História Hands To Myself - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Personagens Originais
Visualizações 27
Palavras 3.149
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Saga
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Meus amores esse capítulo é inteirinho SOLANGELO, espero que gostem de lemon!

Capítulo 12 - Matando a saudade



Pov. Will Solace

Haviam se passado cinco dias desde que Nico tirara o gesso do braço e eu ainda mantinha uma certa distância por medo de machucá-lo, mas o garoto não parava de me perseguir. Durante todo o tempo da recuperação me mantive ao lado dele, mas nunca cedi as suas investidas, isso quer dizer que estávamos a uns quinze dias, ou mais, sem transar. Não queria me sentir culpado caso ele fizesse esforço demais e ficasse dolorido, então preferi evitar, mas confesso que estava precisando matar a saudade, no entanto Nico não estava conseguindo se controlar e eu resolvi me divertir um pouco com essa descoberta.

- Will – sinto-me esbarrar contra um corpo esguio forte e rígido, Nico me puxa no corredor e dá um selinho – precisamos ir, venha! - Ele diz e me arrasta sem nem me dar a chance de argumentar e sai serpenteando entre as poucas pessoas no corredor.

Tentei ao máximo pegar as matérias para que Nico não ficasse atrasado, passei todos os trabalhos e atividades de casa para que ele fizesse e pontuasse para a nota do bimestre. O garoto era tão nerd que mesmo em casa sem assistir aula respondia a tudo mais correto do que eu que estava em sala de aula! Como eu poderia não me apaixonar, lindo, inteligente, forte, olhos profundos, sorriso intimidador e um charme de arrancar os corações!

Nico só parou de me arrastar quando alcançamos o estacionamento, ela me jogou contra o meu carro e avançou novamente sem me dar chance de argumentar qualquer coisa. Sua boca já estava colada na minha e seu corpo pressionando o meu. Correspondi automaticamente quando sua língua pediu passagem na minha boca. Senti todo o meu corpo aquecer, inflamar e explodir em poucos segundos. Era impressionante como meu corpo correspondia ao dele. Abracei Nico e o puxei para mais perto ainda ao ponto de sentirmos a excitação um do outro.

- Will, não aguento mais... - Ela disse entre os beijos recuperando parte do folego.

Me afastei beijando seu maxilar e subindo para o lóbulo da sua orelha, dei beijos logo abaixo desse lugar e senti Nico se contorcer levemente em meus braços. Ouvi um gemido rouco quando mordi e chupei seu pescoço propositalmente.

- Acho que hoje não vai dar amor. – Menti.

- O que? - Nico gritou exasperado. - Como assim não?

- É que hoje eu vou ter que ajudar meu pai numas coisas que ele tem pedido há muito tempo, preciso ajudar ele no projeto infantil que ele tem, lembra? As crianças estão precisando de um professor de música e ele me chamou para substituir o titular pelo menos por hoje. - Nossa como eu aprendi a mentir desse jeito? Mas em parte papai me pedia para ser mais ativo no proeto, então era uma meia mentira.

- Não pode ser... - Nico falava cortando as palavras, era perceptível a decepção na sua voz. - Então tá. Você sai que horas, eu posso ir te buscar! - Seus olhos brilharam de esperança e excitação.

- Devo ficar até o turno da noite com os adolescentes, então acho que tem que ficar amanhã. - Menti mais uma impressionado comigo mesmo.

- Amanhã? Deus! Não posso suportar isso Will. - Nico parecia desesperado e eu não podia mais manter aquela farsa e vê-lo assim tão carente partiu meu coração. - Preciso de você, baby – ele falou com voz rouca e sexy bem no meu ouvido e eu senti meu pau latejar dentro da minha calça.

- Ok, vamos pra casa.

- Assim tão fácil? - ela se espantou.

- Eu tava brincando com você – sorri – não tem aula nenhuma. - O olhar de Nico ficou perigosamente escuro.

- Só por causa disso vou te fuder com toda minha força – ele rosnou.

- E eu vou adorar – retruquei passando a mão leve e disfarçadamente pelo volume na sua calça.

Pov. Nico Di Ângelo

Fomos direto para a casa de Will, como sempre lá o tráfego de pessoas era menor, agora com Hazel em casa papai sempre estava por lá também. Will foi bem rápido e prudente no trânsito, mas eu não podia deixá-lo para tocar apenas no quarto. Deixei minha mão em sua coxa e as pontas dos meus dedos tocavam as poucos seu membro acordado e esmagado pela calça jeans.

- Nico não seja mal, preciso ficar concentrado aqui. - Will pediu desviando os olhos da rua e me olhando.

- Não é como se eu pudesse evitar! - Sorri de lado e o deixei guiar o carro em paz.

Mais dez minutos dentro do carro e eu vejo Will guiá-lo para a garagem da sua casa. Eu estavam muito nervoso e cheio de tesão, há muito tempo eu queria mas Will se manteve firme na ideia de cuidar de mim e me fazer repousar, quase apliquei um mata leão nele.

Descemos do carro e Will vem pro lado passando um braço em volta do meu pescoço.

- Apressado? - Ele estava claramente me zoando.

- Como se fosse só eu! - Eu disse indiferente.

Entramos na casa vazia e subimos as escadas direto para o quarto de Will, sem mais nenhuma perca de tempo!

- Vamos, preciso de você com urgência Baby. - Eu falava enquanto envolvia Will por trás e o beijava na nuca.

Cambaleamos entre beijos pelo corredor até alcançarmos o quarto de Will, ele entra comigo e bate a porta atrás de si trancando por precaução.

- Finalmente apenas nós dois Di Angelo – Will fala diminuindo a distancia entre nós e eu agarro seu pescoço envolvendo no impulso as pernas na sua cintura.

As mãos de Will instintivamente vão para a minha bunda e apertam, eu continuo nosso beijo até ficarmos sem ar. Nos separamos ao ficamos do lado da cama e Will me põe no chão. Nossos sapatos já estavam espalhados pelo quarto então foi a vez das nossas roupas voarem por aí, Will tirou minha cueca box e expôs meu pau para em seguida chupá-lo. Me sentei na cama tamanha a pressão da boca de Will em mim. Ele subia e descia pela minha extensão fazendo todo o meu corpo esquentar em resposta. A brisa leve que entrava no quarto não eram o suficiente para diminuir o incêndio dentro de nós. Will era muito bom nisso. Ele gemia enquanto me chupava e eu me sentia cada vez mais próximo.

- Você é muito gostoso Nick – Ele disse lambendo apenas a cabeça vermelha e inchada do meu membro com se fosse um sorvete.

- Você vai me fazer chegar ao ápice assim Will... Levante-se e deite aqui – bati de leve na cama me levantando da mesma – agora é a minha vez de sentir seu gosto.

Will deitou confortavelmente na cama e eu me posicionei entre suas pernas e comecei chupando a cabeça e aprofundando o resto, alternava entre cabeça e extensão. Chupei lento e carinhoso no início, mas ao perceber que Will estava cada vez mais excitado eu acelerei e fiz mais pressão com a boca. Me concentrei em chupá-lo até onde eu conseguia mantendo sua extensão dentro da minha boca e cada vez que eu parava de chupar eu o masturbava com as mãos. As vezes eu só parava tudo e chupava ou lambia seus bolas arrancando sempre um belo gemido de Will.

Ele era muito lindo. Will tinha um corpo escultural, um rosto de modelo e um cabelo de surfista. Era um espetáculo a parte na criação.

- Nico... - ele gemia – estou muito pert... - Introduzi dois dedos na sua entrada. - Deus! Ahhh... Continua... - Ele pediu, mas eu parei. - Não pare Baby! - Ele brigou ainda zonzo pelo prazer.

- Quero que goze quando eu estiver dentro de você. Agora venha, você já está preparado.

Will ficou de quatro e, minha nossa...

- Você é lindo assim Will... - Eu disse beijando seu traseiro. - Você sabe como me deixa louco quando está assim? - Ele apenas me olhava por cima do ombro. - Sabe o quanto quero fodê-lo agora? - Eu perguntava e continuava beijando sua bunda. Levei minhas mãos até suas bolas e brinquei com elas fazendo Will gemer mais alto.

- Nico por favor... - ele gemia e meu pau palpitava de desejo. Coloquei a camisinha e lubrifiquei por cima.

Desci os ombros de Will para deixá-lo ainda mais empinado e pus um travesseiro para ele apoiar o rosto e os braços.

- Vou comer você agora, fiquei quieto – ordenei.

Segurei meu pau próximo a cabeça e investi contra a entrada de Will, aquela visão era sensacional. Ele tava tão entregue que eu sentia o desejo de fazer amor com ele o dia inteiro, sua voz rouca gemendo meu nome era deliciosa. Entrei em Will e ele se curvou recebendo toda a minha extensão com prazer.

Não dava pra explicar aquilo. Comecei os movimentos de vai e vem sem esperar muito.

- Oh Deus, Will a quanto tempo não transamos? - Perguntei controlando meu fôlego, eu queria fazer aquilo durar.

- Tempo demais baby... Nicooohhh, você é enorme... Mais rápido amor não vou aguentar muito tempo. - Ele disse rebolando devagar no meu pau.

- Nem eu. - Meti mais fundo.

Acelerei os movimentos e me mantive firme, a cada estocada eu sentia meu corpo reagir, a cada investida eu ficava mais entregue e mais próximo do orgasmo. Eu olhava o rosto de Will e ele segurava com força os lençóis da cama, era lindo.

- Vou fuder você Solace. - Me debrucei em Will e disse em seu ouvido abraçando-o por alguns segundo e acariciando o botão do seu peito.

Me concentrei totalmente no prazer que dava e recebia, olhei Will e entrei nele com precisão, força e ritmo. Will gemia meu nome e outras coisas que não entendi até que investi contra sua próstata inúmeras vezes repetidas.

- Vou... gozar... - ele anunciou gritando. Ainda bem que estávamos sozinhos por que eu não o impedi.

Tentei me controlar enquanto Will gozava comigo dentro dele e continuei, mas meu corpo não suportava mais toda aquela onda de prazer ao olhar Will.

- Eu vou.... ahhhhh.... - Tentei falar mas não deu, liberei todo o meu liquido dentro de Will enquanto ainda tocava sua próstata com a cabeça do meu pau.

Tirei o preservativo, amarrei e joguei em qualquer lugar do quarto. Will me puxou pra cima dele e eu fui. Nossos peitos subiam e desciam tentando estabilizar a respiração ofegante, ficamos ali ainda sentindo a sensação pós-orgasmo.

- Valeu a pena esperar? - Will perguntou beijando meu rosto.

- Nunca mais quero esperar tanto pra ter você, amor. - beijei seus lábios e me acomodei em seu peito relaxando.

Pov. Will Solace

Acordei horas depois e decidi tomar um banho antes de descermos. Pelo barulho papai e mamãe estavam em casa e tocando uma música muito romântica no piano, eles eram tão amorzinho. Nico ainda dormia em meus braços e eu o envolvi vendo-o se acomodar ainda mais em mim, sorri ao vê-lo tão calmo e angelical. Nico era tão apaixonante que doía meu coração, ou quem sabe eu estava tão apaixonado que estava sufocando de tanto amor. Dava pena de acordá-lo, mas era preciso. Abracei-o de volta e deixei meus lábios brincarem com a sua orelha e rocei minha recém crescida barba no seu pescoço distribuindo pequenos beijos, Nico parecia um filhote de gatinho se espreguiçando e ronronando.

- Hummmm, eu posso me acostumar.... - ele disse ainda acordando.

- E eu prometo te acordar assim sempre... - Beijei novamente. - Amo você Baby.

- Amo você como a minha vida, Will. Ele virou de frente e me abraçou enlaçando uma perna ao meu redor. - Sou louco por você. - Nico disse me olhando nos olhos e essa sensação de calor no coração era tão fascinante quanto o prazer que ele me causava.

- Deveríamos ir pro banho. Que tal juntinhos?

- Você sabe que vai ser difícil ser apenas um banho, não sabe? - Nico falou meio risonho.

- E essa é a melhor parte de não morar em apartamento, o banheiro é grande o suficiente para dois. - Sorrimos juntos. - Eu tava pensando em um banho bem demorado, o que acha? Você quer me dá um pouco de você hoje, também estou com saudades.

- Todos esses dias cuidando de mim, você não se masturbou?

- Baby, que graça tem o prazer momentâneo da minha mão quando posso estar dentro de você, ouvi-lo gemer, tocar seu corpo... - beijei rapidamente seus lábios – beijá-lo e etc... Não fiz nada sem você.

- Eu também não fiz. - Ele confessou.

- Eu percebi pela sua empolgação. - Sorri ao lembrar. - Agora levanta-se, vamos pro banho.

- “Banho”. - O sorriso que Nico me lançou foi o mais engraçado que já vi.

Fomos direto pro banheiro, já estávamos sem roupa devido ao sexo antes do sono. Não foi difícil ficar excitado vendo a bundinha gostosa de Nico rebolando ao caminhar na minha frente. Assim que entramos começamos um beijo que mais parecia sexo, nossas línguas duelavam dentro e fora da boca. As mãos de Nico seguravam com força meu cabelo enquanto as minhas apalpavam sua bunda macia e pequena. Nossas ereções se tocavam nos dando ainda mais prazer. Posicionei uma perna de Nico em cima do vaso e continuei nosso beijo acariciando sua entrada com os meus dedos e com a outra mão eu o mantinha colado a mim.

- Will... tá tão gostoso... - ele arfou em meu ouvido e suas palavras me fizeram gemer um pouco.

Nico inclinava sua pélvis na direção do meu membro e os se chocavam causando uma grande sensação de prazer em nós, a cada estocada que ele davam eu o penetrava mais com os meus dedos e Nico gemia mordendo meu pescoço para abafar a voz.

- Ainda está gostoso? - Preguntei provocativo e me afastei centímetros para lamber rapidamente o botão do seu peito.

- Ohhh, está Will... Está annn... - Ele respondeu sem ar.

Meus dedos não eram o suficiente para fazê-lo gozar mais eu continuei amaciando sua entrada, até que introduzi o terceiro dedo com um pouco mais de força, Nico soltou um grito vindo do fundo da garganta e eu abafei colado nossas bocas.

- Will....

- Quero foder você Nico, vire-se pra mim. - Pedi quase gemendo quando sentir Nico apertar meus dedos. - Ohh eu adoraria estar dentro de você agora.

Retirei meus dedos e Nico virou empinando pra mim com a perna no vaso e debruçado sobre a pia de mármore.

- Meta e eu aperto você o quanto quiser – ele disse sugestivamente.

Vesti meu membro com a camisinha que Nico pegou ao se levantar e labuzei lubrificante por cima. Me posicionei e segurei a bunda de Nico com as mãos entrando com força nele. Deixei que ele se acostumasse com a sensação e passei minhas mãos pelo seus botões massageando fazendo-o arfar de prazer. Desci minha mão até encontrar o pau duro e grande de Nico, delicioso, comecei a masturbá-lo e ele já rebolava na minha rola.

Nico pôs a mão por cima da minha e eu o deixei continuar a masturbação me concentrando em fodê-lo.

- Nico você é muito gostoso – eu metia com força tocando em sua próstata a cada estocada. Nico gemia e se desequilibrava as vezes devido o prazer. Ele gemia sem parar e eu vi ele acelerando o toque em seu pau.

- Will estou muito perto... Já posso sentir brevemente...

- Você quer gozar? - Perguntei segurando e parando sua mão enquanto eu investia contra sua bunda segurando um lado para mantê-la mais aberta. A visão era deliciosa. Eu estava todo dentro dele e ele aceitava tudo me engolindo.

- Will não seja mal...

- Você vai gozar agora comigo metendo em você, não se masturbe mais. - Ordenei e Nico me olhou virando o pescoço.

- Will... annnnnnn...

- Olhe pra mim. - Falei e estoquei fundo tocando seu íntimo prazer. - Nico gritou. - Segurei o rosto de Nico colando sua cabeça no meu peito e com a outra mão eu segurava a lateral da pia para nos manter de pé.

- Will... por favor... eu preciso...

- Eu preciso sentir você Nico... Preciso aliviar toda a preocupação e dor que senti.... Preciso senti-lo até o último segundo...

- Estou quase lá...

- Goze meu amor – Eu disse e usei toda a minha força para penetrá-lo com rapidez e agilidade, ao ouvir os gemidos baixos de Nico não consegui controlar todo o tesão presente em mim, senti aquele choque na coluna e um fogo por todo o meu corpo. Vi Nico esguichar gala enquanto tremia em meus braços e eu senti meu corpo amolecer quando gozei dentro dele.

Não conseguimos ficar de pé. Escorregamos até o chão e Nico caiu sentado no meu colo mergulhando seu rosto na curva do meu pescoço. O ar parecia não ficar nos pulmões e nossas respirações estavam buscando estabilidade.

- Nunca pensei que sexo fosse tão bom, Deus do céu.

- Nunca pensei que você faria algo tão gostoso assim comigo. - Nico disse embriagado pelo prazer.

- Eu sempre quis desde que te conheci... - Assumi envergonhado.

- Como assim Solace?

- Eu sou apaixonado por você há anos Nico, já fantasiei sexo com você várias vezes. - Sorri bobo por confessar minha intimidade.

Nico parecia atônito e confuso.

- Nunca pensei que você olhasse pra mim... Que sequer reparasse em mim! - ele parecia assustado.

- Eu só não tinha coragem e você viva fugindo, até que consegui me aproximar sem levar um golpe qualquer e aqui estamos. - eu acariciava os cabelos escuros de Nico.

- Obrigado – ele beijou meu queixo e acariciou meu rosto com as mãos – você trouxe tanta luz e amor pra minha vida. As vezes não sei como agradecer tudo que você faz, pois nem sei o que você viu em mim e tenho medo de...

- Shiiii – toquei seus lábios com os dedos – você já agradece quando me ama da mesma forma, quando cuida de mim da mesma forma, quando me protege, quando faz amor comigo desse jeito fazendo eu me senti saciado e feliz. E eu poderia listar tudo que vi e vejo em você, mas passaríamos o resto do dia e a noite aqui então acho melhor você parar com esse papo de que não tem qualidades e vim pro banho “de verdade” agora comigo.

- Ok, você venceu. Só obrigado. - Meu anjo sorriu pra mim me levantei como ele abraçado a mim, pousei minhas mãos em cada lado do seu rosto e o beijei.

- Obrigado - sussurrei ao me afastar - por existir e me escolher.


Notas Finais


Me falem alguma coisa fantasminhas!

Sugestões????


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...