela é minha namorada

Quem chegar perto dela

Eu mato com uma facada


Risadinhas nervosas foram ouvidas por todos os cantos e Annabeth me deu um tapa no peito de modo repreensivo. Annabeth me olhou dura e cantou novamente, não lento como nosso rap romântico de segundos atrás, mas rápido.


Não seja ciumento

Não pertenço a você

Mesmo sendo sua namorada

O que eu quiser eu vou fazer


Respondi com um sorriso brincalhão e dei um fim nisso.


Sei que é independe

que pode se defender

Mas ciúmes não é crime

Me deixe te proteger


Ela sorriu e balançou a cabeça negativamente; lhe dei um selinho e o refeitório explodiu em novas palmas.

Eu era só sorrisos, não conseguia parar de sorrir, ela tinha aceitado, e de lavada tínhamos dado um show e mostrado quem manda nas aulas de canto e improviso da Half. Com um pulo eu desci da mesa, e estendi a mão para minha namorada; era tão bom dizer isso. Ela aceitou a mão corada por toda a atenção que nos era dedicada.

Gostaria de dizer que agora tivemos um almoço romântico, mas infelizmente... o sinal tocou. Bufei e fiz uma carinha triste, Annabeth riu de mim e me deu um selinho para “melhorar meu humor”. Na hora até que ajudou, mas foi só lembrar que teríamos artes cênicas que está alegria momentânea se esvaiu.

Chegamos a porta da sala de aula de mãos dadas. Estranho; namorávamos a nem uma hora e parecia muito comum andar assim com ela. Logo os assovios e palmas tomaram a sala.

- Isso ai cara! – exclamou Jason batendo palmas e logo em seguida Leo deu um daqueles assovios agudos que estouram nossos tímpanos.

- Meu Shipp favorito! – Piper gritou ao lado do Jason.

- Finalmente o Ariel se prendeu! – esse foi o Nico, mas ele logo se calou quando eu olhei malicioso para Thalia do outro lado da sala que se mantinha assoviando e batendo palmas.

- Beija! Beija! Beija! – Hazel puxou o coro e logo todos cantavam a mesma coisa.

- Que bagunça é essa?! – exclamou Deméter passando com uma pasta pela porta e encarando todos que ficaram mudos enraivecida.

- Percy e Annabeth se assumiram! – Thalia gritou em meio ao silêncio dos outros.

- Sério?! – a professora parecia mais surpresa que brava.

- Sim e estávamos fazendo um coro para eles se beijarem. – novamente Thalia respondeu. Arrisquei olhar para o lado e Annabeth estava tão vermelha que parecia uma pimentinha.

- Então continuem! Sabia que eles se amavam! – a professora exclamou animada deixando todos surpresos e Annabeth incrédula. 

- Beija! Beija! Beija! – o coro voltou, agora com apoio da professora. Olhei para Annabeth sugestivo e ela entendendo minhas intenções balançou freneticamente a cabeça em negação.

- Nem pense nisso cabeça de algas! – sua voz dizia que meu castigo seria péssimo se lhe contrariasse, mas se meu público pedia...

- É rápido Annie. Só para eles pararem. – expliquei e coloquei as mãos na sua cintura.

- Eu disse... – Não deixei que ela terminasse, joguei seu corpo relativamente pequeno comparado ao meu para meu lado e deixando deitada em meu colo e com uma perna erguida; logo em seguida a beijei, um beijo intenso e com direito e muita língua da minha parte apesar dela estar meio receosa. Cortamos o beijo. – Você não me ouve!

- Desculpe sabidinha, mas até a professora estava pedindo. – ela ficou emburradinha e entrou na sala me deixando na porta.

E aula passou e desta vez tentamos chorar, para mim foi fácil, já que a professora era uma shipper minha e da sabidinha ela fez questão que fizéssemos dupla. E quando eu não conseguia forçar um choro Annabeth ou me dava um chute ou dizia que por eu te-la beijado sem seu consentimento eu ficaria um mês sem um beijinho sequer e eu imediatamente começava a lacrimejar.

- Vamos Percy. – disse Annie me puxando para a aula de figurinista com a professora Íris. E eu fazia uma manha, sabe por que? Aposto que todos vão a lembrar do mico que Annabeth me fez pegar escolhendo minha roupa da última aula, e como eu já gostava dela escolhi uma roupa linda com bolinha azuis dos anos 60 o que foi meu maior erro, os outros caras ficaram babando mas pernas e decotes dela.

- Não sabidinha. – resmunguei me recusando a segui-la, eu sabia que ela amava quando eu a chamava de sabidinha, então eu iria usar isso ao meu favor.

- É uma aula importante Percy! E não adianta me chamar por apelidos carinhosos! – droga ela descobriu meu plano!

- Mas começamos a namorar a horas e nosso único beijo foi em público! – resmunguei, ela parou e cruzou os braços, o que fez seus seios fartos quase saltarem na minha cara; se concentra Perceu.

- É isso? – perguntou incrédula. Ela suspirou e fez a proposta. – se você se esforçar na aula podemos namorar a noite toda depois.

- Feito! – respondi e meus olhinhos brilharam. Ela sorriu do meu entusiasmado enquanto eu invertia as posições e a puxava para a sala. Me surpreendi em como ela me manipulava facilmente.

Novamente e aula foi naquela espécie de closet gigante com roupas de todas as épocas. Eu entrei quase saltitando de felicidade puxando a sabidinha.

- Boa tarde alunos. – a professora está animada, e veste um short com blusa soltinha, quase olho para suas cochas, mas lembro que agora tenho uma namorada e só posso olhar para as cochas dela. – ao inves de vestir um colega como na última aula, hoje vocês vão somente separar a roupa em um manequim, eu vou avaliar e depois sortear alguém da sala para vestir sua roupa.

Gostei... posso escolher uma roupa bem curta e ver uma das minha colegas gostosas... Para! Você tem namorada mente poluída! A professora pediu que formássemos dupla e eu corri meus olhos pela sala, obviamente procurando Annabeth, mas encontrei ela falando com um loiro bombado.

- Hey Annabeth. – disse chegando ao lado dela e passando os braços por seus ombros. – Vamos, temos que começar a separar nossa roupa.

- Percy o Will... – começou envergonhada e em tom de repreensão por eu não ter cumprimentado o loiro.

- Eai cara. – cumprimentei dando um sorriso curto que foi retribuído.

- Eai. – ele parecia desconfortável, também pudera, eu o encarava com um ciúmes capaz de fulmina-lo. – bom... tchau Annie, tenho aí ir atrás da minha dupla. – e assim ele saiu.

Olhei para minha loirinha e seus olhinhos se encontravam furiosos, enquanto seus braços se cruzaram e sua testa se franziu em raiva.

- Por que fez isso?! – disse descruzando os braços mas inda com cara de brava. Engoli em seco antes de responder.

- Por que... ele estava flertando com você! – disse também emburrado.

- Não! Estava me dando parabéns! – disse quase gritando. Me senti culpado, o cara vem dar parabéns e eu praticamente o chuto ele daqui.

- Desculpe. – murmurei baixo e coçando a nuca.

- Não vamos brigar na frente dos nossos colegas. Acabamos de começar a namorar e você já esta ciumento assim?... – ela suspirou – Vamos logo fazer a tarefa.

Eu me senti culpado a aula toda, pior do que ver Annabeth gritando e me batendo é ve-la triste, tenho que me desculpar com o loiro bombado, acho que ele se chama Will. A roupa que montamos era feminina, mas comportada, uma saia godê e um colam de manga longa preto, Annabeth tem bom gosto para roupas.

Adivinhem quem foi o sorteado para vestir nosso look? Leo Valdez! O que fez tudo ficar mais engraçado, ja que ele colocou saltos, rebolou e deu uma atuação a fantasia fazendo todos gargalhada.

Na saída da aula vi Annabeth, ela parecia envergonhada ao conversar com Will. Me aproximei e desta vez não toquei ela, apenas fiz um aceno, ela começou a prever tretas e tentou me afastar.

- Calma Annie. – disse e olhei para Will, Annabeth parecia apreensiva, - Desculpe cara. Sabe... começamos a namorar agora e eu fiquei com um pouquinho de ciúmes Por que você é forte, e bonito e... – eu iria continuar a ditar as qualidades daquele cara, mas uma mãozinha no meu peito me deteve.

- Deu Percy. Acho que ele entendeu e se você continuar eu vou acabar achando que você é gay. – advertiu Annabeth em tom divertido.

- Sem problemas cara. – disse sorrindo e eu suspirei aliviado, até sua expressão virar seria e dura. – Mas se magoar minha amiga... eu te jogo no tártaro. – acreditem ele poder ser bem assustador quando quer.

- Sim senhor. – bati uma continência de zuera, mas minha risada saiu nervosa mostrando medo. – enfim... tchau cara.

Ele acenou e foi para o outro lado do corredor, seguimos apenas Annabeth e eu, já que os outros não esperaram minha conversa com o loiro bombado. Sinto Annabeth enganchar seu braço no meu.

- Parabéns. – diz sorrindo e eu a olho.

- Obrigada. Mas pelo que?

- Admitir seus erros. – disse sorrindo e me deu um beijinho no rosto.

   Com Annabeth eu sei que vou mudar, está é a primeira prova, fiz isso só para agrada-lá. Mas agora... Eu tenho uma namorada que prometeu passar a noite comigo “namorando”.


Notas Finais


Bom... até sexta.
E você que ainda não viu, eu também postei Menina Má hoje!

Como me sai na Batalha de rap percabeth?!
Comentem e favoritem
Bjs e até sexta.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...