História Heroína - Kim Seokjin - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Personagens Originais
Tags Amor, Bts, Jimin, Jin, Kim Seokjin, Romance, Sexo
Exibições 50
Palavras 1.881
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OPA GENTEEEEEEEEEEEEEE
DEMOREI, MAS FOI POR CAUSA DE UM PUTA BLOQUEIO - que ainda continua, mas enfim.
UM DOS OUTROS MOTIVOS DE EU TER DEMORADO - além do bloqueio- : O COMEBACK
GENTE OQ FOI AQUILOOOOOOOO
EU QUE SOU LOUCA NUM FORRÓ, ADOREEEI O MV E O ALBUM INTEIRO E SINCERAMENTE, MINHA MÚSICA PREFERIDA É AWAKE. - e cypher 4-.
Sorry os capslock, mas amo vcssss
bom capítulooo <3

Capítulo 6 - Capítulo 6 - Capítulo Especial


Fanfic / Fanfiction Heroína - Kim Seokjin - Capítulo 6 - Capítulo 6 - Capítulo Especial

Sentei-me na cadeira que tinha por ali como se nada tivesse acontecido e o vi vestir o terno com o semblante bastante confuso.
Mordi o lábio quando o vi totalmente pronto. O terno moldou ainda mais seu corpo e caiu como luva no mais velho.
- Tenho um bom gosto. – disse satisfeita, batendo palmas para ele.
- Literalmente. – ele piscou e começou a tirar tudo novamente. – Obrigado.
Assenti e mordi o lábio de novo, esperando ele terminar de se trocar para irmos escolher o meu vestido. Assim que ele vestiu a calça jeans colada e a camisa de super-herói, percebi que o prefiro assim, despojado e com os cabelos bagunçados, a um presidente com terno e topete nos cabelos. Não que fosse ruim, é lindo. Mas, eu prefiro assim.
Afastei esses pensamentos quando ele pegou na minha mão e dirigiu até a sessão feminina, onde me ajudava a escolher os vestidos. Concordamos em um vestido sereia preto e branco, sem decote frontal, mas com decote nas costas.
Assim que eu vi meu reflexo no espelho, percebi que eu estava um arraso. Jin estava muito ansioso para ver o resultado, mas eu o deixei chupando dedo fora da cabine. Retirei o vestido e vesti minhas roupas novamente, provavelmente pensando em como ele reagiria quando me visse pronta, mas isso não importa agora.
O que importa é que eu tenho que ser a namorada perfeita do presidente.
Assim que sai da cabine, percebi que Jin ficou um tanto decepcionado por ele não ter me visto com o vestido e que ele me olhava com olhos pidões, esperando que eu tivesse dó e mostrasse.
- Jin, você não me verá com esse vestido até lá. – abri a carteira e peguei o cartão de crédito, esperando seriamente que eu conseguisse pagar.
O presidente ao meu lado, pegou meu cartão e colocou no bolso, usando seu cartão no lugar do meu. Respirei fundo e lhe mandei um olhar de reprovação, assim como ele tinha me mostrado mais cedo. Ele pegou as sacolas de compras e pegou minha mão, nos levando para fora da loja.
Quando chegamos ao estacionamento e o carro caro e bonito de Jin apareceu em meu campo de visão, soltei sua mão e me dirigi a ele, esperando que o mais velho o destrancasse.
- Eu não vou aceitar que faça isso novamente. – resmunguei, soltando sua mão e entrando no carro assim que o “bip” do carro entrou em meus ouvidos.
- Por quê? – ele perguntou assim que se sentou no banco do motorista. – Eu que te convidei, eu precisava fazer isso.
Revirei os olhos e olhei para a sacola no banco de trás. Suspirei derrotada e olhei para ele, que olhava para mim com uma cara que eu não pude decifrar.
- É o último presente que vou aceitar de você.
Ele pegou minha mão e beijou as costas dela, surrando baixinho:
- Claro que não.

Capítulo Especial

 

Seokjin

Mais um dia de trabalho no escritório havia se encarrado. Desta vez, o brilho das trilhões de estrelas ostentava o céu escuro. Foi um longo dia.
A sexta feira é de longe o dia mais chato para mim. Os funcionários sempre ficam agoniados quando faltam duas horas para os seus expedientes acabarem e isso me enfurece de uma forma incrível e repentina. Já que eu tento tratar meus funcionários com a maior educação possível, mas eles sempre me estressam de qualquer forma com essa vontade enorme de sair e tomar um drinque com os amigos em uma balada qualquer.
Estacionei o carro em minha garagem e fui recebido com as lambidas gostosas de Spike em minhas pernas cobertas pela calça social do meu dia de trabalho.
A governanta de minha casa também me recebeu amigavelmente dizendo boa noite e indo preparar alguma comida para mim, já que hoje ela trabalharia durante todo o dia.
Jeon Ryuri sempre me tratou de forma gentil e hoje ela disse que iria cuidar mais um pouco de mim à pedidos de meus pais que moram em Nova York atualmente.
Dei um sorriso a ela e me dirigi à cozinha quando ouvi o som irritante de minha campainha tocar incontáveis vezes. Ryuri foi atender enquanto eu me concentrava em servir a água da jarra em meu copo de vidro.
Assim que ouvi os latidos desesperados de Spike, percebi que alguma coisa estava errada e quando fui virar, ouvi um tiro e senti quatro mãos me imobilizarem.
Sofri um sequestro dentro de minha própria casa.
Quando eu percebi, eu já estava amarrado a cordas e sendo arremessado ao rio Han, totalmente impossibilitado de usar as mãos, muito menos os pés.
Apaguei quando senti o escuro tomar minha visão.
Quando abri meus olhos, eu estava recebendo uma espécie de massagem para tirar o líquido de meus pulmões e voltar à consciência, mas assim que cuspi toda aquela água fria do rio, apaguei as bufadas de uma bela mulher, que usava uma regata branca molhada, que mostrava todo o seu corpo por baixo dela.
Acordei em uma sala de hospital, com uma enfermeira de aparentemente quarenta anos que me perguntava se eu estava me sentindo melhor, mas ainda sentindo uma forte dor de cabeça, apenas menti dizendo que estava ótimo e que eu precisava dar o fora o mais rápido que eu podia. Levantei tirando o soro de meu corpo e pegando minhas roupas já secas no chão, indo ao banheiro e me preparando para ir a casa e pesquisar o que estava acontecendo.
- Com licença? – pedi à secretária que usava óculos e anotava coisas praticamente inúteis para mim em seu bloco de notas amarelo.
Ela sorriu e fez um gesto para que eu continuasse.
- Quem foi a moça que me trouxe para cá?
- Se chama Jung Eun-Ji.

Quando voltei para minha casa, encontrei a governanta chorando em meu sofá e assim que ela me viu, percebi que seu choro havia sido substituído por um sorriso e que ela vinha até mim de braços abertos.
- Fiquei tão preocupada, senhor. – ela disse me apertando ainda mais.
- Você levou um tiro? – perguntei.
- Não, foi o Spike.
Enfurecido, corri até meu celular que estava em cima do balcão da cozinha e digitei os números de Park Jimin, um dos meus braços direitos e uma das pessoas que eu mais confiava na empresa. Ele rapidamente atendeu.
- Jin, você está bem? – era evidente sua preocupação e não pude deixar de abrir um sorriso, mesmo estando com ódio dentro de meu coração.
- Não. – suspirei. – Jimin, você sabe o que aconteceu?
Ouvi Jimin suspirar por um segundo e percebi que ele também não fazia a mínima ideia do que havia acontecido.
- Não. Mas irei descobrir, chefe.
Desliguei e subi para meu quarto, onde percebi que tudo de valor ainda estava ali e que o objetivo dos invasores não era roubar, mas só me sequestrar mesmo. Mas por quê?
Tomei um banho pensando em tudo que havia acontecido e gemi de dor quando meu corpo dolorido e machucado foi de encontro à água quente da banheira.
Eu estava tão frágil, fui uma tremenda vergonha para todos. Veja só, o presidente de uma empresa de segurança, uma das maiores de Seul sofre sequestro e quase é morto.
Irônico, não?
E sobre a bela moça de seios fartos que me salvou?
Ela não era um deles. Ela não usava roupa preta como os outros.
Assim que terminei de me vestir, fui correndo até a cozinha, soltando alguns palavrões no meio do trajeto por conta de meu corpo frágil.
- Ryuri. – achei-a sentada em uma das cadeiras da cozinha. – Preciso de um favor.
- Claro. O que queres? – ela perguntou fazendo uma reverencia.
- Pesquise flores para um buquê para Jung Eun-ji.
 Quando a segunda-feira chegou, mais um dia de trabalho se iniciava, mas dessa vez, eu tinha em mente que deveria desconfiar um pouco mais. A verdade é que isso poderia ser um escândalo da maior empresa de segurança de Seul, obviamente as ações da empresa poderiam diminuir e isso só me causaria mais estresse. Acontece que a única pessoa que eu confio ali dentro era Jimin e tenho certeza que ele não armou isso tudo.
Assim eu espero.
Pelo físico dos homens que me sequestraram, tenho em mente quem são os traidores e tenho certeza que a primeira coisa que vou fazer dentro de meu escritório é arrumar uma carta de demissão para eles. Além de entrega-los para a polícia.
Quando finalmente consegui sair de casa sem os sermões de Ryuri, dei umas benditas férias para ela, já que ela merecia e que eu estava de saco cheio de tanta preocupação.
Passaram-se horas ali dentro e fiz tudo o que planejei. Todos os suspeitos já estavam sendo punidos uma hora dessas. Afrouxei minha gravata e passei a mão entre os cabelos, me dirigindo ao elevador e me preparando para descer.
Quando eu estava no saguão, vi quem eu menos esperava ali. A garota que me salvou.
Ela estava tremendo de frio e naquela hora eu já estava puto, só percebi que havia sido exagero quando ela disse que só estava ali para se proteger da chuva. Sério, quase dei pulos de alegria.
E hoje, somos namorados. Namorados de mentira, mas namorados.
Passamos por várias coisas juntos e atualmente nossa amizade está muito forte.
Tão forte que agora estou trocando de roupas na frente dela. É muito engraçado ver a cara de timidez dela enquanto ela mordia o lábio. Sorri sacana e me concentrei em colocar o pé na calça do terno que a minha gatinha havia escolhido. Nem percebi quando ela simplesmente chegou a mim, totalmente hipnotizada e me beijou de uma forma tão gostosa que eu pensei que faríamos o ato sexual ali mesmo. Eu estava tão louco, perdendo a minha sanidade cada vez que explorava um lugar diferente da doce boca dela.
E quando ela simplesmente saiu de meus braços, fiquei puto.
Ela só estava me provocando e isso estava me deixando cada vez mais louco por ela. Vamos ver quem vai ganhar esse jogo.
Dois dias se passaram desde então.
Suspendi as aulas de direção dela hoje, já que ela já pilotava muito bem. Uma ótima piloto de fuga.
Hoje é o dia da festa e eu já estava em casa, sozinho, assistindo um filme qualquer na televisão enquanto faltavam exatamente duas horas para a festa.
Quando o filme terminou e eu já havia terminado de comer uma pipoca de micro-ondas aleatória, subi as escadas me segurando para não ligar para ela.
Eu precisava.
Desde então, eu percebo que ela é a única garota que se preocupou comigo de verdade. Ela se importava com o Jin, o homem das flores. E ela meio que não se importava com o CEO Kim.
Isso foi uma das coisas que eu mais sonhei em toda minha vida e confesso que estou levando esse namoro fictício bem a sério. Além do mais, é a Eun-Ji.
Ela é tão bonita, seu corpo tem umas curvas mirabolantes, seus cabelos são pretos e o melhor, seu sorriso é a coisa mais bonita que eu já vi em toda minha vida.
Talvez eu estivesse apaixonado... mas é só talvez.


Notas Finais


olha eu aqui dnv
enfim, obg pelos favs <3
não desistam de mim!
amo vcssss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...