História Hereges - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga
Tags Bangtan Boys, Bts, Hoseok, J-hope, Jikook, Jimin, Lemon, Suga, Yaoi, Yoongi, Yoonmin, Yoonseok
Exibições 67
Palavras 3.360
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oin.

Capítulo 12 - XII. rendezvous


Fanfic / Fanfiction Hereges - Capítulo 12 - XII. rendezvous

Jimin acendeu Eros, banhando seu rosto na luz escarlate projetada pela vela. A noite continuou. O feitiço enterrou Yoongi em um sono cada vez mais profundo. Park pegou a bela adaga que havia roubado do quarto antes, era afiada o suficiente para atravessar a carne até o osso. O garoto brincava com o objeto brilhante enquanto cantava uma canção de ninar.

 

— Durma agora, meu preciso Min, sonhe comigo. Sonhe, e caía nas profundezas do seu próprio inferno — Jimin ria enquanto alfinetava os seus dedos com a faca — Deixe-me te dar seu merecido castigo.

 

 

“Eu te amo”

 

Yoongi acordou bruscamente com as mãos ensanguentadas, levantou-se da cama e sentiu sua visão rodopiar. Ele caiu ao chão, perdendo o equilíbrio com a fraqueza repentina de suas pernas. A agitação em seu estômago simplesmente não passava, um líquido subiu por sua garganta e ele vomitou, cada respiração era rasa. Min fechou seus olhos, permaneceu deitado no chão por um tempo, trazendo ar aos seus pulmões até a vontade de vomitar passar. Os punhos do loiro se fecharam em raiva, ser rebaixado ao um nível tão patético como esse era imperdoável. Sentia a fúria queimando em seu peito, consumindo cada pensamento em sua mente.

 

Yoongi não fazia ideia de quanto tempo ficou deitado naquela escuridão. Fraco e desamparado, estava ao lado do seu próprio vômito e sangue. Mas, logo, sua força retornou. O Marquês impulsionou seu corpo do chão, cambaleando pelo quarto. Ele se limpou e colocou roupas limpas, mas ainda conseguia sentir aquela sensação detestável percorrendo seu estômago.

 

O loiro caminhou até o lado de sua cama, percebeu que a última gaveta de sua cômoda estava aberta. Procurou desesperadamente sua velha adaga, mas o objeto não estava em nenhuma das outras gavetas. A arma havia sido feita para guardar toda a sua raiva, sendo cada vez mais afiada com os anos. Yoongi agarrou a borda da última gaveta até vergões vermelhos se formarem em suas mãos. Se sentia sujeito de um propósito e da raiva, podia ouvir o garoto o chamando - um sussurro, uma provocação.

 

“Yoongi, venha brincar comigo novamente.

Por favooor!”

 

— Ah, Jimin, eu vou fazer você pagar por tudo isso — O Marquês teve calafrios quando seus dentes brutamente morderam seus lábios.

 

 

Yoongi ouvia vozes soprarem ao redor dos seus ouvidos. Desde que ele havia acordado, sua visão havia duplicado - ele estava andando no chão em determinado momento, e então escorregando por ele no outro. O loiro se apoiou na parede, parecia que o feitiço não havia acabado junto com o seu sono. Ele odiava se sentir fraco, mordia seu lábio para se manter acordado. Durante o sono, era quando Yoongi ficava mais vulnerável, Jimin deveria saber disso muito bem.

 

Apesar de ter recuperado um pouco da sua força, o loiro ainda estava consideravelmente fraco. Jimin? Então, ele era um bruxo. Como Yoongi nunca havia percebido antes? Os anos o fizeram mole. De qualquer forma, não havia mais importância, as coisas estavam começando a ficarem chatas mesmo. Ele cuidaria do órfão essa noite, então faria suas malas e partiria para Ásia. Yoongi sorria, apesar de sua náusea.

 

— Apenas espere, meu amor, eu te farei pagar por sua desobediência.

 

Ao abrir a porta do quarto de Hoseok, o Marquês percebeu o quanto uma luz vermelha impregnava o lugar - uma vela vermelha cor-de-sangue queimava em cima da escrivaninha.

 

De alguma forma, ele se sentiu despreparado. Uma pontada de medo sujou seu ego. Yoongi, então, percebeu que a sua raiva o havia guiado lá sem nem ao menos deixa-lo raciocinar direito. Seus punhos se fecharam, fazendo com que novos vergões aparecessem mais uma vez.  

 

Havia alguém se movendo na cama, mas o quarto estava muito escuro para se enxergar quem era. O Marquês se aproximou do móvel, ele conseguia ouvir gemidos baixos, eles iam aumentando com fervor e excitação conforme se aproximava. Min conseguia sentir sua boca salivar. Com último gemido suave, a figura se levantou da cama para dentro da luz da vela.

 

— Hey, Min Min. Desculpe não te esperar, eu fiquei tão excitado com ideia de você vindo me ver que eu não consegui me controlar — Jimin mostrou a língua para o homem — É muito bom liberar um pouco de frustação reprimida, não é? — O garoto tomou um passo à frente, e Yoongi se afastou institivamente — Viu? Você é minha maior frustação! Anos, Yoongi, anos me segurando, lutando contra a minha própria natureza, para quê? Eu nem sei mais.

 

Suor pingava da testa do Marquês, ele limpou, apressadamente. Conseguia sentir seus músculos ficarem tensos, havia um aperto no seu abdômen como se estivesse sendo tocado.

 

— O que você quer? — Jimin riu ao ouvir sua pergunta.

 

— Retribuição! Mas, não antes de nós brincarmos um pouco, mamãe deixou como uma recompensa por ser um bom garoto.

 

— M-Me solte desse feitiço agora, Jimin. Estou te avisando — A visão do Marquês rodopiou, suor pingava de todo o seu corpo, sua respiração estava reduzida e quente.

 

— Isso é adorável — O garoto se aproximou dele, com algo reluzindo em uma das suas mãos. A cabeça do loiro pulsava como se tivesse uma lasca de madeira em seu cérebro, Yoongi se sentia tão desprotegido como uma criança, e de repente, percebeu o quão insignificante foi a sua fala — Você realmente quer brigar comigo, Min Min? Eu sei como te matar, um golpe no coração, uma ferida que nunca se fechará. Esse feitiço, — O garoto sussurrava em seu ouvido agora — Eu fiz especialmente para você, seu próprio desejo por poder sendo usado contra você. Admita, é impressionante para uma criatura tão burra quanto eu, não é mesmo?

 

— Jimin, somente pare com isso — Sem toda aquela raiva, a sua fala soava muito mais como uma suplica, talvez fosse uma suplica.

 

— Eu sou muito mais poderoso do que você, Yoongi — O Marquês engasgou com sua própria saliva, ele engolia e engolia, mas o líquido em sua boca parecia o afogá-lo — Como você se sente sendo seduzido contra sua vontade?

 

Jimin se aproximou ainda mais perto de Min, tão perto que seu peitoral friccionava o braço do Marquês. Yoongi não conseguia se mover, seu braço parecia estar dormente e pesado. A adaga caiu ao chão conforme Park ia se aproximando, o feitiço ampliava com a proximidade. Jimin correu suas mãos pelo peitoral do loiro, um de seus dedos traçava os botões da camisa de Yoongi.

 

— Agora você sabe como suas vítimas se sentiam, seu monstro!

 

— Q-Quem é você? — O Marquês tinha sua mente focada em uma forma de pegar a adaga, que agora estava no chão.

 

— Eu sou o seu juiz, Yoongi. Sou seu açoite. Sua verdade. Eu sou como você, uma criatura que emana e se alimenta do desejo. Mas, diferente de você, eu sou limpo, puro.

 

— O que? — O loiro tentava distrair o garoto que delirava.

 

— Eu tenho o amor da mamãe, ela me mantem limpo. O seu amor ainda me alimenta mesmo depois de morta, isso não é maravilhoso? Você por outro lado, — O rosto de Jimin tão cheio de admiração enquanto falava de sua mãe, se contorceu em puro ódio a olhar para Min — Você é perverso! Repugnante! Sujo!

 

Jimin levemente lambeu o pescoço de Yoongi. A língua do garoto deslizava sobre a sua pele de uma forma tão estimulante, os pelos no braço do Marquês se arrepiaram. Park estava tão perto agora, sua pele cintilava com o suor, e seus lábios estavam tão carnudos e avermelhado que mais pareciam maçãs. Min fechou seus olhos, ele queria afastar o garoto apesar de seu corpo estar petrificado - mas, a sua mente estava dividida. Uma parte dele se divertia com o pensamento de rasgar a camisa de Jimin, morder e sugar aquela pele macia e alva, puxar seus cabelos negros, deitar seu corpo no chão, inalar seu cheiro e deixar com que sua língua saboreasse a umidade sob as calças de Park.

 

Yoongi mordeu seus lábios, e novamente pode sentir o gosto de sangue. A dor o dava um controle momentâneo sobre a sua mente insensata. Se ele não encontrasse uma forma de acabar com o feitiço logo, seria sua ruína.

 

— Mas, que bela tentação você é, seu libertino. Você é sedutor até mesmo na sua devassidão. Eu sempre fui tão bom todos esses anos, eu sequer me alimentei uma vez. Enquanto, você somente comia, comia, comia até o seu pequeno coração se contentar — Jimin agarrou o queixo de Yoongi para fazer o mesmo olhar para ele — Onde está a sua discrição, seu porco? Até mesmo roubou o amor do Hoseok antes que eu pudesse saborear, não é justo.

 

— Eu não sei do que você está falando — Park riu com a fala do mais velho.

 

— Não se faça de desentendido para mim, eu sou o único que entende a sua natureza, nós somos da mesma espécie, não pode me enganar, bobinho.

 

— Então, deixe-me ir. Eu não fiz absolutamente nada para você — Yoongi mantinha os olhos fixos nos de Jimin.

 

— Me desculpe, meu amor, mas eu não posso! Enquanto você existir, eu não terei paz — A fala do órfão parecia muito mais com a de sua mãe — Saber que você estará livre nesse mundo, se alimentando. Eu ficarei com ciúmes, entende?

 

— ...Você é um louco — Jimin somente riu, e Yoongi sentiu seu medo crescer quando o mais novo pressionou ainda mais seu corpo contra o dele.

 

— Eu te amo tanto — Sua voz saia como um sussurro — Eu não posso mais me controlar, você será minha primeira e última refeição. Com meu feitiço muito mais forte agora, irei garantir que você não fuja — Yoongi ficou em silêncio por um tempo, então um pequeno riso escapou de sua boca — Qual é a graça?

 

— Você. Um garotinho tão patético, que me dá até pena — Com essas palavras, o feitiço oscilou um pouco — Pelo menos, eu tenho a decência de encarar minha condenação, sem precisar me esconder sob uma programação de autojustiça. Eu aproveito os restos das nossas vidas desprezíveis, e você? Qual é o gosto de viver do amor de uma mulher em putrefação? Você provavelmente está cansado agora. O amor da “mamãe” não deve ser tão bom depois de décadas sugando dele.

 

A suposição do Marquês estava certa, o feitiço estava ligado diretamente ao feiticeiro. Se ele conseguisse distrair Jimin, então teria uma chance de se livrar definitivamente daquela situação. Mesmo com pouco, já conseguia sentir os seus dedos.

 

— No final, você é somente um parasita que se alimenta de um amor podre. Não há dúvidas de que você é um louco... — Jimin o empurrou para o chão, o garoto ainda estava poderoso. As costas de Yoongi atingiram o chão com um baque. Park subiu encima do loiro, esfregava seu quadril contra o corpo quente do mais velho, suas mãos furiosamente agarram o membro de Min, que soltou um gemido de dor.

 

— NÃO FALE DA MINHA MÃE DESSA FORMA — Os níveis de ódio e desejo se misturaram e impregnaram o ar, os sentidos de Yoongi estavam inundados, sua mente ficou em branco por um momento — Eu vou fazer você se arrepender das suas palavras. Vou me alimentar de você até que não sobre nada além de pele, vou devorar a sua mente até que não exista mais nada. Seu amor irá me preencher, mas eu sei que o amor da mamãe sempre será melhor.

 

O Marquês sentiu a adaga fria e afiada rasgar suas roupas. O medo trouxe à tona seus sentidos, o acordando do transe. Mas, Min somente riu novamente.

 

— Tudo bem, tome tudo o que quiser, faça você se sentir bem, Jimin. Eu fico triste por você — Fazia algum tempo desde que Yoongi havia sido violentado dessa forma. Ele pensou que poderia fugir sendo mais esperto, mais dominante. A amargura de ser um objeto de desejo novamente fez com que uma camada de sofrimento se formasse em sua garganta, mas ele somente reluziu um sorriso sádico — Você nem precisa ter tanta pressa para me matar, por que não me torna o seu escravo? Estou certo de que será um castigo valido por todas as vítimas que eu fiz, como Hoseok e Jungkook.

 

— Fique quieto — Jimin afrouxou a mão no pescoço do Marquês, confuso com suas palavras.

 

— Você é somente como o resto dos outros — O loiro ria maniacamente — Somente como todos os outros. Continue, amor. Por que você parou? — Soltava um riso abafado agora, seus olhos caóticos encararam Park — É um pouco degradante ser lembrado do meu real propósito, Jimin. Me use, me use para o seu prazer, para sua vingança ou justiça...então, me jogue fora. No fim, estamos ambos usando um ao outro. Amor? O amor não existe, somente o desejo é verdadeiro, somente o pecado é sincero — Ele olhou para Jimin com um sorriso de escárnio — O quanto da sua mãe você realmente se lembra? Eu não me lembro de nenhuma mulher me dando à luz. E você?

 

— CALA A BOCA, SEU VERME!

 

— Você deve admitir que há a possibilidade dessa mãe que você fala ter sido somente uma estranha que te acolheu por causa da nossa sina — A boca de Jimin se abriu em choque — Deve ser por isso que é tão fácil usar a memória dela para justificar sua loucura.

 

— I-Isso não é verdade — O garoto suavemente moveu sua mão do pescoço até o peitoral do Marquês, e assim a deixou repousando — Eu amo a mamãe com todo o meu coração e estou fazendo o que a mamãe quer! Eu só sigo as ordens dela, sou o seu vassalo, ela vive através de mim.

 

—...Então, me responda isso — Yoongi não encarava mais Jimin com todo aquele ódio, seu olhar agora era de pena — Por que qualquer mãe que ama o seu filho desejaria fazer dele um assassino? Ela não te ama, está apenas te usando, da mesma forma que você a usa para sobreviver.

 

Em um momento de recaída, a sanidade que parecia voltar ao corpo do pequeno, foi novamente perdida. Jimin voltou a agarrar o pescoço de Min, com as duas mãos e com muito mais força agora.

 

— Cala a boca! Cala a boca! Estou fazendo isso porque a mamãe está sempre certa, estou me vingando por ela.

 

— S-Sério? — Yoongi engasgou — Vá em frente, então...por que você não...pergunta para sua mãe...por que você está a-aqui? Por que você r-realmente está aqui? Talvez...ela esteja apenas...aproveitando o show.

 

— Isso não é verdade. A mamãe me ama — Os olhos de Jimin perderam o foco, tampou seus ouvidos lutando para ouvir a voz de sua mãe — M-Mamãe? Eu realmente devo fazer isso?

“...”

— Mamãe, por favor, me responda. Me diga porquê estou aqui. Por que você me trouxe aqui? Estou realmente fazendo a coisa certa? — Lágrimas ameaçam pularem dos olhos do garoto.

“...”

— Ele está certo? Você não me ama? Você está me forçando a me tornar um assassino?

 

“...”

— Você me ama?

“...”

— Mamãe, o que eu fiz dessa vez para você ficar brava? Você não me ama mais? Eu segui todas as suas ordens dessa vez. Eu te obedeci! Eu fiz tudo que pediu! Você se importa comigo, pelo menos? — O garoto gritava desesperado. Até que ouviu a risada de sua mãe em sua cabeça.

 

“Porque eu queria ver um pouco de sangue. Eu achei interessante”

 

—...Isso é divertido para você? Brincar com vidas? Eu pensei que você me amava.

 

“Você não é nada para mim”

 

— Eu te odeio! — Jimin fugiu para um canto do quarto e chorou — Eu pensei que você me amava, mamãe! Eu segui todas as suas ordens esse tempo todo, aguentei todas as coisas horríveis que você me dizia, eu te amei até mesmo quando você me machucou...o que eu sou para você?

 

“Você não é nada para mim além de um brinquedinho. Eu não te amo, nunca amaria uma pessoa tão fraca como você. Eu nem sou sua mãe, eu nem mesmo existo!”

 

— Por que você está fazendo isso comigo? Por quê?

“...”

— O que? Você não irá falar novamente? O seu estoque de amargura acabou?

“...”

— Diga alguma coisa, sua vadia — Jimin gritava com lágrimas em seus olhos — Todo esse tempo que eu passei com você, eu sempre te obedeci. Eu te amava, mãe. Mas, você foi sempre cruel comigo, tantas vezes você me chamou de monstro, me culpou e me machucou. Mas, apesar de tudo, eu nunca sequer pensei em me livrar de você. Eu pensei...que deveria aguentar a dor. Isso não é amar de verdade? Continuar se machucando e se sacrificando não prova o quão verdadeiro o amor é? Todas as minhas lágrimas deveriam significar alguma coisa para você.

“...”

O órfão continuou chorando, amassado pela parede e puxando desesperadamente seu cabelo. Jimin gritava a sua raiva algumas vezes, outras apenas sussurrava. Então, sua mente voltou a si em alerta. Ele pôs suas mãos em concha em seus ouvidos, seu rosto contornado em preocupação.

 

— M-Mãe? V-Você disse algo? Eu não te ouvi.

“...”

— Por favor, me perdoe. Eu..eu não queria dizer aquelas coisas, eu estava apenas...

“...”

— Por favor, não fique brava. Eu te amo, mamãe, volte. Eu não sei o que fazer sem você.

“...”

— Eu não quero ficar sozinho —  Park soluçou com seu choro — Apenas volte para mim, mamãe, e eu nunca irei questionar a senhora novamente.

 

Yoongi sentiu a sua plena consciência voltar para si. A atmosfera doente, nauseante começou a se dissipar. O feitiço estava perdendo o seu efeito, mas o corpo dele ainda se recusava a seguir ordens. Ele rastejou para onde Jimin havia jogado a adaga, esticando seus dedos para pegar a arma.

 

— Mamãe? Mamãe, por favor, converse comigo. Por favor, eu quero ouvir a sua voz.

“...”

— Não, não! Por favor, fale comigo! Não me deixe, mamãe! Por favor.

“...”

O pequeno choramingava em um canto, procurando pela voz de sua mãe. Ele continuou chamando, mas em nenhum momento, a mulher parecia responder. Jimin ria um pouco, e então encarava o teto paralisado. A vela se apagou, o feitiço deixou o quarto junto com a luz fraca que desaparecia. Sem sua mãe, sem a magia, Park chorava - agarrado nos estilhaços de sua sanidade.

 

Os membros do corpo de Min sentiram-se livres. Ele se levantou do chão, observando o garoto atormentado largado em dos cantos do quarto de Hoseok. Seus lábios se esticaram em um sorriso, uma ideia se formava na cabeça do Marquês.

 

— Bem, eu me ofereci para cuidar de você. Não me ofereci, Jimin? — Ele se aproximou do garoto cautelosamente. Park afastou-se do toque do loiro, mas Yoongi o persuadiu até o pequeno deixar ser tocado. Min afagou sua cabeça gentilmente, arrumando seu cabelo bagunçado. Jimin agarrou uma de suas mãos, beijando-a carinhosamente.

 

— Yoongi? — O órfão o chamou como uma criança chama sua mãe quando está com febre — M-Me desculpe, Yoongi. A mamãe não está mais falando comigo.

 

— Eu percebi.

 

— Não importa mais, ela sempre foi tão cruel comigo. M-Mas, você...você é sempre tão gentil e doce, sempre foi. Você irá ficar comigo? Por favor, diga que irá ficar comigo.

 

— Hmm... — Yoongi deu leves dedilhadas em seu queixo, como se estivesse ponderando o pedido — Por que não!?

 

— Eu te amo, Yoongi — Jimin bateu palmas em alegria e abraçou o Marquês — Eu sempre amei.

 

— Sério? Você realmente me ama, Jimin?

 

— Sim, eu amo, amo de verdade.  Me desculpe, por favor, não me deixe. Eu não quero ficar sozinho.

 

Yoongi sorriu, ele levantou o garoto aflito do chão, Park ainda tinha um de seus braços em volta do pescoço do mais velho. Jimin ria para si mesmo, tentou se comunicar com a voz em sua cabeça mais uma vez, esperando que ela respondesse.

 

— Você quer vir comigo, Jimin? Eu vou viajar.

 

— Viajar?

 

— Para bem longe.

 

— Você irá me levar com você? Não está mais bravo? Você me perdoa? — Yoongi mordeu o lóbulo da orelha de Park docemente, ele lambeu o ouvido do garoto, fazendo o mesmo soltar um pequeno gemido.

 

Nunca. Mas, eu te levarei comigo, se quiser. Você gostaria, meu amor?

 

— Gostaria! — O menino sorria, fazendo seus pequenos olhinhos se fecharem quase que por completo.

 

— Em retorno...você irá me alimentar, não irá Jimin?

 

— Sim, eu farei qualquer coisa por você!

 

— Você é um menino tão gentil. Não se preocupe, eu nunca irei te deixar. Você será um bom menino, o meu menino.

As duas figuras desapareceram na escuridão.


Notas Finais


✿ CLÃ, ESSA É A ÚLTIMA VEZ QUE EU VOU ESCREVER NAS NOTAS FINAIS DE HEREGES!
Cara, eu estou bem triste em saber que depois de 7 meses escrevendo minha primeira história, ela acabou. Mas, tbm estou satisfeita por ter concluído esse trabalho.
Eu conheci tantas pessoas maravilhosas nesses 7 meses, eu sempre vou guardar vocês no meu ❤.
~Haruka000
~Sra_YoonMin
~MariContreiras
~MissInfortune
~kryptoni4na
~Sashun
~LolMinie
~park-chan
~Lottinha
~Baby_May
~NamJoonGudetama
~ZeloTheRapper
~Sparrowyes
~danielvieira159
~tia_Ambrosia_
~Yeheyuan
~Lourryglow
~Skinzx
~xxpathos
Vocês talvez achem que os seus comentário não façam tanta diferença assim, mas de verdade, é o melhor incentivo que um autor possa receber. Sérião mesmo, toda vez que eu via uma notificação de comentário, meu coração enchia de alegria, e eu juro para vocês, que lia cada comentário com um sorriso extremamente grande no rosto.
Por causa dos comentários de vocês, eu fui capaz de continuar até o fim, porque algumas vezes me desanimava ver que não estava tendo tanto feedback assim, e já pensava que ninguém havia gostado da história. Mas, aí aparecia meu clã comentando a porra toda, e me enchia de esperança e alegria novamente.
Então muito obrigada mesmo a todos vocês que comentaram e favoritaram minha fanfic, isso significa muito, mas muito mesmo para mim.
E eu gostei tanto da experiência que até pensei na possibilidade de escrever outra.
Então, clã, não acaba por aqui. Logo mais, eu voltarei com a minha nova fic, Amor Fati.
A gente se vê, clã! ᴥ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...