História Help me. (Camren) - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren, Família
Visualizações 282
Palavras 2.199
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Violência, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Sadomasoquismo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Erros ortográficos serão corrigidos depois. Boa leitura.

Capítulo 31 - 1 sonho/ primeira vez.


Autora : " Primeira vez" em Taubate, só pode. Nessa capítulo sejamos sinceros com o que Camila irá falar. Sobre a Lauren, bom, toda mulher, na minha certeza, quer ouvir isso, seja homo,hétero, trans.


______¤_____¤______¤_______¤_____¤

Camila, eu não mordo. - Estamos no quarto e a mesma não queria dormi ao meu lado.

- Ah, gatinha não é isso. Mas.- enfatiza. 

- Mas? - eu estava sentada, olhando-a de pé.

- Não é a hora certa pra eu deitar ao seu lado. - passa a mão em seus cabelos. - ainda mais numa cama. 

- E o que tem? Eu durmo com a Normani. - querendo amenizar, tenta entender meu lado.

Estamos sozinha numa casa, onde a única presença que eu quero é a dela, ao meu lado, me confortando. Todas as formas possíveis ela não faria nada comigo, ao não ser que eu queira, porém,até isso. Aposto que você também pensaria assim, depois dos certos episódios anteriormente. Não quero fazê-lá sentir culpada por seguir uma ordem, mas qual é? ultrapassamos limites e pontos importantes já, só quero fazê-lá enxergar isso. 

- Você já sentiu o gosto dos lábios da sua irmã? - pegunta de forma vulgar. 

- Não, né...-

- Então, é muito diferente de " um deitar comigo", do que sua irmã. 

- Ah, é? É a onde você vai dormi, então? - isso em partes está me irritando, mas compreendo de todas as formas. 

- Lá em baixo.  - afirma. - eu já vou gatinha, estou com sono.- fala rápida, se dirigindo até a porta. 

- NÃO!- levanto-me com rapidez, passando por cima da cama. Trancando a porta com força, antes que ela abra.

- Você não vai! 

- Lauren. - implora, necessariamente com o olhar.

Rodo a chave, pegando-a, me afastando, segurando na postas dos meus dedos.

- Lauren me dá isso. - me pedi, com a mão. 

- Não, não! - rio da sua cara.

- Anda, me dá longo. - seu tom fica sério. 

- Ui! Tá ficando brava? - debocho de sua cara, cruzando os braços. 

- Você ainda não me viu ficar brava.  - afirma. - 

- Ah, eu aposto que sim.- rio cínico, minhas palavras foram tão ousadas.

- Impressão minha ou você uso ambiguidade?. Me calo, arqueando uma sobrancelha com desafio. 

Provoca-lá é tão agradável, não agradável, não sei outra palavra que eu expressar o calor que surgi em meu corpo, quando vejo-a começando ficar brava. 

- Lauren, é a última vez que vou pedir. - vejo o resto da sua paciência. - dá a chave. 

- Você quer? - Vamos ver até onde ela vai.

estendo minha mão esquerda, segurando a chave prateada. Ela confirma. Coloco dentro de meu sutiã, bem bonitinho.  Caminho até ela, que me olha atenta. 

- Então pega. - olho fixo em seus olhos. Vejo ela engolir em seco, olhando diretamente pros meus seios. Com coragem, que eu não sei da onde saiu. Pego suas duas mãos, ela continua parada, analisando tudo.

Guio até minha cintura,  por baixo da camiseta preto, subindo. 

Cada vez mais que sua mão subia, eu sentia minha pele exposta ao seus olhar. Retiro minhas mão de cima das suas, quando elas pararam ao lado do meu corpo, há milímetros de meus seios. 


Point of view by Camila Cabello. 

Extasiada, a palavra certa para a visão que estou tendo. 

Ela retirar sua camisa, me dando a completa visão, de um sutiã branco, tão apertando em seus seio. Poha! Ela não tinha o direito de fazer isso comigo.

Eu tento de todas as maneiras limitar os pontos certo, mas ela não me ajuda, de nenhuma maneira. E como se ela soubesse disso, e quisesse usar isso contra mim.

Aleatoriamente aproximo-a, seu corpo do meu.

Seus dedos repousaram em meus braços, me virando direcionando-me pra trás, batendo na cama me deitando.

- Lauren não..- argumento, me levantando

Eu ainda tenho minha consciência, tá? eu não vou fazer nada que ela não queira.  Ela me joga pra trás novamente, deitando por cima, me beijando.

Eu sabia que ela não queria mais de que um simples beijo.

- Não, Lauren.- afasto-a. - Não é a hora. - afirmo. 

Ela se joga pro lado, bufando. 

- Caramba! Me diz porquê você está fazendo isso?

- Isso o quê? - pergunta irritada. 

- Isso. - meus movimento com as mão foram o óbvio. - 

- Tá Camila. - me interrompe irritada. - Desculpa, eu me levei pelo momento. - ela põe a chave em minha mão.

- Se quiser dormi lá, pode ir.  Não vou te obrigar a nada. - ela vesti novamente a blusa, retirando o tecido branco entre a manga da camisa, se ajeitando embaixo da coberta.

Se vira me dando um beijo na testa. 

- Obrigado por hoje. - se acomoda no travesseiro, de costa pra mim. Saio do quarto pensando,  me direcionando a cozinha.

Estou me sentindo triste por  tê-lá parado, eu não devia está assim. Mas me sentia. Não era fome que eu sentia agora, era uma escapatória pra não ficar perto dela .

Mas o que eu tô fazendo? Até a comida surgiu do nada. 

Volto a subir as escadas, abrindo a porta devagar. 

Ela estava de olhos fechados, ao menos noto a estrada da minha presença.

Estava muito frio, mas, mesmo assim eu retiro minha blusa. Gosto de dormi assim.

Apago a luz, dou a volta na cama, me deitando no colchão macio, bem próximo de Lauren, abraçando-a por trás.  Ela se virar rápido quando percebe, ficando frente a frente. 

- Desculpa pequena. - olho em seus olhos. - 

- Tudo bem.- ela sorrir.

O quarto não está tão escuro, a luz da lua, que passava do vidro fechado pra varanda de fora do quarto, iluminava. 

- Vem, fica bem próxima de mim.- ela se aconchega próximo ao meu corpo, passando sua perna esquerda, ficando de baixo a minha direita, me abraçando, seu cabelo fica a baixo do meu rosto. 

- Você está sem blusa?- passando a mão em minhas costas.

- Como você consegui dormir com isso?- refere-se o sutiã. 

- Também não sei.- rio.

- Tira. - levanta a cabeça para me olhar. 

Ah, meu deus. Ficar exposta em cima poderia ser bom, entretanto, não estando ao lado dela, porém os meus sentidos diziam que seria bom.

- Você quer qui eu tirei? - pergunto sem jeito. 

- Você não precisa pedi permissão pra mim, se você quiser e só tirar. 

- Isso não vai te incomoda? 

- Talvez antes poderia me assustar, toda essa situação, principalmente o fato de estar numa mesma cama.

- E quando mudou?- interrompo.

Ela morde seus lábios, olhando para os lados.

- Talvez, você foi me ganhando em tão pouco tempo que nem eu mesmo acreditei. - fala pensativa.-Ser clara o máximo possível, quando começou algo entre a gente eu fiquei assustada, mas eu embarquei nisso, minha vida já me batia de todas as formas, que eu nem sentia mais a dor, então vamos ver no o que vai dar. E quando dei conta, você continuava comigo, mesmo sabendo de todo sofrimento da minha vida. Te agradeço por ter tido coragem em mim beijar do nada, mesmo sabendo que poderia me afastar e ou ter te batido. - ela sorrir. 

- Viu como eu só corajosa? - me sinto alegre por isso.

- Sim é muito. 

- Quando te olho, não  enxergo maldade em nada em que você faz. Você em todas os momentos  me conquistar, sem ao menos perceber. Você é especial Camz, especialmente pra mim. Bom, só espero que você não se envolva com qualquer uma e perca o interesse em mim. - sua mão percorre minha bochecha. 

- Claro que eu não vou fazer isso, não sou idiota, tá? olha o que eu tenho nas mãos. - ela rir alto.

- Você falar como se eu fosse algo raro, enquanto eu sou pouco pra você- fala tímida. 

- Mas você é algo raro pequena. Você é um sonho em meus pensamentos. 

- E como é seu sonho?- ela sobe ficando a altura do meu rosto deitando no travesseiro. 

- Quer mesmo saber? Eu falarei sem mostrar nenhuma vergonha.

- Fiquei até com medo agora sobre o que você pensa, mas pode dizer. - Observo-a durante alguns segundos.

- Meu sonho é acorda todo dia ao seu lado e ver o quanto foi bom a noite passada, te acordar com café na cama, sem ao menos você se preocupar com o que vai acontecer no dia, te amar o máximo possível a cada duas horas entre quatro paredes, postar nossas fotos aos beijos na redes sociais, dar buquês de rosas até você forma um jardim, plantar coqueiro e bananeiras. - ela sorriu. - Tô brincando, não gosto de coqueiro. - me casar com você na praia e depois passar as férias em qualquer lugar que podíamos demonstrar o quanto estamos bem com tudo isso, adotar um casal na qual a gente poderia dá carinho e ama-los, falar há cada duas horas o quanto eu te amo, pra você poder gravar na sua cabeça, ter momento engraçados e aproveitar bem os safados, dançar em nossa casa com uma música lenta, depois de termos aproveitado um jantar no melhor restaurante da cidade a luz de vela, e olhar em seus olhos a noite quando formos dormi, e dizer o quanto eu tive sorte de  acha- lá é ter feita- a minha mulher. - Tudo, olhando em seus olhos. 

- Misericórdia, eu conseguir falar tudo isso?- eu tô chocada comigo mesmo.

Você deve está achando precipitado, mas não, quando você está verdadeiramente gostando de alguém você pensa uma vida com essa pessoa, entretanto não diz a ela. Ninguém diz, mas todos pensamos, isso só se aumenta quando é o primeiro amor.

Ela abre a boca algumas vezes, mas não sai uma palavra se quer.

- Você acha que eu te largaria pra eu poder ficar com uma outra qualquer? Enquanto tudo que eu quero está bem em minha frente. -  me movimento pra cima dela, ela se gira fica de bruços. 

- Acha que eu apagarei seu nome tão facilmente da minha cabeça? Depois de você tê-lá marcada. - coloco uma perna de cada lado de seus quadris, ficando a altura, para que ela veja eu tirando meu sutiã.  Seus olhos estão fixos nos meus.

- Acha que eu trocaria uns lindos olhos verdes que são mais raros do mundo por outros qualquer. - meu polegar passa por baixo de seus olhos. - com outra mão sentido sua pele, enquanto subia sua blusa, até chegar a altura dos seios, retirando totalmente, me dando a visão perfeita de sua parte de cima desnuda.

Eu não aguento, eu preciso toca-lá. Seu corpo afunda quando meu corpo fica por cima do seu, ela geme quando nosso seios se tocam. - Você ainda se acha pouco pra mim Lauren? Enquanto te acho o bem mais valioso que eu estou tendo em minha vida.- começo a trilhar beijos em seu pescoço, suas mãos foram direto para meu cabelos e seu pescoço me dando mais acesso. 

- Você quer Lauren?- pergunto, pelo óbvio. 

- Si-sim.- automaticamente minhas mãos foram pro seu short arrancado de seu corpo. 


_


Acordo de manhã com a ausência de Lauren em meu lado, ao contrário de seu corpo tinha um travesseiro.

Me levanto e tento encontrar minha roupa pelo chão, mas não encontro. 


_


Lá embaixo.

Nenhum sinal de vida dela, até agora, vou caminhando até a cozinha onde encontro a mesma com de costa com os cotovelos apoiado sobre o balcão de mármore, em pé, com sua bunda levemente elevada,  vestindo a minha roupa, comendo algo. 

Me encosto na balcão do armário da parede, analisando àquela cena.

Maldade ela fazer isso.

Depois de ontem tenho certeza que não irá ser fácil olha pra ela e principalmente pro seu corpo de outra forma. 

O corpo dela é perfeito. 

Você pode está dizendo que eu estou exagerando, entretanto você já provou cada detalhe daquele corpo macio? Aposto que não, mas eu garanto que você amaria, é pediria por mais.

- Oi.- Lauren diz alegre se virando.

- Ah, oi.- digo direcionando minha visão para seu rosto. 

- Como sabia que eu estava aqui? 

- Não sei, ma tive uma sensação que algo estava queimando em mim.

- Como assim? - andando até ela.

- Seu olhar sobre minha bunda foi confirmação quando eu virei. - eu rio.

- Eu fiz o seu. - me oferece o sanduíche. - queijo, presunto e maionese, tudo como você gosta. 

- Maionese Hellmmann's? - brinco. 

- Maionese, maionese  - me beija. 


_


Pov narradora.

Lauren está feliz com o que tudo aconteceu entre elas até agora. Passar a manhã toda conversando e rindo, a fez ficar mais segura de tudo. Ela não pensava mais em seus problemas, Camila veio como o corretor, apagando por cima.

Ter uma tarde maravilhosa, fazendo trilha de mãos dadas, até o final da praia foi ótimo, assim como Ralph buscar o disco no mar que foi levado pelo vento. Lauren finalmente sentiu-se ela mesmo, sem ninguém mudando isso.

E Camila? Ah, sim! Ter Lauren em suas mãos e poder ama-lá, já era um sentimento de alegria, misturado com várias outros sentimento bons. Mas tudo que é bom, dura pouco, logo aviso.


_________¤_______¤__________¤_____

Autora : Ai, ai..espero que você estejam gostando desses capítulos, principalmente esse último pq vai demorar a acontecer coisas assim,  não vai sair coisas tão boas, agora, nesse relacionamento. Até, peço pelas meninas que vão se apresentar no VMA, comentem. 

- Ally.


















Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...