História Herói ou Vilão? As faces de um libertador - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 3
Palavras 1.415
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Aliança duvidosa


Bom como falei, irei contar tudo o que realmente aconteceu durante os conflitos da independência e do golpe milita - John se colocava no banco dos réus ao lado do juiz e estava prestes a revelar tudo o que aconteceu nos bastidores dos conflitos. 

O primeiro a perguntar será o promotor Hector Carrillo, tome a frente - Juiz chamava o promotor para iniciar as perguntas destinadas ao John.

Obrigado pela oportunidade  meretissimo, então presidente você sempre pregou em todos em seus discursos que tinha feito a justiça prevalecer em seus país, que havia libertado o seu país das mãos dos ingleses sanguessugas e que eles haviam matado mais da metade de seu povo nos ultimos 50 anos durante a colonização,  que justiça foi essa que matou 70 pessoas inocentes, incluindo cidadãos nascidos na ilha, turistas entre outras mais durante um ataque terrorista a um teatro proximo a capital? A pergunta que fica e talvez dificilmente será respondida é... que justiça é essa que teve o sacrificio de seu proprio povo ? - Promotor encerrava a primeira pergunta, logo John abria um sorriso de lado tipico quando achava algo engraçado ou estava um pouco nervoso, mas nunca o demonstrara. 

Ele se inclina um pouco a frente e fala com a voz firme ao microfone - Aquele ataque não foi organizado por mim, nos dividimos em 5 grupos de 20 homens cada, o plano era atacar todos os postos militares e roubar os armamentos e voltar para o local combinado, nessa mesma noite o Dylan estava no comando daquela operação na capital, aquele ataque não foi combinado durante a reunião dos revolucionarios, quando houve a explosão do teatro, sabiamos que enfrentariamos a ira dos ingleses, o objetivo nunca foi matar inocentes e acredite muitas vezes fomos prejudicados por esse principio, mas nunca machucaria meu povo, - Encerrava ali a resposta, ele novamente se encosta na cadeira e olha fixo para todos os jurados.

Mas você era o comandante Mor, você era o estrategista, bom se você da uma ordem aos seus soldados, você é o responsavel pela execução dela, agora se eles fazem ao contrário daquilo que foi ordenado, acredite presidente você também o responsavel, você é o comandante deles, então o ataque foi de inteira e total responsabilidade sua, foram 70 mortos, fora as dos militares que confrontaram você diretamente, claro como esquecer dos roubos as cargas com armamento, agora me surge uma grande duvida, vocês atacaram o porto da Rainha, eles estão muito bem armados por sinal, 4 návios da marinha inglesa, varios postos de segurança, cameras espalhadas por todos os lados, homens guardando todo  o local, com armas teoricamente superiores as suas, então fica a pergunta como conseguiram armas mais potentes e quando é que vocês cresceram em tão pouco tempo porque era impossivel atacar aquele porto tão bem segurado com apenas 100 homens, um ataque direto seria suicidio, vocês não tinham meios de locomoção na agua, então quem forneceu e financiou vocês durante essa guerra? - Nesse momento todos no salão prestavam bastante atenção, porque o que poderia ser dito ali era de uma grande importância que poderia mudar o rumo do julgamento.

John novamente se inclina a frente, dessa vez ele estava tenso mas estava decidido a falar a verdade - Estados Unidos - Nesse momento todos começaram a falar juntos, jurados, convidados, promotores, todos estavam espantados com tal revelação, imediatamente o juiz pediu ordem para que ele prosseguisse com a sua resposta - Os estados unidos nos financiaram durante a libertação do país - Nesse momento o promotor faz mais uma pergunta crucial- Em troca de que?

Eles nos forneceriam armas, munição, meios de transporte e homens para que pudessemos invadir o porto, em troca da prioridade das empresas americanas nos campos de petróleo, então tivemos esse acordo durante uma reunião na embaixada americana, os americanos não participaram diretamente da guerra, eles forneceram as armas e nós as usamos, a tomada do porto se iniciou atraves do mar, corrigindo sua informação havia apenas uma embarcação da marinha inglesa e  foi prontamente invadida pelos revolucionarios, talvez a segurança  não seja um ponto forte dos ingleses, mas o porto estava vazio naquela noite, não foi feito um disparo, o que achamos estranho porque acreditamos que teria um confronto ali, mas não teve tomamos o porto, deste dia em diante nós atacamos ferozmente os britanicos, tomamos a capital e conseguimos um acordo para a independencia - Terminava a primeira parte das perguntas. 

Após um breve intervalo das perguntas, o  juiz dessa vez deu a vez das perguntas aos jurados que iniciaram com uma pergunta sobre as torturas.

Sim, houve torturas assim como do outro lado, eu era o torturador em algumas vezes, mas o Dylan era o encarregado de tortura-los e depois negociar a troca por um dos nossos que estava preso mas sempre escutei que nunca chegavam la vivos - Novamente o promotor toma a frente das perguntas. 

Você cita o Dylan como se ele fosse a mente maligna por tras de todas as atrocidades que você cometeu, mas o Dylan está morto, mas temos uma pessoa que você deixou viver que logo falará aqui, mas vamos nos ater apenas a esse assunto primeiramente, você se proclamou presidente da República de Pontígua, grande herói visto pelo lado do povo, vilão pelo lado de alguns revolucionarios, você se vendeu aos americanos em troca da liberdade, que  segundo foi algo divino mas sempre retratou os americanos como o maior mal do mundo, mas na primeira oportunidade você se vendeu...agora porque você traiu seus principios? - Sorria sarcasticamente o promotor

Fiz o necessário para salvar meu povo do sofrimento, eles iriam morrer nas mãos dos ingleses que cometiam atrocidades, a ONU nunca olhou para nós como gente, vocÊ diz que eu  me vendi, agora eu vi uma oportunidade de não sair como apenas mais um que fracassou com sua nação...fiz o que tinha que fazer, me proclamaram presidente, o povo me queria no poder, não foi algo que eu escolhi, então não fale besteiras, os infelizes que não queriam a ajuda americana são os mesmo que queriam a volta da Inglaterra - O promotor percebe que John estava um pouco nervoso - Presidente, agora estamos diante da guerra civil,  onde centenas de pessoas foram mortas, talvez depois das duas guerras mundiais foi onde morreu mais gente, então o que tem a dizer a sua visão do chamado golpe militar? 

Após um ano governando e colocando o país de volta aos trilhos, a população vivia decentemente, a maioria estavam empregados, crianças nas escolas, estavamos reparando os estragos feitos pelos ingleses, tudo corria em ordem, nos primeiros meses eu tratei de nomear algumas pessoas de confiança para determinados cargos importantes, pelo apoio que tive do Dylan e por tudo o que ele fez ao meu lado, tratei de dar o cargo de vice - presidente e general do exército, meses mais tarde me casei com a sua irmã a Breeze, fui padrinho do casamento dele com a Bella, tudo ocorria bem. Durante um jantar informal no palacio da presidencia o meu ministro da justiça Ian Breckwood, me confidenciou que havia um boato que alguns militares não estavam gostando da aliança com os estados unidos, que era uma deturpação total aos nossos ideais iniciais, alguns falaram em golpe de estado, mas o Dylan estava colocando panos quentes pra que não houvesse problemas. Mas eu tinha uma reunião da ONU  e tinha que ir a viagem, não sabia o que estava se passando nos bastidores quando estava viajando, quando cheguei a Nova York, fiquei sabendo pelos telejornais que houve um golpe de estado, todos as pessoas que trabalhavam comigo foram mortos, sequestraram minha esposa, todas aquelas imagens vista pela TV e eu não podia fazer nada, quando houve o pronunciamento de Dylan, se proclamando o novo presidente sabia que tinha que voltar mas se eu voltasse morreria ou seria preso de imediato, todas as empresas americanas foram atacadas  e completamente destruidas, todos os meus apoiadores, todos aqueles que faziam parte do meu governo foram presos ou mortos - encerrava o discurso de cabeça baixa, se sentia impotente por não poder ajudar seu povo

Bom, o que vimos foi algo brutal de fato, mas vocÊ voltou ao seu país e novamente financiado pelos americanos e voltou com um exercito.. bom eu não estava la para dar todos os detalhes mas sei de alguém que estava, meritíssimo peço a permissão de chamar Bella a esposa do ex vice presidente e general Dylan 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...