História Hanging On - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baekyeol, Chanbaek, Drama, Espiritual, Exo, Fluffy, Hunhan, Kaisoo, Lemon, Sexto Sentido, Xiuchen, Yaoi
Exibições 456
Palavras 1.443
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


MEU DEUS!!
Com os olhos cheios d'águas, eu estou. Mano, que saudade que eu estava sentindo disso aqui! Hanging On mexe muito comigo, por ter sido a minha primeira long!fic de Chanbaek. Foram meses de dedicação, alguns apertos para conseguir postar, e, uau, hoje estou postando um extra.
Eu não pensava em escrever um extra, por motivos de: a) não achei que fosse conseguir encaixar; b) muitos queriam que fossem limão. Eu peço mil perdões, mas não vejo Hanging On tendo um lemon... MAS... eu coloquei uma coisinha para vocês. Eu espero que gostem mesmo assim, mesmo sendo de leve. E espero que entendam, também.

Esse capítulo se passa 43 anos depois do epílogo. Sim, 43 anos. Sim, Chanyeol e Baekhyun já estão velhinhos.

ATENÇÃO: O capítulo será focado em CHANBAEK! Não falei muito sobre os outros personagens...

Espero que gostem! <3

Capítulo 18 - EXTRA - The most beautiful moment in our lives.


EXTRA

{The most beautiful moment in our lives.}

 

 

Há quarenta e três anos atrás, Chanyeol e eu estávamos terminando as nossas turnês pela América. Lembro-me até hoje do meu aniversário de vinte e cinco anos, do quanto foi perfeito passa-lo com Chanyeol ao meu lado.

 

"Eu mal posso acreditar, Baekkie." Sentou-se no meio da nossa cama do hotel, após ficarmos um bom tempo relaxando na banheira. "Mal posso acreditar que estou fazendo o que amo, e com a pessoa dos meus sonhos. Eu esperei tanto por isso..."

Tirei meus calçados e engatinhei até ele, ficando de joelhos sobre o colchão macio.

Toquei o seu rosto com meus dígitos trêmulos. Ficar perto de Chanyeol era motivo de uma explosão de sensações dentro do meu peito. Sempre foi, é, e sempre será deste jeito.

"Digo o mesmo. Eu te amo tanto..." Selei nossos lábios com devoção.

Nós nos separamos após alguns segundos, e Chanyeol voltou a dizer em meio aos suspiros:

"Eu também, Baekkie. Você não faz ideia do quanto."

Abri um sorriso de orelha a orelha, inclinando-me sobre Chanyeol. Ele levou suas mãos até minhas faces e beijou meus lábios com vontade, amor e atenção. O tempo passou, porém Chanyeol continuou me fazendo me sentir único. E eu realmente era único para ele. Seus gestos me faziam ter a certeza disto.

Despimo-nos em um piscar de olhos. Chanyeol deslizou seus lábios por todo o meu pescoço, dando mordidas e selares amorosos. Era uma mistura de amor e desejo.

"Eu sou tão sortudo por te ter só para mim, Baekhyun. Você é perfeito." Murmurou no pé do meu ouvido, a voz suave e rouca, demonstrando o quão extasiado já se encontrava.

Meu corpo se arrepiou por inteiro com a sua confissão - já conhecida por mim. Em um só movimento, joguei-me para o lado, aproveitando o tamanho da cama, colocando-o entre minhas pernas. Enlacei a sua cintura com elas e o puxei para mais perto, chocando nossos corpos. Ouvi Chanyeol suspirar próximo ao meu ouvido. Quase cheguei ao clímax apenas com isso.

"Me faça seu mais uma vez, Chanyeol."

E é claro que ele não perdeu tempo em me tomar para si pela segunda vez naquela noite. Nós nos viamos cada vez mais viciados em nosso amor, essa era uma das consequências dele.

 

Dou uma gargalhada, sem jeito por me lembrar desse dia. Estou em frente ao espelho do banheiro, observando as mudanças nas quais o tempo causou em minha aparência, ao mesmo tempo que espero meus convidados mais que especiais chegarem.

Chanyeol e eu estamos completando cinquenta anos de união.

Termino de me observar e vou para a sala a passos ansiosos. Em poucos minutos, reverei pessoas que há muito não dou um abraço apertado.

Chanyeol está sentado em sua poltrona, lindo como sempre foi. Seus cabelos, agora grisalhos, lhe dão uma aparência mais séria, mas quem o conhece sabe que ele nunca deixou de ser o Chanyeol brincalhão.

Ele sorri quando percebe a minha presença, e estica os braços para segurar em minhas mãos. Sento-me no seu colo, como nos velhos tempos, tendo um pouco de dificuldade para me equilibrar, o que nos faz rir. É um dia nostálgico, afinal.

Olhamo-nos do jeito que sempre fazemos, desde os nossos dezoito anos de idade. Desde o dia no qual nos encontramos pela primeira vez, naquele parque. Um olhar que carrega vários significados consigo, e que apenas nós dois conseguimos compreender.

A campainha é tocada, e nós nos levantamos, animados. Ouço Haeun, nossa neta, chamar por nós dois. Não consigo conter um sorriso abobalhado.

"Vovôs!" Ela exclama ao abraçar nossas pernas com toda a sua força. Haeun está com seis anos de idade, e é filha de Jin A, nossa filha adotiva.

"Olá, meu anjo!" Falo, ao pegá-lo no colo. Seu sorriso é radiante. Chanyeol está cumprimentando nossa filha e nosso genro.

"Eu tava com saudadinha do meu Baekkie!"

Solto uma risada e balanço o corpo para fazê-la rir.

"Vovô Baekkie também estava com saudades da minha princesinha."

Ganho um abraço e um beijo molhado no rosto.

"Agora, sim, vou falar com a minha rainha!" Chanyeol vem em nossas direções. Haeun estica os bracinhos e pula para os braços do outro avô, toda contente. Sinto-me feliz por estar com a minha família.

"Pai..." Jin A, minha filha, me cumprimenta com um abraço. Faço um carinho em seus cabelos, pensando no quão linda ela está. "Parabéns! Estou tão feliz por vocês..."

"Eu também estou. De verdade." Limpo as lágrimas com a ponta dos meus dígitos. Como sempre, sendo muito emotivo.

"Ei, não chore. Vamos aproveitar bastante o dia!"

Rio e beijo a sua testa.

"Vamos lá para dentro. A comida já está pronta e"

"Epa! chegando, hein!"

Olho para o portão, já reconhecendo aquela voz.

"Luhan!"

Meu melhor amigo parece ter parado no tempo em relação à aparência. Não mudara em nada. E Sehun, também. As feições de "porta", apelido dado pelo próprio Luhan quando casaram, por Sehun não esboçar reação alguma no dia - era o nervosismo, de acordo com ele -, ainda são as mesmas. Minseok e Junmyeon vêm logo atrás, acompanhados de Yixing e Jongdae.

"Estava com saudades, amigo." Abraçamo-nos.

"Eu também... Há quanto tempo não nos vemos?"

"Uns onze meses, talvez?"

O que aconteceu foi que Luhan se mudara com Sehun para Busan na época em que eu e Chanyeol ainda éramos cantores. Nós dois permanecemos na movimentada Seul, assim como Minseok e Junmyeon, que ainda atendem alguns casos de vez em quando.

"É... Mas, enfim, estamos juntos agora." Sorrimos.

"Ora, ora, Baekhyun. Você continua feio." Brincou Minseok, puxando-me para seus braços envelhecidos.

"Você, então... Nem se fala."

"Isso é inveja."

Todos os presentes riem.

"Amor, a comida está esfriando." A voz de Chanyeol se sobressai. Ele reverência para todos.

"Falou em comida, é comigo mesmo." Luhan diz, animado, ao passar por mim.

Nego com a cabeça, meus lábios formando um pequeno sorriso.

"Você não mudou mesmo."

 

 

 

 

Os ponteiros do meu relógio de parede indicam que são cinco e meia da tarde. O Sol está se pondo, deixando o céu em tons alaranjados. Estou observando-o, sentado no banco do meu jardim de Inverno, enquanto relembro os momentos inesquecíveis que tive com Chanyeol. Suspiro, emocionado pela centésima vez no dia.

Sinto mãos leves pousarem sobre meus ombros cansados, e lábios selarem o topo da minha cabeça. Jin A, sempre tão carinhosa.

"Papai, quero lhe dar o seu presente. Posso te levar até ele?"

"Claro, minha filha." Pego suas mãos e as beijo.

"Channie já está te esperando no carro. Minho irá levá-los."

"No carro? Por que?"

"Sempre curioso." Dá uma risadinha. "O senhor verá."

"Aish."

 

 

Estou nervoso. É como se eu estivesse voltando no tempo, voltando para o dia no qual Chanyeol me levou para sair pela primeira vez. Ele está, agora, sentado ao meu lado no carro. Suas mãos, inquietas, se encontram sobre as minhas. Observo-as. Já estão bastante enrrugadas, denunciando nossos sessenta e oito anos de jornada. Minha mente é tomada pelo pensamento que o tempo passara realmente muito rápido.

Passo a observar as paisagens distorcidas pelo movimento do carro. Meu coração acelera ainda mais, pois reconheço o caminho que estamos fazendo. E as sensações duplicam quando vejo o local ao longe: o parque onde eu e Chanyeol nos encontramos pela primeira vez.

Ele não está muito diferente de mim. Posso ver que seus olhos lacrimejam. Suas mãos, ainda sobre as minhas, tremem. Aproximo-me de si e lhe dou um beijo no ombro. Ele sorri, fazendo um esforço maior para conter a emoção. Mas é difícil, eu sei.

Jin A e Minho nos dizem que voltarão em uma hora, e partem para algum outro lugar, deixando-nos a sós. Eu e Chanyeol nos sentamos no mesmo lugar onde o vi cantando, e levamos nossos olhares em direção aos céus. Não consigo, acabo por desabar em lágrimas. Estou feliz como nunca estive. Estou satisfeito com a minha vida, estou orgulhoso por ter conseguido ultrapassar as dificuldades, superá-las e ter a vida que sempre almejei. Hoje, tenho uma família perfeita com o amor da minha vida. E sei que Mamãe está nos observando, orgulhosa.

Algumas pessoas passam por nós, apontam - talvez estejam nos reconhecendo, ou, então, reconhecendo o nosso amor. Um amor puro, verdadeiro. Amor. Aquele que multiplica com o tempo e jamais se subtrai; aquele que é paciente, compreensivo; que perdoa, que sempre está presente.

E com o pôr do sol pintando o nosso restinho de tarde daquele dia especial, um leve selar repleto de sentimentos, com direito a mãos dadas, sorrisos abertos e explosão de sentimentos em nossos corações.

E eu sei que esse sentimento durará toda a eternidade.

 

 

 

 


Notas Finais


Foi bem pouquinho, né? Mas espero que tenham gostado! Eu me emocionei enquanto escrevia. Como eu disse, Hanging On mexe muito comigo.
E estou vendo um dia para revisá-la. Já o fiz no Prólogo e na metade do primeiro capítulo. Não irei mudar nada, apenas revisarei a gramática.
Obrigada por me acompanharem, mais uma vez. Esse EXTRA é uma forma de agradecimento pelos quase 500 favoritos. Vocês são demais. Muito obrigada por tudo! <3

Em Dezembro, voltarei com uma nova Chanbaek. Inclusive, estou com uma short!fic ChanBaek em andamento. Segue o link, caso estiverem interessados: https://spiritfanfics.com/historia/serenata-6673888. Juro que vai ser divertida. E não tem drama dessa vez! UHAHUAIHEUAHSUA (milagre).

Bem, acho que é isso. Obrigada! Eu amo vocês! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...