História Heal me, My first Love - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Namjin, Taekook, Vkook, Yoonminseok
Visualizações 11
Palavras 4.194
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá amoras! essa é minha primeira fanfic postada então por favor deem muito amor pra ela.
É uma fanfic ABO porque eu quis experimentar escrever esse tipo de história.
Não tenho como postar a fic muito frequentemente mas prometo me esforçar o maximo! beijíneos.

Capítulo 1 - Hyung, what are we doing?


Fanfic / Fanfiction Heal me, My first Love - Capítulo 1 - Hyung, what are we doing?

P.O.V autora

Jeon jungkook estava no meio de que acreditava ser um sonho maravilhoso. Ele estava sentado debaixo de uma árvore no quintal de uma casa que ele não conhecia, mas lhe trazia um sentimento nostálgico, como se já tivesse passado por ali outras vezes... Enquanto observava o que concluiu ser o quintal da misteriosa casa, observou uma mulher calmamente sair pela porta da cozinha e gritar algo que ele não podia ouvir, então percebeu, que seu sonho não tinha som. Logo após o grito da mulher duas crianças que não deveriam ter mais de 7 anos vieram correndo pelo mesmo lugar de onde a mulher viera, concluiu então que seriam as crianças seus filhos. Os meninos giravam pelo gramado do quintal enquanto a mãe parecia brigar com o fato de estarem jogando grama nas roupas limpas e ainda úmidas no varal, esta cena fez Jeon Jungkook sorrir enquanto lembrava que sua Omma também tinha este hábito que estragava a brincadeira das crianças. Mas então algo que o Jeon não esperava aconteceu, aquela cena bonita e engraçada começou a escorrer pelas paredes de uma sala escura e ele se viu sentado no meio daquela imensidão escura, se sentindo totalmente desgastado e incapaz de se mover... Então, daquela escuridão se iniciou um enorme incêndio enquanto Jeon continuava preso ao chão, nunca havia sentido seu corpo pesar tanto. Ele acordou do seu sonho em um salto e com a respiração ainda irregular, observou que a luz do sol entrava pela janela do seu quarto e iluminava a parede. Sua cama e seu corpo estavam totalmente ensopados, havia suado muito durante aquele sonho perturbador, mas tudo bem, afinal era só um sonho... O problema é que o ômega tinha esse mesmo sonho desde que se entendia por gente e por mais que fizesse visitas semanais a psicóloga, ainda não tinha conseguido se livrar daquilo que a mesma disse ser resultado de um provável trauma quando ainda era uma criança. Jeon Jungkook era um híbrido, mas ao contrário do que todos pensavam, sua família o aceitava e isso era o que o deixava mais feliz. Ele era um hibrido de gato, por isso tinha bonitas orelhas pontudas em sua cabeça, uma castanha e uma branca. Sua pele era bem branca e seu rosto tinha traços bem delicados, ele tinha um cheiro doce e atraente e isso arranjou-o problemas, já que o menino parecia um imã de alfas.

 Jungkook por fim se levantou da cama e foi tomar um banho para tirar todo aquele suor do corpo e finalmente descer cheiroso para tomar café com sua omma que já devia estar terminando de preparar o café já que ele sentia muito bem o cheiro do pó do café. Durante seu banho, ele esfregava bem os cabelos e as orelhas enquanto se lamentava das férias estarem chegando ao fim e ele ter que voltar para a faculdade, não é como se ele não gostasse, mas era um ambiente estressante, ainda mais com Shin Ji Eun, um alfa irritante que não deixava Jeon em paz desde que o viu, no primeiro período da faculdade de engenharia civil.

 ‎P.O.V Jungkook

 ‎Assim que saí do banho, pude ouvir minha omma gritando pra eu descer logo e que eu deveria economizar mais água. Me vesti rapidamente com uma calça jeans rasgada, uma camiseta azul marinho lisa e um converse preto. Desci rapidamente as escadas e dei de cara com minha Omma no pé da escada gritando pra eu descer mais devagar pois poderia cair e quebrar uma perna e ela teria que tomar conta de mim. Comecei a rir e dei um beijo rápido na testa dela dizendo:

 ‎- Omma, eu não vou cair! - enquanto observava o rosto dela relaxar e iniciar um riso baixo.

 ‎Minha omma se chama Lee Shin Ah, mas para os íntimos é só Shin Ah mesmo. Dona de uma pele extremamente branca e de um sorriso contagiante, eu entendo porque meu appa era apaixonado nesta mulher. Olhei de forma mais atenta ao seu rosto e percebi que apesar de seus quase 45 anos, ela continuava com poucas marcas de que o tempo havia passado, apesar de que logo abaixo de seus bonitos olhos castanhos repousavam enormes manchas roxas indicando que a mesma havia tido uma noite de sono ruim. Ainda a encarando, reparei pequenas marcas de lágrimas pelas suas bochechas e logo entendi o porque dela não ter dormido... preocupado eu disse -Omma! esteve chorando durante a noite de novo? - enquanto acariciava seus cabelos. Ela me abraçou e respondeu - É que é hoje...- enquanto seu sorriso esvaia do seu rosto.

 ‎Realmente é hoje. Hoje, o dia em que meu appa morreu... eu não sei muito sobre isso já que eu era um criança pequena quando aconteceu, eu tinha 5 anos, mas minha omma ainda sente muito a falta dele. Entenda, eles tinham aquele tipo de relacionamento que geralmente só vemos em doramas de tão bonito... foram o primeiro amor um do outro e mesmo que depois da morte do appa, minha omma tenha tido outros namorados, ela nunca se casou de novo... mesmo depois de terem passado 15 anos. Saindo do abraço ela correu para a mesa onde estava o café da manhã que ela havia preparado (e que café!) e disse para mim - Ande logo e coma! que nos vamos sair hoje para resolver algumas coisas no meu trabalho! e eu vou precisar da sua ajuda pra carregar aquelas caixas pesadas. - ela disse enquanto eu enfiava uma torrada na boca. O trabalho dela tinha a transferido para Seul, e embora no início eu tenha detestado a ideia de ter que me transferir para a sede da minha faculdade em Seul, eu já estava animado para a mudança que aconteceria em breve. Terminamos de comer e fomos de carro até o departamento de policia de Busan para pegar as coisas que já estavam embaladas no escritório e precisavam ser retiradas. Ao entramos, muitos amigos de trabalho dela nos cumprimentaram e (acreditem ou não) riram de me ver carregando aquele monte de caixas enquanto omma só mandava, eu me senti um verdadeiro burro de carga, mas mesmo assim ajudei minha omma porque sou um bom filho. Depois de pegarmos tudo e levarmos ao correio para serem entregues ao nosso novo endereço, resolvemos voltar pra casa... E eu ainda tinha que conversar com o Jimin. Park Jimin é um alfa e meu melhor amigo desde quando eu tinha 6 anos, nos conhecemos na escola e mesmo ele sendo 2 anos mais velho que eu, nunca tivemos problemas com a nossa diferença de idade. Jiminie foi quem me salvou de muitos outros problemas com alfas apesar de não sermos um casal, porque ele sempre dava um jeito de deixar seu cheiro em mim, mas parece que isso não foi o suficiente para afastar aquele traste nojento que era o Ji Eun. Por um momento não pude deixar de ficar triste pensando que eu não teria mais Jimin para me ajudar e fazer companhia em Seul, mas eu precisava ser forte pra conseguir me virar com isso agora que já tenho 20 anos. Fazia duas semanas que eu havia contado a Jimin que eu iria me mudar e desde então o ruivo apenas tinha me ignorado quando me via, não queria aparentar mas estava extremamente chateado. Fiquei pensando se deveria ligar ou não para ele, mas no final acabei ligando e o ruivo não precisou nem do terceiro toque para atender e forçando uma voz chateada disse:

-YA jungkook-ah! Quem disse que quero falar com você? –

- Então eu deveria desligar? – respondi com uma risada abafada.

- Anda fala logo! – ele respondeu rindo.

- Me encontra na sorveteria daquela pracinha de sempre, a gente precisa conversar! – e desliguei.

A verdade é que eu não quis dar a Jimin tempo de responder se viria ou não, porque não queria perder tempo já que aquela conversa ia durar muito mais do que uma casquinha de sorvete. Quando nos encontramos na praça o clima ainda não estava muito agradável entre nós dois já que ele ainda fingia estar com aquela cara de bunda, mas conforme nós começamos a conversar, parece que o clima foi fluindo melhor. Eu olhava para todos os cantos do parque para tentar evitar aquele olhar predador de Jimin que diziam que queriam me matar por ter escondido tudo aquilo – Jimin-ah, me desculpe okay? Eu só não quero que fique assim comigo até eu ir embora! – disse desabando na frente dele – Jeon eu nunca faria isso contigo, eu só estava chateado e me afastei pra botar todos os meus sentimentos no lugar. Nossa amizade é importante pra mim, e eu não conseguia parar de me preocupar sobre como você vai lidar com os alfas de lá! Seu cheiro é realmente muito atrativo e me preocupo que possam fazer algo com você – ele disse de uma forma tão adorável que me fez ter vontade de esfregar os seus cabelos, mas ele provavelmente me mataria. Resolvemos andar um pouco pelo parque pra observar as sakuras e as flores já que logo elas iam começar a perder suas flores pela mudança de estação e durante toda a caminhada nós mantemos silencio, mas não era um silencio constrangedor era apenas um silencio agradável. Andamos muito e por fim paramos mais ao fundo do parque bem abaixo das sakuras – Jimin, você se lembra daqui? Costumávamos a vir aqui sempre quando éramos menores – sorri enquanto tinha a lembrança e ao olhar para o ruivo percebi que sua expressão era um misto de sentimentos que eu não conseguia muito bem identificar. Jimin apenas olhou para mim por alguns segundos e então disse – Kookie eu... – ele hesitou por uns momentos e então continuou com um sorriso lindo no rosto – Quero que tome cuidado em Seul ok? Se cuide e me ligue sempre que algo acontecer! – Seus olhos estavam quase sumindo por causa daquele sorriso mas ainda sim pude notar que algumas lágrimas queriam descer ali então simplesmente o abracei e disse – Tudo bem hyung, eu me cuidarei eu prometo – E assim voltamos o caminho de casa conversando sobre coisas bobas e aleatórias como sempre costumávamos a fazer. Tudo bem que o Jimin que eu vi no parque foi extremamente diferente do que eu estava acostumado, nunca pude o ver tão emocional antes e isso tinha me deixado realmente intrigado mas não achei que deveria o pressionar mais, quando fosse o momento certo tenho certeza que ele me contaria. Convidei-o para entrar e comer alguma coisa aproveitando para ele poder se despedir da minha omma e foi um momento meloso e extremamente homossexual onde eu ri muito e me diverti, com certeza iria sentir falta do Jiminie. Já era noite quando ele foi embora então insisti que ele pegasse um taxi e me ligasse quando chegasse em casa. Voltei para meu quarto e deitei na cama pensando em como eu talvez não fosse me dar bem em Seul e nem percebi quando adormeci.

P.O.V autora:

Jimin chegou em casa determinado a esquecer aqueles sentimentos. Quando jungkook havia o contado que iria se mudar duas semanas atrás, o ruivo não sabia o que fazer ou sentir. Era verdade que a muitos anos sentia algo especial por jungkook, mas nunca teve coragem de dizer-lhe talvez porque ele fosse dois anos mais velho e esperasse que o mais novo se apaixonasse também ou simplesmente por ser tímido. Ele precisava se afastar e nas duas semanas em que esteve longe, falhou miseravelmente em esquecer o Jeon. Hoje quando o moreno havia ligado para ele, estava tão aflito para ouvir sua voz que nem esperou tocar três vezes par atender e fazer uma voz de bravo, embora não conseguisse ficar bravo de verdade com o biscoito. Quando se encontraram no parque, Jimin passou muito tempo só decorando o rosto do garoto, pensou até mesmo que o rosto do outro fosse desaparecer de tanto que o fitava. Não é como se não fossem mais se ver, mas aquela mudança de cidade acabava com toda e qualquer possibilidade de terem algo e Jimin sabia bem disso, além de toda a preocupação de não estar mais perto de Jeon para proteger aquele ômega do cheiro atraente até demais dos alfas. Enquanto eles andavam naquele parque Jimin pensou seriamente se não devia se confessar e tentar algo mesmo que a distância os atrapalhasse e quase o fez, mas de última hora desistiu inventou uma desculpa qualquer para desviar o assunto e se assustou quando o mais novo simplesmente o abraçou! Era incrível como ele tinha a capacidade de ler seus sentimentos mesmo que não conseguisse entende-los. Realmente, por mais que nutrisse seus sentimentos por Jungkook, o máximo que conseguiria era prolongar seu sofrimento, então para seu bem iria realmente tirar aqueles sentimentos de seu coração. Pegou seu celular e resolveu mandar mensagem para o moreno já que amanhã era seu último dia em Busan. “Ya kookie, já cheguei em casa. Quer fazer algo comigo amanhã?” e em cinco minutos já tinha recebido sua resposta.” Claro hyung, quer vir aqui pra casa? Já está tudo vazio porque já levaram os móveis, mas ainda tem internet e podemos comer coisas. Se quiser trazer umas cervejas, também seria legal.” Jimin riu e respondeu “Quer viajar de ressaca biscoito? Tudo bem então, mas porque não fazemos isso aqui em casa? As onze horas parece ótimo, já devo estar acordado a essa hora” e assim eles marcaram a hora e Jimin resolveu ir dormir.

P.O.V Jimin

Eu acordei hoje de manhã as 8:00 horas e tomei um banho rápido pois queria sair para comprar as bebidas e comidas que íamos consumir durante o dia todo, eu pretendia devolver Jeon pra mãe dele as dez da noite então vamos dizer que íamos ter bastante tempo. Vesti uma calça jeans preta e uma camiseta verde qualquer e ainda com os cabelos úmidos sai de casa e me dirigi ao mercado que tinha ali perto. Não me dei o trabalho de pegar cesta nem nada e segui direto para o corredor de bebidas alcoólicas e peguei uma garrafa de vodka e mais uns quatro engradados de cerveja, porque hoje eu pretendia esquecer meu nome. Quando passei no caixa, a mulher que atendia olhou-me um tanto assustada e pediu minha identidade enquanto devia pensar que eu era só mais um vagabundo desempregado, mas não é como se eu me importasse de verdade. Voltei pra casa e coloquei todas aquelas bebidas na geladeira e arrumei um ambiente legal na sala pra quando Jungkook chegasse já estivesse tudo preparado. Abri o spotify e deixei algumas músicas rolando e quando ele chegou eu já tinha começado a beber algumas cervejas e ele disse com uma cara de bravo – Hyung você nem me esperou! – E riu enquanto eu o entregava uma lata de cerveja já um pouco mais solto que o usual e o mostrava a garrafa de vodka que ainda estava na geladeira. Eu a peguei e sentamos no chão com ela entre nós e resolvemos jogar aqueles jogos difíceis de quiz, e quem errasse devia tomar um shot. Quando enjoamos de jogar começamos simplesmente a beber e conversar sobre a vida completamente bêbados. Então eu olhei para ele com as bochechas um pouco vermelhas por causa de tanta bebida e disse – Gukkie, eu não sabia que você tinha um irmão gêmeo. – E ele riu da minha cara. Já devia ser umas quatro da tarde e havíamos finalmente terminado a garrafa de vodka e dois dos engradados de cerveja, eu estava tão tonto que simplesmente deitei no chão e fiquei lá apreciando o teto enquanto Jeon estava deitado do meu lado.

Eu não sabia bem o que estava fazendo quando me encostei no sofá e puxei Jungkook para meu colo, mas ao contrário do que eu esperava, ele não recusou. Seu corpo estava tão quente quanto o meu e por ter a pele mais clara que a minha, eu conseguia ver aquela cara vermelha de vergonha e de álcool ao mesmo tempo. Eu olhava no fundo dos olhos dele e ele fitava os meus de volta, o que me fazia sentir uma puta vontade de beijar aquele garoto -CARALHO KOOKIE NÃO FAZ ISSO COMIGO- Pensei enquanto ainda o encarava, mas eu estava tão necessitado daquilo depois de todos aqueles anos que acabei o beijando, e novamente ele não negou. O beijo começou calmo, e aqueles lábios me faziam querer nunca mais interromper aquele beijo. Então tudo começou a acontecer muito rápido e o beijo ficava cada vez mais desesperado até que finalmente precisamos de ar, desci até o pescoço de Jeon determinado a beijá-lo ali e o moreno estava inteiramente arrepiado enquanto eu já podia sentir minha ereção ficando mais intensa. Voltei a encarar Jeon, que ainda parecia estar muito aéreo de tudo aquilo assim como eu, e comecei a morder sua orelha fazendo-o soltar um gemido baixo em meu ouvido. Acabei usando um pouco da minha força e troquei as posições deitando-o de costas no chão e ficando por cima dele enquanto não conseguia pensar no que fazer primeiro. Puxei a camisa dele enquanto lhe dava alguns selinhos e após ter tirado ela inteira, olhava-o de uma forma sapeca que o fez finalmente começar a despertar de todo o torpor e ficar mais excitado – Quer mesmo fazer isso? – Perguntei e ele só assentiu que sim com a cabeça. Comecei então a disparar selinhos pelo seu corpo começando pelo seu pescoço e descendo devagar para seu mamilo esquerdo, me surpreendi ao ver que o moreno era extremamente sensível e não consegui parar de sorrir. Continuei descendo os beijos pelo seu tórax fazendo ele arrepiar e segurar no meu cabelo, a respiração dele estava extremamente irregular e aquilo me fazia querer continuar aquilo até o final. Voltei a beijá-lo enquanto calmamente abria o zíper de sua calça e o aliviava do aperto que sua roupa estava lhe causando e MEU DEUS, como ele é bonito. Continuei provocando descendo devagar para perto de suas coxas enquanto terminava de tirar sua calça e a minha camisa um pouco desengonçado por causa da falta de equilibro. Quando estávamos livres das nossas peças de roupa, comecei a deixar beijos pelas coxas do moreno e sem dar nenhum aviso comecei a beijar a sua glande da forma mais provocadora que eu podia, queria mesmo provocar o ômega, eu ainda sou um alfa afinal. Passei a usar a língua em volta de seu pênis e iniciando um movimento lento para cima e para baixo, foi o suficiente para Jeon gemer alto – Jimin-ah! – Enquanto arqueava levemente suas costas e colocava a mão em meu cabelo e empurrava levemente minha cabeça tentando conseguir mais contato então, eu olhei para cima e disse com uma voz rouca que nem eu conhecia – Gukkie, você é muito apressado – E voltei a chupa-lo por mais algum tempo antes de voltar a beijar seu pescoço, senti-lo me abraçar com suas pernas e passar as unhas pelas minhas costas. Ele me olhou dizendo – Hyung, o que estamos fazendo? Eu não sei, só prometa que não vai estragar nossa amizade – soando preocupado. Passei a mão por seu cabelo prometendo que tudo continuaria normal e voltei então a provoca-lo desta vez com as mão mesmo. Estava o masturbando enquanto o beijava e aquilo em si já estava me deixando maluco em todos os sentidos. Finalmente tirei minha calça e voltei a masturba-lo, queria ter Jeon Jungkook completamente entregue a mim por pelo menos uma noite. Continuei masturbando enquanto ouvia Gukkie gemer alto meu nome o que me fazia ficar excitado pra caralho, eu realmente queria desvirginar Jungkook e nem me sentia mal por isso. Continuei fazendo aquilo até que ele finalmente gozasse na minha mão, olhei pra ele que parecia um pouco envergonhado e lambi o líquido que estava na minha mão e dei-lhe mais um beijo ainda com um pouco daquele gosto na boca – Gukkie, você é realmente muito sexy – Disse sem nenhum pudor para ele, não imaginando que fosse possível ele ficar mais vermelho. Me encaixei no meio das pernas dele e por alguns segundo olhei em seus olhos e disse – Vai doer um pouco no começo, mas não se assuste, eu não vou te machucar. Confia no seu hyung? – E ele apenas afirmou com a cabeça. Desci meu dedo para sua entrada e o penetrei bem devagar enquanto pude ouvir seu baixo gemido de dor, parei por alguns minutos até que senti que poderia começar a movimentar e arrisquei colocar mais um dedo e fazer alguns movimentos de tesoura, recebi mais alguns gemidos de dor em resposta mas sabia que ia ser assim no começo. Quando vi que Jeon parecia estar mais relaxado e pronto me encaixei novamente entre as pernas dele e coloquei apenas a cabeça do meu pênis em sua entrada, ele gemeu alto – Hyung, isso dói – eu o olhei enquanto tentava entrar um pouco mais e disse – Eu sei, por favor me diga se ficar insuportável – Disse preocupado mas sem parar o movimento. Quando finalmente conseguir estar por completo dentro dele, me surpreendi com o quão apertado ele era, aquilo era tão... excitante? Comecei a me movimentar para frente e não consegui conter um gemido alto quando ele agarrou minhas costas com força, nesse momento começou a tocar “ruin the friendship” e eu só conseguia pensar sobre como aquela música era estranhamente perfeita pro momento. De repente Jeon me tira do torpor gemendo “Hyung, por favor mais rápido” com a respiração desregulada, é oficial esse garoto quer me matar mesmo. Aumentei a velocidade do movimento e voltei a beija-lo, aquele beijo era tão necessitado... Depois de um bom tempo daquele jeito eu estava tão perto do meu ápice que disse – Kookie, eu vou... – Mas fui interrompido por ele dizendo – Eu também – E então acabamos gozando praticamente ao mesmo tempo, primeiro eu ainda dentro de Jeon mesmo e ele alguns segundos depois. Eu saí de dentro dele ainda sorrindo, totalmente incapaz de acreditar que aquilo tinha acontecido e disse – Kookie, a gente precisa tomar banho! – E o carregando pro banheiro acabamos tomando banhos juntos, mas dessa vez foi só um banho mesmo, nos vestimos e acabamos apagando no sofá.

P.O.V Jungkook:

Acordei totalmente desnorteado e sem lembrar de nada das últimas horas. Olhei para o celular e já eram oito e meia da noite, quanto tempo eu tinha dormido? Não fazia a menor ideia. Olhei para o chão e vi uma pequena bagunça ali e então lembrei... eu e Jimin tínhamos mesmo transado e a parte que mais me intrigava é que eu não havia achado ruim apesar de não saber direito meus sentimentos por ele. Resolvi acordar Jimin, tinha muita coisa pra limpar ali, mas ele dorme tão pesado que cheguei a pensar que iria precisar de uma buzina de ônibus pra acordar aquele ser humano. Quando finalmente terminamos de arrumar tudo ele me acompanhou para o ponto de taxi e pediu ao taxista para me levar ao me endereço, fomos em silencio durante todo o caminho apesar de não ser aquele do tipo constrangedor. Ainda bem que Jimin-ah deveria estar um pouco mais sóbrio do que eu, porque eu não estava capaz de dizer meu endereço pro taxista. Ao chegar em casa levei um esporro fenomenal da minha Omma mas acho que no fundo ela entendeu que eu e o Jimin estávamos nos despedindo, não mencionei a nossa transa pra ela e só subi afim de dormir até amanhã de manhã quando íamos levantar cedo pra viajar. No entanto antes de dormir reparei como o cheiro de Jimin estava extremamente emaranhado em mim e não ia sair por umas boas semanas, talvez seja um tipo de proteção uh? Ele não me marcou como dele, então creio que tenha sido só um presente. Deitei e estava tão cansado que nem mesmo tive pesadelos. Acordei as cinco e meia da manhã com o despertador gritando e com uma terrível dor de cabeça, levantei e fui ao banheiro tomar um banho e só aí consegui ver os chupões que Jimin tinha deixado no meu tórax e na minha cintura, consegui rir daquilo, eram bonitos de qualquer forma. Saí do banho uns dez minutos depois e peguei meu celular a tempo de ver a mensagem de Jimin chegar “hey, boa viagem! Espero que a ressaca não esteja muito forte. ^-^” e responder “devemos sair daqui em breve, muito obrigada hyung! S2”. Desci e encontrei minha mãe na sala toda apressada e me mandando carregar nossas malas, como sempre me fazendo sorrir até mesmo sendo um burro de carga. Entramos no carro e pegamos a autoestrada que saía de Busan e ia para Seul. Um novo caminho estava começando, e eu estava animado para o que quer que fosse.

P.O.V autora:

A viagem de Jungkook e sua Omma levou umas quatro horas e meia, mas valeu muito a pena. A cidade era realmente bonita e eles haviam gostado do que viam. Chegaram na sua nova casa e se impressionaram ao encontrar tudo extremamente arrumado e devidamente instalado, mas estavam tão cansados que apenas dormiram. E realmente, eles precisariam descansar bastante, porque na próxima semana muita coisa aconteceria deles. Principalmente na vida do Jeon.

 

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Deixem um comentário se quiserem.
Beijos e vejo vocês no próximo capítulo.^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...