História Heroine - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Exibições 7
Palavras 1.198
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Ficção Científica, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oio gente ^^
Voltei aqui com mais um capitulo... Bem, deixando claro que a primeira parte passou se uma semana e um dia, ou seja oito dias. E na segunda parte passaram-se um mês em media.

Capítulo 23 - Não iria deixa-los para trás!


Aquele sentimento ainda a seguia... Já fazia uma semana, e aquela porra de sentimento ainda a seguia, esmagando toda sua capacidade de pensar em algo alem de morte.

Eles haviam conseguido uma casa perto dos campos ao leste da cidade, era longe o suficiente de todos os prédios, mas perto o suficiente para que vissem quem chega pela estrada principal. Jungkook mesmo vivia a espionar aquele local com seu binoculo atras de vestígios dos outros dois amigos. Mas em todos os  oitos dias que eles estava ali, nem um movimento fora visto na cidade.

Na casa as coisas estavam calmas, tinham suprimentos, remédios e bom humor por parte dos outros, menos de Hye e Luke, este ultimo nunca se encontrava de bom humor, era difícil ate o ver sorrir quando estava longe de Shun Hye, que por alguma razão sempre o roubava sorrisos quando se enfurecia. Ohany achou isso deveras perigoso, se existia uma regra preciosa no mundo quando era de pessoas viva essa regra era: Nunca se apaixone por Park ShunHye... Fazer isso no fim do mundo era ainda menos aconselhável... Não que ela não fosse retribuir, ela apenas não ia dar toda atenção a isso... Ela tinha coisas melhores a fazer, como matar zumbis que andavam pelos arredores apenas por diversão. Era tudo que ela fazia ultimamente.

Matar e matar... Oque já estava morta!

Ela queria apenas se certificar que ninguém importante para si morresse naquele lugar... Ela não queria que ninguém ali morresse.

- Você deveria parar com isso... Esta assustando as crianças! – Ho murmurou olhando a menina limpar o rosto com a manga da camisa.

-Não me importo!

- Essa não e a atitude de alguém que não se importa. – O mais velho murmurou descrente. – Afinal, oque esta fazendo Hye?

- Me divertindo! – Era uma meia verdade usada na hora certa... Aquilo não era de tudo chato, era sim legal para ela ver todo aquele sangue podre voar quando a cabeça de um corpo era acertada com seu taco, ah! Ela adorava aquilo! Lembrava-lhe todos aqueles jogos, anime e filmes que ela via. – E de quebra, impedindo que algum idiota abrace um morto.

- Esta falando de Tan?

- Não! – A voz da menina saiu indignada, aquilo era absurdo. – Mas que merda! Não! Eu estava pouco me lixando para ele... Minha mão estava coçando para matá-lo...

- Então porque se importa agora?

- Porque... Porque e Você... Ohany... A pequena Hye... Eu me importo com algum de vocês, e não quero que aquele velho sonho se torne real... Eu me importo com você cara? Sabe como isso soa estranho? Eu te odeio! – Ri foi a única saída que o homem encontrou em toda aquela insanidade, ele não entendeu metade do que ela dizia, mas entendeu que ela se importava... Não com todos, nem perto da maioria, mas se importava... Era um bom começo para que todos ficassem seguros, era um começo.

- Sim! Soa hilario pirralha... Em pensar que mais uma vez eu concordo com um Park. – O homem olhou o céu escuro, as estrelas já já chegariam para se exibir e tudo se tornaria mais perigoso ali fora.

- Sim! – Hye resmungou. – Aproveite, não sabemos ate quando estarei certa!

- Você nunca esta certa... Seus arros apenas fazem mais sentido. – O coreano resmungou olhando o perfil da menina que riu fraco.

- Dito por Ho, no dia sei la quantos de um provável novembro de 2016. – Brincou. – Vamos entrar... O inferno já vem... E a paz também.

- Disse a poeta!

- Vai se fuder Ho.

- Olha o respeito!

- Deixei em casa!

- Nunca teve mesmo...

- Talvez... De fato!

 

 

 

E la se fora um mês... Um grande mês... Aquilo era agoniante, Hye não sabia mais oque fazer, sentia como se estivesse adiando algo, queria dar um tiro na própria testa para ver se tudo aquilo parava de sufocá-la.

Era um dia quente em comparação a todos os outros, e a brisa fraca batia no rosto da menina que fitava a silhueta da cidade de iluminar com o sol, estava tudo muito tranquilo ate ouvir os gritos no andar de baixo.

Ela passou os olhos nas crianças que dormiam juntas no colchão antes de descer com pressa para o andar de inferior.

- Mas que merda foi dessa vez? – Soltou mal humorada ao chegar a sala.  JungKook, Jimin, Luke, Ho e Jin estavam ali. Não aprecia uma discussão, mas ela sabia quem estava ao lado de quem quando bateu os olhos nos dois mais novos ali.

- Eles não querem ir. – Fora tudo que Luke disse a si como explicação, fora suficiente com certeza, eles estavam programando se seguir para a próxima cidade em três dias. Todos concordavam que eles tinham esperado pelos outros a tempo demais, ate mesmo Jin concordava com aquilo, mas pelo visto os mais novos não.

- Não... Querem? – Ela fitou Jimin e JungKook que se encolheram com o olhar dela.

Hye impunha respeito, tamanho para aqueles dois juntos de TaeHyung e as crianças, ela era a maior autoridade para eles naquela casa, era uma pessoa incrível, e tudo isso em suas costas era cansativo.

- Não! – Jimin murmurou porem convicto. – Não quero deixar Yoongi-Hyung e Namjoon-Hyung para trás.

- Jimin eu sei como se sente, mas... – Jin olhou para baixo engolindo o possível choro. – Mas faz um mês... E não tivemos nenhuma noticia deles.

Hye não disse nada, mas ela achava bonita a ação do menor, era confiança, se fosse ela faria a mesmo, fidelidade!

- Não vão? Não querem? – Perguntou e os dois assentiram. – Querem mesmo ficar? – Mais uma vez assentiram. – Certo! Fiquem! – Sorriu. – Mas primeiro me respondam uma coisa.

Jimin se sentiu mal com a fala da garota... Doeu em si ve-la falar como se não se importasse... Ela não iria deixá-los para trás ia?

- Se alguém morrer por isso... Oque vocês fariam? – Ho olhou perplexo, de onde sairá toda aquela maturidade? Ele se perguntava.

- Eu...  Voces não precisam ficar! Eu fico sozinho! – Jin se alarmou quando o mais novo deixou no ar. – Mas eu não deixarei os Hyungs para trás. Eles vão vim... Eu sei!

Hye olhou irritada para o menino que engoliu seco.

- E você acha mesmo que eu vou deixar que vocês fiquem? Tu tem oque na cabeça criança? Acha mesmo que eu passei minha vida toda vendo Fairy tail para não entender nada de fidelidade aos amigos? E um ou todos!  Você quer achar os seus Hyung? Ótimo, nos saímos nesses dias que faltam e procuramos pelos seus Hyungs. Mas se não encontrarmos, voltamos e damos o fora daqui?

Luke rosnou com tudo aquilo, odiava quando ela fazia aquilo, agia por si so, como se ninguém mais importasse, mas no fundo estava se importando com outros, mas ele odiava mais ainda o fato dele nunca ser o alvo de toda aquela preocupação.

- Vo-você faria isso?

- Se eu estou falando! Não acredita em mim?

- Claro que acredito! Mais que em Deus! – O menino disse rápido arrancando risos dela.

- Certo! Então... saímos as três... Esteja pronto.

Oque ela estava fazendo? Nem ela sabia! Mas não os deixaria para trás... Ela não deixaria ninguém pra trás.


Notas Finais


Espero que gostem ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...