História Heartburn - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga
Tags 2seok, 2seok On Ice, Hoseok, Jin, Jinseok, Seokjin
Exibições 94
Palavras 2.049
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Escolar, Fluffy, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Capítulo único.


Eu não era muito de me render as novidades chatíssimas da escola porque, óbvio, eram chatas; e, droga, qualquer coisa virava assunto de vida ou morte entre os bobalhões que, no momento, se encontravam alguns passos a frente. Jeongguk se achava o dono da verdade e dificilmente saíamos inteiros de uma discussão com ele. O mesmo valia para Yoongi, que se descabelava com a simples notícia de que a garota que gostava havia saído com um cara da outra sala na noite anterior.

Namjoon era o mais tranquilo entre nós quatro, sempre dava um jeito de contornar a bagunça de forma que o assunto acabasse em comida. Afinal, saíamos da escola logo na hora do almoço e passar perto de lanchonetes pelo caminho não era uma tarefa fácil para nenhum de nós. Ainda assim, eu preferia me ausentar daquele ciclo de conversa, ficava sempre para trás, a música consideravelmente alta nos fones de ouvido me impedia de escutar com clareza coisas como ''ande depressa, Jin'' ou ''o que você acha, Seokjin hyung?''

Convenhamos que eu era um péssimo mediador e só ficava do lado de Jeongguk porque ele me comprava lanche depois. Outro motivo para não acompanhá-los assiduamente era o lance da calçada, que na maioria das vezes nos impossibilitava de continuar no mesmo ritmo; muitas pessoas iam e vinham, e um de nós sempre ficava para trás. No pior dos casos, dois. E era sempre divertido observar Yoongi brigando por espaço no meio dos outros, afinal, queriam todos passar ao mesmo tempo. As vezes eu gostava mesmo dos amigos que tinha.

Não era como se eu também ignorasse a existência barulhenta deles até a hora de nos separarmos na esquina que definia o rumo da residência de cada um; eu ficava sempre de olho, sabendo que as vezes podia surgir, magicamente, uma informação que realmente valesse a pena de ser trocada pela música...

Era uma quarta-feira friorenta, e eu levei um tropeço ao escutar a palavra patinação entre os meninos. Eu sabia o que aquilo significava... E eles, mais ainda. Quando dei por mim, já estávamos passando perto do ginásio de patinação no gelo, como sempre, algo que fazia parte do nosso trajeto; e o que me deixava animado era o fato de que era dia de treino. Bastante gente da nossa escola treinava ali no período da tarde; era algo bem popular na cidade e constantemente haviam competições regionais famosas, tudo muito divertido.

— Olha só, acho que o Jin hyung vai ficar por aqui mesmo, o seu patinador favorito está treinando agora, não é?! — por fim, parei de encarar o local e vi Jeongguk fazendo o seu típico comentário estraga-prazer com aquele sorrisinho debochado, logo induzindo os outros dois a rirem da minha pequena irritação disfarçada.

— Já disse que odeio o Hoseok, caramba, você não entende isso?

— Eu nem citei nomes, hein! Você que está dizendo... — Jeongguk continuou, suspendendo as mãos na altura dos ombros para se fingir de inocente. Aquilo me dava nos nervos. 

— Sintomas de paixão. — Namjoon comentou como quem não quisesse nada, e se afastou antes que eu conseguisse lhe desferir um tapa no ombro. Era um complô completo contra mim. 

— Pode ficar, Jin, o treino é livre para ser assistido, a gente sabe que você quer. — Yoongi foi direto, botando uma das mãos em meu ombro para demonstrar apoio, o que eu achei bastante desnecessário. — Pode deixar que não iremos te atrapalhar igual na semana passada, hoje você pode até babar pelo Hoseok sem passar vergonha! 

E antes que eu pudesse respondê-los a altura ou até mesmo dar as palmadas que eles todos mereciam, ouvi uma risada inconfundível ecoar por ali. Estávamos praticamente na entrada do grande ginásio e dali podíamos ver boa parte do que acontecia lá dentro; não muito distante, avistei Hoseok rindo e fazendo graça na pista de gelo com seus amigos, totalmente adorável. Por um instante, até esqueci que o odiava; esqueci das coisas que aprontou comigo quando éramos crianças e o quanto me deixou de cabelo em pé no começo do ensino médio. Tínhamos uma história longa, complicada, e o nosso histórico de inimizades era algo um tanto notável; Hoseok era um cara muito exibido, adorava brincar com os outros, e eu já havia perdido a conta de quantas vezes brigamos por isso em nossa longa convivência como vizinhos.

Para a minha sorte (ou azar), nossas salas eram rivais; naquele ano, por deus, acabamos em salas diferentes na escola, e isso afiou ainda mais a nossa pequena inimizade. Apesar de tudo, Hoseok era um ótimo patinador; ele praticava desde criança, e tudo me fazia pensar que havia nascido exatamente para fazer aqueles passos sincronizados no gelo; ele acumulava vários prêmios em casa por conta das competições que participou, embora suas notas na escola fossem uma vergonha. Seu profissionalismo se limitava ao gelo.

Só patinando para me levar de volta a nossa infância, onde a gente disputava a árvore mais alta da pracinha do bairro, era tudo tão divertido; o seu sorriso permanecia o mesmo, sempre com aquele ar brincalhão e exibido, coisa que me fazia viajar sem nem mesmo sair do lugar. Não estou dizendo que é fácil se apaixonar, talvez seja mesmo, mas se você olhar para Hoseok, vai saber do que estou falando...

E como se eu tivesse há horas perdido em pensamentos, vi meus amigos se distanciando após a zoação rotineira, talvez haviam se esquecido o quanto eu ficava irritado quando era deixado para trás naquelas circunstâncias. Eles adoravam me provocar e usavam a minha pior fraqueza para isso.

— Eu não vou ficar, seus imbecis, vocês me pagam!

 

-

 

Não que eu já não estivesse acostumado com as brincadeirinhas sem graça dos meus amigos, mas outro dia, quando me chamaram para ir até o ginásio assistir um treino após a aula, não imaginei que eles simplesmente haviam mentido para mim sobre Hoseok. O que me disseram era que ele não treinaria naquele dia por conta de um resfriado ou sei lá o que, então não vi problema em passar uma tarde observando as pessoas praticarem aquele esporte tão encantador, uma vez que eu também era apaixonado por patinação no gelo. 

Tudo piorou quando os perdi de vista naquele imenso ginásio; eu não sei bem quando eles simplesmente sumiram da arquibancada, mas algo me fez pensar que boa coisa não era; pois, veja só, não havia muitas pessoas ali. Pensei também em ir procurá-los no banheiro, mas estava entretido demais com o que acontecia na pista de gelo... Confesso que fiquei surpreso com a presença de Hoseok ali, e acho que foi isso o que me fez perder a noção das coisas.

Tinha algo sobre Hoseok que as pessoas custavam a entender; não era sobre o lindo sorriso que conquistava admiradores a todo momento, ou a beleza atemporal que o fazia parecer uma delicada obra de arte esculpida em tons de rebeldia traçando o gelo com passos extravagantes... Seu cabelo acobreado não tinha nada de excêntrico; e a forma como Hoseok mexia nele sempre que errava um passo, denunciava o quão perto eu estava de adorar cada detalhe seu. Ele não era nenhum tipo de mistério a ser desvendado, bastava encarar seus olhos escuros para perceber com clareza que as respostas sempre estiveram ali. Eu, por mais que não admitisse, já era um velho conhecedor do estrago que aquele cara poderia causar em corações como o meu.

— Está gostando do meu espetáculo? — uma voz conhecida me tirou daqueles devaneios, e então percebi quem é que estava escorado na pequena mureta que dividia a pista de gelo da arquibancada, e como eu estava sentado logo no primeiro degrau, não foi fácil esconder a minha surpreso ao vê-lo ali, com aquele sorriso debochado enquanto me encarava. 

— Que eu saiba, você não é o único patinador aqui, Hoseok. Pare de se gabar.

— Mas todo mundo sabe que você veio só para me ver. — Hoseok respondeu, ainda sorrindo, e eu tive vontade de estapear aquela carinha convencida quando me senti envergonhado com aquela (in)verdade. As famosas borboletas no estômago mais se pareciam com pedras, e isso não era nada legal. — Não precisa ficar vermelho, eu sou muito acessível com os fãs, ainda mais com os mais velhos... quer dizer, com os que estão a mais tempo comigo.

— Você não muda mesmo, não é?! É fato que crescemos juntos, mas isso não é motivo para você me tratar assim. 

— Pare de reclamar e venha patinar um pouco comigo, vai. — ele respondeu, impaciente. Aquele convite me deixou surpreso e eu não soube se era de verdade ou apenas mais uma brincadeira sem graça de sua parte; mas depois de muito me encarar sem soltar uma risada que denunciasse a piada, reconsiderei o pedido. Talvez não fosse tão ruim assim, já que eu estava ali sozinho e sem fazer nada. Patinar também era a minha paixão, mas ao contrário de Hoseok, não havia nascido para isso. — Vai querer ou prefere ficar aí me encarando desse jeito?! Não me diga que está com medo...

— Eu não tenho medo!

— Aposto um sorvete que você não entra aqui. — sua velha mania de apostas e aquele sorriso convencido deram as caras novamente, e eu me senti obrigado a encarar aquele desafio... Mesmo que não soubesse patinar no gelo com tanta maestria. 

— Apostado, babaca. 

E após ter ciência de que eu poderia passar a maior vergonha da minha vida, simplesmente me equipei com o necessário, tudo emprestado de um colega dele, e entrei na pista de gelo calmamente; Hoseok veio em minha direção, todo sorridente, estendendo-me os braços como se eu precisasse de ajuda para me locomover sem cair. E eu precisava mesmo. Depois de aceitar a sua ajuda, ele começou a me instruir com calma sobre o que se fazer para manter o equilíbrio; não era tão difícil assim, mas eu continuava acanhado; acho que não por estar na fase inicial daquele esporte, e sim por estar perto de Hoseok sem que nenhuma briga rendesse. Esses momentos eram raros, porém, os mais divertidos.

Depois de alguns minutos, nós já patinávamos lentamente pela imensa pista de gelo, a qual também não possuía muitas pessoas; alguns tombos me renderam risadas e outros me fizeram reclamar, e Hoseok estava sempre do meu lado para piorar a situação. Sem ver o tempo passar, deixei que nossas brincadeiras viessem a tona e foi assim que a diversão se firmou de verdade. Hoseok me empurrava enquanto caía na gargalhada e eu patinava desajeitadamente atrás de si para empurrá-lo de volta. 

Era maravilhoso observá-lo fazendo aqueles passos concisos e sincronizados no gelo com tanta sabedoria, me perguntava como é que seu corpo se adequava tão bem a cada espetáculo seu; quando eu parava para descansar, assisti-lo tomando conta daquela pista era uma das melhores coisas do mundo; mas vê-lo brincando feito uma criança era ainda melhor, tinha o gostinho da nossa tão querida infância, e isso me fazia sorrir ainda mais quando estava com ele.

Enquanto tentávamos derrubar um ao outro, Hoseok tropeçou no meu pé e caiu ali pela primeira vez; eu achei que fosse apenas uma queda sem complicações, mas a cara que fez me obrigou a agachar ali preocupado, querendo saber se estava tudo bem. Hoseok disse que seu pé estava doendo e eu me senti culpado por ter causado aquilo, então decidi que sairíamos da pista de gelo para que eu pudesse lhe fazer um curativo.

Quando alcançamos a arquibancada e eu me curvei a sua frente para ver o estado do seu possível ferimento, Hoseok simplesmente caiu na risada, fazendo-me perceber que era só mais um truque dele para me deixar naquele estado; uma brincadeira extremamente sem graça. Depois de adverti-lo sobre brincar com coisas sérias, fui surpreendido com um selar rápido nos lábios, e meu coração falhou uma batida. Estava acontecendo de verdade. E foi então que eu fiquei ainda mais sem jeito enquanto observava-o com o rosto próximo do meu, olhando-me com certa ternura. Eu quis sorrir quando sua mão pousou em meu rosto ao que sussurrava o quanto eu era lindo, mas o acontecimento passado não deixou. E antes que aquele clima divertido que nos envolvia fosse embora, ele apenas me empurrou com o ombro fracamente, e eu me permiti sorrir de vez.

— Bom... acho que eu te devo um sorvete, hyung. Você quer sair comigo? 


Notas Finais


isso que dá ficar viciada em yuri on ice..... se eu ja era apaixonada por patinação no gelo antes, agora piorou.
minha tentativa de fazer um flufflyzinho engraçado ta frustrada mas eu amo 2seok demais
vamos desflopar esse couple tão lindoooooo :(( 2seok on ice


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...