História Hereges - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga
Tags Bangtan Boys, Bts, Hoseok, J-hope, Jikook, Jimin, Lemon, Suga, Yaoi, Yoongi, Yoonmin, Yoonseok
Exibições 120
Palavras 2.654
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oin.

Capítulo 9 - IX. young firefly


Fanfic / Fanfiction Hereges - Capítulo 9 - IX. young firefly

Eu tive um sonho, eu tive um sonho onde eu estava voando sobre campos de flores. Haviam tantas pessoas bonitas, tantos rostos bonitos. Eu conversei com alguns pássaros, me apaixonei novamente e nada disso nunca acabava - tudo continuava fluindo, e fluindo, e fluindo. E mesmo quando você chorava, quando você gemia de dor, quando se sentia triste, eu ainda estava extremamente feliz...porque você estava aqui. E tive que conhecer cada estrela, cada planeta, tudo que me fez e nós nos beijamos e nos tornamos o mesmo. Mas, quem iria pensar que iriamos perder tudo? Quando você se encontra na plena escuridão é difícil de enxergar.

 

— Me ajude! Mamãe...eu não consigo respirar, me ajude, me tire daqui!

 

Por quê? Apenas me abrace forte, meu amor. Não faz sentido querer partir para onde você está. E eu não sei para onde ir, e ninguém mais parece saber também. Nós somos todos o cair da noite, e agora fomos deixados sozinhos, apenas me abrace, meu amor.

 

— Ho...HOSEOK?

 

 

“É engraçado, não é? Eles sempre te deixam, e é assim que funciona o mundo, quando mais você ama, mais você perde. Ah, por mais que pareça que eles irão ficar para sempre, nunca ficam. Eu sou a única que sempre ficará com você, meu pequeno, meu amor é tudo que você precisa. Você sempre foi tão fraco, querido, amando demais as pessoas que não merecem seu amor. Eu te disse para se livrar dele, não disse? Eu te disse para ficar atento, eu sempre soube desde o começo que aquele garoto não passava de mais um egoísta. Você nunca questionou a mamãe, mas depois de conhecer aqueles dois, tudo que você fez foi se afastar de mim. Mas, agora, ele se matou e todo o seu sacrifício foi perdido em suas formas egoístas, sabia que Hoseok somente iria te machucar e fico feliz que ele tenha morrido, me poupou do trabalho de te salvar de suas garras”

 

“Ele era importante para mim, mãe. Eu...eu o amava”

 

Sua mãe ria de Jimin conforme ele lhe contava sobre sua dor. Jimin sentiu braços fortes o sacudir enquanto ele acordava.

 

— Jimin?

 

O órfão abriu seus olhos e foi golpeado com uma estranha tristeza que o comprimia. Ele ficou tonto por um momento, por que estava tão triste? E então se lembrou...seu melhor amigo estava morto.

 

— Jimin? Como você está? — Yoongi sentou perto de sua cama, com uma de suas mãos nas de Jimin, o mesmo não havia percebido que a segurava tão forte durante seu sono incerto. O órfão quebrou aquela conexão — Jimin? Eu vim ver como você estava, você entrou em choque e perdeu a consciência...eu não consigo nem imaginar o quão difícil deve ter sido para você o ver...daquele jeito — Suas palavras ecoaram na cabeça do mais novo que mesmo assim não captaram muito do significado delas. Jimin ainda se recusava a falar e Yoongi estava inquieto com suas luvas — O funeral vai ser realizado o mais rápido possível e eu queria que você soubesse que estão cuidando dele, Jimin.

 

“Ele está escondendo algo, quer se livrar do corpo do Hoseok o mais breve possível. Você ainda não percebeu, criança? Não me diga que está acreditando nisso!”

 

Park estava cansado, não era surpresa nenhuma ouvir sua mãe falar coisas desse tipo. Ela odiava qualquer um que se aproximasse do coração de Jimin, o pequeno não queria escutar mais, não queria lidar com nada naquele momento. Tudo que queria fazer era nadar em sua solidão para se enrolar dentro do buraco que Hoseok deixou para trás e dormir.

 

“Criança, me diga que você também vê! Se lembra do medo que preenchia o rosto de Hoseok nos seus últimos dias de vida? Ele estava hostil a maior parte do tempo, mas algumas vezes, quando sua sanidade voltava, ele estava assustado, com medo desse homem O quão bem você o conhece, meu pequeno?!”

 

“Eu o conheço desde que conheço Hoseok, mãe, ele é um amigo próximo”

 

“Eu perguntei o quão bem você o conhece e não há quanto tempo. Além da máscara que ele exibe em público, você conhece o seu passado? Você sabe quais são suas ambições ou seus segredos?”

 

“Ele sempre foi um homem reservado, mãe”

 

“Pense, criança. Não é curioso como todos os seus relacionamentos acabam em desastre? Tudo que ele toca, desmorona”

 

“Isso não é o bastante para acusar ele de nada”

 

“Seu idiota, pare de tentar protege-lo. Ele é bizarro, não consegue sentir sua aura? Pessoas boas não são assim, não confie em Min Yoongi, somente a mamãe poderá te proteger”

 

Jimin olhou para Yoongi com seus novos olhos agora. Uma alusão de dúvida deslizou de sua tristeza. Jimin queria algo para culpar, algo para empilhar todos os seus erros, algo para poder exercer o segundo estágio do luto. Yoongi se encaixava perfeitamente nos quesitos para ser um candidato, não se encaixava? Fazia sentido, seu relacionamento com Hoseok fora completamente destruído antes do mais novo morrer, seu estado mental só serviu para agravar a ruptura entre os dois. Talvez Yoongi tenha se cansado de Seok e o matado porque era conveniente? Ou talvez, Hoseok em seu estado psicótico, se matou para fazer mal a Yoongi? Jimin olhou para o homem ao seu lado.

 

“Ele não é alguém para se confiar, criança. Ele é um demônio! ”

 

— Eu sei que você deve me odiar — Yoongi retornou o olhar de raiva de Jimin com um olhar firme — Eu sei que somente agravei a condição do Hoseok com a minha presença. Eu sei muito bem como é a sensação de não ser desejado — Ele se levantou, sua expressão era rígida, porém ainda assim gentil — Somente se lembre que eu sempre estarei aqui para você, da mesma forma que sempre estive disponível para o Seok, mesmo ele quase me matando — O Marquês soltou uma pequena risada ao se lembrar da fúria de Jung.

 

Jimin mordeu seus lábios. Quando Hoseok se recusou a comer, foi Yoongi que o alimentou, mesmo com o moreno tentando o machucar constantemente, Yoongi nunca deixou de se importar e cuidar do garoto.

 

“MENTIRAS! Ele somente estava mantendo as aparências”

 

“Então, o que ele pode ter feito, mãe? Hoseok cometeu suicido. Não foi por suas mãos que ele morreu”

 

“Você vai se deixar levar somente por isso? Olhe para o aquele rosto e me diga se você confia nele com todo o seu coração”

 

Jimin tentou procurar pela resposta nos olhos do Marquês, mas, como sempre, seu rosto revelava somente algumas poucas emoções. O órfão não sabia mais o que pensar. Então, ouviu sua mãe falar novamente com ele, mas ela gritava dessa vez.

 

‘’ELE MATOU HOSEOK! EU TENHO ABSOLUTA CERTEZA E VOCÊ ESTÁ DEIXANDO ESCAPAR O HOMEM QUE MATOU SEU MELHOR AMIGO”

 

“Por favor, pare, minha cabeça está doendo”

 

“E você ainda dizia que o amava. Você nunca amou ninguém, sua criança egoísta. Desde o ventre sempre soube que você era assim...um monstro! Assim como o seu pai Você joga as pessoas fora como lixo. Você não me jogou fora quando eu não era mais conveniente para você? Admita! Você estava secretamente aliviado por eu ter morrido

 

— Não, PARE! — Jimin gritou em resposta para a voz em sua cabeça, seus lábios tremeram.

 

Yoongi olhou para Park em choque, seu ataque de raiva foi audível, puxando o plug que impedia as lágrimas de trasbordarem por seus olhos. Agora, sua visão estava embasada, o órfão piscava e piscava novamente na tentativa de espanta-las. Yoongi e Jimin olharam um para o outro, ambos reconhecendo a tristeza que os invadia. O Marquês se ajoelhou em frente à cama de Jimin, e limpou as lágrimas do mais novo. Ele não pronunciou uma palavra sequer enquanto fazia isso, e o órfão olhou para um lugar aleatório do quarto tentando evitar olhar para o rosto de Min. Era espantoso a quantidade de lágrimas que o pequeno podia derramar.

 

— Eu o amava também, Jimin — Ele disse depois de um tempo — Eu sei como você deve estar se sentindo.

 

— Cala a boca — Park fechou sua mão tão apertado que as suas unhas o machucaram, não sabia se era sua própria ou a raiva de sua mãe, mas seu peito pesava com ódio do Marquês — O Seok estava com medo de você, você fez algo a ele! Eu sei que fez — Conseguia sentir sua mãe fazendo a sua raiva crescer. ‘Ele deve ser castigado’ — É tudo sua culpa, e eu vou fazer você pagar por tudo isso.

 

Yoongi o encarou atordoado por alguns segundos, espantado com a amargura na voz do órfão. Mas, o loiro não o temia. Ele somente se aproximou mais de Jimin e envolveu seus braços entorno do garoto atormentado.

 

— Me solta! Eu te odeio, Yoongi! Me solta! — Mesmo com Jimin se debatendo o máximo que podia, batendo seu punho no peito do Marquês, ele não o soltou.

 

— Se você precisa de algo para odiar, então eu aceito o seu ódio. Mas, você deve aceitar o meu conforto também. Eu preciso de você, Jimin. Você era o único o amava tanto quanto eu — As palavras de Min fizeram Hoseok vir átona na mente do órfão, a raiva foi substitua com uma aflição tão grande que o pequeno não conseguia respirar. As lágrimas verdadeiras surgiram, Jimin chorou, pensou que não conseguiria mais parar e Yoongi o segurou firmemente em seus braços — Não se preocupe, eu cuidarei de você assim como Hoseok queria.

 

— Como você poderia saber o que o Seok queria? — Ele empurrou os braços de Min para longe de si — Ele está morto — As sobrancelhas do Marquês franziram, e ele deu alguns passos para trás — Eu quero que você vá embora, por favor, apenas vá.

 

— Eu entendi — Yoongi suspirou, e deixou o quarto sem dizer mais nenhuma palavra.  

 

 

Horas pareciam como minutos para Park. Ele adormecia e acordava de intervalos em intervalos, perdendo completamente a noção do tempo. Desperto, ele encarava uma parte da parede com nenhum pensamento coerente passando por sua cabeça. Todos os motivos para o luto eram seus naquela manhã, de qualquer forma. Ele podia se lamuriar agora, se quisesse, puxar seu cabelo, xingar aos céus, relembrar o passado, admirar a fragilidade da vida humana...infelizmente, a dor não era tão poética como nos livros. Era simples e clara, uma faca afiada que dilacerava o coração em um único golpe, sem sangue, sem bagunça - vazia. E como mais nada havia sido deixado, não sabia como encontrar aonde a dor terminava. Jimin dormiu o dia inteiro, o Sol havia descido duas vezes antes dele sair da cama.

 

Ele se levantou vagarosamente, um pouco tonto, mas com um proposito. Poder surgiu dele, alimentado pelo luto, e havia um vazio imenso que o poder parecia ter preenchido seu corpo inteiro. Um proposito sempre foi como um remédio para o luto.

 

“Mãe, me diga o que fazer”

 

“Revele as mentiras daquele homem, meu amor, quebre sua máscara e o faça pagar por tudo que fez”

 

Jimin não disse uma palavra, mas começou a forma-las em sua mente, as sentindo por seus ossos, dando vida para cada pensamento. Ele pegou uma pequena faca e cravou um símbolo no chão. Não precisava de muito, o seu objetivo era se informar, e não punir ainda. Fazia um tempo desde que Jimin não praticava mágica, Jungkook havia o ensinado quando menor, dizia que deveria usar para se proteger ‘dos homens maus’, Jimin nunca descobriu de quem o mais novo estava falando.

 

Park optou pela voz do loiro, já que estava fresca em sua memória. Ele se focou na última conversa que dividiram. ‘Se você precisa de algo para odiar, então eu aceito o seu ódio’ ‘Eu tomarei conta de você’ ‘Eu preciso de você’. Suas palavras fizeram Jimin se distrair e ficar confuso. Sempre, era dessa forma com ele, o sentimento não desconhecido esteve lá por anos. ‘Somente se lembre que eu sempre estarei aqui para você’. Jimin sentiu uma força violenta voltando para cima de seu estômago. Era como o balanço angustiante do navio lhe fazendo querer vomitar.

 

“Você falhou. Foco, criança, ou perderá sua chance”

 

O feitiço desmoronou em sua mente. Jimin tentou novamente, dessa vez, focou nos olhos Yoongi. Frios, como mármore. Escuros e insondáveis, sem nenhuma aflição, apesar da situação. Sem Hoseok, sem a dor da perda. Era o natural do ser humano culpar a si mesmo ou alguém pela morte de alguém que se ama, Jimin culpava Yoongi. Mas, não havia traços de nenhuma culpa nos olhos Marquês. Park procurou mais intensamente, aumentou a entonação que saía de seus lábios. Sem tormento, sem incertezas...sem culpa. O feitiço havia falhado novamente? Ele procurou mais uma vez e não encontrou nada. Não havia culpa em Min Yoongi, mas o órfão não conseguia parar o encanto agora, mesmo sabendo que ele era inocente. Jimin desesperadamente forçava sua mente adiante, desejando encontrar algo que ele ainda não havia conseguido alcançar.

 

A culpa deveria estar presente em nós, não importa a quão pequena for a perda. Nós não nos culpamos por nossas perdas? Nós não nos odiamos e nos castigamos, mesmo se não for nossa culpa? Precisamos de culpa para sentir a dor. Mas, Yoongi não tinha nenhuma lasca de culpa.

 

A dor insuportável tomou conta de seu corpo de novo, comprimindo seu estômago. A agonia era tão grande que Park não sabia se o feitiço havia funcionado ou falhado.

 

“Algo está errado”

 

Antes que Jimin pudesse concordar com sua mãe, sentiu uma dor afiada em sua garganta, o pequeno agarrou seu pescoço para conter o que raspava e arranhava sua garganta. Algo o impedia de respirar, o garoto conseguia sentir as bordas subindo por sua traqueia, rasgando as paredes macias enquanto se movia.    

 

A dor não parava. Jimin caiu de joelhos e forçou-se a vomitar.

 

Grandes gotas de sangue e saliva escorreram por seu queixo. O órfão sentia como se estivesse sendo estrangulado por alguém. Sua mãe estava calma, sem se afetar com a aflição de seu filho. Jimin estava preste a expelir o que quer que estivesse em seu corpo, lágrimas escorriam por seu rosto, um horrível gosto metálico revestia sua língua. Finalmente, ele abriu a boca e forçou a coisa asquerosa para fora.

 

O pequeno mante seus olhos fechados, com medo de olhar para o que quer que fosse que havia saído dele. Mas, o sentimento horrível voltou e Park vomitou novamente.

 

O líquido escorrendo de sua boca engrossou, não havia mais saliva, somente sangue. O sangue se acumulou em volta de seus joelhos, formando uma pequena poça. Jimin ofegava, cada respiração era acompanhada de dor, mas aquela sensação horrenda havia finalmente parado.

 

Ele limpou o suor em sua testa, algo no chão refletia à luz. O garoto teve dificuldade em compreender o que estava em sua frente, esticou sua mão e a mesma foi alfinetada por algo pontudo, fazendo o órfão recuar. Ele tentou novamente, mas dessa vez, tomando mais cautela por causa da falta de claridade. Jimin pegou elas com suas mãos tremendo. Agulhas, a palma de sua mão estava cheia de longas agulhas - revestidas de sangue e alguns pedaços de carne. O pequeno as examinava assustado e com uma certa curiosidade. Ele afundou uma delas em seu dedo, obtendo mais sangue. Elas eram de verdade, haviam se materializado em sua garganta enquanto o feitiço era feito. Havia algo de errado com ele, algo obscuro e potente, ou talvez Jimin somente havia feito o feitiço de uma forma errada? O órfão havia ultrapassado seus limites, indo longe demais. Mesmo assim, uma inquietação estava se formando nele, tão real quanto as agulhas em sua mão.

 

Park tentou se levantar, mas estava exausto, seus joelhos o traíram e o garoto caiu no chão como um pedaço de pano.

 

“Agora você percebeu também, querido. Há uma força sinistra envolta daquele homem. Se levante, nós temos muito o que fazer. Precisamos descobrir o que ele é e pará-lo”

 

— Quem é você, Yoongi? — Jimin encarou as agulhas em suas mãos.


Notas Finais


✿ Olá clã e EU MATEI O HOSEOK? Podem me xingar nos comentários do que quiserem porque eu mereço.
É que é assim, eu pensei em mata-lo desde o começo, mas deixei mais para o final para vocês se apegarem a ele e sofrerem mais com a morte do Seok ʕ•ᴥ•ʔ
brincadeira, é porque como é quase no final, a saudade não seria prolongada por muito tempo, pelo menos é o que eu sinto.
✿ Mudando de assunto, VOCÊS VIRAM ESSE COMEBACK? Olha, pra mim, Wings superou todas as expectativas e não tem como escolher uma música favorita porque TODAS SÃO FODAS, mano, sério, não tem uma música que você possa dizer 'ah, essa eu não gostei muito não' porque tão tudo boa!!!%#
Eu tinha escolhido Lie como música favorita, ai eu ouvi First Love e então Cypher 4 e agora tá tudo desgraçada a minha cabeça
✿ Clã, eu saí do curso e então se eu demorar muito pra atualizar, pode vir me cobrar porque agora é pura preguiça.
✿ Vocês reparam nos 'homens maus', sim, inspiração de Stranger Things...essa série, mano. ❤
✿ Já tava quase me esquecendo, eu atualizei a capa, espero que vocês tenham gostado. Tá ai outra coisa que me deixa feliz com esse comeback, essas roupas, mano do céu!! Eu tinha muitos problemas para fazer as capas porque não tinha nenhuma roupa que combinava com a época, mas agora isso já foi resolvido e como foi resolvido em!
✿ Era só isso que eu queria falar mesmo, clã, eu sei que vocês ainda estão putos comigo por causa do Hoseok!
❤ PERDOA MEUS VACILO E NÃO DESISTE DE MIM ❤
Eu prometo que a fic não vai ficar chata agora mesmo com um personagem a menos!
✿ bye bye


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...