História 'Hellish Obsession' - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Bang
Personagens D-Lite (Daesung), G-Dragon, Seungri, T.O.P, Taeyang
Tags Big Bang, Daesung, G. Dragon, Seungri, Taeyang, Top
Visualizações 46
Palavras 1.830
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drabble, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Agora é pra valer!
Se o ódio é mais forte, é preciso apostar na sorte!
Boa leitura meus amores!!!!!

Capítulo 3 - 'Alma Sombria"


Fanfic / Fanfiction 'Hellish Obsession' - Capítulo 3 - 'Alma Sombria"

‘Alma Sombria’

 

 

Min Hee – P.O.V

Verificação da situação atual. Corpo estirado no chão, fui lançada a mais de cinco metros de distância do carro, ou do que sobrou dele. Sinto um ardor imensurável na panturrilha esquerda, minha boca está cheia de sangue, meu cabelo se soltou do coque. Não ouço nada e enxergar é algo impossível. Sou levantada do chão e carregada por braços fortes. Sou posta sentada e com muito custo consigo ver quem está me ajudando, é Dak-Ho. Vejo seus lábios se moverem, mas nada ouço, então lágrimas escapam dos meus olhos. É mais fácil listar as partes que não doem.

_ Dak-Ho, não ouço nada do que você está me falando. – Tento olhar em volta para ver se tem alguém machucado. Suspiro aliviada parece que todos estão bem!

_ Min Hee, fique quieta já chamamos uma ambulância. Consegue ler meus lábios? – Meu salvador segura meu rosto com suas grandes mãos, olho sua boca e confirmo que estou entendendo o que diz.

O estacionamento está cheio, vejo alguns dos professores retirarem seus carros de perto do que um dia foi o meu carro. O céu está ficando mais escuro, a noite chega anunciando a escuridão. Me levanto, mas Dak-Ho não deixa.

_ É melhor ficar sentada, seus ferimentos podem ser graves. Sua perna está queimada, seu lábio inferior está cortado e sua saia está rasgada até no quadril. – Olho rapidamente, e para minha decepção o que sempre escondo está descoberto para quem quiser ver.

Tentando tampar minha coxa, começo a ouvir, para meu alívio é a sirene da ambulância. Assim que chegam já me colocam dentro dela, Dak-Ho também entra, é neste momento que vejo seu braço, está muito queimado. Seguro sua mão para ver o ferimento, ele acaricia meu rosto e sorri.

_ Não se preocupe, estou bem, não está doendo tanto quanto parece. – A dor que me incomoda é a da alma, juro que tentei ser uma pessoa legal. Mas graças aquele desgraçado não posso ser quem eu quero.

 

G Dragon – P.O.V

É difícil descrever o gosto da vitória, apenas sei que é delicioso. Ver aquela vadia ser lançada de cara no chão não tem preço. Assim que entrei no carro ela chegou no estacionamento, e logo começou a gritar. Eu e Dae assistimos de longe e mesmo desta forma fiquei excitado. Sem falar que Taeyang ficou lá filmando.

_ Vamos sair daqui, estou morto de fome. – Digo ao motorista, que me obedece imediatamente.

_ Tem certeza que não dará problemas chefinho? – Olho irritado para Dae.

_ Quem planejou a porra toda, imbecil?

_ Você, claro! – Ele responde abaixando a cabeça.

_ Então não teremos problemas, se fosse um de seus planos com certeza estaríamos mortos agora. – Meu celular toca, com certeza deve ser o Taeyang.

_ Fala Tae.

_ Vou enviar o vídeo agora. É bom assistir com muita atenção, tem surpresa para o senhor.

_ Não gosto de surpresas, fala logo infeliz!

_ Não chefe, o senhor tem que ver, falar não tem graça. – Ele desliga o telefone na minha cara, filho da puta, de todos os rapazes Tae é o único que tem mais intimidade comigo.

_ O Tae filmou tudo?

_ Filmou.

_ Então vamos ver!

Abro a caixa de mensagens do meu celular, e lá está o vídeo. Tae começou a filmar desde a hora que saí do local, poucos minutos depois ela aparece gritando e me xingando. É hilário ver o desespero dela, melhor ainda quando o carro explode e ela é arremessada para longe. Presto atenção em cada detalhe, além dela está no chão também um dos professores. Vejo ele pegá-la no colo, tremo por dentro de raiva, isso me incomoda. Mais alguns segundos e Dae chama minha atenção para um fato.

_ Ei, o que é aquilo? – Ele pausa o vídeo sem a minha permissão.

_ O que pensa que está fazendo Dae?

_ Chefinho olha aqui, quando ela está sentada, tem algo na coxa dela! – Ele tenta aumentar o zoom para vermos do que se trata.

Se eu não estivesse vendo com meus próprios olhos não acreditaria.

_ Ora, ora, então a professorinha gosta de tatuagens, sempre tão séria e comportada. Quem diria que teria uma tribal!

 

[...]

 

Min Hee – P.O.V

São quase dez da noite, e Dak-Ho está comigo no hospital. Nossos ferimentos não são graves, mas levaram tempo para nos liberarem.

_ Tudo resolvido, seu carro já foi tirado do estacionamento. Jung Sook providenciou tudo, não precisa se preocupar. – Ele sorri como se tudo estivesse bem.

_ Sinto muito Dak, você se feriu tentando me ajudar!

_ Nada disso, te ajudei porque quis. Sei que teria feito o mesmo por mim. Agora vamos, vou te levar para casa. – Desço da cama onde estou, e saímos do hospital, para ser sincera o cheiro me irrita.

O percurso todo até minha casa ficamos em total silêncio. Também falar o que? No estado que me encontro é melhor ficar calada e agir na surdina. Filho de um poderoso empresário, amante da diretora, sem falar que é o gangster mais perigoso de Seul. Enquanto o médico fazia os curativos em mim Dak-Ho foi me contando o que sabe sobre G Dragon. Tráfico de drogas e de mulheres, agiotagem e queima de arquivo, a ficha dele é longa. Contudo, a polícia e a lei estão nas mãos dele, seu poder vai além do que eu posso imaginar.

_ Chegamos, Min. Tem certeza que não quer que eu durma aqui? Adoro dormir em sofás desconfortáveis. – Seu sorriso é sincero e puro.

_ Não precisa Dak, estou bem e ficarei melhor depois de um banho, seguido de uma tonelada de remédios. – Dou um beijo em seu rosto em sinal de agradecimento.

_ Se precisar de algo, liga, mesmo que seja de madrugada pode ligar, virei correndo. – Desço do carro e aceno. Assim que ele sai passo pelo portão e sou recepcionada pelo meu fiel amigo Bruce, um husky siberiano albino de olhos azuis.

_ E aí garotão, sentiu minha falta? Eu senti a sua. – Ele lambe meu rosto todo, e é desta forma que me sinto feliz.

Entro em casa e vou direto para o banheiro. Me olhando no espelho vejo o estrago no qual me encontro. Roupa rasgada, perna queimada, cabelo chamuscado e boca inchada. Bruce deitado no chão perto da porta me olha como se me perguntasse o que aconteceu.

_ Lembra o filho da puta que lhe contei? Pois é, aquele miserável explodiu o nosso carro, mas não se preocupe, tudo tem um preço.

Entro embaixo do chuveiro e tomo um banho frio. Saio tremendo de frio, mas para aliviar o ardor que sinto foi uma boa ideia. Vou na cozinha para tomar os remédios e colocar comida para o meu companheiro. Em seguida subo para o meu quarto, deito e por incrível que pareça durmo quase de imediato.

 

[...]

 

Estou correndo por uma casa antiga, cujo chão é de pedra. Não há portas nem janelas, apenas grades e tochas. Ouço passos e uma risada perversa. Paro de correr ao encontrar um enorme corredor, apesar da pouca iluminação vejo uma passagem no final.

Meu coração bate tão rápido que respirar torna-se doloroso. Estou descalço e meus pés estão sangrando, por isso caminho devagar. Chegando na passagem entro no cômodo, e automaticamente uma grade desce selando o local. Pronto estou presa e não sei que lugar é este. Caminhando com dificuldade por causa da queimadura na perna esquerda e os cortes nos pés, alcanço o móvel que pode ser considerado uma cama. De repente ouço a risada perversa e um homem com capuz entra pela grade.

Estranhamente sinto medo, antes de levantar e correr ele pega meu braço e me puxa. Meu corpo colide contra o dele, o capuz cai e posso ver quem é. G Dragon me aperta em seus braços, seus olhos negros transbordam maldade.

_ Eu disse que pagaria por me desafiar. Agora você será a minha vadia.

Puxando meu cabelo minha cabeça é forçada para trás, o que lhe possibilita morder meu pescoço. Paralisada não mexo nem mesmo um dedo, aproveitando isso, sua boca alcança o lóbulo da minha orelha. Sou jogada na cama e antes de pronunciar uma palavra sequer, ele me beija de modo selvagem e possessivo. Suas mãos começam a percorrer meu corpo. Entro em desespero, quando uma delas alcança a parte mais sensível do meu corpo.

_ Quem diria, está molhadinha, pronta para ser fodida!

Tento virar o rosto, mas só consigo enfurece-lo ainda mais. Nervoso com a minha recusa rasga a camisola que cobre meu corpo. Abrindo minhas pernas com o joelho consegue encaixar seu membro ereto no meu sexo, mesmo de calça posso senti-lo duro e pulsante.

_ Antes de matá-la, vou te foder até não conseguir mais se mexer.

Ele se afasta o suficiente para abrir o zíper da calça, e orgulhoso  exibe seu pênis como um troféu.

_ Diga que me quer dentro de você, estocando com muita força. DIGA VADIA!

_ Prefiro a morte, do que lhe dar este prazer. Mas se você se satisfaz violentando, é porque nunca conseguiu agradar uma mulher de verdade.

Furioso deita sobre mim com ódio no olhar. Rapidamente coloca dois dedos dentro da minha vagina, me fazendo contorcer. Para minha tristeza, não é dor que sinto, e sim prazer. Ele os movimenta com cadencia violenta, e sem eu querer meu corpo responde aos seus toques.

_ Sinta, você quer, então é melhor admitir, caso contrário vou te machucar muito.

_ Vá para o inferno! Tenho nojo de você!

A resposta que ganho é seu pênis me penetrando com força e tão fundo que grito seu nome sem pensar.

_ Ggg Draaagoonnnn!

A cada nova estocada ele me leva para mais perto de um precipício. Vergonha, dor, prazer e desejo são os quatro sentimentos que ele está despertando em mim. Sem controle morde meu seio até sangrar, feliz e satisfeito levanta minha perna direita.

_ Vou mais fundo, quero te ver sangrar. Te levarei até o inferno comigo!

Não me dando tempo para respostas, seus movimentos aceleram mais e mais, sinto minha vagina apertar seu pênis ainda mais. Isso lhe provoca tremores ao ponto de me beijar para não gritar. G Dragon segura minha cintura com força e ordena.

_ Goza comigo, Min Hee, e iremos juntos para o inferno!

Meu corpo começa a movimentar no ritmo que ele impõe. Sinto minha pele formigar, meu útero se contrai com o orgasmo que está próximo. E G Dragon, sem controle também, se movimenta desordenadamente até que sinto o final de seu ápice, gozando dentro de mim ele me leva a um orgasmo que nunca tive. De repente do nada ele fica de pé e apontando uma arma diz sorrindo.

_ Agora posso mata-la! – Sinto a bala perfurar meu peito e sua risada mais parece uma melodia do inferno.

 

 

 

O QUE?????

COMO ASSIM???????

Para tudo, huehuehue!!!!

E aí gostaram?

Vamos lá comentem, favoritem.

Quero saber o que estão pensando do nosso amado G Dragon!!!!!


Notas Finais


Bom se você chegou até aqui, não custa nada me deixar um recadinho!
Vamos lá, vou adorar e prometo responder.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...