História Hannah Potter - O Cálice de Fogo - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Cálice De Fogo, Grifinória, Hannah Potter, Harry Potter, Romance, Sonserina
Visualizações 149
Palavras 1.475
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello!

Quase nunca coloco foto, aí quando fico com vontade de por não consigo baixar... Maravilha.

GENTE, COMECEI A VER RIVERDALE! QUE MARAVILHA É ESSA, SENHOR???

Eu espero que gostem do capítulo tanto quanto eu gostei dessa série maravilinda!

Antes de ir, quero dar um avisinho rápido: Nesta temporada vai rolar treta entre Harry e Hannah, então ela vai ficar mais próxima da turma sonserina!

Boa leitura!

Kisses
*3*

Capítulo 11 - Isso que aconteceu.


Para não deixar os outros preocupados, eu e Harry acabamos fingindo que estava tudo bem entre nós, mesmo que não esteja bem assim. Bem, se fizemos um acordo é porque não estamos numa situação tão ruim assim.

Quando parei para analisar tudo que eu falei, percebi que realmente não agi como a melhor das pessoas. Quis me vingar de Crouch usando Winky como culpada e depois tentei defendê-la, sendo que provavelmente só chutei o balde da situação. Contudo, ninguém saberia que cheguei a essa conclusão, não vou deixar a mostra que eu sou a culpada da situação, até porque Crouch conseguiu agir um pouco pior do que eu...

Assim que chegamos de volta na Toca, Fred e Jorge foram recebidos por abraços apertados da mão. No chão se encontrava um exemplar do profeta diário que dizia sobre o ocorrido na copa mundial de quadribol. Pelo que entendi, ela se arrependeu quando percebeu que a ultima coisa que fez com eles foi discutir com os dois.

Sorri tristemente enquanto a maioria conversava. E se um daqueles feitiços lançados pelos bruxos do ministério tivesse me acertado? Ou acertado um dos meus amigos? Ou talvez se um de nós fosse pego pelos comensais? A última coisa que fiz foi acusá-los de comentar sobre a minha vida, sendo que eu não tinha 100% de certeza de que estavam fazendo isso mesmo. Talvez... Talvez eu tenha sido um pouco injusta com eles.

(...)

— Como foram as férias? — Perguntei, fechando a cabine em que entrei junto com Daphne e Astoria no expresso de Hogwarts.

— Bem... — Daphne respondeu, um pouco incerta.

— Bem ruins. — Enfatizou Astoria. — Nossos pais não gostaram muito de saber sobre a nossa amizade, Hannah... E ainda teve a copa mundial de Quadribol que segundo eles foi um fracasso total...

— É, talvez por não terem conseguido matar os gêmeos mais famosos do mundo bruxo... — Daphne murmurou, lançando um olhar chateado na minha direção. — E as suas, Hannah? Como foram?

— Acho que boas, não sei dizer ao certo... — Respondi. — Terminei com Cedrico.

— O que? — As duas perguntaram, arregalando os olhos.

— Por quê? — Daphne perguntou, tocando no meu ombro.

— Porque eu o traí. — Respondi sem rodeios. — Eu trai ele com Draco, e Harry acabou descobrindo... Terminei antes que piorasse.

Astoria estava com um pequeno sorriso no rosto, provavelmente contente ao ouvir que eu e Draco ficamos, mesmo que tenha sido desta forma... Já Daphne me encarava de boca aberta. Não aparentava estar chateada nem feliz, apenas de boca aberta.

— Bem, Cedrico era gostoso, só que você e Draco é amor mesmo. — Astoria comentou. — Talvez eu possa dar um ombro amigo a Cedrico, se não se importar...

— Todo seu... — Respondi, entendendo o duplo sentido da frase.

— Meu Deus... — Daphne murmurou, esfregando uma das têmporas. — Sério mesmo que ninguém nem sequer pensa no coitado sem segundas intenções?

— Você, e só pensa sem segundas intenções porque ele não tem peitos! — Astoria retrucou.

Sorri de lado. Harry, Rony e Hermione eram bem legais, só que essas duas... Elas me deixavam bem comigo mesma, sem me preocupar se estou agindo corretamente ou não. Eu me sentia no lugar ideal com elas.

— É... Talvez... — Daphne concordou, fazendo bico. — Mas então... Como foi beijar o seu príncipe de cavalo branco, senhorita Potter? — Fiz uma careta ao ouvir os adjetivos dados a Draco.

— Tá mais pra rei malvado do que príncipe... — Comecei. — Contudo... Foi bom! Muito bom...

Astoria bateu algumas palmas, sorrindo de orelha a orelha com o comentário. Daphne revirou os olhos, mas estava sorrindo de lado também. Agora percebi em como a havia transformado... A garota que antes era tímida e tinha medo de mostrar como realmente era estava se abrindo aos poucos, o que era incrível.

Começamos a conversar sobre o que aconteceria esse ano, o que me fez descobrir uma coisa inédita: Vai haver um torneio entre Hogwarts e duas outras escolas de magia, nomeado como Torneio Tribuxo, um aluno de cada escola vai competir e o vencedor ganhará uma quantidade grande de dinheiro, além do troféu.

Confesso que senti vontade de participar. Não pelo dinheiro ou pelo troféu, mas pelo risco a ser corrido. Seria algo bem... Louco de se fazer.

— Hannah... — Daphne começou. — Não me diga que está pensando em participar? — Sorri maliciosamente para a mesma.

— Ah, ela tá sim... — Astoria comentou. — Até eu entraria se pude...

A morena foi interrompida pela porta sendo aberta bruscamente. Quando me viu sentada ali, Draco sorriu maliciosamente. Desta vez, o loiro estava com dois Sonserinos que eu só conhecia de vista, mas os reconheci como Blásio Zabini e Theodore Nott. O primeiro era negro, alto, e com um ar de arrogância quase igual ao de Draco. Já Theodore parecia ser mais descontraído, com um sorriso malicioso entre os lábios enquanto olhava para Astoria, que automaticamente aparentou estar desconfortável.

— Potter... — Draco começou, um pequeno sorriso brotava em seu rosto.

— O que quer, Malfoy? — Perguntei, cruzando as pernas. Logo percebi que não foi o melhor a se fazer quando os três garotos ficaram olhando para as minhas pernas, agora um pouco mais descobertas. — Querem tirar uma foto quando sentirem saudades? — Perguntei sarcasticamente, não me abalando com os olhares.

— Não vamos precisar disso, Potter.— Zabine retrucou, deixando de olhar para meu corpo, logo em seguida Nott fez o mesmo. Draco foi o único que continuou por mais um tempo.

— Ótimo. — Retruquei, puxando a saia um pouco para baixo. — Agora será possível responderem o motivo de estarem aqui?

— Só quis fazer uma visita... — Draco respondeu com um sorriso presunçoso no rosto. — Vai entrar, Potter?

— No torneio? — Perguntei, dei de ombros logo depois. — Talvez, se puder...

— Pensei que não estava sabendo disso, seus outros amigos não sabiam... — Dei de ombros.

— Acredite ou não, mas o meu contato com eles diminuiu um pouco. — Draco sorriu presunçosamente.

— Vai ver eles perceberam que é boa demais para se juntar ao lixo... — Revirei os olhos.

— Não os chame assim... — O trio de rapazes soltaram risos, mas não muito longos.

— Você, no fundo, sabe que não estou errado... — Draco comentou, dando de ombros. — Espero que consiga o que queira... Se for corajosa o suficiente pra entrar no torneio, pelo menos.

— Acredite, eu sou. — Comentei, fechando os punhos.

Ouvir alguém duvidando de mim era horrível, dava vontade de fazer justamente o que diziam que não sou capaz, mas suspirei fundo e abri as mãos lentamente. É isso que ele quer, me provocar...

— Sabe, Greengrass... — Theodore começou, sorrindo para Astoria. — Você é solteira. Eu também... E soube que sua família não está tão contente assim com você.

— E daí? — Astoria perguntou, seca.

— Poderíamos ficar juntos, aí seus pais se orgulhariam de você...

— Caem fora daqui, vocês três! — Daphne exclamou, se levantando do banco e empurrando Draco para trás, que acabou levando os dois juntos. — O próximo que vier falar merda aqui eu estuporo até vocês implorarem para eu parar!

A loira fechou a porta bruscamente, suspirando fundo. Franzi o cenho ao ver toda aquela cena. Claramente aconteceu alguma coisa que não deveria ter acontecido na família das duas durante as férias, era só olhar a expressão triste de Astoria.

— O que houve? — Perguntei, tocando no braço da mesma. — O que os pais de vocês fizeram?

— Astoria conheceu um sangue-ruim. Isso que aconteceu. — Daphne comentou, olhando mortalmente para a irmã. — Ele percebeu que aconteciam algumas coisas estranhas e destratou dela... Agora viramos motivo de chacota dos nossos próprios pais...

— Cala a boca... — Tori murmurou, apoiando a cabeça com a mão esquerda. — Não imaginei que aconteceria o que aconteceu...

— É, até porque em alguma vez você já imaginou alguma coisa. — Daphne retrucou.

Antes que a discussão pudesse se agravar, me coloquei entre as duas, fazendo tanto Astoria quanto Daphne pararem de falar, embora ainda se encarassem enfurecidas uma com a outra.

— Acalmem-se. — Disse. — As duas. Aquele trouxa pode ter sido um babaca, aparentemente, mas tenho certeza de que se vingaram da maneira certa, não foi? — Perguntei.

— É... Talvez eu tenha acidentalmente queimado as roupas dele da maneira tradicional... — Daphne murmurou, olhando para o outro lado. Percebi o rosto de Astoria se iluminar.

— Sério?

— Claro... — Daphne retrucou. — Eu tenho o direito de te chatear, não aquele maldito... 

— Bem, obrigada...

Depois disso, as duas acabaram se acalmando. Aproveitamos esse momento para xingar as pessoas que já haviam nos irritado em algum momento e desabafar tudo que quiséssemos desabafar. No final de cada desabafo, as que escutavam começavam a rir e logo todas riam.

— E aquele Zabine, hein? — Astoria perguntou de repente. — Aquilo é o mau-caminho inteiro...

— É... Bonito. — Respondi, não havia visto tanta beleza assim no garoto.

— No máximo lindinho... — Daphne comentou. — Prefiro mil vezes aquela amiga lá da Pansy... Acho que é Emma.

— Sim, é Emma. — Respondi, me lembrando de uma tal Emma Walker. — Bonita...

Fiquei um pouquinho descontente ao ouvir Daphne falando sobre outra garota, mas logo me acalmei e voltamos a nos divertir com comentários sarcásticos e entre outras coisas.


Notas Finais


*Resolvi fazer uma pequena lista dos sonserinos citados e que vão aparecer mais futuramente, seus personagens e atores*
⟶ Theodore Nott/ Richard Harmon
⟶ Blásio Zabine/ Louis Cordice (o mesmo de Harry Potter e o Enigma do Príncipe)
⟶ Emma Walker/ Madelaine Petsch

O que acharam? Podem me dizer!

Até o próximo guys!

Kisses
*3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...