História He and She - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Nathaniel, Personagens Originais
Exibições 104
Palavras 3.921
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Poesias, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Primeiramente, "Julia esta desmaiada" com os comentarios de vocês.♡
Muito obrigado pelo carinho!!!
E, desculpe se esse capítulo ficou meio longo, é que hoje eu tive o dia livre e fiquei escrevendo com pena de cortar o capítulo na metade.
Enfim.
Até breve ♡

Capítulo 14 - Capítulo 13


Capítulo 13

- Bela Adormecida VS Bela e a Fera–

Duas semanas depois.

06 de maio de 2016 – Sexta- Feira.

03:50 P.M.

“Em cada instante das nossas vidas temos um pé nos contos de fadas e outro no abismo”.

Audrey suspirou, virando-se na cama e afofando o cobertor ao lado do corpo. Ela tentava se concentrar no livro que relia, pela bilionésima vez. O exemplar de Coração de Tinta já estava velho, com a capa desgastada e com manchas de café nas folhas. Ele também exalava aquele cheiro de memórias que, todo o livro tem.

Porém, por mais que ela tentasse se concentrar nas letras negras de tinta, uma dor irritante a tirava a concentração. Ela sentia o estômago se contorcer dentro dela, e parecia que havia mãos a rasgando de dentro para fora. Sua cabeça latejava junto às cólicas, e, naquele momento, ela não quis ser mulher.

Audrey soltou um gemido quando tentou sentar na cama, mas a dor pareceu enfraquecer as pernas também. Quando sentou, pegou o chá quente de cima da escrivaninha e bebericou, pousando a xícara próxima a barriga.

A garota encarou a janela, e consequentemente o quarto de Nathaniel. Estava vazio, e ela imaginou onde estaria o loiro, afinal, hoje seria o baile de primavera.

Audrey abriu um sorriso, que bela princesa ela seria se ficasse com cólica a festa toda. A garota ainda não acreditava que o tema escolhido para o baile fora Contos de Fadas.

Seu vestido chegaria em algum tempo, e ela estava animada para ver como havia ficado, porém, a cólica a lembrou de que, ainda existiam empecilhos para esse baile.

Ouviu-se batidas na porta, e ela largou o chá na escrivaninha antes de falar para que a pessoa entrasse.

Viktor abriu um sorriso folgado e se aproximou da beirada da cama.

- Problemas femininos, é? – Ele sorriu, e seus olhos cintilaram brincando com o fogo.

Audrey agarrou um travesseiro e arremessou na direção do garoto, que segurou o travesseiro e o jogou de volta, acertando a face da morena.

- Idiota!

Após uma gargalhada Viktor a encarou ainda sorrindo.

- Dorothea mandou você ir para o banho, se não você não conseguirá se arrumar a tempo. A banheira já está pronta. Vamos.

Audrey bufou e se atirou na cama, rolando para a outra ponta. Viktor agarrou seu calcanhar e a puxou até o seu lado, a blusa da garota se ergueu, e Audrey a abaixou instantaneamente.

- Levante-se. Você não pode deixar o loiro esperando. – Ordenou ele, fazendo Audrey se virar e sentar na cama o encarando.

- Loiro? Dês de quando vocês tem intimidade para apelidos? – Ela quis saber.

- Bem, enquanto você passou duas semanas pichando armários e enchendo-os de aranha, ah, e é claro, aparecendo no “Treta News” do jornal da escola, junto com a Ambre e a Melody, eu e Nathaniel estávamos ocupados fazendo amizade.

Audrey corou, ela não se orgulhava nem um pouco de seus atos, mas Ambre e Melody a provocavam, porém, agora, a morena decidiu erguer bandeira branca.

- Agora, ande, você vai se atrasar.

- Eu adoro aquele loiro, mas minha vontade de sair da cama esta nula. – Ela ia voltar a se jogar na cama, mas Viktor a agarrou pela cintura e a jogou por cima do ombro. Ao sentir o ar gelado do ambiente passar pela fina blusa do pijama, uma forte cólica a atingiu e ela tentou se encolher de dor.

Viktor certamente percebera o movimento, a fazendo deslizar de seu ombro e parar em seus braços. Seus rostos estavam próximos e ambos se encaravam. Audrey sentiu o sangue gelar nas veias.

- Garotas. – Ele debochou, começando a andar e leva-la ao banheiro.

- Ogros. – Ela rebateu sorrindo e olhando para frente.

Viktor não falou nada, até se aproximar com Audrey da banheira. Ele sorriu malandro.

- Garotas ensopadas. – E então, a soltou dentro da banheira, de roupa e tudo.

- Viktor! – Audrey berrou o nome do garoto, que, por um instante, ficou surdo antes de voltar a rir.

A campainha da casa dos Müller* tocou, e a loira praguejou, levantando-se do sofá e andando até a porta.

{*Müller é o sobrenome da família do Nath, nessa fic }

- Sim? – perguntou, encarando o porteiro do condomínio a sua frente.

- Pediram para entregar esse vestido na casa 12, mas é para Audrey King Price. – O homem mostrou o cabide com um vestido coberto, pendurado.

Ambre pensou por um instante.

É claro que ela iria de Bela Adormecida ao baile, e é claro que ela estaria muito mais bonita que a morena, mas ainda assim, estragar com o vestido da garota a traria um prazer enorme, então, Ambre sorriu.

- Ah, claro! É que Audrey é namorada de meu irmão e os dois vão no baile juntos, por tanto ela  irá se arrumar aqui comigo. Pode deixar o vestido. – A loira agarrou a vestimenta da mão do homem e bateu a porta, correndo para seu quarto, ela pegou a tesoura.

 ♡

Viktor abriu a porta e se deparou com um vestido pendurado na cerca branca do jardim. Apesar de achar estranho o entregador não ter esperado, levou o vestido, coberto por uma capa negra, até a cama de Audrey, e lá deixou.

07:30 P.M.

Audrey encarou Alexy e Rosalya, e então, se olhou no espelho, a maquiagem estava perfeita, e o penteado também.

A maquiagem fora uma bem fraca, mas que realçava os olhos verdes de Audrey. O penteado, era composto por uma trança que dava a volta na cabeça, atrás. O resto do cabelo, um cacheado solto.

Agora, só faltava o vestido, mas antes que pudesse colocá-lo, mandou Rosa e Alexy para casa, os dois já estavam prontos, mas ainda assim precisavam checar se estava tudo O.K.

Assim que os amigos a deixaram sozinha, ela voou para o vestido, mas seu coração parou com o que viu. Ele fora cortado, com letras por todo o lado. “Parece que a Fera, ficará sem a Bela, hoje.” Formavam as letras.

Audrey tremia, e por um segundo, achou que fosse desabar em lágrimas, até que se lembrou que, a pessoa que fizera isso, iria querer que ela reagisse assim. Então, ela suspirou, sentindo o coração pesar. Não era pra mim ir. Ela pensou. As cólicas, o vestido. O destino não queria que ela fosse ao baile, assim como ele não queria que Cinderela fosse ao seu, assim como ele não queria que a Fera voltasse a ser príncipe, assim como ele não queria que a Bela acordasse de seu sono profundo, mas tudo isso ocorreu, então, ela iria nesse baile.

Mas ainda assim, iria acabar se atrasando, então, ligou para Nathaniel, pedindo que a encontrasse no salão de baile alugado.

Depois da ligação, ela estralou o pescoço e começou a fuçar no seu armário.

Ela ia encontrar algo.

Audrey se jogou na cama, fechando os olhos. Que ódio.  Ela não achara nada, absolutamente, nada.

Então, desceu as escadas sem esperança, e foi até a cozinha para tomar um copo d´água.

Seu olhar devia, realmente, estar abatido, pois foi entrar na cozinha, que Dorothea a abraçou.

- O que houve com o vestido? – Perguntou a mulher.

- Esta destruído. Eu... já olhei todo meu armário, nunca vou conseguir ir nesse baile. Eu estava em um conto de fadas, e agora estou caindo de um abismo. – Ela suspirou, sabia que estava sendo dramática, mas, imaginar Nathaniel sendo obrigado a dançar com outra, ainda mais com Melody, lhe doía no fundo da alma.

- Ei princesa. Deixe-me ser sua fada madrinha então, o.k.?

Audrey sorriu encarando a mulher.

- Dorothea, você não tem uma varinha magica.

- Não, mas eu tenho um vestido. – respondeu a mulher sorrindo.

Salão de Baile

08:48 P.M.

Nathaniel andava de um lado para o outro no salão alugado. Era realmente enorme. Logo que se entrava, uma escada majestosa os levava ao salão principal. Parecia um salão de festas da idade média, daqueles em que se encontravam milhares de nobres em um palácio.

Na verdade, Nathaniel parecia ter entrado num livro de conto de fadas, com todos vestidos de princesas e príncipes. Até mesmo ele estava caracterizado. Um casaco azul marinho, e comprido, o aquecia, juntamente a uma camiseta branca e calças negras, e é claro, um sapato de coro negro. Tinha até mesmo uma espada falsa embainhada ao lado do corpo.

A música mudou, o tempo estava passando e em breve os portões fechariam. Onde estava...

Ele iria se perguntar, onde Audrey estava, quando as portas do salão foram abertas, e a garota que entrava parecia ter roubado todo o ar e as atenções do salão.

Até mesmo o DJ havia parado de tocar, só restava o silêncio, e o baque suave de saltos na escada.

Audrey estava linda. Os cabelos negros e cacheados lhe caiam nos ombros e suas bochechas coravam com toda a atenção. Ela mantinha os olhos verdes no chão e com um sorriso suave no canto dos lábios.

O vestido, era belíssimo, provavelmente, feito e usado com espartilho pela forma como encaixava no corpo. Segurado por uma alça em cada ombro, fazia um contorno perfeito do volume dos seios. A cintura e barriga, retas e cobertas por costuras magnificas. Por fim, a saia, estufada e lisa, com diversas costuras formando desenhos. O vestido, era dourado, mas não chamativo, poderia ser facilmente usado por uma rainha. A saia parecia pesada, mas se movia suavemente enquanto a morena descia os degraus em um salto agulha, também dourado.

                Quando finalmente chegou ao pé da escada, encarou Nathaniel, e o garoto voltou ao mundo e foi sorrindo até a garota.

- Se você queria impressionar, conseguiu, - Provocou o loiro, com um sorriso e estendendo a mão.

- Não é porque não sou a Cinderela que sou obrigada a não fazer um espetáculo. – Ela deu uma risada nervosa, pegando a mão que Nathaniel havia estendido. – Mas, agora, esta meio mundo me olhando, então, me tira daqui!

Nathaniel deu risada, seu sorriso parecia ainda mais fofo com ele vestido de príncipe.

- Alunos do primeiro ano, e segundo, por favor, se afastem do centro do salão. Alunos do terceiro, formação. – A voz da professora de Artes ecoou no salão, fazendo com que Audrey e Nathaniel fossem para o centro do salão.

Ele segurou-a pela cintura e ela passou o braço em volta do pescoço dele. Seus olhos se encontraram, e, por um instante, Audrey achou que o beijaria durante a dança.

Depois da dança, Nathaniel e Audrey escaparam para os fundos do salão, onde, na porta, havia uma cesta cheia de espadas falsas. Audrey pegou uma delas e andou pela grama, ao lado de Nathaniel. Até que os dois chegaram a um pátio de pedra, era um circulo, não muito grande, mas dali, a música ainda era ouvida, só que dessa vez, a luz das estrelas.

Audrey encarou o garoto sorrindo, e ergueu a espada.

- En garde.

Nathaniel sorriu de volta, pegando a espada e se posicionando.

Os dois se encararam antes de iniciarem uma pequena lutinha de espadas. Em algum momento, Audrey girou o corpo, mirando na cabeça do loiro, que se abaixou, largando a espada, agarrando Audrey pela cintura e girando. Ela riu e gritou, e se sentiu zonza quando foi colocada no chão. Nathaniel segurou a mão da garota, próxima a seu peito. Seu coração batia acelerado e ele sentia que, impedir o sorriso seria algo impossível.

Então, os dois simplesmente deitaram no chão olhando para o céu. Lá em cima, as estrelas cintilantes e a enorme lua cheia os olhavam de volta. Pela primeira vez, a mais bela e iluminada atração de Paris, não era a torre, mas sim o céu.

Audrey suspirou.

- É estranho, quando você para pra pensar que, no céu você tem tantas estrelas, mas só uma lua. Ela é única. Deve ser meio solitário. – a menina sorriu, e passou a encarar o loiro.

O garoto refletiu por um instante, perdido no brilho do olhar da morena.

- Eu tenho outra opinião quanto a isso. – ele começou. Seu coração retumbava no peito como nunca. – Na vida, nós temos um milhão de paixões, um milhar de corações quebrados, mas, no fim de tudo, só temos um amor.  Para mim, as estrelas são como as paixões perdidas, e a lua é o único amor, que, quando você encontra, não importa o que aconteça, ou quantas vezes ele pareça sumir, é para a vida inteira. – Ele fez uma pausa, encarando Audrey no fundo dos olhos e se perguntando se, ela, não seria a sua lua. – É claro que pareço um idiota falando isso, e talvez eu esteja superestimando a lua, mas... Eu, realmente acredito nisso.

Audrey ficou calada, e ele imaginou o que ela estaria pensando dele, mas seus olhos, como sempre, carregavam um brilho indecifrável.

De certa forma, o espaço entre os dois parecia diminuir, quase que como estivessem em um transe, sendo atraídos um para o outro, mas, como sempre, o transe foi quebrado por alguém.

- Ai estão vocês! – berrou Amberly.

Audrey piscou algumas vezes e se levantou, assim como Nathaniel. A morena encarou a sua irmã sorrindo. A loira estava com um vestido azul claro, extremamente belo, e Castiel, ao seu lado, vestia um terno e uma calça branca, com emblemas e medalhas falsas. Provavelmente, pela sua cara, estava odiando o traje. Mas até que a Cinderela combinava com Amberly.

Logo atrás do casal vinha Elisa e Lysandre, a garota usava um vestido leve, que se iniciava em um azul claro e, quando chegava na barra, já era de um verde um pouco escuro. Lysandre, usava um paletó branco com detalhes dourados, e uma calça azul marinho, acompanhada de botas negras. A pequena sereia.  Pensou Audrey.

Atrás, Rosalya, prendera as cabelos em um coque, e usava um vestido tomara que caia, azul marinho cintilante e com alguns enfeites em amarelo. Leigh, ao seu lado, usava uma camisa social, com um colete azul marinho e calças da mesma cor. Suas botas eram marrons e ele utilizava uma capa vermelha, carregando uma maçã na mão. Branca de neve?

Por fim, Audrey soltou uma gargalhada alta.

Atrás dos casais, vinham Armin, Alexy e Kentin.

Armin, vestia-se com uma fantasia  de lobo mal, seguido por Kentin, que vestia-se de caçador e Alexy, que, como você está pensando, estava da Chapeuzinho Vermelho. O azulado utilizava calça e capuz com capa vermelha, somente a blusa branca, e o sapato negro o diferenciavam da Chapéu.

Os amigos se reuniram rindo.

- Bem, só posso dizer Nath, que você e a Audrey deixaram duas pessoas furiosas. – Comentou Amberly sorrindo.

O loiro e Audrey se olharam.

- Agora que eu me ferrei de vez, né?- A morena perguntou fazendo uma careta.

- Eu avisei pra tomar cuidado. – Castiel comentou com um sorriso.

- Mas, me diga, o que houve com seu vestido? – Rosalya quis saber. – O.k. que esse é duzentas e trinta e quatro bilhões de vezes melhor, mas, o que houve?

Audrey suspirou, contando a história, e fazendo Nathaniel bufar.

- Não acredito nisso, dessa vez a Ambre passou dos limites. – Ele estava com o maxilar travado, e começando a ficar vermelho.

- Como você sabe que foi a Ambre? – Todos perguntaram em coro.

- Quando eu cheguei no condomínio, o porteiro me parou perguntando se eu estava namorando contigo. – Ele começou, encarando Audrey, e fazendo o coração dela descompassar diante da possibilidade. – Eu disse que não, e perguntei porque. Foi ai que ele começou a gaguejar dizendo que havia deixado o vestido de Audrey com a Ambre, mas quando eu cheguei em casa a Ambre disse que não sabia de nada.

Audrey deu um tapa na própria testa. Era óbvio desde o inicio.

- Agora ela vai se ver comigo. – Nathaniel ameaçou ir em direção ao salão, mas Audrey segurou sua mão, atraindo o olhar de todos, mas nem percebendo.

- Você resolve isso depois agora, vamos nos divertir. – ela sorriu.

Audrey ouviu uma risada rouca de Castiel e o viu encarar Amberly sorrindo.

- A última vez em que sua irmã decidiu de divertir, foi na praia, ano passado, e bem, acho que não deu muito certo. – ele deu risada.

Amberly largou um tapa em Castiel e o mandou calar a boca.

- Nana nina não, agora eu quero saber. – Indignou-se Audrey, que, sem perceber, continuava de mãos dadas a Nathaniel.

- Tive uma ideia! – exclamou Alexy. – Em dois meses teremos férias! Por que não vamos para a minha casa novamente? – perguntou Alexy, extremamente animado.

- Pra eu ganhar aranha no cabelo novamente? – Perguntou Elisa encarando Lysandre, que simplesmente sorriu.

- E eu ter que defender Amberly daquele babaca do surfista? – Perguntou Castiel.

- E eu ficar bêbada por causa do seu “primo”?- Indagou Amberly fazendo todos caírem na gargalhada.

Audrey suspirou.

- Vamos sim. Vocês tem boas memorias nesse lugar. Eu também quero ter. – ela sorriu enquanto todos a encaravam.

- O.k.! Agora nós temos que voltar pro salão, daqui a pouco tem o anúncio dos reis do baile. – Rosalya abriu um sorriso parceiro para Alexy.

-Reis do baile? Isso não é só em festa de formatura? – Audrey franziu o cenho.

- Agora não é mais. – Responderam os dois amigos em coro.

- O.k. o.k. minha gente! – começou Rosalya no microfone. – Aqui temos as indicadas para rainha do baile.

Ouviram-se gritos e aplausos.

- Audrey da 3B. Ambre da 3B. Ripley da 1A. Isy da 2C e... Gente tem euzinha aqui. – Rosalya passou o microfone para Alexy, enquanto se dirigia ao canto do palco, onde as candidatas se encontravam.

- O.k. galera. Uma salva de palmas para Audrey. – Alexy começou, e o barulho foi quase ensurdecedor. – Para Ambre! – Houveram algumas palmas de garotos do segundo ano. – Para Ripley. – Toda sua turma aplaudiu. – Isy! – Somente algumas pessoas aplaudiram. – E para Rosalya! – O som de palmas foi alto, mas nem perto do de Audrey. – Parece que temos uma ganhadora! Rosalya, volta pro microfone pelo amor de Deus. – Alexy brincou fazendo algumas pessoas rirem.

O coração de Audrey parecia pular no peito enquanto as outras garotas desciam do palco.

- Bem, e agora, vamos achar um homem para essa rainha. – Rosalya piscou e Audrey deu risada.

- Rosa... Temos um problema. – Alexy surgiu novamente no palco, com outro microfone.

- O que houve?

- Quase todos os garotos do terceiro ano foram indicados, parece que os veteranos tão podendo. – Alexy deu risada, junto a algumas pessoas. – A rainha vai ter que indicar três pessoas da lista. – ele olhou para Audrey, que agora, não sentia suas pernas de tão nervosa.

Alexy mostrou uma folha em branco para Audrey sorrindo.

- Quem você indica dentre esses vários candidatos?- ele perguntou. Estava a deixando escolher.

- N-nathaniel, Viktor e Evan. – Foram os primeiros três nomes que vieram a sua cabeça, e ela estremeceu quando os três garotos subiram no palco ao som de assobios.

Viktor vestia uma camisa preta, acompanhado de uma calça jeans escura e uma máscara preta. Evan, porém, estava vestido apenas com uma bermuda verde, como se fosse o Tarzan.

Quando Viktor parou ao seu lado, Audrey sussurrou.

- De que, exatamente você está vestido?

- Já leu Sussurro? Sou o Patch. – ele deu de ombros.

Audrey prendeu o riso.

- Sussurro não é um conto de fadas.

- Ponto de vista baby.

Após as mesmas salvas de palmas, houve um empate entre Viktor e Nathaniel, então, foi decidido fazer algo... Diferente.

- Você esta vestida de Bela e a Fera, certo? – perguntou Rosalya, fazendo Audrey concordar com a cabeça. – Perfeito. Deixa eu ver, existe outra Bela em contos de fadas, certo Alexy?

- Certíssimo. E a única pessoa que está vestida de Aurora é a senhorita Ambre, poderia subir ao palco por favor? – rebateu Alexy, e Ambre praticamente voou até o palco.

- Bem, nós poderíamos fazer uma batalha de rap, ou de dança, mas vamos fazer algo diferente. – Rosalya sorriu maliciosamente, fazendo Audrey estremecer. Ela odiava esse sorriso, pois isso significava que estava tudo ferrado. 

Alexy saiu do palco por um instante, e então, voltou, junto a Kentin e dois colchões que foram colocados no centro do palco.

- Isso é para o caso de alguém cair. – Rosalya explicou, e espadas de plástico foram entregues aos quatro. – Patch vs Príncipe e Bela Adormecida vs Bela e a Fera.

- Vocês vão lutar, até que alguém coloque a espada próximo a um lugar fatal do outro. Isso aqui não é luta livre, então se controlem. Rapazes, vocês primeiro.

O estômago de Audrey embrulhou, e ela sentiu o sangue gelar como nunca,  nas veias. Ela já vira tanto Nathaniel, quanto Viktor lutando, e estava começando a se arrepiar, enquanto os dois se mantinham de pé nos colchões.

- Comecem.

Viktor se aproximou de Nathaniel, sussurrando algo incompreensível, o moreno girou, fazendo o mesmo que Audrey fez lá fora, e então, Nathaniel, ao invés de o derrubar ergueu a espada até o pescoço do moreno e sussurrou outra coisa que mais ninguém entendeu.

Viktor sorriu e apertou a mão de Nathaniel, saindo do palco.

- Que rápido. – comentou Rosalya.- Meninas, a vez de vocês.

Audrey sentiu o coração parar por alguns instantes enquanto andava até os colchões, ela não queria brigar, ainda mais com Ambre, na frente de toda aquela gente, e na verdade, ela nem se importava com o titulo de Rainha do Baile, mas então ela se lembrou que seu “Príncipe” estava esperando que ela ganhasse, e se lembrou do vestido, das fotos, das ameaças, de tudo que Ambre fez, e então, estralando o pescoço, respirou fundo, se lembrando do que fazer, ela sabia como ganhar, mas preferiu “mitar”.

- Comecem.

Ambre se lançou ao ataque, mirando na cabeça de Audrey, que desviou facilmente, empurrando Ambre com a espada. Ela cambaleou, mas ficou de pé, então girou, e golpeou novamente. Audrey bloqueou o golpe, empurrando a espada contra a de Ambre, ela sentiu os braços arderem, mas viu a oponente cambalear para trás, aproveitando, Audrey deu mais um empurrão.

- Vaca!- Berrou Ambre. E os olhos de Audrey brilharam por um instante, ela se sentia dentro de Trono de Vidro, e estava prestes a fazer igual a assassina.

Ambre girou, assim como Viktor, mas Audrey se abaixou, empurrando com força as pernas de Ambre, que caiu no colchão. Audrey se agachou ao seu lado, colocando a espada próxima ao pescoço da loira.

- Meu nome é Audrey King Price, mas não faz diferença se meu nome é Audrey, Bela, ou Vaca, eu ganharia você da mesma forma, independentemente de como você me chamasse. – A morena se levantou encarando Ambre nos olhos – Lembre-se disso quando tocar em algo meu novamente.

Suas bochechas estavam quentes e ela sentia a adrenalina fluir a cada batida de seu coração acelerado, mas ainda assim, o sorriso triunfante só aumentou quando a coroa de plástico foi posta sobre a sua cabeça, e Nathaniel lhe deu a mão para dançarem no centro do palco.

Eles estavam dançando, de lá para cá. Ela agarrada ao seu pescoço e ele segurando firme sua cintura.

Audrey sentia o mundo fluir mais lentamente estando ali com ele, e sentiu um arrepio a atravessar quando ele se aproximou do ouvido dela sussurrando.

- Se estivéssemos em um conto de fadas, esse seria nosso Felizes Para Sempre?

- Não – Ela sussurrou de volta. – Esse seria o nosso Era Uma Vez.

E, de certa forma, Audrey estava certa, pois, se eles estivessem em um conto de fadas. Sua história estaria só começando.


Notas Finais


PS: Referências de Trono de Vidro, Cinderela, Perfect For Me, e outras coisas.
Eai pessoas? Gostaram? Confesso que nem eu sei o que achei desse capítulo,
Mais uma vez, obrigado pelo carinho!
Um beijo, um queijo e até mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...