História Here With Me. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Hayes Grier, Mahogany LOX, Matthew Espinosa, Nash Grier, Taylor Caniff
Personagens Aaron Carpenter, Matthew Espinosa, Nash Grier, Personagens Originais
Tags Amor, Cameron Dallas, Escolhas, Matthewespinosa, Nashgrier, Oldmagcon, Shawnmendes
Exibições 22
Palavras 1.405
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Lírica, Poesias, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Mais um capítulo fresquinho ♡

Capítulo 2 - My history


Meu nome é Allyce Carpenter. Nasci em Toronto, Canadá. Mas por volta dos meus 10/11 anos, com a separação dos meus pais, e uma nova sugestão de emprego da minha mãe, passamos a morar em Los Angeles.

Com pouco tempo de mudança, eu comecei a odiar aquele lugar. Não tinha amigos, não conhecia ninguém e não tinha nenhuma família além de Becky (minha mãe), Dustyn (meu irmão mais velho) e o Aaron (meu outro irmão).

Em um típico dia de compras, minha mãe e eu fomos ao mercado. Nunca pensei que aquele dia tão normal fosse ficar marcado na minha memória por tanto tempo.

Pegamos os produtos para passar no caixa, e quando fomos para a fila, minha mãe disse que tinha esquecido os pães, e me pediu para ir buscar. Quando entrei no corredor onde ficavam os pães me esbarrei em um garoto e todas as coisas que estavam nas mãos dele, caíram no chão.

Nos olhamos por alguns segundos, e logo em seguida ele me pediu desculpas e saiu.

Em pouco tempo percebi que seus olhos eram castanhos, ele era loiro, alto e mais ou menos magro. Não sei se deu tempo de reparar em tudo isso, ou foi porque eu realmente achei ele muito bonito, mas esse rosto fixou na minha mente.

Depois de algumas semanas voltamos a estudar. Era um colégio relativamente perto da nossa nova casa. Apenas alguns quarteirões de distância, mas minha mãe insistiu em ir nos deixar todos os dias de carro.

Cheguei naquele colégio, ao lado do Aaron e fomos para as salas.

Todos falavam da garota de pele branca, que tinha os olhos azuis e longos cabelos escuros, a novata e o seu irmão.

Em Los Angeles, as pessoas costumam ser mais bronzeadas, por conta do sol que sempre aparece. Já no Canadá não era bem assim. E acho que foi por isso que nos estranharam tanto no começo.

No primeiro dia de aula conheci Mahogany Lox. Ela foi a primeira, e até hoje somos amigas, o que é muito bom.

No recreio, Lox sugeriu me levar para a mesa dos amigos dela, para que eles me conhecessem.

Quando cheguei perto deles, pude reconhecer o garoto do mercado que tinha esbarrado em mim.

O "grupo" era composto por: Cameron, Jack, Jack, Carter, Matt, Shawn, Taylor e ela.

Lox me contou que o nome do garoto loirinho era Matthew. Matthew Espinosa.

Depois de algumas semanas comecei a ficar bem amiga de todos, inclusive de Matthew, que eu passei a chamar só de Matt. Lox insistia desde o começo, em dizer que eu gostava do Matt, porque sempre fomos muito unidos e inseparáveis.

Depois de quase um ano, entrou um novato que deu o que falar na escola. Ele era o meu vizinho. Seu quarto ficava de frente ao meu, e as nossas varandas eram quase coladas. No dia em que vimos ele no colégio, pela primeira vez, todos começaram a comentar. Ele tinha pele clara, cabelos escuros e olhos azuis. Iguais a mim.

Ele se metia em algumas "confusões" e discutia com todo mundo. Pode-se definir um garoto problemático. Seu nome era Nash Grier. E pelo o que eu ouvia falar dele, ele era um pirralho bem chato. Na verdade, Nash nunca havia feito nada para mim, então sua existência não me era de suma importância.

Até que em um dia, ele briga com o Matt no campo. Eu estava assistindo ao jogo com a Lox, quando vi aquela confusão.

Matt sempre foi o capitão dos times em que entrava. No time mirim ele era capitão. E nesse dia era a prova para escolher o novo capitão do time ll, no qual Matt e Nash concorriam.

Não sei o porquê exato mas eles começaram a brigar. E foi por causa disso que eu comecei e ficar com um pequeno enjôo de ver Nash. Eu não ia mas com a cara dele.

A cada dia que passava, eu ouvia histórias de confusões em que Nash entrava. E para mim, ele não passava de um menino de 12 anos que queria chamar atenção no colégio. Mas não era bem assim.

Em uma aula de história, minha professora passou um trabalho em dupla. Adivinha com quem eu fiquei? Nash Grier.

Fui para a casa dele para fazer o trabalho e acabai conhecendo Hayes, Skylynn, Nila, Chad, e Will.

A família do Nash era legal, sua casa era bonita, seus pais eram muito educados, mas eu só não conseguia entender porque Nash era tão descontrolado e desequilibrado.

Com um tempo, Nash começou a andar com o Cameron. Eles acabaram ficando bem próximos, e consequentemente Nash começou a andar com os nossos amigos. Porém Matt não o suportava.

Começamos a nos falar mais. De parceiros de trabalho de história, passamos para bons vizinhos, e depois amigos. Pode-se dizer que Nash simplesmente tomou o lugar de Matt.

Passei a andar direto com o Nash. Ele era meu novo melhor amigo. E com toda essa nossa nova aproximação, nasceram sentimentos. Tanto pela parte de Nash, que soltava algumas indiretas para mim sempre que tinha chance, e também pela a minha parte.

Nash gostava de deixar bem claro que gostava de mim, e que não tinha porquê negar aquilo, mas eu, como uma menina esperta, ia negar até o fim.

Até que em um belo dia, Nash resolve me beijar. Me senti nas nuvens, minhas mãos suavam e o meu coração batia forte, foi um sentimento novo que nasceu, na verdade. Até porque eu nunca tinha sentido nada parecido. Nash foi a minha primeira "paixãozinha" e foi o primeiro a quebrar meu coração em um milhão de pedacinhos.

Em seguida começamos a "namorar". Nash foi na minha casa e pediu a permissão da minha mãe. Esse dia foi muito engraçado, Nash estava tão nervoso que a situação acabou se tornando bem leve e divertida.

Depois de alguns meses de "namoro", descobri muitas outras coisas sobre Nash. Seus pais eram separados, Nila era sua madrasta. Talvez essa fosse a explicação para os comportamentos divergentes de Nash. Descobri também que a família de Nash estava passando por alguns problemas financeiros. Chad, pai de Nash, tinha perdido o emprego e isso deixou Nash muito abalado naquela época.

Com pouco tempo, tudo foi mudando. Nash estava diferente, era como se as coisas estivessem desmoronando.

Nash voltou a ser idiota, só que dessa vez, comigo. Ele falava cada bosta para mim. As vezes eu ficava chateada, com razão, e a gente acabava brigando.

Até que teve um dia que Nash começou a chorar, do nada.

Flashback On:

Estávamos na varanda da minha casa, quando notei que Nash estava chorando. Essas alterações dele, estão me deixando muito preocupada.

— Nash, o que foi?-Perguntei tocando em seu rosto, e ele olhou pra mim.

— Nada.-Ele negou com a cabeça enquanto enxugava algumas lágrimas rapidamente.

— Você sabe que pode me falar, não sabe?-Perguntei e ele assentiu sorrindo sem mostrar os dentes.

— Eu te amo, Lilly. Eu te amo muito.-Ele falou e eu não consegui segurar um sorriso. Nash nunca havia me dito isso antes. - Não importa o que aconteça, tá? Eu sempre vou te amar muito.

— Eu também te amo muito, Nash.-Entrelacei nossos dedos, e Nash apoiou a sua cabeça no meu ombro.

Ficamos em silêncio por bastante tempo, e depois Nash disse que estava ficando tarde, ele precisava ir embora. Nash se despediu de mim de um jeito diferente naquela noite, ele me abraçou tão forte que me deu um aperto no coração. Aquele abraço me fez lembrar uma despedida. Estava tudo muito estranho. Um sentimento ruim me dominava.

Voltei para o meu quarto e fui tomar um banho para ir dormir.

Flashback Of.


Naquela mesma noite, eu acordei de madrugada, ouvindo um barulho estranho e fui até a minha janela da varanda. Abri as portas de correr e fui olhar o que estava acontecendo. Tinha um caminhão de mudança parado na rua, mas de madrugada (????¿¿) Não entendi aquilo e voltei a dormir.

No dia seguinte, quando cheguei no colégio não encontrei Nash. Liguei para o seu celular e sempre dava na caixa postal.

Quando a aula terminou voltei para casa correndo. Joguei algumas pedrinhas na janela de Nash, como sempre fazia quando queria falar com ele, mas as portas não se abriram.

Gritei pelo o seu nome inúmeras vezes, mas Nash não respondia. Resolvi ligar para ele, mas continuava na caixa postal. Então desisti. "Ele deve ter saído" pensei.

No dia seguinte Nash não apareceu. Bati na porta de sua casa, mas não tinha ninguém lá.

Passaram-se horas, dias, semanas, meses, anos. Nash não estava mais morando na casa ao lado. Nenhuma ligação, nenhuma pedra na minha janela, nada.

Nash simplesmente sumiu.


Notas Finais


Então, esse cap foi só para vcs se situarem na história, mas o próximo vai começar mesmo, ok?

Continuo? 💘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...