História Half The World Away (Norminah) - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren, Demally, Norminah
Visualizações 211
Palavras 1.331
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Fluffy, Musical (Songfic), Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oláás.

Capítulo 33 - Two Evils


Fanfic / Fanfiction Half The World Away (Norminah) - Capítulo 33 - Two Evils

Acordo num sobressalto assustada e rodeio o ligar com os olhos. O quarto continuava o mesmo, Dinah estava deitada com os cabelos sobre o rosto e bufava às vezes, me levanto com cuidado e em silencio, visto meu suéter e calço o chinelo de Dinah.

Saio do quarto com cuidado e desço até o térreo, as pessoas andavam despreocupadas na calçada e caminho até um local mais calmo. Havia bancos por ali e eu me sentei em um deles.

Uma música tocava em meus fones de ouvido e eu me deixei levar pela sensação letárgica que começava a se alastrar por minhas veias. Eu ficava assim às vezes, então sempre saía para a andar, mas ali não era Los Angeles e eu não sabia nada dessas ruas.

-Olá Normani. -Me assusto com uma voz doce e rouca e assisto Camila se sentar ao meu lado no banco. -É uma cidade boa, mas ainda sim perigosa, não deveria sair assim sem conhecer muito.

-Eu... Só queria pensar. -Digo baixinho e ela sorri.

-Entendo. Espero que eu não esteja atrapalhando seus pensamentos. -Dou de ombros, mas depois me lembro de que ela não veria. -Você pode fazer seus gestos, eu costumo pegar bem essas partes. Mas sempre fico confusa quando me tocam do nada.

-Entendo. Deve ser estranho. -Ela assente de forma estranha, me fazendo sorrir.

-Como está o céu hoje? -Ela pergunta do nada me fazendo olhar para cima e ver os pontinhos estrelados que nos faziam voar para longe.

-Estrelado.

-Eu não lembro como é isso. -Franzo as sobrancelhas e mordo o lábio inferior. -Como está o céu hoje? O que ele te passa quando você o olha? -Respiro fundo e levanto minha cabeça assistindo os pontos chamarem a atenção por sua beleza incrível.

-Calma. Eu me sinto calma quando olho para o céu de hoje. -Ela assente e levanta a cabeça fechando os olhos e segurando firme a bengala que segurava no meio das pernas.

-Sabe, Normani... Você deve ser uma adolescente com inúmeros problemas, eu realmente entendo sua cabeça lotada de pensamentos e de seus ombros encolhidos por pressão. Mas... Olhe para onde você está, não no lugar que estamos agora, mas olhe para o céu e perceba que você está sob ele e o mesmo céu que te traz calma hoje, pode te trazer angústia amanhã, mas é esse o céu que brilha aqui e que brilha no lugar de onde você veio. -Pisco rapidamente e franzo as sobrancelhas. -Você vai crescer ai dentro de si, vai ver que todas as lágrimas podem ter válido a pena e que todos os pensamentos foram poéticos, mas nem todos nós podemos transformar a angústia em historia.

-O que isso quer dizer? -Pergunto confusa.

-Que você é angústia poética por ser você mesma. Você não é a historia, você faz a historia e isso significa que quando você quiser mudar algo, isso só vai depender de você. E eu sei que isso é muita pressão e que você só quer se encolher ao ponto de não restar mais nada, mas... Viva a vida com quem te faz bem. Procure ajuda senão conseguir ver isso ao seu redor, mas não fique presa a coisas que podem te puxar para baixo, pois você deve voar. Eu lutei contra meu pai, contra a sociedade e contra mim mesma, confesso que essa foi a parte mais difícil...

-Como foi quando você descobriu estar apaixonada por Lauren? -Ela suspira nostálgica e sorri me olhando.

-Foi... Incrível. Sabe, Lauren é uma das melhores pessoas que conheço e isso não é porquê eu a amo, mas qualquer um pode ver isso. Ela é estressada, confesso, mas é a primeira a estender a mão quando o outro precisa, talvez tenha estendido a mão para as pessoas erradas algumas vezes e isso a puxou para baixo, mas ela se levantou. Quando eu descobri, ou melhor, percebi que estava apaixonada por ela, bom, ela já tinha me beijado e confessado tudo o que sentia, no início eu recusei a ideia achando que estaria atrapalhando a vida dela. E foi um longo caminho até chegarmos onde estamos, ela me apoiou tanto, quando nem eu conseguia mais enxergar algo de bom no meu futuro, ela estava lá no meu presente. -Assinto lentamente e ela sorri ainda mais largo. -Dinah parece querer te ajudar mais do que você está vendo. -Franzo o cenho e ela continua. -É normal não conseguirmos ver algumas coisas que parecem ser clara para os outros, mas, Normani, até eu que não sei teu rosto, ou como você é em aparência, percebo e sei que você tem muito a dizer e muito a brilhar, e agora, aqui entre nós, a única coisa que pode te apagar é você mesma. Foi assim comigo e estou vendo você repetir os mesmos passos que eu... Lentamente. -Sorrio tímida e ela brinca com a bengala. -Posso ver seu rosto? -Fico confusa e dou de ombros.

-Pode. -Digo simples e ela se vira ficando em minha frente.

Suas mãos se livram da bengala e ela as leva até meu rosto, fecho os olhos e sinto a maciez, mas com alguns pontos calejados de tantos ensaios sobre as cordas do violoncelo, de sua pele examinar a minha. Seus dedos passeiam por minhas sobrancelhas e sinto seus dedões fazerem cócegas sobre meus cílios, logo ela chega ao meu nariz e faz o contorno de minha boca. Abro os olhos e a vejo sorrir largo.

-Normani, você é linda. -Coro forte e desvio o olhar. -E se uma cega pode ser capaz de ver isso... Não deixem que babacas que precisam ofender alguém para ter a segurança que não encontram em si, te digam qual é o seu limite. Você é o seu limite, não o que os outros dizem sobre você. E não lute contra a pessoa incrível que você está se tornando.

-Ouça ela... Camz tem um ótimo senso para pessoas incríveis. -Ouvimos a voz de Lauren e olho para o lado assustada enquanto Camila sorria encantada, como se a voz de Lauren fosse o suficiente para toda sua imaginação. -Como é Los Angeles?

-Grande... Quente e com muitas pessoas. -Digo pensativa e as duas gargalham.

-Você acaba de descrever Florença nesse momento. -Lauren diz me fazendo rir baixinho. -Mas... É uma boa descrição... Acho que Dinah deve estar preocupada. -Encolho os ombros envergonhada e Camila se levanta, me levanto em seguida e coço os olhos por causa do sono que havia começado a aparecer.

-Aproveite a calma do céu e fique calma, pois você vai conseguir. -Camila diz e vem até mim com cuidado, me abaixo um pouco e recebo um beijo na testa.

-Estão tentando roubar minha Manz. -Meu coração dispara e eu sorrio automática ao ouvir sua voz, me viro e vejo Dinah descabelada, ela vestia o pijama e havia calçado um outro chinelo. -E eu que achei que vocês fossem amigas. -Ela cruza os braços com um bico enorme nos fazendo rir, vou até ela e a abraço forte. -Mas... Ela preferiu a mim, uma escolha óbvia. -Ela agarra minha cintura e mostra a língua para as duas que sorriam com a nossa interação. -Para cego ver: Eu acabei de mostrar a língua para vocês. -Gargalho alto com a fala de Dinah e bato em seu ombro, ouço a gargalhada das duas e relaxo ao ver que elas não se importavam com esse tipo de brincadeira. -Agora nós iremos votar pro hotel, deitar na nossa cama e dormir. Espero que tenham ótimos sonhos. -Ela ia se virar, mas parou e cerrou os olhos para Camila. -Você sonha?

-Dinah, vamos embora. -A puxo enquanto aceno para as duas.

-Para cego ver: Nós estamos indo embora e acenando para vocês. -Dinah diz alto, sinto minhas bochechas queimarem e nego com a cabeça.

-Cala a boca, Dinah.

Acho que agora eu estava pronta para assumir que precisava de ajuda, e eu conseguiria ser forte por mim e por Dinah. Se ela estivesse do meu lado.


Notas Finais


To na bad pq a croxe ta sem internet, ou cansou de mim, não sei. Ela é como a Manz e eu tento ser uma Dinah, mas acho que não sou tão boa assim nessas coisas.
Enfimmmm
Favoritem e comentem (me façam feliz povo)
3bjs de luz e até mais. 🌸💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...