História Harry Potter de um jeito diferente - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Marlene Mckinnon, Minerva Mcgonagall, Personagens Originais, Remo Lupin, Ronald Weasley, Sirius Black
Visualizações 105
Palavras 1.498
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Gringotes


Beco diagonal, Londres.

-----------------------------------| 12:09 |---- 2 messes após a invasão -----------------------------------------

Um pop suave anunciou uma chegada ao beco diagonal, não que alguém tenha notado já que o local estava lotado.

Ninfadora Tonks estava fazendo sua patrulha pelo beco e percebeu uma aparatação, não era algo incomum no centro de compras bruxo, mas o bruxo em questão era.

Harry caminhou direto para a construção mais chamativa, o prédio de mármore com arquitetura curiosa. Quando ele chegou na metade do caminho ele ouviu três barulhos de aparatação, ele continuou andando até quatro pessoas emparelharem com ele.

- Bom dia kingsley – Harry cumprimentou sem olhar para o lado. – Sabrina!

- é Alice. – Corrigiu a mulher ao lado de kingsley. Do seu outro lado estava uma mulher de cabelos rosa, Harry a reconheceu como um auror Junior que constantemente o beco ele sabia muito sobre ela já que ele estudou tudo sobre o local e as pessoas que ofereciam riscos. não foi muito difícil conseguir as informações.

- Bom dia para você também Ninfadora. – disse Harry parando no meio do beco e virando se para a metamorfamago notando que seu cabelo tinha ficado vermelho, mas ela não o corrigiu como ele esperava, na verdade ela parecia travada.

Sentindo um leve formigamento na parte de trás de sua cabeça Harry se virou para o ultimo membro de sua escolta, uma garota loira não muito mais velha que ele, tinha um cabelo loiro platinado e olhos tão azuis quanto o oceano. Harry logo a reconheceu como Fleur Delacour uma dos campeões do torneio tribuxo ficou em segundo lugar atrás do búlgaro. Ela também estava em suas pesquisas já trabalhava no banco, mas hoje era um de seus dias de folga.

- A senhorita não deveria estar descansando de seu trabalho Senhorita Delacour.

- Não estou aqui pelo meu trabalho monsieur. – Replicou com uma leve sugestão de sotaque que Harry achou para ser sexy. Na verdade ele se encontrou achando tudo na moça sexy e ele tinha que isso não era o encanto veela. – Acho que estou ficando muito atraído para mulheres loiras. – Deixou escapar.

A veela corou, kingsley continuou com um rosto reto assim como ele tinha dês do inicio da conversa embora Harry tenha achado que ele não estava feliz por ser superado no evento do ministério, Alice parecia um pouco irritada e a melhor parte foi que Tonks inconscientemente mudou a cor de seus cabelos para loiros para o qual Harry deu um sorriso malicioso o que a deixou ruborizada.

- Está visitando o banco senhor Potter? – Shacklebolt perguntou.

- Sim, estou pretendo fazer um saque. Um saque muito grande. – Respondeu e recomeçou sua caminhada. – Mas e vocês? Tendo sorte em me rastrear?

- Considerando que foi a primeira vez que você deu as caras em dois meses, fica difícil de rastrear qualquer coisa. – Respondeu Tonks agora num tom sério.

- Então vocês me acharam rápido, afinal mau pisei no beco.

- Bom... Dumbledore acha que deveríamos vigiar o beco dês de que você tem planos para o banco. – Kinsgley disse quando os quatro subiram os degraus para a entrada de gringotes.

- Se nós os conhecemos-se melhor diria que vocês foram voluntários para isso. – Sugeriu Harry fitando principalmente as moças, mas já sabendo de Dobby que metade da ordem tinha se voluntariado. Ter um elfo domestico como espião era de máxima eficácia já que os bruxos pareciam ignora-los totalmente (a historia de como Harry conheceu Dobby será contada depois).

Por essa altura os quatro estavam na metade do caminho do hall do banco quando passaram três quartos do percurso Harry removeu o capuz e agora os quatro membros da ordem puderam ver que seu cabelo agora era branco, não um loiro-branco, mas um anormalmente branco era com a neve.

- Bom dia mestre duende! – saudou Harry em inglês, ele poderia falar na língua deles, mas não queria exibir esse conhecimento que poucos eram privilegiados de ter.

- No que poderia ser útil? senhor?

- Meu nome não importa já que eu vim visitar um cofre que não me pertence. – Os quatro que o seguiam tiraram suas varinhas. (Dumbledore disse a ordem que Harry tentaria entrar em gringotes e que isso não poderia acontecer já que era uma possível alavanca para os duendes saírem de sua neutralidade) Paralelamente Harry também sentiu guardas goblins andando discretamente para sua localidade.

Antes que algum pudesse ver a varinha de Harry saiu de sua manga e um jato de luz foi ao chão e mesmo um trouxa poderia sentir a magia se espalhando pelas paredes, os pilhares de mármore criaram vida e delas saíram cavalheiros de pedra com dois metros de altura. Em poucos segundos todos os duendes e os quatro acompanhantes estavam rendidos assim como todas aos outras pessoas que estavam no banco. Dois dos cavaleiros de pedra estavam bloqueando a entrada.

- Bom vamos começar. – Anunciou Harry para ele mesmo, arregaçou as mangas do sobre tudo preto e só os quatro e o duende que estava rendido na mesa principal puderam ver a tatuagem de dragão no pulso estava brilhando. – E agora eu espero.

- O que você está esperando? – kingsley perguntou e Harry notou com humor que o auror normalmente de aparência imponente agora mostrava uma leve pontada de medo e não era atoa, as estatuas não eram simples transfigurações era uma magia muito antiga e poderosa que invocava “espíritos” de cavalheiros antigos.

- Você verá... – respondeu, mas antes de continuar gritos coletivos foram ouvidos do lado de fora e um estrondo se deu ao teto o prédio todo tremeu.

Um rugido alto foi ouvido e mais dois trancos no teto foram sentidos, nem mesmo os duendes conhecidos por sua frieza estremeceram. – CRIANÇAS VENHÃO PARA A FESTA – Harry gritou com alegria e todos ali tiveram a sensação de que isso não era um bom sinal.

Realizando os temores dos presentes três dragões desceram do teto, dois deles negros como a noite,um branco como neve.

  - Cavem. – Ordenou.

Sem perda de tempo as criaturas gigantes começaram a cavar o chão com as garras poderosas como se estivessem rasgando uma de suas presas e não demorou muito para que um buraco enorme surgisse no hall do banco, o buraco era mais uma passagem para o subterrâneo de gringotes e dois dos dragões pularam para ele, o branco sendo o único que sobrou estava olhando para Harry como se esperasse um consentimento. O garoto por sua vez assentiu com a cabeça e a fera mergulhou para a escuridão da caverna subterrânea

- leve-o – Ordenou para cavalheiro de pedra que em seguida pegou o duende pelo pulso e pulou no buraco. – Bom... nos vemos por ai moças bonitas e kingsley. – Harry disse andando para a beira do buraco e pulou sem olhar para trás.

A descida foi tranquila, lógico que o vento e o frio da caverna, mas nada que o incomodou. O pouso por outro lado foi um pouco mais desconfortável, suas botas eram cheias de encanamentos para que ele pudesse pular de grandes alturas e não se machucar, mas ainda teria impacto no chão o que resultou na grande estrago no piso da caverna.

A primeira coisa que Harry notou foi que seus dragões estavam inquietos os dois pretos estavam em posição de ataque e encurralando um barriga-de-ferro ucraniano enquanto bola de neve (nome do dragão branco) estava parada esperando Harry.

Ele andou direto para o cofre em que ia entrar o cavalheiro de pedra estava parado de frente para o cofre ainda com o duende preso pelo pulso. Só precisou de um aceno de cabeça para a estatua forçasse a mão da pequena criatura na porta o que pareceu tirar o duende de seu medo.

- Você de não pode roubar da gente. As consequências para os ladrões são severas.

- Ainda bem que eu não vim roubar nada. – Retrucou Harry e sem mesmo olhar uma segunda vez para o cofre ele tirou sua varinha novamente e conjurou uma águia de fogo. A ave entrou no cofre e começou a destruir tudo. Demorou alguns segundos até um grito estridente ser ouvido vindo do meio das chamas. – Trabalho feito.

O caminho de volta foi fácil. Já havia vários guarda duendes e aurors no fundo da caverna, mas não estavam tendo nenhum sucesso e subjulgar três dragões adultos. Então após soltar o barriga de ferro ele subiu nas costas de bola de neve e saiu voando, mas não sem causar um enorme estrago.

Ninfadora tonks tinha acabado de ver quatro dragões saindo do subterrâneo do banco de gringotes e ela não sabia se ficava chocada com o fato de três dragões terem entrado e quatro saído, que Harry potter estava montado em um ou que as criaturas estavam destruindo mais o hall do que quando chegaram.

Kingsley só pensava no problema que ele ia ter para explicar isso para Dumbledore e a quase certa reunião da ordem que duraria horas por causa de Potter. Esse garoto estava trazendo tantos problemas quanto ele poderia lidar.       



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...