História Hannah - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 3
Palavras 646
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 7 - 07


Acordo com o sol entrando pela janela. Abro os olhos e fico perdida na cama, sem saber como será o dia de hoje. Abraço o urso que  Henrique me deu quando saímos do hospital.
Ano passado, em um ato de rebeldia idiota eu tirei todos os ursos de pelúcia de meu quarto achando ser coisa de criança e que eu já estava adulta pra isso, hoje eu sinto falta de te-los.
Alguém bate na porta e depois entra, não me viro para olhar porque eu não me importo com quem seja.
- Olá Han. Vim te ajudar a se arrumar para viajar. - diz Silvia.
Ela me ajuda a me levantar, fazer minhas higienes e a colocar uma calça de moletom, uma regada e uma blusa de moletom.
De toda maneira evito olhar no espelho, acho que não estou preparada para me ver ainda. Nos dias em que passei no hospital conversando com o Dr. Fabio eu só chorava ou ficava quieta, pouco tempo depois comecei a falar algo, mas não chegamos nesse passo onde eu tenho que me olhar.
Silvia faz uma trança em meu cabelo em silencio. Ela me conhece desde pequena, posso ver o sofrimento com que ela me olha ao me ver assim, mas seu sofrimento não é maior que o meu.
- O que quer para o café da manhã? - ela diz com carinho.
- Não tô com fome Silvia
- Você tem que comer. Só pedir, qualquer coisa.
- Suco de laranja e pão de queijo.
- Nada de dieta mais né? - ela sorri fraco.
- Nada de dieta mais. - digo não devolvendo seu sorriso. Esqueci como se faz, me sinto vazia por dentro.
Ela sai do quarto.
Pouco tempo depois ouço batidas na porta. Estou deitada na cama, não me mexo, só deixo que entrem.
- Se sente melhor? - pergunta Henrique bem arrumado como a muito tempo não vejo.
- Sim. - digo já me sentindo confortável com sua presença ao contrario da última vez que estive nesse quarto antes de tudo.
- O carro já está pronto, só estamos esperando o Dr. Alexandre e então poderão ir.
- Por que ele tem que ir?
- Ele é responsável por você agora. Pelo seu caso.
- Entendo. - sinto dor no peito.
- Não pense que está sendo abandonada, você não está. Sempre que precisar de algo pode nos ligar. Só estamos tirando você da cidade por causa de todos os rumores, as ameaças e acredito que um tempo no interior te fará bem. - ele diz me olhando com seus olhos de cor fria.
- Eu entendo Henrique. - digo.
- Han eu.... Eu quero que me desculpe pela forma que te tratei antes. É que eu nunca tive filhos ainda mais uma menina, eu não soube lidar com isso direito. - ele diz olhando para baixo e depois para mim. Ele está perfeitamente colocado em seu terno cinza sob medida, seu cabelo grisalho.
- Tudo bem Henrique. Eu também não tive pai, não fui a melhor filha do mundo. - disse timida.
Nessa hora nós nos abraçariamos, mas eu ainda não posso, não consigo.
Ele entende e então sorri fraco.
- Quero que use esse telefone agora. Tem um número novo é nossos telefones já estão salvos aí. - ele diz me entregando uma caixa com um telefone. - Nos mande fotos de lá .
- Pode deixar. - digo deixando uma lágrima cair.
O clima fica tenso, mas então Henrique sai do quarto. Sinto meu coração pesar no meu peito. Ele merecia mais do que isso, mas eu sou incapaz agora.... Simplesmente não da.
Silvia volta com pão de queijo, suco, torradas e mel.
Como uma coisa ou outra fazendo esforço, eu simplesmente não sinto prazer mais, nem em comer.
Quando termino Silvia e mais dois empregados já estão a minha espera.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...