História Hannah - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 8
Palavras 1.062
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - 01


- Amiga, vai rolar uma festa esse fim de semana, vamos?
- Semana que vem tem prova Loriana. - diz Ana.
- Eu me saio melhor quando vou pra balada antes da prova. - diz Loriana. - Não é mesmo Hannah? - ela me pergunta.
- Não sei Lo, preciso de nove para passar em matemática e a professora não gosta de mim. Ana disse que me ajudaria esse fim de semana.
- Hannah, vou te dizer o que vai acontecer. Você vai se matar de estudar com a Ana e mesmo assim não vai tirar nove. Tira a nota que você precisa para ir para Exame que depois é só tirar mais de cinco, bem mais fácil. Vamos, vai ser legal, nos temos que aproveitar enquanto somos jovens. Depois a vida vai ficar seria e não teremos vivido nada. - Loriana sempre tem o mesmo discurso. A irmã dela, mais velha, disse a ela que a vida piora muito depois dos 18 e agora ela tem na cabeça que deve fazer tudo antes de chegar aos 18.
- Lo, prometo que vou ver. Talvez eu estude no sábado e vá com você no domingo. Não preciso ficar me provando de ir a festas só por causa das provas desde que eu estude também não é?
- Isso mesmo. - diz Lo.
- Mas atrapalha na concentração porque você estará cansada. - diz Ana.
O sinal toca e é hora de irmos. Final de semana está aí e ele é muito esperado por mim. Semana que vem será semana de provas e eu nem peguei em um caderno ainda. Me dá sono, me dá fome, menos vontade de estudar. Coloco os fones de ouvido e vou em direção ao carro que meu padastro mandou me pegar. Meu pai nos abandonou quando descobriu que ela estava grávida de mim, o pai da minha mãe a obrigou a casar com o filho de um dos amigos dele e eles estão juntos desde então. Não levo o sobrenome do meu padastro, nós não nos damos muito bem, eu levo o da minha mãe só.
Sinto fome, estou fazendo uma nova dieta que proíbe tudo que gosto de comer, estou a base de salada e carne de soja a semana toda. Perdi um quilo e meio já.
Nós moramos em um apartamento. Cada andar é um apartamento e o nosso é o penúltimo, eu nunca soube quem mora no último. Me disseram que é outro empresário famoso, enfim, tanto faz.
Chego em casa, vou direto para meu quarto, jogo a bolsa encima da cama e tiro o uniforme quente e frio da escola.
- Han, a comida está pronta. - diz Silvia, a governanta.
- Já vou comer. Cadê minha mãe? - pergunto.
- Não sei querida. Ela saiu de carro de manhã e ainda não voltou.
- Obrigada Silvia.
Coloco uma blusa mais justa no corpo e um short um pouco curto, mas tudo bem.
Henrique odeia as roupas que uso, mas ele não é meu pai, não tem que tentar mudar quem eu sou. Solto o cabelo e escovo. Não preciso me arrumar muito, estou em casa.
Desço comer, meu prato é preparado separado do prato da minha mãe. Hoje vou comer peixe e salada. Daqui uma hora estarei com fome de novo, mas é assim que deve ser.
Aqui nós temos três empregadas e a Silvia. Meu padrasto não permite que nenhum homem trabalhe dentro de sua casa, ele é super machista, ele acha que pode me controlar como controla minha mãe.
Término de comer e ainda sinto vontade de comer mais, mas não posso. Assim que vou saindo da mesa minha mãe chega com várias sacolas acompanhada do meu padastro. Ele não come em casa geralmente.
- Hannah, já está em casa? - diz minha mãe me olhando de longe.
- Já. São quase 13;00 da tarde, onde mais estaria?
- Não fale assim com sua mãe Hannah. - diz meu padrasto sentando do outro lado da mesa.
- Ninguém aqui está falando com você Henrique.
Ele olha pra mim, mas ele raramente se abala com o que eu digo.
- Vai se vestir como uma mulher sem valores até quando Hannah? - ele rebate.
- Se atualiza Henrique. A minha roupa não define o que eu sou.
- Mas define o que os outros pensam de você.
- Eu não ligo para o que pensam de mim.
- Não agora que está protegida sobre minha tutela, quero ver quando tiver que se virar sozinha.
E de novo ele com a mesma história. Reviro os olhos e olho para as sacolas nas mãos da minha mãe que está parada mexendo em seu celular. Seu ou o dele, minha mãe é ciumenta. Da até vergonha do quando ela é insegura.
- Mãe, que sacolas são essas?
- Eu comprei um vestido novo para a festa da empresa que terá esse fim de semana. - ela parece animada.
- Por que não me disse antes?
- Porque você não vai. - diz o Henrique já comendo.
- Henrique, por favor! - diz minha mãe.
- Mãe, por que?
- Filha...
- Explica para ela Victória, por que ela não pode ir. - diz o Henrique.
- Para de se intrometer Henrique.
- Filha, respeite ele.
- Você não pode ir porque você não tem educação, se veste como uma qualquer uma e não tem nada a acrescentar a não ser essas suas teorias bestas de que tudo que faz é porque ninguém pode te reprimir por ser mulher. - ele diz sem me olhar, me tratando como nada.
Abri a boca e fecho, não sei bem o que dizer. Olho para minha mãe, ela está sentada ao lado de Henrique, ela olha pra mim é abaixa a cabeça.
Jogo o prato e o copo que usei no chão quebrando tudo e saio correndo para meu quarto. Quem ele acha que é para falar assim comigo? Eu nem queria ir a esta festa idiota da matilha de vira latas babões dele. O que ele acha não me importa, mas me irrita é me fere tanto o fato da minha mãe sempre ficar calada quando ele fala. Ela é uma tonta.
Ligo para Loriana e confirmo que vou a festa com ela, foda se meus pais. Eles que vão a festa deles e eu a minha.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...