História Harry Potter e a Revolta dos Sangue Ruins - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Visualizações 23
Palavras 2.087
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Spoilers, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Capítulo 5 pronto.

Espero que gostem.

Capítulo 5 - Revelação


O sol iluminava os pés dos garotos, a cortina que se encontrava metade aberta deixavam os raios de sol invadirem as janelas daquele cômodo, Harry se levantou por volta das 8 e meia da manhã, notou isso no relógio que estava pregado no centro do quarto, contemplou Rony ao seu lado roncava normalmente, se levantou na ponta do pé para não acordar o seu amigo, escovou os dentes e fez o que faz diariamente, quando voltou ficou surpreso de ver Rony todos arrumado.


— Dia´- cumprimentou- Já troquei o pijama- respondeu sorrindo.


— Dia´- respondeu educamente - Ok, entre no banheiro, enquanto isso vou me trocar.


Enquanto Rony cantarolava desengonçadamente enquanto escovava os dentes, ele se arrumou, assim que Rony saiu do banheiro ele tinha acabado de encaixar os sapatos, sorriu normalmente.


— Vamos descer? Estou morrendo de fome - disse massageando a barriga ao mesmo tempo que fazia uma cara desgostosa. 


"Normal" pensou Harry sorrindo por dentro e voltando sua atenção para os sapatos.


— Seríamos melhor esperar Hermione, não acha? Seria legal dar uma boa impressão aos pais dela.


— Ah, sim, claro, mas e se ela demorar?


Harry revirou o malão a procura de alguma coisa, não tardou para achar um pacote de Feijõezinhos de Todos os Sabores, entregou para o Rony.


— Coma a vontade.


Rony amarrou a cara e parecendo o mais educado possível rejeitou o pacote de Feijõezinhos de Todos os Sabores, Harry sabia muito bem o porquê, ele contara no seu primeiro ano em Hogwarts.


"- Quando dizem todos os sabores eles querem dizer todos os sabores. Sabe, todos os sabores comuns como chocolate, hortelã e a laranja, mas também espinafre, fígado e bucho. Jorge achou que sentiu gosto de bicho-papão uma vez."


Harry se lembrava perfeitamente disso, seu peito se contorceu de saudades, era tão bom ser criança, mas a sua nuvem de pensamentos sumiu por causa de uma batida que vinha da porta, uma batida suave. 


— Já vai - repetiu Rony indo até lá e abrindo - Dia Mione, Dia Luna, Dia Maninha.


— Dia - responderam elas numa única voz.


Ficaram conversando um tempão, enquanto Hermione explicava que à noite eles iriam visitar uma boate, e explicava como se comportarem como uns trouxas, Gina soltava gargalhadas a cada travessura que ela contava, enquanto Rony fazia uma cara de incerteza para Harry, Hermione estava bem mais humorada do que antigamente, até parecia outra garota, além daquela chatinha que vivia implicando por não terem feito os deveres.


— Bom vamos descer, gente, mamãe já deve ter colocado o café da manhã na mesa.


Desceram uma escada que Harry não tinha notado a existência dela na noite anterior e logo estavam na cozinha que não era tão grande como Harry imaginava, era do mesmo tamanho que a dos Dursleys, sentaram confortavelmente apertados e tomaram um delicioso café da manhã.


— Ah, Rony, coma direito - sussurrou Gina às cotoveladas nas costas do irmão. 


Após diversas gargalhadas terminaram de tomar o café da manhã.


— Gente, vamos subir, papai me presenteou com um video game super legal - então ela contou o motivo na qual ganhara o presente, foi por ter ido super bem nos N.O.M´s.


— Pensei que seus pais não gostassem de você ser bruxa - respondeu Harry animadamente no quarto de Hermione, enquanto Rony e Luna jogavam, Gina observava tudo como se tudo fosse mágico.


— Na verdade eles não acharam uma boa idéia no começo, mas acabaram se acost...

— Ah! Hermione! - berrou sua mãe lá embaixo.


— Já volto gente - e abandonou o quarto correndo. 


— Vou ao banheiro - disse Harry indo até a porta.


Após se aliviar, lavou as mãos, encarou sua imagem no espelho, jogou o cabelo para o lado com um pouco de água e saiu do banheiro, então escutou uma voz.


— Filha, eu e seu pai, você sabe, a festa vai ser hoje à noite - dizia a Sra. Granger suavemente - A festa minha e do seu pai, mas vai ser lá naquela boate, aqui pertinho, sabe a Bloom? Não sei se você deve ter frequentado, já que passa maior parte do tempo "naquela" escola. 


Harry não escutou Hermione responder, mas já imaginou que ela tinha respondido com um simples agito de cabeça.


— Então até à meia noite vai ser um baile com músicas românticas para casais, apartir desse horário vai começar a agitação, mas você não vai precisar ir com um de seus amiguinhos, então olha, imaginamos, seu amigo... Tony né?


— Rony! - corrigiu Hermione super empolgada pelo tom de voz.


— Ah, é, Rony, ele mesmo, acho que ele vai com aquela garotinha de cabelos louros a Lua...


— Luna! - corrigiu Hermione ainda aos pulos.


— Isso - repetiu ela agradecida - Rony vai com a Luna, e o seu amigo... Ai peraí, deixa eu lembrar.

— O Harry?


— Obrigada, então, o Harry, talvez ele vá com a Giovana.


— Gina! - corrigiu novamente Hermione.


— É, sei lá, Gina, isso mesmo, o Harry vai com ela, então - a Sra. Granger trocou olhares com o Sr. Granger e voltaram a olhar para Hermione.

— Resolvemos chamar...

— ... aquele seu amigo...

— ... filho da minha secretária...

— ... para ir com você.

— O Léo? - perguntou ela se levantando com violência, Harry escutou com estrondo a cadeira cair no chão.


— Acalme-se filhinha, ele é só um amigo.


— Mas eu não quero ir com Léo, e a namorada dele?


— Hermione Granger - a Sra. Granger aumentara o tom de voz e estava socando a mesa - Ele largou da namorada dele para ficar com você, e você vai com ele, nem que a gente te amarre, vocês vão dançar juntos.


Harry escutou gemidos e correu para o quarto não fingindo nada supreso, dois minutos depois Hermione entrou no quarto chorando.


— Hermione? - fez-se de surpreso consolando a amiga - Que foi? O que aconteceu?


— Nada.


— Vem, vamos lá no meu quarto, a gente vai poder conversar melhor.


Harry com as pontinhas do dedo puxou as mãos de Hermione e foram para do quarto dela e foram para o quarto de Harry e do Rony.


— Eu ... por pura coincidência ... escutei... tudo... desculpa, não foi a minha intenção. 


— Ok, não foi nada, ah! Harry... eu não queria ir com o Léo.


— Você não gosta dele?


— A gente estudou junto na primeira e segunda série no colégio de trouxas, eu era apaixonada por ele, e confesso que ele é super lindo, mas eu não quero ir com ele.


Harry continuou fitando os sapatos, tristemente.



— Mas é só uma noite.


— Mas eu não o suporto - disse quase aos gritos - Tudo bem que eu passei metade do verão cuidando do irmão dele enquanto a mãe dele ia se divertir, ele tentou me beijar diversas vezes - e baixou a cabeça - Até mesmo à força.



Harry deu um passo a frente, assustado.


— E você deixou?


— Eu dei um soco bem no meio do rosto dele - disse ela levantando o rosto um pouco sorridente como se estivesse narrando novamente o soco que dera em Malfoy no 3º ano em Hogwarts - Entenda, eu gosto de outra pessoa.


— Rony? - perguntou Harry calmamente massageando a mão da amiga.


Ela fez que não com a cabeça para o total espanto de Harry.


— Não é do Rony?


— Não... - respondeu com as sobrancelhas esticadas, em um sussurro quase inaudível.


— Então de quem é?


Ela não respondeu, Harry achou que fosse uma pergunta meio óbvia, era lógico, sabia quem era, Vítor Krum, com toda certeza.


— Vítor? - perguntou ingênuo. Não sabia muito bem o porquê mas estava curioso


— Não - respondeu ela com sinceridade. 


Harry agitou a cabeça sem saber o que fazer, quem será ? As únicas suspeitas que tinha, acabaram de ser confirmadas, mas confirmadas de que não era a verdade, ficou perplexo, olhando para as mãos macias da garota, as unhas de Hermione estavam um tanto grande e maior do que o normal.


— Você poderia me contar de quem é então? - a curiosidade o alfinetava. 


Foram vários minutos de silêncio e Hermione derramando lágrimas e lágrimas, e os dedos de Harry estavam ficando cansados de limparem o rosto dela, Gina, Luna e Rony apareceram, mas ela pediu aos três que saíssem e que não tinha terminado de falar com Harry.


— Você não suspeita mesmo de quem eu gosto? - perguntou ela olhando fundo nos olhos dele.


Ele tentou disfarçar olhando para os quadros atrás dela, mas sabia que ela estava olhando nos olhos dele.


— Não mesmo. Não faço idéia! - respondeu com sinceridade, longe da hipótese dela dizer "esse alguém é você".


Sorriu e perguntou novamente.


— Você poderia me falar?


Mais dois minutos de silêncio e lágrimas foram o suficiente para ela falar.


— Ai, é tão difícil de dizer isso, mas acho que você já percebeu, estou tentando ser uma garota normal, não quero mais ser aquela mesma garota de sempre, que fica o dia inteiro estudando, pois estou tentando conquistar a pessoa que me apaixonei enquanto usava o vira-tempos.


O cérebro de Harry parecia ter parado de funcionar ao mesmo tempo que seu estômago rodopiava divertidamente na sua barriga, sentia cócegas, e um formigamento enorme nos pés, principalmente no dedão, sorriu amareladamente, a única pessoa com quem ela usara o Vira-Tempos fora Harry, há 3 anos atrás, ele engoliu seco, reuniu forças novamente para perguntar quem era essa tal pessoa.


— Quem é essa pessoa? Sirius? Não! - perguntou se fazendo de idiota sentindo a informação lhe atingiu como um raio. 


— Sirius usou o Vira-Tempos comigo? - respondeu grossa. 


Não tinha como disfarçar, agora ela tinha certeza de que ele sabia da verdade, tinha que ser extremamente idiota para não saber, sem alternativa ele perguntou.


— Mas... você e Rony tiveram um ataque de ciúmes no Baile de Inverno... lembra?


— Ciúmes? Francamente! - disse ela se levantando para longe dele - Se você tivesse dito primeiro...


" Hermione você não devia ir com ninguém, e sim com seus amigos, eu, e o Rony"


— ... eu teria desistido do convite de Vítor no outro instante, e teria ido com você, mas você ficou quieto, esperando Rony tomar iniciativa e dizer, foi o momento mais indesejável daquele ano.


Ele não soube sorrir, muito menos fazer cara de infeliz.


— Mas... eu sempre pensei que...


— Dos meu dez a treze anos, eu realmente amei Rony, mas depois no vira-tempos, vi que você era alguém melhor que ele, tentei te passar ciúmes - ela corou - Com Vítor, que raiva! Você nem deu moral, e se você pensa que você e Rony brigaram por causa do Torneio Tribuxo, está totalmente enganado, na verdade vocês brigaram sabe por quê? - ele fez que não com a cabeça - Porque antes da Seleção das Casas eu perguntei de quem você era afim, e se você era afim de mim, então ele percebeu que eu gostava de você, mas ele inventou outra desculpa, vocês brigaram, então percebi que você estava infeliz sem a amizade dele, e implorei para ele voltar a falar com você, custou, mas voltaram a se falar, será que você entende o que eu sinto? Você é o meu melhor amigo e eu não quero te perder! - lágrimas escorreram desesperadamente, Harry correu até ela colocou suas mãos no rosto dela para enxugar, mas ela colocou as mãos nos seus pulsos e empurrou para longe - Não me toque!


Ele ficou super assustado, não soube reagir.


— Você... está brigando comigo?


— Não, mas eu não quero que você limpe minhas lágrimas, quero que você veja que eu sofri. 

— Eu já vi bastante Hermione... eu realmente lamento, fui tapado por não perceber, mas estou arrependido.


"Ei" uma vozinha disse na sua cabeça "Você está arrependido? Isso significa que você está afim dela". 


— Não - repetiu ele mentalmente - Ela é só minha amiga, eu já estou acordando...


Estava errado, aquilo era real, bem real.


— Ah, Hermione, desculpa vai... vamos voltar... antes que eles estranhem a nossa demora.


— Fique, não terminei - pediu ela educamente ainda com lágrimas nos olhos. Será que eles deviam se beijar? Será que ele devia beijar ela? Ou ela beijar ele? Era o momento certo? Preferiu não reagir, continuou imóvel escutando - Eu queria ir ao Baile é com você, quer dizer, eu vou com você.


Ficaram extremamente vermelhos.


— Se você aceitar, é claro, depois dis...


— Sim, eu aceito! - cortou ele super empolgado, e se aproximaram lentamente para um beijo.


— Harry, pára - disse Hermione colocando a mão no peitoral do garoto - Eu não beijei ninguém, talvez, eu não esteja preparada para isso!

— Isso não será mais problema - e tomou iniciativa para beijá-la, deslizou as mãos para o quadril da garota, e seus corpos se fundiram em um só.


Notas Finais


Próximo: Shopping


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...