História Hello Suga - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Suga, V
Visualizações 508
Palavras 3.142
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Helloooo! Bem, depois do ComeBack do BTS se eu estou viva graças a Deus que estou...

Esse é um POV do Yoongiiii heeeee~
Ficou grande, mas espero que vcs gostem!
Kissus :*

Capítulo 21 - Capítulo Vinte e Um


 

Suga POV´s

 

Minha cabeça doía e meu estômago não estava nada bem. Eu não queria ir pra faculdade, aquele tinha deixado de ser um lugar interessante. Mesmo assim, eu preciso honrar o meu suor que foi derramado naquela prova que me fez decidir entre Relações Internacionais e Jornalismo. Se eu soubesse que Economia estava na grade, certamente teria escolhido Jornalismo. 

 

Como sempre, acordei cedo demais e assim que terminei de escovar os dentes fui para a cozinha tomar um remédio e depois tomei uma xicara de café bem forte. O ônibus só passava às 7:30, isso me dava trinta minutos para ficar pronto. Fui para o banheiro e tomei um banho que devolveu um pouco das minhas forças para encarar o dia. Voltei para o quarto e quando estava devidamente vestido, olhei meu reflexo e por um momento estranhei os fios negros do meu cabelo. 

 

Voltar a cor original foi uma decisão fácil, um tanto repentina, mas fácil. Bem, tirando a bagunça que eu fiz e o fato da minha mãe esta um pouco irritada por ter perdido um par de luvas. Vai entender...só era um par de luvas. 

 

-Eu ainda não acredito que você destruiu meu único par de luvas. 

 

Minha mãe estava sentada no sofá me observando. Não, ela não iria fazer nada enquanto eu não saísse dessa casa. E estava fazendo isso para mostrar que estava chateada e com isso conseguir me deixar arrependido. 

 

-Mãe... 

 

-Nem venha com "Mãe..." Passa logo o dinheiro. 

 

-Sério que a senhora vai extorquir seu próprio filho? 

 

-Estou esperando. -Esticou a mão e eu me aproximei do sofá. 

 

-Aigoo... Toma. 

 

Tirei algumas notas da carteira e dei para ela. Finalmente ela esboçou um sorriso. Só que eu não estava nada feliz. 

 

-Agora cadê o beijinho da mamãe? 

 

-Xau mãe. -Revirei os olhos e abri a bolsa. Verifiquei se não estava esquecendo de nada, e dei dois passos em direção a porta. 

 

-Eu estava até pensando em fazer algo especial para o jantar, mas você é um ingrato Yoongi! Um ingrato que eu carreguei por nove meses! 

 

Voltei dois passos e olhei para ela. Por que mães sempre apelam para o nosso psicológico? 

 

-Te amo, dona Min. 

 

Beijei a testa dela e no mesmo instante um sorriso enorme apareceu em seu rosto. Mas claro que ela não iria se dar por vencida. 

 

-Ok pelo menos isso...vá logo antes que se atrase. 

 

Sorri e caminhei até a porta. Em alguns minutos, eu já estava no ponto esperando o ônibus chegar. Eu não queria ver aquela mulher indesejável, mas não pretendia chegar atrasado na faculdade. Eu também poderia ir de metrô, mas eu estaria deixando de pegar o ônibus por causa dela, então digamos que ela não é tão importante assim que não possa ser ignorada. 

 

Subi no ônibus e não olhei para nenhum assento. Apenas sentei na primeira cadeira que eu vi. Ter noção de que ela podia estar ali, me deixou ansioso e com raiva ao mesmo tempo. Mas eu pretendia manter distancia e olhar para ela não fazia parte disso. Nem quando tive que descer olhei para trás. Sendo sincero, não sei porque estou com tanta raiva. Mas não posso falar com ela, fingindo que esta tudo bem, porque não está. Vou precisar de alguns dias pra me recuperar dessa decepção amorosa. Haha "Decepção amorosa", a que ponto eu cheguei. 

 

Assim que passei pelo portão da faculdade fui barrado por uma "Smurf", mais conhecida como Yoon. Só de olhar pra ela lembrei de como a ingrata reagiu quando ouviu que eu tinha ido almoçar com a doce Yoon. Não deve ser legal ser trocada por alguém como Lee Yoon. 

 

-Yoongi-Oppa! 

 

-Oi Yoon... 

 

-É...o Oppa concluiu os exercícios? 

 

-Humrrum... 

 

-Quer uma maçã? 

 

-Não Yoon... Vamos para a sala. 

 

Ela me acompanhou e parecia tímida. Yoon é linda. Tem cabelos dourados e um sorriso fofo. Ela é gentil e prestativa, coisa que aquela ingrata nunca seria. E além disso, demostra sentir alguma coisa por mim.Mas mesmo que Yoon tenha todas as qualidades de uma nora que minha mãe adoraria ter, ela não é a dona do coque que eu adoraria desmanchar, nem a dona do sorriso mais sincero que eu já vi. 

 

 

 

 

Eu só percebi que aquela individua não estava na sala, quando o nome dela foi chamado e não houve resposta. Pela primeira vez na manhã olhei para o lugar que ela deveria estar, mas o que vi foi uma outra aluna sentada. Quase fui um idiota e mandei uma mensagem perguntando se ela estaria bem, mas lembrei do que aconteceu ontem e guardei o celular. 

 

-Com licença. 

 

Olhei para a porta e vi um homem alto passar por ela. O cabelo dele era quase rosa e ele parecia ser muito inteligente. Será que é um aluno novo? 

 

-O que deseja? -A professora perguntou e ele olhou para nós. 

 

-Estou procurando por Min Yoongi. 

 

As pessoas olharam para mim e antes que alguém apontasse eu me pronunciei. 

 

-Sou eu. 

 

-Podemos conversar? 

 

Por mas que eu estivesse curioso, eu não pretendia abandonar a aula para falar com um estranho. Eu era belo demais pra ser sequestrado. 

 

-Estou em aula. 

 

-Pode ir, Yoongi. 

 

A professora disse, mas eu fiquei quieto por um momento. Pensei em todas as compras que eu tinha feito ultimamente e cheguei a conclusão de que eu já tinha pagado a maioria. Ele não tinha cara de cobrador, nem de um palhaço psicopata. 

 

-Ok... 

 

Saímos e caminhamos um pouco até nos distanciarmos da porta. Então eu parei e esperei que ele explicasse o que queria falar comigo. 

 

-Meu nome é Kim Seok Jin. 

 

-Bem, o que quer comigo? 

 

-Eu queria te dar um soco por ter feito minha irmã chorar, mas ela iria acabar descobrindo. 

 

Epa... Eu nunca fiz uma mulher chorar, qual é a desse cara? 

 

-Eu nem sei se conheço sua irmã. 

 

-Uma baixinha agressiva e carrancuda. 

 

Eu só conheço uma pessoa que se encaixa perfeitamente nessa descrição. Pensando bem, os sobrenomes são os mesmos, e olhando bem, até que eles parecem um pouco. 

 

-Você se enganou. Eu não conheço sua irmã. 

 

-Ok. Desculpe, ela deve ter dito seu nome só pra me confundir. 

 

Ele virou as costas e começou a ir em direção a saída. Eu sei que é ela. Ao menos eu sinto que é. Mas é inacreditável que ela tem coração e consegue chorar por alguém. Achei que no caso dela, haveria uma pedra enorme. Ela não choraria por minha causa, esse Jin deve está enganado. Mas...caminhei até alcança-lo. 

 

-Jin. Eu acho que conheço sua irmã e ela não faz o tipo de chorar por alguém. 

 

-Eu sabia que era você, o bastardo. Olha, eu não sei o que você fez, e nem sei o que ela viu em você, mas vou logo jogar a bomba. Ela gosta de você. 

 

-O-Oi? E-Ela... 

 

-Você só precisa pedir desculpas pra ela. Eu não quero admitir mas acho que você faz bem pra ela. Ontem mesmo ela disse que me amava. Tem ideia do quanto isso significa? 

 

-Eu não vou pedir desculpas para ela. 

 

Eu não preciso me desculpar com uma traidora como ela. Acho que ela o mandou aqui para no fim eles dois rirem da minha cara de trouxa. 

 

-Ela mudou e acho que foi por esse sentimento. Eu não estou aqui pra te implorar nada. Só não quero que minha irmã seja machucada de novo. 

 

-Aigo, eu também não quero isso Jin, mas sua irmã me decepcionou. 

 

-Bem, um almoço podia pagar isso não acha? Então, quero te convidar para o almoço. Assim vocês podem se entender. 

 

-Sério? 

 

-Só aceite ok? Você é muito anêmico, precisa comer. Saiba que espero do fundo do meu coração que você não seja um psicopata. 

 

-Ok...Acho que posso ir. Mas preciso voltar pra sala. 

 

-Acho que posso esperar alguns minutos. 
 

Comida de graça é uma oportunidade que não pode ser desperdiçada. Mas se ele não me esperar, eu vou agradecer, porque no fundo eu sei que quando olhar pra ela minha raiva pode desaparecer. Entrei na sala e terminei de copiar todo aquele assunto de inglês que eu não entendia nem um pouco. Quando finalmente o relógio marcou 12:00 horas, eu sai e lá estava Jin lendo um livro. Decidimos ir de metrô, e fomos para a estação. Jin não falou mais nada desde que saimos da faculdade então eu decidi perguntar como ele conseguiu me encontrar. 

 

-Como me achou? -Questionei. 

 

-Minha irmã é muito previsível. Ela não costuma sair, então digamos que eu te encontraria na faculdade ou no restaurante que ela trabalha. 

 

-Mesmo assim... 

 

-Cara, eu sou aprendiz do Sherlock. 

 

Ele piscou e eu acabei rindo. Jin não era tão assustador assim. Pensei que ele iria mesmo me dar um soco. O celular dele começou a tocar e imediatamente ele atendeu. Minha mãe se orgulharia de mim se quando ela me ligasse eu atendesse nessa velocidade. 

 

-Já estou no caminho...hum...Estou levando um convidado, espero que tenha arrumado a casa. 

 

 

 

 

Jin abriu a porta e entramos na casa. Enquanto eu olhava ao redor e percebia o quanto aquele lugar era simples, algo esbarrou em nós. Ou melhor, alguém. 

 

-Foi mal, não vi vocês. - Ele se desculpou e entrou dentro de uma porta. 

 

-Kim Taehyung seu ladrão de Bulgogue descarado! Volte aqui! 

 

Ouvimos o grito que eu tinha certeza que era dela. Tiramos nossos sapatos e eu acompanhei Jin até a sala. Tinha uma espécie de mesa lá, sentei no sofá mas Jin ficou em pé. Ela apareceu com uma colher na mão, e não percebeu minha presença porque Jin estava parado na minha frente. Por um momento até achei que ele estava me escondendo. 

 

-Jin...você viu onde o V se meteu? 

 

Ela olhou ao redor procurando por ele mas quando o olhar dela parou em mim, por um misero minuto esqueci o que ela tinha feito. Droga, ela tem algum efeito sobre mim, isso explica o estado do meu coração nesse exato momento. 

 

-Kim Seok Jin! Por que você trouxe esse escroto pra minha casa?! 

 

-Corrigindo. Nossa casa. Onde está sua educação? 

 

-E onde está a sua consideração por mim? 

 

-Nossa...a noona sabe jogar... 

 

Tomei um susto quando vi aquela criatura do meu lado. De onde ele tinha surgido? Voltei a olhar para os dois irmãos. 

 

-Mana, ele está aqui porque... 

 

-Eu não vou pedir desculpas para ela. 

 

Deixei claro e Jin praticamente me fuzilou com os olhos. Percebi que o semblante dela ficou triste por um momento, mas logo ela recobrou a pose e apontou para a porta. 

 

-Cai fora daqui Yoongi! 

 

-Com todo o prazer... -Tentei levantar para ir embora mas o amigo dela me parou. 

 

-Aah não... Vocês dois prestem atenção. Eu e o Jin-Hyung estamos famintos e vocês não vão acabar com nosso almoço de família. 

 

-Isso aqui não é uma família Tae... - Ela disse mas ele continuou. 

 

-Já ouviram falar na palavra silencio? Então... não conversem, nem sequer se olhem, só vamos sentar naquela mesa e comer. Somos adultos, precisamos exercer o respeito mútuo. 

 

-Dane-se o respeito mútuo. Já que ele não vai sair, eu saio. -Ela disse e tirou o avental. 

 

-Ninguém se importa...-Murmurei e ela me olhou feio, mas aquele macaquinho azul conseguia deixar ela mais delicada. Wow, que pernas! 

 

-Eei mocinha, já chega, vem, vou te ajudar com os pratos. 

 

Jin saiu puxando ela e me deixou sozinho com o Tae seiláoquê que estava me encarando. 

 

-Hyung... Vamos para a mesa. 

 

Desde quando ele tinha a liberdade de me chamar de "Hyung"? E pior, o sorriso dele me assusta. Olhei para a mesinha que já estava arrumada. O único jeito era sentar no chão e cruzar as pernas. Assim, a mesa ficaria alta o suficiente para nós. 

 

-Ok. Vamos. 

 

Sentamos ao redor da mesa e como não tínhamos nada pra falar um com o outro ele continuou me encarando. Quando eu franzi as sobrancelhas incomodado com toda aquela atenção, ele me lançou outro sorriso quadrado. 

 

-Você me assusta. -Confessei e ele riu. 

 

-Pode me chamar de V se quiser. Sou o melhor amigo da Noona. 

 

Sério que ele se orgulhava de ser o melhor amigo dela? Eu lembro que ele ficou sem aparecer por um tempo e sei que ela deve ser a culpada. Ela é um poço de indelicadeza. Como ele suporta essa mulher? Como Jin, suporta? Jin aparenta ser tão calmo, como alguém como ela é irmã dele? 

 

-E eu nem sei o que estou fazendo aqui. -Eu disse olhando ao redor. 

 

-Você gosta da Noona ué. Por isso você está aqui Hyung. 

 

-Até parece. 

 

-Se não...por que aceitou vir? 

 

Boa pergunta. O que é que eu estava fazendo no território inimigo? Por que eu tinha aceitado isso? Eu tenho sérios problemas, só pode. 

 

-O irmão dela me ameaçou. 

 

Tentei me justificar, mas qualquer um veria que não era verdade. Eu vim porque no fundo eu queria vê-la. Queria me certificar de que ela estava bem e que o motivo do choro não era eu. Só assim eu poderia esquecer a culpa e voltar a ignorar a existência dela. 

 

-Jin-Hyung não tem coragem de matar uma barata e vai te ameaçar? Só é você olhar a cor do avental dele... 

 

Eu olhei para a cozinha e Taehyung tinha razão, o avental era rosa. E Jin não tinha vocação pra ser o badboy machão. Só é olhar o jeito que ele cuida dela. 

 

-Tem razão V.  Eu vim porque...Jin disse que ela chorou e que a culpa era minha. 

 

-C-Chorou? 

 

-Talvez eu tenha sido um... 

 

-Um "esnobe insensível"? 

 

Não respondi porque ela e Jin apareceram com duas panelas e devo confessar que o cheiro estava incrível. Jin colocou a panela na mesa e nos entregou os hashis. Ela apenas colocou a panela na mesa e se sentou do lado do V. Jin se acomodou e sorrindo olhou para mim. 

 

-Yoongi, sei que é convidado mas por favor, faça a oração. 

 

-E-eu? 

 

-Tem outro Yoongi aqui? -Ele perguntou calmo e com os olhos fechados. 

 

-Chupa otário. -Ela disse rindo, então Jin abriu os olhos e olhou para ela. 

 

-Mudando de ideia. Minha irmã irá orar. 

 

-Aish! Por quê? 

 

-Nonnaa anda logo. 

 

V apressou e ela fechou os olhos. Todos nós fizemos o mesmo e ela começou a "orar". 

 

-Deus...agradecemos por este almoço e pedimos que todas as pessoas frias e esnobes, em especial, nosso irmão Min Yoongi, se arrependam de seus feitos e sofram muito. Amém. 

 

Cínica. Que tipo de oração é essa? Antes que eles começassem a comer, eu levantei a mão. 

 

-Posso fazer outra oração Jin? -Perguntei. 

 

-Ok. Mas seja rápido. 

 

Todos nós fechamos os olhos e me preparei para a minha oração. 

 

-Senhor...mais uma vez te agradecemos por este almoço e desejo que todos os traidores sofram por seus atos e terminem seus dias sozinhos. Amém. 

 

Quando abri os olhos, a raiva dela era quase palpável. Dei um sorrisinho e ainda bem que não tinham facas ali. 

 

-Nossa...vocês estão tão... sentimentais. -Jin disse olhando para nós dois. - Vamos comer! 

 

Começamos a comer e eu não entendia o porquê de sempre que eu tentava pegar a carne, o hashi dela batia no meu e a carne caía, até que percebi que aquilo era uma provocação muito infantil. 

 

-Dá pra parar? -Pedi mas ela me ignorou. 

 

-Jin, você quer mais arroz? -Ela ofereceu e Jin aceitou. 

 

-Criança. -Provoquei e ela sorriu. Fazendo o que eu já previa. 

 

-Jin, ele está me provocando. 

 

Tentou jogar Jin contra mim. Que falsa! Pensei em alguma coisa e olhei para Jin. 

 

-Jin, você lembra aquela criança fofa que vimos no metrô? Aquela que me chamou de "Tio Yoongi". 

 

-Humrrum, a das trancinhas? 

 

-Isso! 

 

-Ela era muito fofa. 

 

-Como a minha Yoon. 

 

Eu nunca fiquei tão feliz em citar a Yoon. A cara da ingrata era impagável. 

 

-Aquela vadia. 

 

Ela sussurrou e Taehyung riu.Aquilo era veneno escorrendo da boca dela? Ou era ciúmes? Eis a questão. Mas com certeza essa fala dela não passará em branco. Não se depender de mim. 

 

-Jin, sua irmã acabou de chamar uma pessoa inocente de "vadia"... 

 

Jin respirou fundo e esperei pela bronca que ele ia dar nela. 

 

-Aigo...Eu quero comer em paz. Taehyung pegue essa panela e vamos para a cozinha. 

 

-Ok, Jin-Hyung. 

 

Eles não podiam fazer isso. Me deixar sozinho com essa...sem noção? Não acredito que...eles estão mesmo levantando e indo para a cozinha. Acho que termina aqui minha visita. Não pretendo conversar nada com ela. Espero que JungKook enxugue todas essas lágrimas de crocodilo. 

 

-Estou indo. -Avisei e levantei. 

 

-Você só sai daqui depois que me dizer por que agiu daquela forma. 

 

Ela também levantou e quando eu tentei ir até a porta ela entrou no meu caminho. 

 

-Eu não tenho nada pra falar com você. A não ser "Obrigado pelo almoço". Agora, com licença. 

 

-Min Yoongi você ta pedindo pra ser odiado. 

 

-Eu não estou te pedindo nada. 

 

-Dá pra parar?! 

 

-Quem vai me fazer parar? -Aproximei meu rosto do dela mas ela se esquivou assustada. 

 

-Yoongi...Yoongi...você não me provoque... 

 

-Ok! Eu quero saber por que você estava beijando aquele cara? 

 

Cruzei os braços e esperei a resposta. Ela queria me encarar? Pois bem, que me responda logo o motivo de ter beijado outro no pátio da escola. E pior! Quando deveria está me esperando. 

 

-E-Eu não estava beijando ninguém! 

 

-O Jung Kook não é uma pessoa? 

 

-O Kookie? 

 

É impressão minha ou ela suspirou aliviada? Quem ela havia beijado além de mim e do Jung Kook? E que intimidade é essa com o Jung Kook? 

 

-Desde quando você chama ele de "Kookie"? 

 

-Ele me pegou de surpresa, Yoongi. 

 

-Te "pegou"? 

 

-Ta, espera. Não sei agir sobre pressão. Eu estava te esperando e ele apareceu, dai perguntou sobre nós dois, eu e você, e te chamou de anêmico, ai eu te defendi, então ele disse que eu estava bonita e me beijou de repente. Mas eu empurrei ele e ele foi parar no chão. Espera, você estava atrás de mim? 

 

-Digamos que sim. 

 

-Ele te viu! Aquele filho de uma chocadeira... 

 

-Então você... 

 

Eu não acredito que joguei meu almoço fora por um mal entendido. Não acredito que tratei ela daquela forma, e que minha lindinha chorou porque eu fui um idiota. Observei o rosto dela e sorri. Acho que agora posso dizer o quanto ela ficou linda nesse macacão azul. Toquei o rosto dela e por um milagre ela não me afastou. Será que eu posso mesmo beija-la? 

 

-Voltamos! 

 

Jin e Taehyung gritaram em uníssimo e eu abaixei a mão na velocidade da luz. 

 

-E trouxemos sobremesa! - Jin disse. 

 

-Sorvete do TaeTae! -Taehyung praticamente gritou. 

 

-Eles sempre são animados assim?- Perguntei e ela me olhou. 

 

-Quase sempre. 

 

-Vocês dois já fizeram as pazes? -Jin perguntou e quando eu olhei para ela vi certa expectativa em seus olhos. 

 

-Acho que sim. -Respondi e ela sorriu. 

 

-Ótimo, então podem ir lavar a louça. 

 


Notas Finais


E essas orações? kkkkkkk
O que será que vai acontecer nessa cozinha? Os pratos serão mesmo lavados?
Eis a questão....
kkkkkkk
Até próximo capítulo amores!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...