História Help Me - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chaz Somers, Colin Farrell, Justin Bieber, Penélope Cruz, Ryan Butler, Stella Hudgens
Personagens Chaz Somers, Colin Farrell, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Penélope Cruz, Personagens Originais, Ryan Butler, Stella Hudgens
Tags Ajuda-me, Drama, Incesto, Justiça, Justin Bieber, Vizinho
Visualizações 2.526
Palavras 1.508
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Leiam as notas finais e boa leitura, bjinho

Capítulo 9 - Help Me - Chapter Seven - The Kiss


BETHANY CALLAHAN
10:03 PM.
Casa dos Bieber, Santa Mônica.
 

Duas semanas desde tudo aquilo, desde o maldito exame falsificado pelo Daniel, desde que minha mãe passou a me tratar feito uma pessoa sem sentimentos ou pensamentos próprios, e ignorar qualquer coisa que eu diga, desde que eles decidiram não me internar, mas voltaram a me medicar com os comprimidos que me deixariam dopada para dias, mas não estava dando certo, pois eu sempre os cuspia na privada, desde que Daniel perdeu o emprego, pois o hospital não podia ter um medico com uma fama de estuprador, falaram para ele que tinham pessoas que acreditavam em mim. Eu só queria encontra-las!

— Estou indo para casa do Justin. — avisei, passando pela sala de jantar onde o casal de ordinários faziam sua refeição.

— Não volte tarde, filha. — Daniel me dirigiu a palavra, depois de duas semanas me ignorando e eu não sei porque, mas ainda me impressiona o quão bem ele atua.

— Sim, antes de ontem você voltou onze horas passadas! — Alicia disse, levantando com suas mãos ocupadas pelos pratos e se retirou indo até a cozinha. Daniel levantou vindo até mim e me abraçou, eu achei que suas mãos iriam para minha bunda, ou ele simplesmente roçaria nossas partes intimas mas não, ele só me abraçou, uma abraço apertado e confortável, um abraço de um pai de verdade, e aquilo me desestabilizou de tal forma, eu só quis abraça-lo de volta e implorar para que ele me protegesse, me protegesse dele mesmo, mas eu nem me movi, aquela sensação era dolorosa emocionalmente, eu chorava calada, com seu abraço protetor, e por um segundo senti que ele nunca mais me faria mal. 

Depois de um beijo na testa, ele beijou meus lábios e aquele balde de água fria foi despejado em minha cabeça, me fazendo gelar. Como ele pode me abraçar como um pai, e me beijar como um namorado? Como ele consegue ser tão nojento? encarei seus olhos, secando meu rosto e sai de perto dele, indo até a porta de saída. Será que ele pararia, se tivesse noção de como deixa minha saúde mental fodida? Tem vezes que eu passo a noite em claro, chorando e me batendo. Eu não consigo mais me manter firme, antes eu tinha mais controle sobre mim mesma, agora eu não sei mais, eu imploro a Deus para que eu não acorde mais, quando consigo dormir. É, eu definitivamente desisti de mim mesma.

Voltei a pensar sobre essas duas semanas, e tiveram alguns pontos positivos, fazem duas semanas que Daniel não toca em mim, nem sequer me olhava até alguns segundos atrás, duas semanas que estou dando aulas para o Justin e ele tem se mostrado um garoto melhor a cada dia. Combinamos na escola de não olharmos um para o outro, para não causar conflito em seu relacionamento, ou mais alguns problemas de convivência com aquelas meninas. É melhor assim.

Justin não é burro como eu pensava, ele apenas é desatento, perde o foco fácil. Temos que ter persistência e paciência com ele e pronto! Tudo da certo.

— Bom! Mas não é esse resultado final, a conta está toda correta, mas não é essa resposta. — falei, apagando os rabiscos de seu lápis e ele me olhou, assentiu e apagou tudo, refazendo a tarefa de matemática.

Justin é esforçado, isso é um ponto para ele.

— Isso, está certo! — falei, conferindo com o meu caderno, então fizemos um toque de mãos. Ri com aquilo e levantei.— Porra, já são dez horas, melhor eu ir.

— Tudo bem, eu te levo até o ponto de táxi. — me disse, risonho e eu fiquei sem entender.

— Ponto de táxi?

— Foi ironia Bethany, sabe, sua casa é tão longe. — ele falou rindo, e eu acabei rindo de mim mesma também.

— Ah, sim. — assenti colocando minha mochila nas  costas.

— Hoje é quinta não é? Ahh, droga! O trabalho de física, eu esqueci de fazer, mas que caralho! — ele se estressou, bufando e eu abri minha mochila e peguei meu trabalho, sentando na cama.

— Eu fiz ontem, copia ai. — entreguei a folha ao Justin, que sorriu e pegou, sentando no chão mais uma vez e pegando seu caderno. — Alguns minutos não farão diferença, afinal eu moro tão longe!

JUSTIN BIEBER

Bethany tem sido incrível nessas duas semanas. O  que eu mais gosto nela é que ela não duvida do meu potencial, ela apenas o estimula e deixa que eu faça o resto. Eu estou aprendendo mais com ela, do que com os professores daquela maldita escola. Além de eu sentir que aquela garota a qual eu senti falta está voltando, ela é tão engraçada! Ela tem tantas qualidades, e isso é bom, achei que seria péssima a nossa convivência, mas não, etá sendo muito boa. Suas aulas já começaram a dar resultado na escola, e eu ouvi muitos elogios dos professores. Está sendo uma boa experiencia.

 — Sabe, você seria uma boa professora. — comentei.

— Não, não seria. Não sei lidar com trinta adolescentes com os hormônios a flor da pele, seria trágico. Viriam me perguntar, "professora como eu faço tal coisa?" e eu iria gritar, por já ter explicado mais de duas vezes. — contou, e eu ri imaginando a cena.

— Certo.

O silêncio pairou, então eu foquei a escrever. Sua letra era redonda e muito bonita, fácil de entender. Mais ou menos trinta minutos e eu acabei tudo, fiz a capa do trabalho e guardei na minha pasta, levantei sentando ao lado dela que olhava o celular e encostei a cabeça em seu ombro.

Enfiei meu dedo na tela e ela me olhou com uma expressão de raiva, mas riu, coloquei na câmera e posicionei em nossos rostos.

— Não, não gosto de fotos...

— Shh.— cobri a boca dela, a fazendo rir e capturei aquele momento. O sorriso dela é a coisa mais linda que ela tem.

— Seu sorriso é lindo. — comentei, enviando a foto para mim.— Você deveria sorrir mais, Bethany.— olhei para ela e sorri fraco, ela me encarava de uma forma que eu nunca tinha visto antes, olhei em para os seus lábios, úmidos pela língua que havia sido deslizada lentamente neles e depois para os olhos dela, que estavam fixos em minha boca.

Me aproximei devagar, e eu não tinha certeza se aquilo era certo, ou errado. Talvez eu esteja indo contra o combinado desde o principio, mas eu queria muito beijar ela. Não é só sobre nós dois e seus vários problemas psicológicos, é sobre Lendry também, não que sejamos namorados, mas eu a respeito. Porém eu quero tanto!  Toquei seus lábios com os meus, selando os mesmo, ouvi a porta sem aberta com força e eu tive um sobressalto, me pondo de pé em frente a cama e olhei para a porta, vendo minha mãe parada lá, nos olhando surpresa.

— Thany, sua mãe está lá em baixo.— ela avisou. Bethany levantou pegando seu trabalho, o celular em minha mão e saiu rápido do meu quarto, Pattie me lançou um olhar de desaprovação e saiu também.

Sentei na minha cama e respirei fundo, segurando meus cabelos, encarei o chão durante alguns segundos, tentando assimilar o que eu estava fazendo?! Droga! Ela já é toda desgraçada mental e emocionalmente, eu não posso por meus desejos a cima da saúde mental dela. Merda!

— Que droga vocês estavam fazendo?— minha mãe entrou feito um furacão, parando na minha frente.

— Eu beijei ela, mas isso não vai acontecer de novo! Eu prometo! — me comprometi, a encarando.

— Pelo amor de Deus, Justin, pelo amor de Deus! Eu pedi tanto pra você não levar as coisas para esse lado, essa garota é pirada! Imagina se ela chega em casa agora e inventa que você a agarrou a força, ou qualquer coisa desse tipo!

— Ela é linda, engraçada, social, e comigo ela não parece uma doente, droga!

— A própria mãe dela disse que essa garota é manipuladora! Ela fez o pai perder o emprego, imagine o que pode fazer com você! Acho melhor suspender essas aulas, isso vai acabar mal, muito mal.

— Não! Não, eu não vou parar de ter aula com ela, ela é minha amiga, eu não vou fazer isso por uma atitude idiota minha. Mãe, não se preocupe, eu tenho tudo sob controle.— menti descaradamente. Eu não tenho nada sob controle.

— Então olhe bem o que faz, se não eu afasto você dela, Justin! Nem que eu tenha que pagar uma fortuna por um professor particular, nem que eu tenha que tirar você da escola! Ela matou a Stacy, ela faz coisas horríveis com os pais, você não vai ser mais uma vitima!

Eu não conseguia ver essa Bethany, de jeito nenhum. Na minha frente, ao meu ver, ela parece mais vitima do que qualquer outra pessoa, porém é difícil! Droga, o pai dela sempre foi o melhor pai desse bairro, não como o meu que vive trabalhando, ou como o senhor Thompson que mal olhava para os filhos, Daniel Callahan é amado por todos nesse lugar, ele é gentil, caridoso, é impossível ele toca-la como ela diz, merda! Por que ela mente?


Notas Finais


Eu amo mostrar que o justin não é o boitão babaca, e sim um docinho! Meninas, em todos os nomes de cada capitulo eu ponho em qual cap estamos, não contando com o prologo e o bonus, então na minha ordem estamos no cap 7 a recém, por mais que o spirit conste como o nove, na ordem da fanfic está no cap 7, e o próximo será o mais amado de todos, acredito eu, porque eu estou definitivamente apaixonada por ele, no cap oito veremos nossa menina ser feliz, o que não acontece muito na vidinha dela, né. bom, é isso amores. me digam o que estão achando, eu amo ler e me divirto muiyo com os comentários de vocês. Beijo mozes <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...