História Hedonismo - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias Digimon
Tags Digimon, Drama, Hentai, Lemon, Yaoi
Exibições 51
Palavras 2.175
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Escolar, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Suspense, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Self Inserction, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi. pus um hotzinho mas bem fraquinho em ^_^ ando fora do pike no proxmo nem vai ter hot só melodrama pra fazer vcs morrerem do S2 (ja to avisando desde hj kkk q é pra n sofrer muito) depois q vou por um o do Takato com o MArkus finalmente kkk ^_^ entre outras surpresas.
Bem bjs e muiito obrigada por todo o apoio.

Capítulo 39 - Hora da verdade.


Fanfic / Fanfiction Hedonismo - Capítulo 39 - Hora da verdade.

Seriamos da segunda frota de ataque...

Ainda tínhamos um tempinho ali.
 

O beijei com um vigor que nem parecia eu, e ele correspondeu me pondo contra a parede de um jeito selvagem e animalesco tipico dele.                          Se fosse pra morrer nesta guerra infeliz, pelo menos eu ia “ser feliz” antes.

Estávamos em um pequeno corredor entre duas construções, uma delas era a cabana onde Ken estava preso e a outra parecia estar sendo usada para guardar os armamentos; eu podia ouvir claramente todos conversarem e se organizarem e ate mesmo repassarem as táticas. Mas se eu tava prestando atenção? Claro que não né. "se acha o que?"

Meu único foco era os lábios do ruivo sobre mim que hora deslizando pelo meu pescoço e outra vinham buscando pelos os meus, as mãos dele na minha cintura me apertando e deixando marcas e hematomas na minha pele macia e lisinha.

Aquela farda toda era densa e pesada não dava pra tirar fácil, mas em compensação eu não tinha trocado de roupa ainda e minhas vestes eram bem mais leves e fáceis de tirar. Mas estávamos praticamente em publico né.

Mas todos estavam tão distraídos...
Ai meu deus eu não vou mesmo pro céu.
 

Ele me apertou com força e eu gostei. Sempre gostava quando ele me pegava assim, me agarrava e jogava a onde queria, mas com aquele jeito todo cauteloso e dengoso dele; ele não me tratava como sua namoradinha muito menos como lixo eu era o seu namorado.

---- Tak para com isso... ---- ele geme ao meu ouvido com uma voz dengosa que me dizia exatamente o oposto das palavras usadas. ---- Você sabe que quando você faz assim eu perco a cabeça; enlouqueço. Faz isso não poxa tamo em publico seu endiabrado. ---- seus protestos eram muito bem ignorados por mim, que desvirtuava os beijos com leves mordidas em seus lábios, prendendo sua língua e apertando firme aquela bundinha perfeita de quem faz exercícios regulares. ---- Para com isso. Como você quer que eu saia daqui depois em? ---- eu já sabia os pontos fracos dele, e ate já tínhamos nosso próprio código de “estou afim” coisa que ele já reagia quase que como um extinto primário, que o amigo dele vinha dizendo “to pronto”.

Um lado meu pensava: “não vai dar sem uma ajuda de produtos. Vai doer e nem entrar direito”. Mas o outro respondia: “mas não da pra dar a volta e pegar algo no quarto. Alguém vai nos ver e mandar fazer outra coisa. Pode ser rapidinho os romanos na guerra davam um jeito sem estas coisas modernas né.”

Pior que tem um lado que sempre ganha.

Adivinha qual é?
 

Teria doido sim e muito, caso o Dai não fosse adepto das artes da vida e sempre estivesse vendo aqueles videos e aprendendo truques novos. Naquele dia aprendi o que era um “beijo grego”. Não sabe o que é? Taca ai no tiu google só não põe em imagens... ok pode por, mas é com tigo esta parte.

Cara aquilo foi muito bom. Sorte que eu estava bem limpinho para podermos brincar.

O ruivo era o tipo de pessoa que conseguia dar nozinho do cabo da cereja se vocês me entendem; e mesmo apoiado na parede estava difícil me manter em pé; ele sempre me deixava de pernas bambas e com aquela vontade indescretivel de perder o controle. Mas não queria que ele parasse de modo algum; mesmo com o risco de alguém nos flagar daquele modo.

---- N-não tira tudo. ---- murmurei entre dentes, evitando que ele retirasse todas as minhas roupas deixando só que abaixasse a calça e levantasse um pouco a blusa. Ainda tinha medo de alguém aparecer do nada ali. Mesmo que nos pegasse eu teria como me cobrir rápido só puxando para sima.

Mas ele tava num capricho aquele dia que pelo amor. Me arrepiava todo, retesava e perdia um pouco da respiração.                   Ele tinha uma mão firme e forte e apertava as minhas nadegas e as separava de um jeito quase doloroso se não fosse tão sexy.

---- Ai... vai logo com isso antes que eu morra aqui. Por que gosta tanto de me torturar? ---- imploro um pouco para que ele andasse logo e “começasse” era sempre assim ele me torturava ate que conseguisse me ver pedir, mas desta vez eu não podia me dar ao luxo de demorar. ---- Anda. Já pedi agora vem.

Só ouço aquela risada dele soar rouca de desejo no meu ouvido e o sinto entrar apertado por conta da posição dificultosa. Quase gritei, mas ele tapou minha boca e ficou com ela ali evitando que eu expeli-se algum som.               Gracas a deus!

Segurei a mão dele sobre a minha boca a aproveitei.

Me senti um virgem de novo por causa da posição apertada e dificultosa, queria poder me entregar mais e ajudar nos movimentos; mas eu tinha que segurar a voz e ainda tinha a minha roupa atrapalhando. E mesmo assim você acredita que estava ótimo? Quando se esta com quem ama nada mais importa e tudo fica perfeito.

---- Da uma afastadinha ai pra eu... Isso! ---- acho que não tinha nada mais gostoso que ouvir ele ficar falando besteiras no meu ouvido enquanto usurfruia daquele deito. ---- Nossa você ta que ta hoje em.

---- Cala boca e continua. Você já chegou mas fund... Annsss. ---- ele voltou a tapar minha boca. ---- Ai ai ai. Isso! Não para ainda... ---- parecia que eu ia morrer de tanto que aquilo era bom; ele conseguia atingir o ponto certo todas as vezes e me tirar a logica. Já nem estava ligando se alguém nos visse; podiam ate filmar que não iria parar. ---- .... .... .... ---- tentava falar mas minha voz nem saia mais. O que por um lado era mesmo muito bom. Quanto mais forte ele vinha e remexia lá dentro mais facil ficava de ele se mexer e penetrar, parecia ate que deslizava melhor pra dentro e pra fora me deixando mauquinho por mais.                                   Não tem como negar que eu gostava mesmo era de... Bem cada um com sua preferencias né.  

Sim vira e mexe “fazíamos” e parecíamos um casal de coelhos as vezes, mas era ótimo ficar assim juntinho dele, senti-lo por completo, era como se nos tornássemos uma pessoa só como se ele tivesse a capacidade de me purificar de todos os outros que me entreguei antes dele.

Senti-lo se mover, as vezes com força outras delicado; saber suas mudanças de humor só pela respiração que exala ouvi-lo entonar sons apenas para mim e que somente eu entenderia, me preencher com o que é apenas seu me esquentando por inteiro e depois deitarmos juntinhos ate as respirações se estabilizarem.

Tem algo mais romântico?

---- Tak seu doido. ---- ele protesta caindo sentado enquanto eu me escoro na parede sentindo meu corpo ainda arder em chamas. ---- Se nos pegassem eu não sei o que faria. Acho que morreria por combustão de tanta vergonha!

---- Não seria a primeira vez. ---- rio fanho lembrando do flagra do meu irmão e logo ele também ri, não que isso tivesse melhorado o constrangimento, mas a piada estava ali né.

---- Já pensou se um dia você ou eu revida? Flagrar o Taishi com o seu irmão seria...

---- Ow ow ow! Babar no Taishi permitido, mas no meu irmão eu veto! ---- bronqueio e ele rola de rir no chão como uma criança no parquinho. ---- Ta rindo de que?

---- No Taishi pode? Ok então ta fechado!

Isso me deu uma pontada de ciúmes.

Mas por outro lado um fetixe louco me tomou. E claro que ele percebeu minha confusão espiritual e começou com suas gracinhas pos coito que eu “odiava”.

---- Ai que coisa feia Takeru Takashi. Menino feio, na na ni na não. Não pode. Ficar ai sonhado com seu namorado com outro cara que fetichista você não? ---- ele engatinha na minha direção e eu me reteso todo. ---- Quer me ver dando pra ele quer? Me diz como ele faz? É meio violento? ---- mesmo comigo se esquivando ele para do meu lado cochichando no meu ouvido. ---- Você sabe que sou sensível neste lado, eu provavelmente não aguentaria ouvi falar que é grand...

---- PARA COM ISSO!

Berrei e ele riu alto.

Animal.

Tinha horas que eu não sabia se eu o amava mais ou odiava por suas atitudes.

 

---- TK. Daisuke? ---- gelo ao ouvir a vozinha gentil do pequeno inceto portador da bondade. ---- Ouvi a conversa dos veteranos... Acham mesmo que é a coisa certa asse fazer? Somos os guardiões a séculos e... Eu não queria passar o brasão a diante. Fiquei tanto tempo esperando meu parceiro... ---- a vozinha dele chega a sai chorosa.

---- Mas do que você esta falando? Chero meia foi? Pelo nível que você ta foi do Taishi... coitado.

---- Larga de piada! ---- pior que eu ri da maldita piadinha mal feita. ---- Do que você esta falando Wonmon?

---- Voces não estão sabendo de nada? ---- ele me questiona curioso e com medo como se tivesse falado algo que não devia.

---- Ta na cara que não então desenbucha. ---- o ruivo comenta se levantando, mas como eu ainda estava com os meus “efeitos” fiquei quetinho lá no chão.

---- Ouvi os veteranos falando que talvez o único modo de consertar a pane nos brasões seja os passando a diante.

---- Como assim não entendi.

---- Nem eu. ---- fiquei só ouvindo a conversa dos dois, e me perguntando se ele tinha vindo por que ouviu algo. ---- Mas podemos perguntar a eles antes de partirmos. ---- o pequeno inseto era mesmo muito meigo, na voz no jeito em tudo. Era um inseto que toda garota iria agarrar e apertar.

---- Ta certo. ---- o ruivo se ergue pegando o insetinho nos braços e me estendendo a mão de modo a me dar apoio para me erguer. ---- Onde ta o grandalhão?

---- Qual deles? Todos são taaaoo grandes. Bem maiores que eu ate na fazer de treino.

---- Isso é verdade rerere.

Ver os dois conversando assim me trazia paz. Na verdade olhar para o Daisuke a qualquer momento do dia ou da noite me acalmava; fazia eu me sentir de que tudo ficaria bem e ainda tinha aquele ar humorístico que me fazia rir ou sorri a todo momento.               Uma pessoa de alma boa, e muito leve.


 

---- Me explica de novo por que tenho que usar uma arma inútil humana se... ---- posso ouvir a explosiva vos do canino azul que agora em sua mega forma abria suas armas que faziam parte de sua couraça para dar base a seus argumentos. ---- ... eu tenho isso? Em? Este Kowshito ta quebrado, vocês não veem isso?

---- Kowshiro-sam não esta quebrado. A ideia é usar de intimidação e apenas isso. ---- a raposa parecia ser o único ser na terra que tinha paciência com o canino azul assim como ser a única que ele parava três segundos para ouvir. ---- Os humanos nos tratam como animais irracionais incapazes de tecer uma sociedade muito menos um plano de ataque. Pra eles estamos apenas servindo de arma para as crianças escolhidas e estes sim são o problema. “Derrubando eles não teríamos o que fazer”.
Pelo jeito a "bronca" do portador da coragem surgiu um efeito nela.

---- Idai?

---- Como assim idai? Se eles virem que podemos usar suas armas já vão recuar um pouco e esta imagem vai quebrar aos poucos! Não podemos ficar em guerra com os humanos para sempre. Eles tem de aprender a nos respeitar.

---- Que se exploda. Humano só aprende na base da porrada não aprendeu nada? É cintada na bunda filha.

---- Sei que não se mete em briga de casal mas... ---- não é difícil de ver a grande pássaro vermelha se aproximar imponente. ---- Nossas armas não são para nos Metalgarurumon. Elas são para os humanos, nossos parceiros podem as usar enquanto estiverem sobre nós e ainda iremos carregar os refils de balas para eles.

---- Ata agora faz sentido. ---- como se dissesse “que se dane” ele sai andando.

---- Não sei como você aguenta isso... ---- a pássaro de fogo apenas pontua incrédula com a relação dos dois olhando para a raposa e saindo andando.


 

Logo depois disso começou.

O líder pra variar disparou na frente junto de seu parceiro, cada um tinha uma ordem mas em suma... iriamos acabar com isso de uma vez por todas.

Este tempo todo eles tinha ficado a resgatar digimons e destruir entre bases menores e maiores, mas agora conseguiram a localização do QG principal, e com isso a cara dos malditos mandantes de tudo. Poderíamos ser ate tratados como terroristas pelo plano, mas não tinha outro jeito. Eles iria desmantelar nossa versão e fazer com que parecemos criminosos mas... nós eramos os digiescolhidos e nosso proposito sempre foi proteger o digimundo. Antes dos digivirus e agora... dos humanos.

 


Notas Finais


Eu si e tenho noçao que muitos de vcs leitores tem uma grande preferencia pelo povo do digimon 2.
POr estes e outros motivos sou bem contra preferentismo de personagens e sagas n importa o genero da fick.
Ex eu prefiro o povo da 1. n leio fick q n tenha o taishi etc.
Pelo que andei vendo muita gente acha o povo da 2 mais poderoso que o da 1. Sei se o meu preconceito com qualquer continuaçao do 1 é forte. e pra mim as fusões no 2 tem a mesma forma que os megas da 1. tipo:--->> agumon= v-mon, greymon = evoluçao da coragem, metalgreymon= evoluçao da amizade, worgreymon = fuzao. entende? Eu equiparo ambos pra n ter briga e todos sairem felizes. sacaram? Bem é isso. Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...