História Hard - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7, KNK
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Park Seung-jun, Youngjae, Yugyeom
Tags Jackson, Jark, Mark, Markson, Possíveismudanças, Shortfic
Visualizações 50
Palavras 2.013
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Festa, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Mais um capitulo para vocês.

Markson forever <3
Espero que gostem.

Capítulo 19 - Dica numero 1: Nunca subestime.


 

Xx

 

 

— Eu não acredito... – Sussurrou Mark descontente com quem acabara de ver entre as pessoas que ali circulavam.

— Falou? – Questionou Jackson. Mesmo estando no mundo da lua percebeu que o amigo falava.

— Jina... e Jay! – disse, suspirando, enquanto limpava alguns copos.

— Pronto, a dupla que poderia acabar com o resto da minha noite... – Seu tom irônico foi percebido por Mark, que se encostou na bancada onde estava.

— O que houve, você está estranho! – Disse Mark.

— Nada... – Embora ele quisesse esconder que estava super mal ele não conseguia, aquilo parecia ser algo que Mark precisava saber, mais sua cabeça o questionava se era a hora apropriada para dizer o que havia acontecido.

— Você está escondendo algo...Você sabe que eu sei não é? – Questionou, convicto de que era assim e Jackson sabia que ele sabia.

— Eu sei – Assumiu, frustrado – Mais não se preocupe, eu te direi, só quero que saiba que eu nunca deixaria ninguém te machucar.

— Jackson, abre logo o jogo! – Mark se preocupou, afinal, Jackson não diria aquilo se não fosse realmente algo assim.

— Deixa... – Balbuciou, desviando o olhar de Mark e focando em um lugar na pequena multidão quando sentiu olhos lhe observando.

 

Ele viu os olhos afiados da ruiva sobre ele e Mark, mais especificamente sobre Mark. Jackson sabia o que aquele olhar queria dizer:

 

“Eu estou bem aqui”.

 

O olhar dela tinha aquela mensagem não tão escondida. Ele quis checar mais uma coisa.

“Ah...mais um” – Pensou, encarando sua ex-namorada.

 

Jackson não tinha medo, de qualquer que fosse o olhar, de quem quer que viesse. Ele só não queria, que nada acontecesse ao amigo e mesmo sentido como se não devesse instigar nada, ele não conseguiria passar daquela noite sem saber até que ponto ela ou elas iriam, algo maior o dizia para checar esse ponto e mesmo sem saber se era o certo a fazer ele fez.

— Você se importaria de causar uma cena comigo? – Questionou, encarando Mark.

— Que tipo de cena? – Indagou, curioso, receoso.

— Esse tipo de cena... – Se aproximou, devagar, até a bochecha do amigo.

 

Ele não beijaria Mark – mesmo desejando – sem o consentimento dele. Foi até engraçado ver o receio nos olhos de Mark, ele podia sentir o outro tremer sobre seu toque e claro – ele sabia – que Mark pensava que ele realmente o beijaria.

 

Jackson beijou a bochecha do outro e antes de se afastar sussurrou:

“— Sorria...”

 

Mark sorriu. Mesmo assustado, seu sorriso não parecia conter nada de repulsa.

Jackson sorriu e fingiu estar envergonhado – ele realmente estava, mais o foco era encenar – e olhou, para onde sentia com maior força o olhar de Jina e Jay os queimar.

 

— Esse tipo de cena? – Mark questionou, ao confirmar para quem era aquela cena.

— Esse tipo de cena! – Jackson riu como Jackson e embora a música fosse alta e  que a distância fosse razoavelmente boa, ele sentiu como se devesse ter gargalhado mais baixo.

 

Jina saiu quase soltando fogo pelos olhos, naquele momento Jackson teve um mal pressentimento.

 

Xx

 

 

— O que eu faço? – Perguntava JB, pela milésima vez a Mark.

— O que Im Jaebum? – Tinha vontade de rir da situação do outro, ele já sabia do que si tratava, mas o único jeito de resolver aquilo era com o Im jaebum, teimoso de sempre, falando.

— Youngjae... está me dando dor de cabeça! – Disse, encarando o garoto que estava em seu posto, barraca do beijo.

— Não é ao contrario? – Cutucou Mark e Jaebum o encarou com aquela carranca.

— Aish... – Suspirou – tudo é fácil para todos, com exceção de quem? Isso, eu – Deu um gole no seu Drink.

— Não exagera – Disse Mark, tentando consolar o amigo.

— Não é? Você e Jackson, não foi inesperado, mas está ai dando certo.

— Você não sabe de nada – Disse baixo, ele não podia concordar com aquilo. Não era verdade, Jackson e ele apenas tinham um acordo muito estranho.

Porém.

Mark dizia que Jaebum não sabia de nada, mal sabe ele, que Jaebum sabe de tudo.

 

Jaebum ouviu o outro, teve vontade de rir, foi nessa hora que ele percebeu que talvez, as coisas entre ele e Mark ainda não estivessem resolvidas como ele pensava.

“Você que não sabe de nada” – Pensou, encarando Mark, encarando Jackson que encarava Mark, encarou YoungJae que o encarou.

 

Jaebum apenas olhava Youngjae de uma distância segura, como no passado.

“A porra da distância, reapareceu” – Pensou.

 

Xx

 

— Jack... – Mark chamou pelo outro, que conversava com Jaebum sobre o fim das férias – Eu vou no banheiro, você pode dar conta de tudo? – Disse, tirando o avental escuro que adornava sua cintura e Jackson o repreendeu, pedindo para colocar o avental de novo, alegando que era seu uniforme.

Na verdade ele só não queria que Mark desfilasse sem blusa.

— Ah, verdade.

— Okay, Markie, agora pode ir! – Disse, atendendo dois rapazes que acabara de chegar.

 

Jackson olhou em volta, procurando vestígios de uma ruiva endiabrada, mas não encontrou.

— Talvez ela tenha ido embora – balbuciou.

— Falou? – Um dos garotos que estava esperando perguntou tirando Jackson de seu transe, só ai ele percebeu que havia falado alto.

— Não – sorriu – o que vai querer? – Perguntou ao rapaz, olhando Mark sumir pela escada da casa de Jaebum.

 

...

 

— Cinco minutos...  é pouco tempo? – Se questionou, olhando para o celular.

 

Jackson não era do tipo possessivo e muito menos  um tipo apaixonado obcecado, mas, a demora de Mark , por menor que fosse, preocupava Jackson.

Ele era do tipo que não gostava de duvidar das coisas e muito menos das pessoas.

 

Xx

 

O corpo de Mark estava paralisado, por inteiro ele não sabia o que fazer.

— Loirinho... – O homem continuava parado, do lado de fora da porta, chamando por seu nome.

 

Mark odiava se sentir daquele jeito, ele odiava temer alguém, odiava se sentir fraco e incapaz.

Ele estava morrendo de medo, ele simplesmente havia travado, no banheiro, impossibilitado de abrir a porta ou simplesmente perguntar quem era.

 

— Jack... estou com medo! – Disse baixinho, se agachando no chão, na esperança de que o homem que lhe chamava simplesmente fosse embora.

 

Ele não queria chamar Jackson e muito menos nenhum dos outros, porque de qualquer jeito Jackson ficaria sabendo e como da ultima vez, ele não queria que Jackson entrasse em confusão por sua causa.

 

Ele iria simplesmente esperar aquela pessoa ir embora.

Mas porque diabos ele continuava batendo na porta, quem era?

 

— Vamos continuar de onde paramos na ultima vez? – A voz do homem era sujestiva, era nojenta, Mark se sentia enjoada, mas, ainda pensava que a pessoa estava apenas o confundindo com alguém.

— Vai embora! – Gritou, teve a coragem de se pronunciar ao imaginar que o homem apenas havia se enganado de pessoa – Você está me confundindo com alguém – Disse, esperançoso de que aquela voz que o amedrontava apenas sumisse.

Ele tinha certeza de que não conhecia aquela voz e muito menos o dono dela, ele sabia.

— Não... – a voz, continuou, Mark só ficou mais assustado – não estou me confundindo! – Afirmou, Mark prendeu a respiração.

 

Agora, não havia para onde correr, Mark estava realmente assustado.

Levantou-se depressa ao ver a maçaneta da porta sendo girada, ele sabia que estava trancada, mas tinha medo, muito medo de que a porta se abrisse.

— Vá embora, me deixa em paz – Gritou, sua voz já não demonstrava calma ao ver que a pessoa insistia em abrir a porta.

 

Seu coração acelerava em desespero.

Seu celular tocou, era Jackson, Mark desligou a chamada.

Jackson ligou novamente, Mark desligou novamente. Ele não queria envolver o outro naquilo, o homem iria embora sem dúvidas, ele não ficaria plantado lá a madrugada inteira.

 

Jackson continuou ligando, e Mark sabia que ele estava preocupado... ele tinha que atender.

— Oh, Jackson... – tentou agir naturalmente, enquanto se escorava na porta, na tentativa de impedir ela de ser aberta.

— Onde você está? – perguntou serio, preocupado.

— Eu... – não conseguiu pensar em nada, ele não sabia mentir para outro – Estou no banheiro... ainda – completou, após uma pequena pausa.

— Mark, o que há de errado? – Questionou, Mark percebia a preocupação na voz do outro – Responde!! – Gritou, aflito.

— Jack... – Mark realmente estava com medo, o homem parecia querer arrombar a porta, ele era forte.

— Mark... não me preocupa mais do que eu estou por favor... – pediu, saindo de seu posto, sem pestanejar, ele sabia que tinha algo estranho acontecendo.

— Tem alguém aqui... na porta do banheiro... – Disse, segurando as lágrimas – é um homem... – Mark podia ouvir os passos fortes do outro correndo, Jackson estava vindo atrás dele.

— Mark... Mark... não abre a porta até que eu chegue, okay? – Perguntou, subindo as escadas o mais rápido que conseguia.

— Okay.... – Respondeu, prendendo o choro – Meu amigo está vindo... é melhor você sair, me deixa em paz!! – Gritou e Jackson ouviu, ficando mais assustado ainda.

— Ah... seu amigo? – Perguntou em meio a uma risada estranha, como se zombasse dele - Vou te deixar em paz hoje... apenas... – Disse o homem, se afastando da maçaneta e da porta.

Mark desmoronou, aquilo era uma ameaça, era um aviso de que ele voltaria, não era?

 

Ele chorou, com medo, odiou aquilo com toda sua força.

...

— Mark!! – Jackson bateu na porta, mas ninguém percebeu, continuou chamando o amigo pela chamada, mas ele não respondia.

Ele conseguia ouvir o choro de Mark, aquilo estava acabando com ele.

— Mark!!? – Gritou, você está em que banheiro, meu Deus! Me responde! – Nada, Mark nada falou.

 

Jackson não podia permitir aquilo, ninguém faria Mark chorar, Ninguém o ameaçaria e nunca mais o deixariam com medo, nem que para isso ele tivesse que usar toda sua força.

 

Como havia imaginado, Mark estava no banheiro do quarto, ele podia ouvir seu pequeno soluçando, do outro lado a porta.

— Mark... – bateu na porta, ouvindo-a sendo destrancada no mesmo instante.

Mark estava sentado sobre os joelhos enquanto cobria os olhos com as mãos.

Jackson não disse nada, apenas se abaixou perto do outro e o abraçou, tentando o passar um pouco de conforto.

Mark o abraçou, chorando.

Era a segunda vez, que ele o via chorar por medo.

Era a segunda vez que aquele maldito havia feito Mark chorar.

Era a segunda vez que, Jina o desafiava.

Era a segunda vez, no mesmo dia, que Jackson jurava para si mesmo que nada e nem ninguém nunca mais machucaria Mark Tuan.

Jackson o protegeria, nem que para isso tivesse que matar.

 

— Me desculpa... por ter demorado, por não ter pego ele, por não saber como é o rosto e muito menos o nome de quem está fazendo isso contigo... me desculpa Mark... eu não posso mais ficar parado e ver alguém fazendo isso com você... eu... eu – ele não tinha palavras para se expressar.

 

 Ele só se arrependia amargamente por não ter ido atrás da pessoa que era o suposto cara que havia atacado Mark dessa e da ultima vez, ele só conseguiu focar na cobra chefe, esqueceu totalmente de que ela poderia planejar algo.

Ele, por algum motivo – talvez convivência – quis acreditar inconscientemente que Jina, não teria coragem de fazer nada contra Mark, mas agora, ele não duvidaria nunca mais dela, de nada.

 

— Eu estava com medo... eu não queria, mas estava... – Disse, após se acalmar um pouco, ainda nos braços do amigo – eu acho que é a mesma pessoa... – Disse, ainda soluçando.

— É a mesma pessoa... – Jackson assumiu, Mark pareceu tremer, surpreso.

— Você acha que... ele... ele tentaria me atacar de novo – Perguntou, queria saber a opinião de Jackson.

— Sim, mas, eu não vou deixar que ele, ou qualquer pessoa que te queira fazer o mal chegar perto, ninguém irá te machucar, eu prometo! – Disse, convicto de que era aquilo que faria, nem que fosse preciso ele colar no Mark mais que o normal, nem que fosse preciso escoltar o outro para todo lugar que o mesmo quisesse ir.

— Jackson... se você sabe de algo que eu não sei, por favor me conte! – Pediu, encarando Jackson que o encarava.

Ele sorriu, passando a segurança que Mark precisava.

— Eu te contarei tudo que sei, mas hoje não, amanhã! – Disse, se levantando junto de Mark.

Mark devia estar muito abalado, não insistiu, apenas concordou com a cabeça.

Jackson agradeceu.

Ele agora, só queria que aquela madrugada terminasse.

 

Xx

 


Notas Finais


Esse cap estava quase terminado, então resolvi terminar ele e postar logo.
Agora sim, em breve venho com mais capitulos.

Espero que não tenha sido tão ruim.
Beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...