História Hear me now - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Overwatch
Tags Gencio, Mchanzo, Pharmercy, Reaper76
Visualizações 33
Palavras 2.210
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Things aren't easy


Nada nunca é fácil, nunca vem fácil e não se obtém sem obstáculos ou ilusões, parecia uma ilusão para seu irmão Hanzo vir para América ver o tão sonhado namorado dele, ainda chamando Genji para acompanha-lo na calada da noite. A grande mansão Shimada estava tão quieta aquela noite e a guarda dos seguranças chegava a ser assustadora. 

Claro que ele e o irmão tinham combinado antes e conseguiram o visto para Hanzo estudar fora do país. Foi complicado? Com toda certeza, Genji teve que gastar toda as suas economias, até mesmo das apostas que fazia quando ia para as baladas, um dinheiro sujo que Hanzo não se orgulhou quando descobriu, mas quando viu que Genji daria tudo, o mais novo poderia jurar que viu lágrimas deixarem seus olhos.

E Genji estava feliz, de verdade, ele sentia a felicidade do irmão e era contagiado. A adrenalina de serem pegos, usando as sombras da noite e correndo pelas ruas até acharem que não eram perseguidos, ainda tinham o medo em suas peles de que os arrastariam de volta, os trancariam em seus quartos e os deixassem sem jantar. Mas esse era o bom de ser maior de idade para Hanzo, ele não teria de lidar mais com aquilo, mas Genji... Bem, Genji era crescido o suficiente para manter a boca fechada e lidar com a fome.

O quão foi decepcionante o pai de ambos descobrir que seu herdeiro tinha largado o futuro da empresa, um noivado arranjado e largado a universidade. Um ultraje, uma vergonha. O que restou? O filho encrenqueiro e vadio, o que sempre arrumava uma desculpa e voltava quando o sol raiava para casa. 

Realmente, as coisas não foram fáceis, não foi uma época fácil. 

Agora ele já estava na república da Deadlock, estando no quarto de Jesse McCree e sentado no chão, tendo terminado de explicar a situação de Mírian e a confusão que aconteceu. Seu irmão estava sentado na cama enquanto o próprio Jesse andava de um lado para o outro, resmungando e parecendo rosnar de raiva enquanto bagunçava o cabelo. 

— É a terceira vez que ela me arruma problemas... — Resmungou — Será que ela não pode, sei lá, ficar longe de encrenca? Espantar com um incenso aromático com algumas rezas, sempre funciona — Argumentou, parando no meio do quarto, massageando a têmpora e encarnado Genji — Ela só pediu isso? — Indagou e Genji concordou com a cabeça.

— Mas não foi ela que "arrumou" confusão — E ali estava Genji tentando argumentar, vendo o franzir de cenho de Jesse e uma risada de seu irmão, algo raro, mas comum quando estava com o namorado — Bem, ela ajudou a defender Hana e não foram as duas ameaçadas naquele momento e sim a república inteira — E foi falar da pequena Hana Song que Jesse ficou tenso. De raiva.

— Ela está bem? — Hanzo perguntou, o cenho franzido e olhando para Jesse com preocupação. 

Genji e Hanzo sabiam como Jesse considerava Hana como sua irmãzinha, foi ele que a recebeu na Deadlock pelos primeiros meses na universidade, a ajudou da melhor forma que poderia, mas ambos concordaram que uma garota numa república de apenas homens não seria bom para ela. 

— Quem foi? — Jesse indagou, fazendo os irmãos Shimadas ficarem confusos em primeiros segundos, mas logo conseguindo entender sua pergunta.

— Um babaca qualquer que não merece nem ser citado — Genji deu de ombros — Não se preocupe, a namoradinha da Hana deu um jeito.

— Mírian não é namorada da Hana — Jesse resmungou — Ela é uma má influência pra ela.

E agora a risada de Hanzo preencheu o quarto, uma risada estranha que também dava vontade de acompanhar, o rosto do Genji se contorcia em uma careta para não rir com o irmão. Mírian uma má influência? E Jesse McCree era o quê? Um puritano? Não era a melhor comparação já que o irmão dele e Jesse deveriam... Bem, sem detalhes.

— Qual a graça agora? — E Jesse teve que encarar Genji para obter uma resposta.

— Você escuta o que falar, McCree? — E Genji soltou a clássica pergunta, soltando uma risada finalmente — Sério, de dez coisas que você fala, duas devem ser coerentes — Zombou enquanto Hanzo parecia decidir se respirava ou continuava rindo, agora o seu irmão ria de forma descontrolada, que coisa mais fora do comum.

— Eu vou arrancar a língua do teu irmão... — Ameaçou, informando para Han que nem deu tanta atenção, apenas voltou a se sentar e tinha lágrimas nos olhos, o rosto corado e o cabelo preto bagunçado.

— Vá em frente, não me resta nada além de sofrer as consequências do que você diz — Deu de ombros, dando outra risada e levantando do chão — E irmão — Chamou Hanzo e a face risonha o deixava — Espero conversar contigo depois sobre "aquele" assunto — E olhou para o irmão e Jesse, que os olhou confuso sobre o tal assunto.

E então ele se retirou da república para o seu quarto dentro do prédio da universidade, o remédio que Angie deu para ele já estava fazendo efeito, mas mesmo assim doía. Pela ligação que recebeu logo cedo e ainda da encrenca que pesava, algo que poderia acontecer as Sereias e ao novato, Lúcio. 

Por momento, deveria se preocupar apenas com o retorno das aulas, ignorar os trotes pelos dormitórios e idiotas tentando suborna-lo por pega-los nos flagra de algo que poderia ter saído do controle. Normal, mais um dia em uma universidade americana, igualzinho nos filmes. Faltava uma Regina George para fazer moda e atormentar do mundo e se pegar com o jogador de qualquer time na quinta feira na sala de projeção em cima do auditório. 

Só quando abriu a porta do dormitório e a trancou, se deixou cair na cama e encolhendo, puxou o travesseiro para cima da cabeça. Faria o sketch do Han depois... Bem depois, um cochilo não faira mal a ninguém, não é mesmo? Quando o toque do celular preencheu o quarto e atrapalhou seu quase sono, Genji queria saber quem era o abençoado que estaria ligando.

Nem mesmo viu o nome na tela, apenas atendeu e esperava que fosse importante caso fosse seu irmão, nem tinha saído da república do namorado dele pra ele perturba-lo tão cedo.

— Espero que seja algo importante... — Resmungou.

— E será, meu filho — A pessoa falou em japonês

Oh merda...!

—  Olha, com todo o respeito que eu não tenho, vai se foder vai — Genji falou num tom alterado, quase bêbado de sono e cansaço — Vai se foder da mesma forma que você fode a vida dos outros e não perturbar a mim e ao irmão — Ralhou, sem paciência alguma e sentando na cama.

Genji, ainda sou o pais de vocês, então ainda me deve respeito — Falou em um tom tranquilo e polido, mas Genji apenas rolou o olhar com aquela típica frase — Já não basta o ultraje de meus dois filhos abandonarem tudo e seu irmão largar um futuro brilhante pela frente par— .

— Largou o futuro que você construiu para ele — Enfatizou o 'você', porque o senhor grandessíssimo Shimada não admitia erro algum, mesmo quando envolvia seus "filhos" ou como Genji gostaria de comparar, suas moedas de troca — Vá arrumar algo melhor pra fazer, contar seus ienes, vai — Resmungou, a dor de cabeça voltando — Passar bem — E desligou a chamada. 

O que faltava pra completar de vez o seu dia, algo tão maravilhoso... Dessa vez, Genji desligou o aparelho e ignorou tudo que poderia atrapalhar o seu descanso, ordens da futura doutora Ziegler, então quando menos notou, a dor de cabeça ficou em segundo plano e ele acabou dormindo.

Um cutuque o acordou e meio zonzo, notou ser Hanzo que o acordou e o olhava preocupado, já sabia o discurso que o mais velho faria, perguntaria se já tinha comido algo e não uma salada, se já terminou o sketch dele ou se arrumou outra briga com Faheera, mas Genji preferia terminar aquele olhar de preocupação com outro, não esconderia do irmão o que aconteceu.

A jaqueta favorita de Genji foi devolvida e estava deixada no pé da cama, um lanche do burger king ao lado da roupa e o cheiro quase distraiu Genji do assunto que iria falar, quase. Estava com fome, mas nem tanto.

— O pai ligou, Han... — Falou num sussurro, sentando na cama e deixando espaço para o irmão ficar do seu lado, vendo o mais velho suspirar.

— O que ele queria dessa vez? — Perguntou, massageando a têmpora e puxando o saco com o lanche para ambos, dando o com cheedar para Genji e o de salada para ele.

— O de sempre, atormentar e me fazer sentir o peso da consciência — Deu de ombros, podendo comer o lanche e salivando, mas não perdendo o foco — Faz um tempo que ele liga, digo, o secretário — Comentou de boca cheia, não olhando para reação da informação do irmão — Ele 'tá insuportável, Han, ele não perde a mão e nem desiste.

— Ele é um Shimada, maninho — Hanzo falou, tranquilo — Assim como nós, não desistimos tão fácil — Suspirou — Por que não me contou antes?

— E deixar você preocupado? Sem chance, quem merece isso tudo sou eu e não você — Explicou — Ele considera e com toda razão que foi eu a chutar você de casa, o encorajou a largar tudo e uma má influência, o que de fato eu não nego, mas não sinto culpa alguma — Deu de ombros e Han deu uma risada — Se ele arrastar você pra casa, pelo menos temos uma garantia que não vai ser fácil, Jesse não vai te deixar.

— Espero que não... — Sussurrou — Ele falou de casamento... — Contou e Genji o olhou, surpreso — Mas apenas quando nós tivermos terminado o curso e arrumado dinheiro o suficiente para pagar os doces — Sorriu bobamente e Genji deixou a cabeça descansar no ombro — Eu o amo muito, irmãozinho... Amo muito que chega doí, mas amo ainda mais você... Eu não sei o que seria de mim agora sem o seu apoio.

— Você fez de mais por mim, Han... Você merece tudo que tem hoje... — Sussurrou — Agora, vamos terminar de comer isso aqui e ver os planos de Jesse pra república de babacas — Comentou, dando uma grande mordida no lanche e ignorando a risada de Hanzo.

O seu irmão deveria sorrir mais vezes, ele mais do que ninguém merecia a felicidade. 

Então seu irmão contou que Jesse já tinha conversado com Mírian durante a soneca de Genji, que a república de 'babacas' não atacaria ninguém por conta de uma pegadinha que a "Sombra" fez a eles, um pequeno aviso da qual eles nem entrariam em contato com as pessoas da universidade por conta de ser algo muito... Comprometedor.

Han ainda informou um recado de Mírian, que 'ela' queria que ele fosse ao quarto 33B resolver um assunto para ele e com o recado dado, Hanzo esperava alguma explicação que nem mesmo Genji poderia dar, mas um sorriso em seu rosto poderia contar muita coisa. 

Então ele terminou logo o lanche e saiu do quarto, indo pelo fim do corredor até o quarto agora ocupado pelo novato, batendo na porta e adentrou quando a pessoa falou que poderia entrar, a porta sendo barrada por um pouco de bagunça e vendo Lúcio sentado no meio dela.

— Sentiu saudades? — Genji se pronunciou e Lúcio olhou para ele, sorrindo — Como foi lá com tua irmã? — Perguntou, sentando na cama e vendo a capa de um disco de vinil verde.

— Ela queria saber como estão as coisas lá em casa... — Respondeu, desdobrando algumas roupas — Sabe como é, às vezes uma chamada pelo skype não é o suficiente — Suspirou — O pai e o papai não aguentam essa mania dela de ficar tão isolada.

— Pelo menos seus pais não controlam vocês — Comentou em um sussurro — Me diga, tu é dj, Lúcio? — Perguntou, segurando o disco de vinil escrito "sinestesia" com um sapinho verde.

— Apenas no meu tempo livre — Contou, virando-se para Genji e os dreads verdes dele caindo pelo ombro o deixava perfeito para fazer um rascunho — Não sei se vou conseguir fazer alguns bicos de dj por aqui — Deu de ombros, voltando para arrumar algo.

— Deveria tentar — Franziu o cenho — Conheço algumas baladas que poderiam ver você tocar, alguns donos delas também podem procurar algo diferente — Comentou.

— É muita gentileza sua, Genji — Levantou do chão, sentando o lado dele — Mas não precisa, de verdade — O encarou, sorrindo fracamente.

— Tudo bem... Mas se precisar, sabe que pode contar comigo — Deu uma piscadela — Sua irmã me deixou um recado pra passar aqui, então... Precisa de ajuda? — Se ofereceu e Lúcio deu uma leve risada — O quê?

— Você não desiste, não é mesmo? — Brincou.

— Sou Genji Shimada, Lúcio. Shimada's não desistem fácil.


Notas Finais


Amo o Genji e vou protege-lo! ù.ú menos quando ele é do time vermelho...
Espero que tenham gostado do mchanzo, não vou dar tanto destaque assim, mas eles vão aparecer de às vezes. Sério, slow burn não é comigo, @soldier76... Help...

Bem, espero que tenham gostado e desculpem e demorinha o/ até logo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...