História Hate You Love You - Capítulo 2


Escrita por: ~

Exibições 33
Palavras 2.471
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Mistério, Romance e Novela, Suspense

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Desculpem os erros e tenham uma boa leitura! Continuando.... Amo vocês :3

Capítulo 2 - And I Can't See The End Of This


Fanfic / Fanfiction Hate You Love You - Capítulo 2 - And I Can't See The End Of This

SEXTA-FEIRA, 31 DE MARÇO; 08:37

O dia amanheceu frio e nublado. O sol se escondia por trás de várias e várias nuvens opacas e cinzentas. Congestionamentos no trânsito eram ainda mais comuns e as pessoas não pareciam dispostas a discutirem. A cidade não estava tão viva como antes, parecia doente, gelada, arrasada. Ou, ao menos, era assim que parecia para ela.

E ela, essa garota, loira de estatura mediana parada na estação de metrô de New York, a qual normalmente pegava para ir ao colégio, estava olhando fixamente para uma folha qualquer no chão, amassada e voando com o vendo como se estivesse jogada no mundo. Livre e presa simultaneamente. Maya sentia-se assim. Exatamente assim.

Um barulho agudo e frequente e em alguns instantes o metrô estava parado à frente da menina e outros tantos passageiros, que correram apressados para atravessar as portas e adentrar o local. Ela caminhou lentamente até o vagão mais próximo e por pouco não se fecharam, as portas, mas ela foi esperta e com um movimento rápido estava lá dentro.

Maya olhou ao seu redor. Não se lembrava de uma manhã tão cheia. Não tinha sequer um lugar vago para se sentar. Ela tentou esquivar-se das pessoas, porém quase tropeçou quando recuou de uma senhora com uma enorme bolsa rosa choque que por pouco não se chocou com ela, assim agarrou em uma das barras mais próximas e permaneceu em pé apoiada nela, ao lado de muitas outras pessoas sem lugar para viajar.

A menina ajeitou sua blusa de frio dourada e passou a mão pelos cabelos levemente despenteados, em seguida, seu celular tremeu no bolso da jeans escura. Ela fez o possível para alcançá-lo e percebeu ser uma mensagem nova de Farkle:

My Farkle :3 -- Bom dia gata selvagem! Espero ver um sorriso seu hoje de manhã! Até a aula do Matthews, te vejo na escola!

A rapariga tentou segurar um breve riso ao ler aquela mensagem tão cedo naquela manhã. Contudo ao pensar na maneira que Farkle agira e em imaginá-lo falando aquelas palavras de uma maneira tão única a fazia sorrir sem pensar. Talvez ele estivesse com sorte, talvez conseguisse arrancar um sorriso dela o mais breve que pudesse imaginar.

A garota guardou o o celular no bolso e se voltou, ainda com um sorriso nos lábios, para a frente, imaginando quem sabe o sinal de Farkle tivesse trazido um pouco de sol também, no entanto, ela apenas conseguiu notar um aglomerado de pessoas e várias nuvens no céu por trás da janela.

Uma das pessoas era um garoto sentado na beirada de um banco, uma menina estava em pé, todavia assim que um homem esquivou-se um pouco acabou colidindo com ela e a garota desequilibrou e caiu em cima do colo do garoto. Maya observou-os. Eles se olharam inocentemente e a loira desejou que ao menos alguém estivesse mais feliz que ela. Até perceber quando aquele sorriso apareceu nos lábios do menino que ele não era ninguém mais, ninguém menos do que Lucas. E a garota Riley.

Maya fechou a cara na mesma hora. Não era possível que eles estivessem no mesmo metrô que ela. No mesmo vagão. Juntos. Revirou os olhos, mas resolveu se aproximar. Ela debruçou para frente e conseguiu discernir alguma conversa.

_Oi, eu sou a Riley.

_Eu sou o Lucas - Eles sorriram um para o outro verdadeiramente.

_Eu estava te olhando.

_Eu percebi.

Eles riram e a menina pousou às mãos no colo mexendo na barra de seu vestido roxo, sem graça.

_Sabe, Lucas, aquele dia foi o mais especial para mim. Obrigada por ter sido um cavaleiro desde então. Obrigada por tudo e eu... Amo muito ter te conhecido... - Ele levantou o olhar para encará-la mais perto.

_Você é uma garota incrível... Amei ter te conhecido... Amo mais ainda ter voltado. Mentiria se não dissesse que senti sua falta... Mas... Agora... Eu só sei... Sabe... Tem alguns momentos que nós sabemos que vamos lembrar para sempre, esse é um desses.

Os olhos castanhos da morena estavam fixos nos verdes do rapaz. Mais perto. Cada vez mais.

_O que quer dizer com isso? - Ela estava ruborizada.

Ele se inclinou. Seus narizes de encostaram. Maya sentiu algo revirar em seu estômago. Não conseguia piscar. Ambos fecharam os olhos. O garoto segurou no rosto da morena e a puxou para mais perto. Seus lábios se tocaram e eles deram um beijo suave e calmo. Depois se olharam sorrindo grandemente um para o outro e a menina continuava corada.

Maya fez uma careta e se virou para o lado com os olhos fechados tentando não ataca-los ou expressar nenhuma reação. Não queria que eles a vissem. Queria chegar na escola logo. Queria ver Farkle. Queria sair dali. Queria simplesmente sumir.

SEXTA-FEIRA, 31 DE MARÇO; 09:05 AM

O corredor principal de Abigail Adams estava completamente vazio. Todos estavam dentro de suas classes e o sinal já tocara quando Maya sumiu as escadas correndo seguida de perto por Riley e Lucas que sorriam tolamente um para o outro ao caminharem entre os armários até a aula de Matthews.

Não que a loira se importasse em chegar cedo e ser uma aluna exemplar, ela na verdade nunca se incomodara em não ser das mais inteligentes e espertas da turma, porém não queria ser vista com os dois bobocas atrás dela. A garota empurrou a porta e passou recebendo os olhares de todos em sua direção, inclusive o de Farkle que parou o que estava fazendo para prestar atenção nela, especialmente quando os outros dois também apareceram e cada um foi para o seu lugar.

_Licença, Sr. Matthews - Riley sorriu o cumprimentando e recebeu um aceno de volta.

_Atrasados. Fiquei sabendo sobre o congestionamento e a lotação no metrô, não se preocupem... Bem, como eu ia dizendo... Estava falando sobre o segundo ataque surpresa. Bem, primeiramente devemos retomar, qual foi o primeiro? - Ele olha pra Farkle.

_Pearl Harbor, senhor - Ele responde seguramente.

_Isso. Certo. Apesar de os Estados Unidos não estarem na guerra quando o Japão atacou as ilhas Pearl Harbor, quando os Estados Unidos entraram na guerra e, no fim, atacaram Hiroshima e Nagasaki com as bombas atômicas, e isso também é considerado um ataque surpresa. Porque? - Ele passa os olhos pela classe e paralisa em Riley que estava com os olhos fixos nele.

_Porque o Japão não estava esperando pelo ataque.

_Exato...

O professor continuou sua explicação, porém Maya acabou mergulhando em um pensamento onde acabava de perceber que mais uma vez Riley era extremamente diferente dela. Ela era uma inteligente. Ela soube a resposta, enquanto Maya estava lutando para entender a matéria. Ela fez o que somente Farkle costuma fazer: responder aos olhares de Matthews.

_Srta. Hart? - A loira balançou a cabeça e saiu do transe.

_O que?

_Eu perguntei sobre a seguinte questão, porque o ataque dos Estados Unidos foi diferente do Japão?

Ela estava paralisada, não estava nem aí para a resposta, estava tão longe da aula. Não queria responder, mas não queria ser taxada de burra ou parecer uma ridícula se respondesse errado. Parecia tão simples e ela não conseguia encontrar a resposta.

_P-para mim, Sr. Matthews?

Ele afirmou com a cabeça.

_E-eu não sei... - Foi sincera esperando que Farkle respondesse por ela como sempre fazia quando não sabia ou quando estava deslocada.

_Foi diferente porque os Estados Unidos estava fazendo o Japão desistir da Guerra e antes o Japão fez isso com um país que estava neutro, ou seja, não estava na Guerra, forçando-o a entrar.

_Muito bem, Sr. Friar.

Maya se virou e encarou Lucas. Ela esperou que talvez a novata da classe quisesse se mostrar a inteligente novamente, mas ele?! Ele nunca tinha se mostrado tão intelectual antes quanto agora. Maya não estava mais reconhecendo o ex... Ela ficou boquiaberta e se voltou para a frente.

Durante o restante das aulas ficou tentando achar uma saída, mas ela não conseguia ver um fim naquele túnel escuro de dúvidas em sua mente. A garota nova parecia um borrão sem respostas. Não sabia nada sobre ela. E agora ela parecia não saber nada sobre o ex, ou quem ela sempre pensou que ele fosse. Ela estava tão confusa que quanto o sinal para o almoço tocou nem percebeu que já estava na hora e teve de ser acordada por Farkle que estalou os dedos em sua frente.

_Maya... Que foi? Porque chegou com o Lucas? Pensei que não estivesse falando com ele.

_Não estou. Ele e a Riley estavam no metrô. Os vi lá... - Ela fez uma careta e em seguida um sinal de beijo com os lábios e depois outra careta.

_Espera... Eles?

_Sim. Eles se beijaram.

Farkle pareceu surpreso também quando começou a pegar seu material e a ajudar Maya com o dela. Todavia a loira olhou para a porta e percebeu que o professor ainda estava lá conversando com um dos alunos. Na verdade, conversando com Riley. E não havia mais ninguém na sala. Todos estavam no refeitório.

_Espera um pouco... - Maya deixou Farkle e foi até a porta fingindo derrubar uma caneta e procurar no chão, assim podendo escutá-los.

_Você é o melhor professor que já tive.

_Obrigada, Riley. É realmente uma boa aluna.

Maya achou estranho ela só estar há uma semana e já achar o professor o melhor. Talvez você uma sabichona puxa saco, que apenas queria conquistar os professores e receber boas notas. Maya não duvidaria disso.

_Bom almoço, Sr. Matthews.

_Para você também, Riley.

Ele deu meia volta e saiu. Fazendo com que Maya pegasse a caneta e se levantasse pronta para voltar para Farkle, porém assim que o fez acabou esbarrando em Riley, que se assustou por não vê-la no chão e derrubou o caderno roxo com glitter que segurava nas mãos. Maya que ainda estava agachada se debruçou sobre o livro e o pegou, podendo perceber que abrira em uma página onde estavam várias fotos do professor Matthews e algumas coisas escritas como uma biografia ou uma ficha ou uma... Investigação criminal. Mas o professor não parecia culpado de nada e muito menos capaz de fazer alguma coisa quanto mais Riley ser uma agente, ela era apenas uma garota de 14 anos. Isso era loucura.

_Ah... Isso é meu - Riley puxou o caderno rapidamente das mãos de Maya, quando essa levantou, por fim.

_Eu sei... Já ia te entregar. Mas é só um caderno, qual o problema?

Ela encarou a menina que desviou o olhar dos fixos azuis da loira.

_Nemhum. Ele é... Meu diário. É... Pessoal.

Ela sorriu meio amarelo e se virou para sair agarrada com o livro entre os braços. Maya ficou apenas observando-a sair do seu caminho, até perceber que Farkle estava ao seu lado e segurava suas coisas totalmente arrumadas. Ela pegou sua mochila com ele e agradeceu quando começaram a caminhar até a cantina.

_O que foi isso?

_Essa menina é muito estranha... Ela tem alguma coisa.

_Calma Maya, não é porque ela ta ficando com seu namorado...

_Ex-namorado - Corrigiu-o enquanto andavam.

_Isso, seu ex, que ela é uma pessoa ruim. Na verdade, ela parece ser bem legal, até inteligente e o Matthews gostou dela.

_Não... Não é isso...

_Entao, o que é? O que você sabe?

Eles entraram no grande refeitório e passaram pela fila para pegar o almoço do dia. Farkle estava de olho em uma salada de frutas enquanto Maya pegava uma torta de morango sem se importar enquanto continuava pensativa demais para reparar em alguma coisa com total atenção.

_Ela tem um caderno. Eu vi que dentro dele tinha anotações...

_Normal. Todos temos isso.

_Okay, mas nenhum de nós tem uma página cheia de fotos e informações sobre o professor Matthews e muito menos fica paparicando ele.

_O que? Ela tem o que?

Ele fixou o olhar na amiga que afirmou com a cabeça e eles pegaram suco de caju e foram se sentar na mesma mesa do outro dia.

_Mas o que você acha que quer dizer?

_Eu não sei... Ela já sabia dele... Ele pode ter feito alguma coisa... Talvez ilegal... Mas ela não poderia ser uma agente... Ela é muito nova... Eu não faço ideia - Maya engoliu uma enorme colherada - Mas pode escrever que eu vou descobrir.

_O que ta pensando em fazer? Pode se meter em perigo, não sabemos quem ela é.

_Não. Mas ela não sabe quem eu sou também e eu não vou sossegar até descobrir o que ela esta aprontando.

_Cuidado, Maya - Farkle deu uma colherada e olhou apreensivo para a amiga que olhava para a mesa da morena e do ex com uma expressão maliciosa no rosto.

_Tudo bem. Eu não me importo.

_Mas eu me importo. Não faça nada de errado, okay?

_O que quer dizer? - Ela se voltou para ele confusa.

_Quero dizer que não quero que se machuque. Olha, vou te ajudar. Não faça nada sem me falar antes. Tudo bem?

_Ah... Ta. Obrigada, Farkle - Ela da um soquinho em seu braço sorrindo - É um ótimo amigo.

Ele sorri com a boca fechada e da uma golada no suco enquanto a menina não percebe que ele estava meio sem graça e apenas termina rapidamente de comer com o pensamento a mil. Ela estava retomando tudo que havia visto no dia. Estava começando a sair do lugar, embora ainda não visse a luz no fim do túnel, alguma coisa começava a fazer sentindo afinal.

_Bem, mas você ta melhor então, com tudo isso...?

Ela levantou o olhar para o amigo e fez um breve sim com a cabeça.

_Sim... Eu só... Não consigo ver o fim disso... A cada momento parece mais e mais confuso. É como se eu tivesse em uma montanha-russa e quando parecesse que fosse parar ela dava mais uma arrancada e lá estava eu descendo de novo...

_Sei... Mas Maya... - Ele estende a mão e pousa sobre a dela sorrindo - Saiba que pode confiar em mim para o que quiser. Estamos juntos nessa, okay?

_Okay - Ela ri de volta e aperta a bochecha dele antes de levantar com a bandeja na mão - Claro que estamos juntos, little boy.

Eles levantam para guardar as suas bandejas na lava louças e saem juntos da cantina rindo um com o outro. Maya já se sentia muito melhor em saber que tinha um grande amigo ao seu lado e que ele se importava com ela. Ela já conseguia conversar com ele sobre coisas banais como antigamente enquanto caminhavam juntos sem o barulho de sua mente ou Lucas ou Riley por perto. Ela não conseguia ver até onde isso daria. E ela não conseguia ver o fim disso, mas sabia no fundo que com ele estava mais bem acompanhada do que com qualquer outro alguém


Notas Finais


Espero que tenham gostado e que comentem sobre isso <3

Até a próxima!!

XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...