História Heart Of Stone - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~karinnaChang

Postado
Categorias Demi Lovato, Miley Cyrus
Exibições 49
Palavras 1.297
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Orange, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boaaa leituras amores!!

Capítulo 8 - O que?


  Estava guardando alguns papéis e objetos de cabeça baixa dentro de uma das gavetas da minha mesa quando alguém entra pela porta e começa a andar pelo escritório, o som do salto alto batendo no porcelanato era incomodativo, eu fiquei sem reação, sabia que deveria olhar para quem seja que entrou ali, mas os passos rápidos me assustavam. Senti a mesa tremer junto com duas mãos batendo nela à minha frente.

- Boooooooom dia - disse (seu nome) animada, o que é estranho.

- Nossa, bom dia, Sra. Sforza, tudo bem?

- Não ta nada bem, mas me chama de (seu nome).

- O que houve?

- Tenho que ir até as fábricas e a Miley não está aqui.

- Eu posso te acompanhar, claro que se você quiser.

- Não precisa se oferecer, por que você ia do mesmo jeito, não sei o que você tem para fazer, mas espero que acabe até a 13 horas.

- Okay, vou tentar.

- Tentar não, fazer! Agora vou para minha sala, qualquer coisa ou dúvida sabe onde me encontrar - disse ela saindo dali.

Essa mulher é meia louca, pensei e acabei rindo sozinha. Comecei a fazer as coisas que a Miley havia deixado. O relógio digital da minha mesa marcava 12h05min, e com esse horário já me venho a fome. Um almoço rápido não ia me atrasar no trabalho, até por que estava quase tudo pronto, peguei minha bolsa e estava passando na frente da sala da (seu nome), a porta estava encostada então olhei para dentro e ela estava dormindo em cima de uns papéis.

- Morreu? - disse brincando enquanto entrava na sua sala após bater na porta.

- Não, só estava olhando esse papéis - disse ela e eu percebi que ela tinha um adesivo na cara.

- Ah sim, deixa eu tirar isso daqui - disse enquanto aproximava minha mão direita de seu rosto - é só um adesivo - comentei enquanto depositava minha mão na sua bochecha e logo puxando o adesivo - tem certeza que não prefere dormir numa cama?

- Prefiro, mas no momento estou cheia de trabalho.

- Você trabalha de mais.

- Talvez.

- Vai almoçar?

- Não sei, depois como alguma barra de cereal.

- Não tem nada disso, vamos comigo - disse enquanto pegava na sua mão e a puxava fazendo se levantar - vamos.

Arrastei a (seu nome) do escritório até o meu carro, podemos dizer, que foi ótimo poder segurar na mão dela, não sei por que, mas é tão bom.

- Eu tinha barra de cearal - disse resmungando.

- Para de ser chata - disse dando partida no carro.

- Sou sua chefe, otária.

- Me demite por querer te ver bem, idiota.

- Mas credo, eu ein, você é maior babaca.

- Ta, ta, agora fica quieta ai linda, só vamos almoçar, não precisa morrer.

- Hafff, taaaa.

Liguei o rádio e ficamos em silêncio até o restaurante. Depois do almoço fomos direto para a fábrica. Ficamos um tempo andando pelos corredores, (seu nome) prestava atenção em tudo que o técnico falava, mas eu estava com minha cabeça longe. Depois de tour pela fábrica voltamos para o escritório arrumar uma papelada.

- Demi?

- Oi? - perguntei.

- Miley quer saber se você não passa lá em casa ver ela.

- Eu vou, se ela quiser.

- Okay, vou dizer que você vai... Vocês ficaram bem amigas, né?

- É, eu acho que sim, ela é muito legal.

- Verdade, não tem como não amar aquela praguinha, ela é espontânea e alegre.

- Diferente de você - pensei alto.

- O que? - ela me encarou - o que quer dizer com isso?

- Não, não, você entendeu errado.

- Hum... Não tenho motivos para ficar brava, eu não sou amável mesmo.

- Mas eu não disse isso, eu me referia ao espontânea.

- Ta, ta, vou indo, se quiser aparecer lá, a Miley vai gostar - ela disse e saiu da sala.

Eu segui a (seu nome) até o elevador e entrei junto com ela, mas ao eu entrar ela deu uma bufada dela e logo tentando sair do elavador, mas fiz questão de fechar a porta antes.

- Não entenda errado, você é uma pessoa legal.

- Hum.

- Aiiii, não faz assim, eu só quis dizer que às vezes você deveria se divertir.

- E eu não ligo para sua opinião.

- Não liga? Mas ficou toda irritadinha - disse num tom de deboche.

- Ai garota, você me tira do sério.

- Isso é bom ou ruim?

- Irritante.

- Nossa.

- Vai demorar muito para esse elevador descer?

- Não sei, por quê?

- Odeio lugares fechados.

- Já estamos no quinto andar.

As luzes se apagaram do nada, isso resultou em o elevador parando.

- Mas que porcaria - disse (seu nome) enquanto mexia no celular - pronto - disse apontando o flash da câmera do celular no meu rosto.

- Não coloca isso na minha cara - reclamei indo para o lado.

- Ta, desculpa - disse colocando o celular no bolso.

As luzes de emergência ligaram, então (seu nome) desligou o celular.

- O que será que aconteceu? - perguntei.

- Possivelmente queda de energia, o que é estranho.

- Deve, mas volta logo.

- Eu espero, eu já não estou gostando, eu quero sair daqui.

- É tão ruim ficar comigo?

- Eu sou claustrofóbica.

- Aaah, mas vai ficar tudo bem.

- Eu não gosto disso, nem um pouco, e ainda to pressa com uma imbecil que nem você.

- Nossa, vai começar os xingamentos de novo?

- Não tenho culpa de você ser assim.

- Assim como?

- Você me deixa estranha.

- Isso você é.

- Obrigada, agora me tira daqui sua inútil.

- Quer que eu faça o que?

- Alguma coisa e rápido.

- Ta, eu vi num filme...

- Não vem me com essa - disse me interrompendo.

- Então não sei, senta e espera.

- Se fosse a Miley aqui ela já tinha dado um jeito.

- Ela é o que? A mulher eltrecidade?

- Babaca.

- Idiota.

- Chata.

- Irritante.

- Sou mesmo, adoro te irritar, por que você fica assim.

- Assim como?

- Sem jeito - disse me aproximando dela.

- Eu não queria...

- Não queria o que?

- Aiii, sua, sua, sua...

- Sua?

- Linda.

- Eu?

- Sim!

Aquilo foi um ótimo momento para tomar a liberdade de beija-la, me aproximei, senti que ela estava ofegante, colei nossas testas enquanto a puxava pela cintura para mais perto.

- Você quer? - perguntei com centímetros de distância de nossas bocas.

- Eu quero - disse com seus lábios roçando nos meus.

A fiz dar um passo para trás a prendendo levemente contra a parede de metal, nossos lábios já estavam grudados, só precisei passar minha língua sobre os lábios dela para ela finalmente ceder, nossas línguas entraram em contato, enquanto nos beijavamos eu mantinha minhas mãos na sua cintura massageando a região e ela com as duas mãos na minha nuca fazendo cafuné e dando leves arranhadas, senti o chão tremer, mas não foi da emoção, e sim que o elevador havia voltado a andar, então as luzes logo acenderam e nos encaramos por segundos, até eu recuar e pegar meu celular, sempre uso meu celular como desculpa para não olhar para as pessoas, o elevador abriu e eu sai andando rapidamente, fui direto para meu carro e entrei.

- Nossaaaa, nossaaa, nossaaa, o que eu to fazendo? - falei para mim mesma.

Dei partida no carro e fui direto para o apartamento, precisava gritar, chorar, sorrir, eu não sei o que fazer, eu beijei minha chefe, aaaaaaah.


Notas Finais


O que acharam? Ta legalzinho? Comentem ai, bjs bjs bjs S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...