História Herois e Vilões - Capítulo 5


Escrita por: ~

Exibições 2
Palavras 1.459
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Super Power, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Espero que gostem.

Capítulo 5 - Roubo



Tay andou de um lado para o outro, inquieto com a noticia. Por um lado ele queria ficar e cuidar do amigo, por outro lado, ele teria que verificar o que aconteceu com o museu, afinal aquilo fazia parte do trabalho dele. Ele olhou para Savannah que estava distraída, encostada na parede. Ele não podia deixar de fazer seu trabalho. Ted sabia que era importante, não o culparia. Ele lentamente se aproximou de um medico que estava lendo uma prancheta na mão.


- O senhor pode vigiar o meu amigo e garantir que nada o aconteça? - Perguntou Tay


- Ele está no hospital. Não se preocupe. Ele está em segurança. - Reconfortou o medico


Tay sabia que aquilo não era o suficiente, mas não havia nada que ele podia fazer naquele momento. Ele suspirou pesadamente e se virou para sair do hospital, caminhando pelo corredor, mas Savannah percebeu e o chamou:


- Ei, você não vai ficar aqui pelo seu amigo? - Perguntou ela


- Não. Tenho coisas a fazer. E não pode receber mais de uma visita ao mesmo tempo. Eu volto outra hora, quando o ar estiver mais respirável.


- Que gracinha. - Ela se encostou na parede de novo


- Eu ainda não acabei com você. Ainda tem perguntas que devem ser respondidas.


- Você não para quieto não é? Tem sempre que saber de tudo. Isso é perigoso.. Pode acabar entrando onde não deve..


Tay mordeu o lábio, mas ignorou o que ela disse, saindo do hospital.


Ele se sentia desconfortável ao deixar Ted com Savannah, mas o trabalho chama. Ele precisava garantir que tudo estava bem, tudo o que ele podia fazer era torcer que Ted estivesse em segurança. Ele apertou os punhos e sua armadura de metal azul escuro se ascendeu. Havia nas costas do patrulheiro, uma mochila que parecia um jetpack, porem era uma parte do uniforme dele, que era ativado quando ele acionava esse recurso na roupa.


O patrulheiro flutuou e começou a voar na direção do museu. Ao se aproximar daquele prédio escuro, com figuras artísticas decorando o museu na parte transparente das paredes, havia uma agitação de pessoas. A viatura da policia piscava, enquanto os policias conversavam sobre o crime, e curiosos tentavam se aproximar da faixa escrito "Não ultrapasse". O patrulheiro caminhou até os policiais, pousando no chão, enquanto os curiosos vibravam pelo patrulheiro. Um garotinho se aproximou da faixa, encantado.


- Olhem! É o patrulheiro! Quando crescer quero ser igual a você!


- Há.. Se quer ser como eu, não se esqueça de mandar bem nos estudos. - O patrulheiro fez um carinho na cabeça do garoto que ficou feliz
O patrulheiro se aproximou dos policiais que conversavam, se afastando da linha.


- Então senhores, o que aconteceu? - Perguntou o patrulheiro


- Patrulheiro, que bom que você apareceu. Nós não entendemos o motivo do roubo. - Respondeu um dos policiais, coçando a cabeça


- Como assim?


- Quem quer que tenha roubado o museu, por incrível que pareça, não roubou nada valioso. Só um protótipo velho.


- Um protótipo velho? Vocês tem fotos do registros dos itens?


- Temos. Só um momento.


Os policiais se aproximaram da viatura e pegaram uma foto de um protótipo que parecia uma rocha pequena metalizada com uma pedra azul no centro. O patrulheiro ficou serio e olhou para os policiais.


- Posso levar a foto comigo?


- Claro. Sinta a vontade.


- Eu irei agora no museu, ver se eu acho alguma coisa suspeita.


Enquanto o patrulheiro entrou no museu, um homem de óculos escuros, e sobretudo estavam atrás de um prédio, observando tudo. Seu cabelo e sobretudo balançaram com o vento. Ele se afastou com o protótipo na mão.


No hospital, os médicos estavam todos correndo desnorteados pelos corredores, pelo incidente no museu. Savannah olhou para os lados, viu que não tinha ninguém e entrou no quarto de Ted, pegando um travesseiro e foi lentamente se aproximando dele, aproximando o travesseiro do rosto, querendo sufoca-lo. Ted começou a se mexer, e  ela colocou o travesseiro nas costas. Ted abriu os olhos, e olhou para ela.


- Savannah? - Perguntou ele


- É. Isso mesmo. Sou eu. - Disse ela, com o travesseiro nas costas


- O que aconteceu? - Perguntou ele, se sentando


- Ah.. Minha casa foi invadida. Você estava na sala e foi atingido. E também teve um roubo no museu da cidade. - Disse ela, desconversando


- Um roubo?! O que aconteceu lá?!


- Eu não sei. Mas seu amigo estava aqui, e acabou de sair.


- O Tay estava aqui?


- Tay? - Perguntou ela surpresa


- É. Cara.. Não queria ter preocupado ele.


Savannah ficou pensativa, e olhou para o lado.


O patrulheiro caminhou pelo o museu, e usou uma habilidade de scanner para achar alguma informação que tinha se perdido. Conseguiu pelo scanner pegar amostras de uma pegada e através das pegadas ele pegou as informações com sua alta tecnologia e saiu do museu voando.
No hospital, Savannah ainda estava pensativa e Ted a observou.


- Você está bem?


- É.. Eu só estava pensando. E você como está?


- Acho que acordado agora. - Riu ele


- É. Que bom. - Savannah jogou o travesseiro no chão


- Mas e então, por que você parece tão incomodada?


- Ah.. É que. Não vai querer saber.


- Claro que quero saber. - Ele se encostou na cama


- O cara que você viu no bar, ele é meu ex namorado. - Disse ela


- Oh, isso deve ser complicado. - Comentou ele


- É. Um pouco. - Ela olhou para o lado


- Mas fica assim não. Quero dizer, não é porque tem caras babacas por ai, que todos são, não é mesmo?


- Talvez tenha razão. - Sorriu ela


- Só não deixe nenhum cara dizer o que você deve ou não fazer. - Sorriu Ted


- Obrigada. Vou me lembrar disso. Olha, eu terei que ir.


- Ah, tudo bem. Eu já estou melhor mesmo.


Savannah sorriu e saiu do quarto caminhando pelo corredor do hospital.


O patrulheiro entrou na garagem do seu luxuoso apartamento sem ser visto e usou um elevador para subir até sua suíte. Quando o elevador parou, ele fez um barulho e parou na sala. Manley que estava espanando os moveis, parou e olhou para ele.


- Senhor?


- Manley. Estarei no laboratório.


- Aconteceu alguma coisa, senhor?


- Isso que vou saber.


O patrulheiro entrou no elevador subindo um andar, e sorriu para Manley antes da porta se fechar. Não demorou muito até chegar no elevador. O laboratório do patrulheiro era todo prateado, e havia um grande computador no meio do laboratório e vários equipamentos e armas pelo o laboratório, e na lateral, um tubo transparente com uma armadura igual a que ele estava usando, porem, com uma pedra vermelha no peito.
Ele se aproximou do computador e colocou a foto em uma mesa e usou a habilidade scanner em uma superfície do computador, passando os dados para o computador, e começou a digitar, tentando buscar informações. Dez minutos depois, ele havia conseguido as informações que precisava, e encostou as mãos na longa mesa prateada.


- Não pode ser. - Murmurou ele para si mesmo


Manley entrou no laboratório com uma bandeja com comida e suco. O patrulheiro olhou para ele.


- Senhor, trouxe uma comida para você.


- Agradeço Manley. Mas estou de saída.


- Aonde o senhor vai?


- Achei informações de quem pode estar com o protótipo. Vou atrás dele agora.


- Cuidado senhor.


- Eu tenho. Não se preocupe.


Em outro local da cidade. Savannah tinha entrado no apartamento, enquanto Doon esperava por ela sorrindo. Ela estranhou sua reação já que ele não era de sorrir e fechou a porta.


- Por que está desse jeito?


- Eu consegui. Fiz algo que você foi incapaz de fazer. - Sorriu Donn mostrando o protótipo na mão


- Você o conseguiu! Bom trabalho, até que você não é totalmente inútil.


- Não. Ao contrario de você, fui capaz de fazer algo que você não conseguiu. Você não levará credito por isso. Já vou avisando.


- Se é tão importante assim ter créditos, fique a vontade.


Savannah se virou de costas, porem ela arregalou os olhos ficando surpresa. Ela sentiu algo e olhou para a janela. E se escondeu na cozinha.
- Inúteis como você não merecem créditos.


De repente a janela do apartamento se quebrou, e o patrulheiro voando socou Donn tao forte que ele voou fora do apartamento pela janela batendo na arvore. O patrulheiro foi até ele.


- Devolva o que você roubou.


Donn se levantou e quatro tentáculos metalizados saíram do sobretudo. Ele mordeu os lábios olhando para o patrulheiro.
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...