História Hearts on Fire (TaeGi) - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Muito Drama, Muito Fluff, Namjin, Piadas Sem Graça, Taegi
Exibições 72
Palavras 2.584
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Voltei! E agora estou de férias, o que significa que vou ter mais tempo pra escrever! Aeeeee!
E...eu fiz umas mudancinhas nos avisos, nada de mais...eu tirei o Hentai porque eu achei q era para todo o tipo de...é, mas não. E, eu adicionei yuri. Por que será? Bom vai ter um casalzinho, mas só daqui a muito tempo, mas se quiserem especular quem vai ser, ou talvez personagens novos, quem sabe....

Capítulo 26 - A fuga


        
Senti os passos se aproximarem, e pensei quem diabos poderia ser. Por um lado, não era nenhum tipo de desgraça, mas por outro, a pior pessoa que poderia dar as caras no momento. Sim, isso mesmo que vocês estão pensando, minha omma. Ela me encarou com uma cara brava, o que fez o meu sorriso em um segundo, fazer as malas e tirar umas férias por, pelo menos, o resto do dia. Ela franziu o cenho e cruzou os braços, dizendo com uma voz calma, pausada, que soou muito mais assustadora do que um grito.
Sra. Kim: O quê. Você. Estava Fazendo. Fora de casa?
    Engoli em seco e fiquei em silêncio, fazendo aquela clássica cara de cachorro sem dono, aquela que você faz quando percebe que não importa qual caminho seguir, você vai se fuder. 
Tae: E-eu--
Sra. Kim: Me desobedeceu, certo? 
    Ela me cortou sem nenhuma cerimônia, e me lançou um olhar fulminante. Tudo o que fiz foi concordar com a cabeça, afinal, não havia muito o que fazer sobre o assunto, e nada que eu pudesse usar para me defender, então tentei o velho "calar-a-boca-e-não-falar-nada".
Sra. Kim: Tava com os seus amigos gays né? Tava com aquele desgraçado que te beijou né?
Tae: Ele não é um desgraçado... —disse no meio de um sussurro. Sabia que ela se irritaria.
Sra. Kim: É sim que eu sei! 
    Isso foi seguido por um longo momento de silêncio,  até que ela falou para si, mas alto o suficiente para me fazer ouvir.
Sra. Kim: É né, você vem mais cedo para descansar, passar um tempo com o seu filho, e aí...você descobre que ele te desobedeceu e acha que você é idiota! Quantas vezes você fez isso? —eu não respondi, simplesmente permaneci com a cabeça abaixada — QUANTAS VEZES VOCÊ SAIU?
    Omma falou e eu tive um mini ataque ao ouvi-la gritar comigo assim, sem ao menos avisar.
Tae: S-só só hoje omma...
Sra. Kim: Não minta pra mim! 
Tae: Mas eu não estou!
Sra. Kim: Claro que está! Eu sei muito bem quando mente pra mim!
    Aí eu comecei a sentir algumas lágrimas descendo pelas minhas bochechas, e nem tentei reprimir as mesmas.
Tae: Eu juro para você! Foi só hoje!
Sra. Kim: E eu sou o papai noel!
Tae: Mas...omma...
Sra. Kim: Nem mais nem menos! 
Tae: E-eu...
Sra. Kim: Já chega! Kim Taehyung, celular!
Tae: Omma!
Sra. Kim: A-go-ra!
    Puxei timidamente o celular do bolso e entreguei. Em seguida, fui para meu quarto, fechei a porta, e me atirei na cama, deixando uma quantidade maior de lágrimas cair sobre meu rosto.
    Fiquei lá um tempo, sem reação, sem saber o que fazer, só chorar. Por que isso foi acontecer comigo? Por que eu fui ser assim? Senti a tristeza ser preenchida por um ódio, um ódio que estava sentindo de mim mesmo, o que só me fez chorar mais, mas dessa vez eu dei umas pequenas socadas no travesseiro, e uns gritos abafados no mesmo.
    Não sei porque pareceu desabar tudo em cima de mim nesse momento...por mais que eu tente, essas coisas estão lá, e uma hora elas simplesmente voltam para me dar um tapa na cara.
          ……………………………
  
  Eu não tinha a menor ideia de quanto tempo havia passado lá, mas ouvi o som de outro carro chegando. Presumi que eu acabei dormindo naquele meio tempo, e que não deveria ter sido pouco, pois já estava escuro lá fora, deixando somente umas solitárias estrelas aparecerem, e o resto coberto por algumas nuvens. Senti meus olhos inchados de tanto chorar arderem um pouco, então pisquei algumas poucas vezes inutilmente. Agora os dois estão em casa provavelmente discutindo sobre as minhas "atitudes". Sempre tive raiva, muita raiva de quando diziam isso, era terrível. Falavam que estavam brigando comigo por causa da minha "atitude", não por mim. E isso sempre me irritou, pois sempre soube que a "atitude" veio de mim, e sei que por isso eu que fiz merda, e a coisa ruim sou eu, não a porcaria da minha "atitude".
    Tentei, juro que tentei não dar muita atenção e parar de pensar, mas estava difícil... Tentei me lembrar do que havia acontecido antes de eu chegar em casa, e admito que ajudou, e consegui colocar um sorriso no meu rosto, afinal, só pensar em Yoongi já me deixou feliz. Eu queria falar disso pra ele, e sair daqui sem ao menos me importar com o castigo que omma provavelmente me daria. Queria o encontrar agora, mesmo que deviam fazer umas pouquíssimas horas que não vejo Suga, já precisava o ver, olha-lo nos olhos, e outras coisas.
    Voltei o meu pensamento na parte que envolvia sair, sair de casa, e algo diferente veio na minha cabeça, mais especificamente, uma pessoa diferente. Hyerim. A ideia percorreu a minha mente, afinal, eu tinha o endereço, e poderia facilmente acha-la então. A não ser, claro, que ela estivesse...morta...ou tivesse se mudado...porque...já se passaram cinco anos.
          ……………………………
    Respirei fundo, eu estava prestes a iniciar o processo que me levaria a fazer uma das maiores loucuras da minha vida, que poderia dar incrivelmente certo, ou terrivelmente errado. Depois de muito tempo pensando com os meus botões, pensando no que poderia acontecer, considerando os pontos positivos e negativos, eu decidi que —pera aí, deixe-me fazer aquela linda frase dramática — nem que seja a última coisa que eu faça, vou saber que fim levou Hyerim, e será essa noite, sem mais nem menos. Uma vez que me decido desse jeito, eu não mudo de ideia tão facilmente, e VOU achar a minha noona. 
    Uma coisa veio me perturbar, esta chamada "o que vou fazer para Yoongi saber o que aconteceu comigo". Bom, não planejei sumir do mapa para nunca mais voltar, pensei em vê-la, ficar uns dias, voltar e aí levar um "Suho de meia hora sem encostar os pés no chão" (Autora: nas notas finais eu explico essa, coisa da minha vida que ninguém liga.). Mas, sabia que ele não ficaria feliz com isso, e eu também não. Parei um tempo para refletir sobre o que fazer, até que olhei para o desenho que fiz dele, que, a propósito, estava pendurado na parede, e suspirei.
    Mas aí eu tive uma ideia muito boa...coisa que eu poderia fazer, e podia dar certo. Um sorriso fez-se em meus lábios e cuidadosamente tirei o desenho de lá, e caminhei até a minha escrivaninha, tirando outra folha de papel. A folha de papel com a tradução que fiz da carta da Hyerim, para não me perder com as palavras, mas, acabei mantendo a carta original para mim. Pretendo mostrar para ela quando a achar...pensar que eu a veria já serviu para me alegrar de novo. 
     Em seguida, caminhei até a minha mochila, peguei ela e tirei tudo o que tinha dentro. Sim, por mais que as aulas já acabaram, eu não mexi nas minhas coisas da escola desde lá, isso tirando o meu estojo. Joguei-a na cama e parei para pensar um pouco, ou seja, ouvir a voz da razão na minha consciência tipo: "você tá doido? Sabe que pode dar muita merda para o seu lado né? E se não achar ela? Vai chorar? Não faça isso seu bocó, sabe que vai dar errado e você vai se foder no final!" Mas...ignorei, até porque quero muito ver a minha noona, sem excessões. 
     Assim sendo, peguei algumas mudas de roupas e soquei lá, sem me importar muito com o que coloquei lá dentro. Também aproveitei para pegar a minha escova de dentes. Pois é, acho que normalmente todo mundo num momento de raiva sairia correndo em um momento de pura raiva, mas eu não. Eu estava de uma maneira bem errônea acreditando que se eu achasse Hyerim ela talvez me deixasse ficar com ela por uns dias, assumindo que eu achasse ela viva, eu acho. 
    No momento em que achei ter separado tudo o que precisava levar, ouvi a porta se abrir bruscamente.
Sr. Kim: Filho hora da... — ele parou olhando para o que eu estava fazendo, e eu fiquei lá sem reação alguma, fui pego no flagra — o que você tá fazendo aí?
    Minha mente pensou na melhor desculpa possível, e eu notei que meus cadernos e coisas estavam em cima da escrivaninha e apontei para lá
Tae: Ah eu...tava...tirando as coisas da minha mochila e colocando outras que não achei mais nenhum lugar para guardar...— falei estalando os dedos — é isso...nada de mais...
Sr. Kim: Tá certo...desce para jantar...é lasanha...
Tae: Hãã...eu não tô com fome...
Sr. Kim: Nossa, o menino Taehyung ainda acredita que vai convencer a mãe com essa...faz-me rir...
Tae: Ok já estou descendo.
    Appa saiu vitorioso e eu bufei quando tive certeza de que ele não ouviria. Não sei porque, mas minha família tem um treco quando alguém bufa perto deles, acho que até já mencionei isso, ou não... Desci as escadas para jantar, e na mesa pairava um clima tenso, e eu sabia que a culpa era minha, mas appa parecia não estar conformado com o silêncio.
Sra. Kim: Amor, você sabia... — Ah não. Só não. Ela...ela esperou para falar comigo ali, junto — que o Taehyung vem nos desobedecendo e indo com os amiguinhos gays dele? 
    Meu pai engoliu em seco, e me olhou incrédulo.
Sr. Kim: Isso é verdade Tae?
   Simplesmente assenti com a cabeça, e deixei a conversa parecer um borrão e não prestei atenção em mais nada, não queria ouvir os xingamentos de omma, e appa simplesmente olhava, parecendo hesitar em falar uma coisa, mas deixei umas lágrimas caírem. Não usei respostas concretas, só afirmei ou neguei com a cabeça, incapacitado de entrar em uma discussão. Quando terminei, abandonei a mesa, ignorando o "volta aqui" de omma, e ouvi ela se levantando para ir atrás de mim, mas foi puxada pelo braço com um "deixa ele" de appa. 
    Entrei no meu quarto, e mais uma vez fiquei um tempo chorando. Depois de alguns minutos, talvez meia hora ou mais, fui tomado por uma fúria, peguei a minha mochila, o desenho de Suga e algum dinheiro que tinha sobrado de minhas mesadas, e abri a janela, sentindo o vento um tanto frio da noite bater em meu rosto. Um último momento pensei em quão louco era o que eu estava fazendo, e puxei esses sentimentos para longe, bem longe, e pulei naquela árvore, ignorando o fato de eu ter me quebrado uma vez tentando fazer aquilo, o fato de ser uma idiotice, e cravei os meus dedos no tronco, para não cair, tentando fazer silêncio. Depois de talvez...uns dois longos minutos, consegui chegar no chão com todos os meus ossos inteiros. Olhei para a minha casa, tendo uma visão dela e a deixei, sem saber ao certo o que estava fazendo. Fiquei mais da metade do caminho considerando voltar, mas outra parte disse "ajoelhou, agora reza" em uma das expressões que se eu dissesse em voz alta ganharia uma resposta tipo "essa é mais velha que a minha vó".
    Cheguei no prédio de Suga, sabendo que ele não estaria em casa, mas subi e fui até o andar dos meninos, e bati na porta.
Kook: Tae? O que você tá fazendo aqui?
Tae: Eu hãã...esqueci uma coisa minha na casa do Yoongi, e acho que ele disse que vocês tem a chave e tals, então...pode me ajudar?
Kook: Tá mas, por que você não ligou pra ele?
Tae: É que... —considerei a resposta — eu esqueci o meu celular na casa dele.
Kook: Pfffft, que cabeça de vento você! Vem, vou abrir a porta.
    Ele foi comigo até o andar de baixo, e me atrevi a perguntar:
Tae: Só por perguntar, por que você tem a chave do apartamento dele?
Kook: Longa história envolvendo Suga perdendo uma aposta...nem pergunte...
    Resolvi seguir o conselho dele e calar a boca, enquanto abria a porta. Eu fui até o sofá, enquanto Kook esperava recostado na entrada. Aproveitei o momento para colocar em um lugar que soube que ele acharia mais cedo ou mais tarde, e saí.
Kook: E aí, achou?
Tae: Quê? Ah sim...claro...
Kook: Que bom! Agora tchau Tae! 
    Jungkook disse esfregando os olhos com as mãos. Também me despedi e segui o meu caminho preocupado.
    Quando cheguei na rua, lembrei-me de outra coisa que não tinha me preocupado com : Hannah. Senti um frio correr por minha espinha e procurei por um dos relógios da cidade, que dizia que estava perto de meia-noite. Nessa hora, desistir veio na minha cabeça, mas tentei tirar esse pensamento e seguir em frente. Eu não sabia exatamente chegar no local, não tinha celular....e muito menos um mapa. Dei-me um tapa na cara, que idiota. 
    Inspirei, expirei, e segui em frente, simplesmente não me importando com qualquer coisa. Eu vou acha-la. 
    Comecei a processar tudo o que havia acontecido no dia. Eu decifrei a carta pela manhã, à tarde eu passei um tempo com Yoongi, e de noite, omma brigou comigo e eu decidi sair de lá por um tempo sem avisar ninguém achando que poderia me ferrar na vida. É, foi um dia difícil.
          ……………………………
    Pelo que olhei ali eram cinco da manhã já, eu estava cansado vagando por lá e desesperado. A ideia de me perder, dr não achar Hyerim, o medo de Hannah brotar do nada, tudo me perturbava e minha razão praguejava que eu fui um tremendo idiota me iludindo assim. Mas, de repente, vi a placa da rua que estava entrando, e ela condizia com o número do endereço: 672. Entrei e sorri, sorri com a ideia de achar ela, sorri por finalmente algo bom acontecer. Procurei pelas casas, até achar uma casa pintada de um vermelho bem chamativo, que continha o número exato que estava lá. Ignorando completamente o fato de ainda estar escuro, toquei a campainha, e ouvi, depois de alguns minutos, uma voz feminina sonolenta:
PSNTI: Quem...*bocejo* quem é?
Tae: E-eu sou o Taehyung, eu gostaria de falar com a Hyerim...
    Esperei ela dizer algo do tipo "sou eu" mas não. Ela ficou em silêncio e, uns segundos depois, abriu a porta e foi me ver. Olhou-me de cima a baixo e eu fiz o mesmo, sentindo meu coração vacilar por um momento. Não era Hyerim. A mulher aparentava ter uns vinte e poucos anos, tinha cabelos e olhos negros,  e estava usando um roupão bem colorido que parecia ter sido feito manualmente, em cima de seu peito esquerdo estava bordado com letras douradas "HR" o que achei intrigante, perguntando-me o que poderia significar, até que fui interrompido.
PSNTI: Ok...em primeiro lugar, para de olhar para os meus seios — corei ouvindo essa, eu só estava olhando para aquele símbolo — em segundo, eu não sou a Hyerim e ela não mora mais aqui. Mas terceiro, como você é o famoso Taehyung, o irmão que ela enchia o saco de todo mundo preocupada com você, eu te falo onde ela tá.
    Assenti com a cabeça e fiquei contente quando ela disse que minha irmã se preocupava comigo. Em seguida, ela começou a falar.
Rachel: A propósito, meu nome é Rachel, já fui amiga dela...Enfim, tem essa rua, certo? Você anda até o final dela, e sobe mais cinco ruas, aí você vai ver uma casa branca, a primeira casa, não tem como errar. E, se errar não venha me pedir ajuda. 
    Ela falou e eu agradeci, virando-me para a direção para onde Rachel havia apontado e fazendo nada mais nada menos que correr. Correr porque talvez, depois de cinco anos, eu achasse a minha noona.


Notas Finais


*Explicação breve do Suho: piada do meu pai de um dia que, em um vinho dele tava escrito "Suho" em algum lugar, eu notei e tirei uma foto. Ele me perguntou porque, eu expliquei, e agora em vez de "surra" ele fala Suho. É, tá difícil.
Enfim vamos ao cap. Só digo uma coisa. Altos plots twists só em um capítulo, e...acho que alguém supôs que talvez o Tae fugisse, então...acertou em cheio moça!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...