História Hello Monster - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Assassino, Chansoo, Chanyeol, Detetive, Exo, Kyungsoo
Exibições 32
Palavras 1.287
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Um novo caso


Sentado à mesa de trabalho, o detetive Park Chanyeol analisava as fotos em seu notebook, horrorizado com o material recebido sobre mais um caso investigado pela polícia de Seoul. A investigação dessa vez era sobre uma série de assassinatos brutais ocorridos na última semana, todos com o mesmo padrão de execução.

Havia recebido as fotos das vítimas para uma opinião sobre o estado dos cadáveres, pois o maior foco da polícia era decidir se era apenas um assassino ou uma quadrilha organizada para matar pessoas de forma padronizada. Mesmo ainda não tendo sido recrutado oficialmente para as investigações, toda a sua experiência de Chanyeol casos de serial killer o fez perceber que as mortes se encaixam nesse padrão, a primeira decisão do rapaz foi ligar para seu superior, Zhang Yixing, para uma conclusão notificada.

O chinês atendeu no terceiro toque, com a voz carregada do sotaque e a rouquidão de sempre:

“Chanyeol, eu estava agora a pouco decidindo se deveria ligá-lo ou não.” O homem disse, com a voz levemente zombeteira. “E então, o que achou do nosso novo caso?”

“Bastante divertido.” Ele respondeu, com um sorrisinho de lado. “Tanto que estou te ligando para pedir que me coloque nessa investigação. Com certeza se trata de uma série de assassinatos.”

Yixing fez uma longa pausa dramática como se considerasse a proposta, mas a verdade era que ele mesmo estava prestes a solicitar a participação do agente Park. O rapaz nunca errara uma conclusão e jamais deixara um caso sem solucionar, e embora não trabalhasse oficialmente para a polícia, ele era sempre a melhor opção a ser contatada quando surgiam casos desse tipo. Zhang sabia poder contar com o rapaz, e é claro que sua ajuda jamais seria dispensada.

“Se você estiver sem nenhum caso em mãos...” Ele disse, tentando soar desinteressado.

Chanyeol sorriu para si mesmo. Seu ego de detetive se inflava cada vez que se sentia solicitado. Adorava ter casos para investigar e principalmente ter que usar toda a sua inteligência para ajudar o governo ou polícia, pois fora pra isso que treinou durante muito tempo da sua adolescência.

“Apenas algumas investigações pequenas sobre as escapadas noturnas de um adolescente petulante, mas nada que possa comprometer meu envolvimento nesse caso.”

O chinês riu brevemente do outro lado da chamada, como se achasse graça de o rapaz ter que seguir jovens inconsequentes, mas sabia que assim como ganhava bem com casos grandes, Park também conseguia um bom dinheiro com missões fáceis e bobas como aquela. Em partes ele o invejava, pois a vida de um detetive era muito mais fácil e menos exposta que a de um policial.

“Então fechamos um acordo? Notificarei o departamento de que agora temos a sua ajuda.”

“Claro, pode avisá-los.” Respondeu, a voz baixa e contida como sempre. Porém, logo mudou seu tom para algo mais convencido e até petulante, inflando seu ego como sempre adorou fazer. “E Yixing, os avise que eu não estou entrando nessa para brincar. Eu vou entregar esse caso resolvido, ou podem zombar a vontade do meu distintivo de detetive.”

 

 

Depois de uma última olhada no espelho o Detetive Park decidiu que era hora de sair de casa, já bocejando de tédio devido à missão de investigar mais uma das saídas noturnas do adolescente que citara mais cedo para Yixing.

O pai do garoto havia ficado desconfiado das suas fugidas durante a noite e, mesmo que fosse aparentemente normal que um jovem quisesse um pouco de diversão, o homem que o contratara se mostrou extremamente preocupado com o paradeiro de seu primogênito todas as madrugadas, e contrata Park para descobrir.

Porque é isso que pais ricos e protetores fazem quando seus filhos fogem ao controle: contratam um detetive para segui-los como se fossem criminosos ou reféns.

“Não acredito que perderei mais uma noite em claro por causa desse garoto.” Park praguejou, parando algumas ruas depois da mansão de seu atual patrão, no mesmo caminho por onde o garoto passava todas as noites.

Para retirar qualquer suspeita sobre sua presença naquela rua àquela hora da noite, o rapaz ligou o som do carro em um volume audível, pois a última coisa discreta que poderia fazer era ouvir música enquanto seguia alguém, e tudo que ele menos precisava era ser silencioso demais a ponto de parecer suspeito.

Não demorou muito tempo para que o investigado passasse por aquela rua, ignorando o carro parado em frente a uma casa como se estivesse estacionado e virando a esquina mais próxima, exatamente como Chanyeol queria que ele fizesse. Sem demora alguma o rapaz ligou o motor do automóvel e passou a dirigir pelas ruas, dessa vez desligando o som para que não fosse reconhecido pela música e entrando na mesma rua que o investigado tomara, sabendo que não seria descoberto pelo carro, pois a rua estava escura demais para que qualquer um reconhecesse o modelo.

Ele não demorou a avistar o carro do adolescente seguido, mantendo uma distância razoável quando outros dois carros passaram na sua frente, mas nunca o perdendo de vista. Estava a dois automóveis de distância do que perseguia, mas seus olhos treinados eram atentos.

Tamborilando os dedos no volante ele seguiu o caminho pela rua, fazendo questão de não levantar suspeitas e ao mesmo tempo suspirando entediado, pois a última coisa que queria era estar em plena meia-noite seguindo um adolescente inconsequente que tinha um pai super protetor. O veículo do investigado não demorou a estacionar em frente a um clube e Chanyeol também parou o seu carro um pouco mais para frente, descendo do mesmo em seguida e esperando um pouco afastado que o garoto entrasse na boate.

Park ergueu uma sobrancelha ao vê-lo tirar algo do bolso e mostrar ao segurança na entrada, e pela classificação daquele estabelecimento ser apenas para maiores de idade, Chanyeol sabia que o menor apresentava um documento falso.

Assistiu com cautela o garoto baixinho entrar na boate e logo em seguida tratou de pegar suas entradas e se dirigir à fila também. O detetive esperou três pessoas antes de ser atendido, e depois de uma rápida analisada por parte do segurança mais velho ele pôde finalmente entregar seu passe e entrar, com um sorriso cínico.

Olhos fixos nas pessoas presentes, o rapaz treinado para investigações buscou pelo seu investigado, não demorando a encontrá-lo. Sorriu de lado, pois sua beleza naqueles trajes totalmente pretos era inegável e, embora parecesse tão obscuro quanto a noite, o garoto ainda conseguia ser igualmente bonito.

Aproximou-se, pois era a hora certa para fazer contato. Era a primeira vez que o detetive o via tão próximo no período de uma semana que vinha o seguindo a mando de seu pai, e seria também a primeira interação.

“Olá. Você quer dançar comigo?” Park perguntou por cima da música, analisando suas expressões.

 O rapaz se virou para ele com uma sobrancelha erguida, mas logo um sorriso fofo se formou em seus lábios e ele se aproximou do mais velho sem nenhuma cautela, pronunciando-se com uma voz ousada que contrastava com o curvar de seus lábios.

“Claro que sim. Na verdade, eu estava esperando por você.”

Chanyeol ergueu uma sobrancelha, encarando os olhos mortos do garoto com aparente surpresa. O outro riu baixinho, embora perverso, enquanto se aproximava mais um pouco do mais alto.

“Qual a surpresa, Detetive Park?”

O moreno sorriu de lado, claramente surpreso. Seu investigado sabia sobre ele, havia descoberto sua presença, e nem mesmo o deixara desconfiar de que fora descoberto. Chanyeol sentiu-se tolo por tê-lo julgado como apenas mais um adolescente inconsequente que precisa ser seguido, e ofereceu seu melhor sorriso petulante para o mais novo.

Talvez Do KyungSoo fosse uma missão realmente divertida, embora Park soubesse que jamais deveria se envolver com um caso.


Notas Finais


olá! espero que tenham apreciado o capítulo e me deixem saber as suas opiniões.
se alguém quiser ser minha amiga, meu nome é nanda. meu twitter é xiuminmonster e minha conta no wattpad é protectxiumin :)
essa obra também está publicada no segundo site citado, e as atualizações serão feitas todos os domingos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...