História Half human, Half demon - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), HyunA
Personagens HyunA, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Namjin
Exibições 14
Palavras 3.098
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi oi!! Cá estou eu com outro capítulo. Espero que gostem e nos vemos nas notas finais.

Capítulo 2 - Verdade


Fanfic / Fanfiction Half human, Half demon - Capítulo 2 - Verdade

Melanie me levou para o seu quarto e fez exatamente o que nossa mãe nos tinha ordenado. Estava com medo. Nunca tinha visto minha mãe naquele estado.  

-De quem é que a mãe estava falando?-perguntei agarrada ao corpo de minha irmã. 

-Eu não sei- ela suspirou.  

De repente ouvimos um estrondo vindo do andar de baixo. Comecei a tremer. Meu olhos ficaram marejados. Não me saía da cabeça o que poderia estar a acontecer lá em baixo.  

Meu corpo começou a ficar estranho e um tanto atrofiado. Minha cabeça começou a pesar. Alguém começou a bater em nossa porta. Comecei a chorar completamente assustada.  

-Está tudo bem, nós estamos seguras aqui- Natalie falou. Eu sentia que não estávamos seguras ali, nem um pouco. Sentia que a presença de algo mau.  

De repente, só vimos o armário recuar lentamente e a porta de abrir sem qualquer dificuldade.  Me encolhi assim que vi um homem loiro com uns olhos escuros e intensos  olhando  para nós com atenção. 

-Por favor, não nos faça mal- falei. Ele entrou no quarto e olhou em volta. Vi minha mãe mesmo atrás dele. Ela chorava.  

-Estava a ver que nunca mais a encontrava- ele falou andando pelo quarto e observando tudo.  

-Quem?- Melanie perguntou firmemente.  

-Vanessa, a minha filha- ele falou me encarando- Sinto que estás com medo meu amor, não precisa- riu fraco. Ele não era nosso pai. Nosso pai morreu á 6 anos. Era impossível. 

-Você não é nosso pai!- Melanie falou defensivamente. 

-Seu não sou. Seu pai morreu e está bem enterrado- riu- Apenas Vanessa é minha filha. 

-O quê?- falei completamente surpresa. Olhei para minha mãe e a mesma olhava para baixo como se sentisse culpa- Isto é verdade mãe?- perguntei. 

-É...-ela falou com a voz trêmula- Desculpe. 

-Como?-perguntei. 

-Sua mãe não me conseguiu resistir- riu. Seu riso era malévolo- O pai da sua irmã não era suficiente para ela, então assim que nos conhecemos, aconteceu.  

-Porquê que nunca me contou nada?-perguntei magoada.  

-Pedro não é uma boa pessoa, não acredite em tudo o que ele disser- ela falou chorando mais.  

-Eu não lhe poderia mentir, ela tem o meu sangue. Ela saberia se eu estivesse a mentir- ele falou seriamente. Eu estava tão confusa.  

-O que é que você está aqui a fazer? E porquê que só decidiu aparecer agora?-perguntei me endireitando. 

-Sua mãe fugiu de mim assim que engravidou- riu- Ela não veio para aqui por causa dos seus sonhos, ela só está aqui porque não queria que eu a encontrasse.  

-Questiono-me o porquê de ela não querer isso- falei seriamente. Por muito incrível que pareça, todo o medo que sentia desapareceu. 

-Isso você vai descobrir com o tempo. Eu só vim aqui para ver se você era real, mas não poderei ficar, infelizmente- sorriu de forma falsa- Eu deixarei minha morada com você e quando conseguir, ou precisar pode aparecer por lá- ele foi até mim e apenas me deu uma fotografia de uma casa preta no meio de uma floresta. Olhei para ele confusa. Como é que ele quer que eu saiba onde ele mora? Aquilo não tinha quaisquer informações, era apenas uma fotografia.  

-Como é suposto eu saber onde você mora? 

-Você saberá- ele falou seriamente- Bom, agora terei de ir. Foi bom conhecer você- ele aproximou-se e beijou minha testa. Uma onda de calor percorreu meu corpo me deixando desconfortável e dorida- Nos vemos daqui a pouco tempo- sorriu. 

-Eu acho que não- falei.  

-Eu sei que você não gosta de mim mas você vai precisar de mim mais tarde, e eu vou estar á sua espera- ele falou saindo do quarto. Minha mãe foi até mim e sentou-se á minha frente completamente aflita. 

-Desculpe minha filha, eu não o consegui impedir de entrar- falou desesperada. 

-Como é que você foi capaz de me esconder isto todo este tempo?-perguntei.  

-Eu tinha de a proteger- falou passando as mãos por meu rosto.  

-De quê? Porquê que você o teme tanto?-perguntei tentando entender. 

-Ele me seduziu e aproveitou-se de mim- ela falou chorando- Eu sofri muito nas mãos dele, eu nunca o amei, nunca gostei dele, nunca quis trair o pai de Natalie, mas foi algo que eu não consegui controlar.  

-Porquê que você fala como se ele conseguisse controlar sua mente, como se ele fosse superior a si?-perguntei. Ela suspirou. 

-Esqueça- ela cerrou o punho- Você só tem de me prometer uma coisa. 

-O quê?-perguntei cansada. 

-Você não pode ter qualquer contacto com seu pai. É muito perigoso, ele é perigoso. 

-Eu não pretendo falar com ele novamente- falei me levantando e saindo dali. Sentia-me tão baralhada. O medo de minha mãe me fazia confusão. Ela parecia esconder algo importante e aquele homem que dizia ser meu pai parecia trazer consigo um segredo que tanto ele como minha mãe sabiam.  

Deitei-me em minha cama e sem perceber adormeci, o que era normal pois tinha sido um dia cansativo. O pior é que acabei faltando à aula de piano. 

Acordei no dia seguinte com o barulho do despertador. Fiz minha rotina e quando estava pronta saí do quarto e fui tomar o pequeno almoço. Minha mãe ainda não estava acordada.  

Mais tarde, quando eu e Melanie íamos sair de casa, minha mãe nos interrompeu. 

-Ontem chegou uma carta  para você- ela falou me entregando um envelope bastante bonito. Estranhei mas peguei o mesmo de qualquer maneira e guardei na mala. 

-Obrigada- falei logo saindo de casa. Melanie me seguiu. Não estava com paciência para mais conversas com minha mãe.  

Já no caminho, tirei o envelope da mala e fiquei a olhar para o mesmo. 

-Não tem nome- falei. 

-Abra- minha irmã falou. Fiz o que ela disse e abri com cuidado. Havia uma caixinha preta de veludo- Hoseok está tentando surpreendê-la?- ela riu. Sorri e abri a caixa. Arregalei os olhos assim que vi o que estava lá dentro.  

Era o colar... 

Fechei imediatamente a caixa. Senti minhas bochechas corarem. 

-Então, o que era?-Melanie perguntou curiosa. 

-Um colar...- falei ainda surpresa. Aquele era o colar que tinha experimentado ontem e que vendi a Jimin.  

-Ele não deixou bilhete?-perguntou. Olhei para dentro do envelope e vi um pequeno bilhete. Tirei o mesmo e li. 

"Espero que goste do meu presente. Acho que este colar é mesmo a sua cara e nem minha namorada conseguiria faze-lo  brilhar tanto quanto ele brilha em seu pescoço.  

Beijos, Park Jimin" 

Engoli em seco. Senti meu coração acelerar.  

-Então o que ele diz?- Melanie perguntou estacionando em frente á loja.  

-Ele...-pensei um pouco- Nada demais- falei meio insegura.  

-Mentirosa- riu- Me mostre- puxou o bilhete e leu- Quem é este Park Jimin?- me olhou desconfiada.  

-Não é ninguém- falei firmemente. A expressão de Melanie ficou vazia de repente. 

-Não é ninguém- repetiu o que eu falei sem olhar para mim. Estranhei, ela parecia hipnotizada.  

-Você acredita em mim?-perguntei. Ela me entregou o bilhete. 

-Claro, se você diz que não era ninguém, não era ninguém- sorriu levemente. Ok, eu estava um pouco assustada com seu comportamento. Ela leu tudo o que lá estava mas ainda assim acreditou em mim? 

-Tá...-guardei tudo dentro da mala- Eu vou andando- aproximei-me dela a beijei sua bochecha.  

-Até logo- falou. 

-Até- falei enquanto saía. Melanie logo partiu para seu emprego. Suspirei e entrei na boutique. Ajudei Jin a arrumar as coisas.  

Estive o dia todo receando que Jimin aparecesse. Eu não o queria ver. O que ele fez foi um tanto...nem sei. 

 Como é que ele arranjou minha morada? 

Isto não me parecia bem. 

Estava quase na hora de fechar a loja quando oiço meu celular. Jin me olhou seriamente e logo sorriu. 

-Pode atender- falou. Peguei no celular e atendi. 

-Estou no trabalho- falei baixinho. 

-Desculpe, amor- era Hoseok- Eu queria saber se hoje quer ir jantar. 

-Hoseok eu hoje queria ir á aula de piano, ontem não fui- falei. 

-Podemos ir jantar depois da sua aula, não me importo. 

-Mas amanhã tenho de acordar cedo- ouvi Hoseok bufar. 

-Se não quer estar comigo diga logo.  

-Tá, então vamos jantar esta noite- suspirei.  

-Acho bem- riu. Um rapaz de cabelos platinados tinha acabado de entrar. 

-Agora tenho de ir que entrou um cliente- falei logo desligando a chamada.  

-Boa tarde, posso ajudar?-perguntei.  

-Deste trato eu- Jin passou por mim e abraçou o rapaz logo o beijando. Arregalei os olhos surpresa. Eles ficavam fofos juntos, bem me parecia que Jin era diferente. 

Afastei-me e fui para a bancada.  

-Você não podia sair já? Eu queria ir passear um pouco consigo enquanto ainda está de dia. 

-Eu não posso deixar Vanessa sozinha- Jin olhou para mim.  

-Eu consigo fechar a loja, pode ir descansado- falei firmemente.  

-Tem a certeza?-perguntou. 

-Claro- respondi sorrindo.  

-Você é a melhor- ele falou passando por mim e indo ao seu escritório logo saindo do mesmo com suas coisas. Ele e seu namorado saíram me deixando sozinha.  

Suspirei. 

Não gostava muito de ficar ali sozinha, mas penso que conseguia suportar.  

Estava a fechar a loja quando sinto a presença de alguém. Olhei em volta mas não vi ninguém. 

Estava a ficar paranoica.  

Assim que terminei de arrumar as coisas. Peguei em minhas mala e saí da loja a fechando. Fiquei em frente á mesma esperando por Melanie.  

De repente, ouvi um suspiro atrás de mim. Virei-me bruscamente. Não estava ali ninguém. Suspirei e virei-me de novo para a frente.  

Assustei-me quando voltei a ouvir um barulho, desta vez era um gemido. Senti meu corpo se arrepiar me surpreendendo.  

Eu só queria ir para casa. Fechei os olhos com força. Meu coração acelerava violentamente. Ouvi o barulho de uma TV. Abri os olhos e me assustei quando percebi que estava em casa. Minha mãe não reparou na minha presença.  

Como é que vim aqui parar? Ainda agora estava em frente á loja. 

-Já chegou? Nem dei por você entrar- minha mãe falou me assustando. Ignorei-a completamente e fui para meu quarto. Algo estranho estava acontecendo. 

Larguei minhas coisas em cima da cama e fui até ao espelho. Me sentia diferente. Vi uma mancha vermelha em minha testa. Lembrei-me do beijo que meu pai me tinha dado antes de partir. Suspirei e recuei me sentando na cama.  

O barulho de meu celular me assustou. Peguei o mesmo. Era Melanie. 

-Estou?-atendi. 

-Onde está?-perguntou. 

-Em casa, eu tive de vir mais cedo- menti.  

-Ok, vou agora para casa, até já. 

-Até...-desliguei.  

Infelizmente não consegui ir nas aulas de piano. Eu me sentia tão estranha. Não estava com cabeça para nada, nem para ir jantar com Hoseok. Eu já havia lhe telefonado mas ele falou que me ia fazer bem, por isso o jantar continuou de pé. 

Ouvi alguém bater á porta.  

-Entre- falei. Melanie entrou no quarto.  

-A mãe me disse que você estava estranha, passasse alguma coisa?- sentou-se ao meu lado. 

-Nada, só me sinto cansada- falei me deitando para trás- Ainda por cima, Hoseok me convidou para jantar e não estou com vontade nenhuma de ir.  

-Já lhe disse isso? 

-Já, mas ele insistiu que me ia fazer bem e assim- bufei.  

-Talvez ele até tenha razão. Vá e divirta-se.  

-Eu nem sei o que vestir- sentei-me novamente.  

-Eu ajudo nisso-Melanie foi até ao armário- Tem de levar um vestido- riu maliciosamente. 

-Nada muito exagerado, é só um jantar. 

-Vanessa, você tem de exagerar se quer que Hoseok passe ao próximo nível. Você tem de o provocar- me olhou pelo canto do olho. Ri.  

Ela me entregou um vestido  vermelho curto e largo. Melanie falou para eu o experimentar. Fiz-lhe a vontade. 

-Hm...-ela me olhou de alto a baixo- Você fica fofa, mas não é disso que estamos á procura. Seu vestido precisa de gritar  "Me dispa!".  

-Para isso vou apenas de cueca e sutiã- falei logo caindo na gargalhada. Tirei o vestido e entreguei-o á minha irmã.  

-Não, isso é oferecido- ela pegou o vestido e o guardou- Hm...-ela olhava para meu armário atentamente- Experimente este- entregou-me meu vestido lilás claro. O vestido era justo e as mangas eram compridas. Adorava o facto de meus ombros ficarem descobertos. Era dos meus vestidos favoritos. 

-Gosto deste- falei enquanto o vestia. Assim que terminei olhei-me ao espelho e sorri satisfeita.  

-Hoseok vai ficar maluco- Melanie sorriu.  

-Não exagere- ri e tirei o vestido- Vou tomar banho. 

-Ok- ela pegou o vestido- Eu espero aqui. 

-Obviamente- ri- A não ser que queira vir comigo. 

-Não, obrigada- riu. 

Fui até ao banheiro e tomei meu tão merecido banho. Felizmente, minha irmã me tinha acalmado. Sentia-me mais descontraída.  

Quando terminei de tomar banho fui me vestir. Quando já estava vestida, Melanie me ajudou com o cabelo o secando e depois o ondulou mais com o ferro. Coloquei pouca maquilhagem pois não era necessário exagerar e um pouco de perfume.  

-Falta um colar- Melanie me olhou de alto a baixo- Você podia usar aquele de ouro que recebeu. Ficava bem aqui.  

-Não, eu não vou usar esse colar- falei seriamente.  

-Oh, vá lá. Aquele colar é lindo.  

-Não- falei firmemente.  

-Não seja assim- Melanie foi até minha mala e tirou o colar. Ela trouxe o mesmo até mim e colocou-o em meu pescoço. Bufei- Vê, fica lindo- Nossos olhares se cruzaram no espelho. Eu não podia usar este colar.  

-Melanie, é melhor não- falei receosa. 

-Hoseok vai adorar- falou. Suspirei. 

-Tá- desisti e permaneci com o colar em meu pescoço.  

Calcei umas sandálias de salto castanhas claras que ficavam muito bem com o vestido. 

-A que horas ele vem buscar você?- Melanie perguntou. 

-Nove horas- falei. Ela olhou para seu relógio. 

-Bom, ele deve estar chegando. Vamos andando para baixo. 

Fomos as duas para baixo. Minha mãe ainda estava na sala assistindo Tv.  

-Ao que parece hoje sou eu a tratar do jantar- Melanie sussurrou. Ri. Nossa mãe deu pela nossa presença. 

-Onde é que vai assim vestida?-sorriu. Como eu disse, ela está se fazendo de simpática para eu deixar de estar magoada com ela, mas um sorriso não me faz esquecer algo como o que aconteceu na noite anterior. Ainda para mais quando esse assunto parecia me assombrar. 

-Vou jantar com Hoseok- falei seriamente. 

-Precisa de dinheiro?-perguntou.  

-Não, Hoseok falou que pagava- falei. Eu não gostava da ideia de Hoseok pagar mas ele insistiu tanto que não recusei. 

Ouvi a campainha. 

-Deve ser ele- Melanie falou- Boa sorte- sorriu maliciosamente. Revirei os olhos e fui até á porta. Assim que abri a porta vi Hoseok sorrindo. Sorri levemente. 

-Uau, você está linda- falou me olhando de alto a baixo. 

-Tá...-sorri timidamente- Você também está bonito. 

-Obrigado- pegou em minha mão- Vamos?- assenti. 

Hoseok me levou até um dos melhores restaurantes de Seul. 

-Hoseok, não era preciso isto- falei me sentando- Aqui é muito caro- olhei em redor me sentindo desconfortável. 

-Não se preocupe, você sabe que dinheiro não é problema para mim- sorriu. 

Mais tarde, já estava mais confortável. Já tínhamos feito nossos pedidos e estávamos á espera.  

-Como está correndo seu trabalho?-Hoseok perguntou.  

-Muito bem, Jin é maravilhoso. Não podia ter um patrão melhor. 

-Não me troque por esse Jin- Hoseok riu. 

-Ele é homossexual- ri.  

-Eu calculei- riu.  

Mais tarde nossos pedidos chegaram. Senti o ambiente ficar mais pesado. Olhei em volta e apanhei um susto assim que vi aqueles olhos me fitando intensamente.  

Jimin estava entrando no restaurante com uma mulher elegante. Provavelmente sua namorada, ou não. Ele sorriu levemente e desviou o olhar. Os dois vieram se sentar na mesa para casal mesmo ao lado da nossa. Comecei a ficar nervosa.  

-Você está ouvindo o que eu estou a dizer?- ouvi Hoseok. Encarei-o.  

-Desculpe, amor. Estava distraída.  

-Não faz mal- ele suspirou e começou a comer. Fiz o mesmo.  

Sentia aquele olhar pesado sobre mim. Estava ficando irritada. Porquê que ele tinha de estar tão próximo?  

-Você está a tremer- Hoseok riu- Está nervosa? 

-O quê?- olhei-o dispersa- Não, deve ser fraqueza- menti.  

-Tem a certeza?-perguntou mais sério.  

-Sim!- falei um pouco mais impaciente. Sentia-me encurralada e não gostava- Eu vou no banheiro, já volto.  

Levantei-me e passei por Jimin indo até ao local onde tinha uma pequena tabuleta dizendo "Banheiros".  Haviam duas portas. Entrei na porta das meninas. Fui até à pia e olhei-me no espelho. Minhas bochechas haviam ganhado uma tonalidade rosada. Ótimo. 

Bufei.  

-Porquê que ele tinha de estar aqui?- perguntei me fitando no espelho. Ele continha uma energia tão pesada. Uma energia que me incomodava bastante. 

Passado uns minutos decidi que estava na hora de voltar. Não podia ficar escondida no banheiro o resto da noite. 

Assim que abri a porta para sair sinto alguém me empurrando para dentro. Era ele.  

-O que é que você está a fazer?- perguntei chateada. Jimin encostou-se á porta e a trancou- Onde é que você arranjou a chave?- Jimin a guardou no bolso e começou a avançar. Recuei. 

-Não se faça de difícil, eu sei que você quer- ele me tentou seduzir através do seu olhar intenso.  

-Eu não quero nada de você- falei firmemente. Ele riu.  

-O colar fica-lhe muito bem mas devo dizer que o seu vestido me está deixando...um tanto louco-ele aproximou-se mais. Senti meu corpo chocar com a pia. Porra. Ele colou seu corpo ao meu e me fitou- Você está com medo?- seu olhar penetrava o meu.  

-Eu não tenho medo de você- falei com mais firmeza do que achava que conseguia. 

-Você mudou muito desde a última vez que a vi- ele falou desviando o olhar. 

-Estou igual- falei achando sua conversa patética.  

-Seu olhar não está.  

-Você só esteve comigo uma vez- falei impaciente.  

-Foi a primeira vez de muitas- passou a mão pelo meu rosto. Senti minha pele queimar.  

-Afaste-se de mim- empurrei-o, fui até á porta e tentei abrir a mesma. Lembrei-me que ele é que tinha a chave. Suspirei.  

De repente, senti sua mão agarrar meu pulso e me virar. Seu corpo me presou contra a porta. Assim que o encarei,  seus lábios atacaram os meus com voracidade. Não consegui corresponder devido ao choque. Senti as mãos de Jimin agarrarem minha cintura possessivamente. Sua mão era tão quente. Fechei os olhos e deixei Jimin possuir minha boca. Não sei como aconteceu mas acabei correspondendo ao beijo. Sua boca era tão gostosa.  

Jimin pressionou mais seu corpo contra o meu. Umas das suas mãos foi descendo até minha coxa. A mesma apertou me arrancando um pequeno gemido involuntário. Jimin começou a puxar meu vestido para cima. Sua mão roçava na minha pele me causando arrepios prazerosos.  

Alguém bateu á porta. Empurrei Jimin para longe de mim. Minha respiração estava ofegante.  

O que é que acabou de acontecer?


Notas Finais


Espero que tenham gostado! Nos vemos no próximo capítulo! Beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...