História Hey, eu acho que o SeHun é gay! - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lu Han, Sehun
Tags Chanbaek, Chanhun, Chankai, Chansoo, Exo, Kaisoo, Yaoi
Visualizações 357
Palavras 2.511
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oin :')

demorei neh, pois é, e o capítulo ainda tá muito ruim e aleatório POKIJUHYGTFHJKLÇ

nem era pra eu estar postando agr :v eu queria estar hidratando o cabelo, mas mamain ocupou o banheiro, então cá estou eu asoidnuojpk

desculpa os erros ai e pá :v

Capítulo 33 - Capítulo 32 - Tenho certeza que o SeHun é gay


 

Capítulo 32 – Tenho certeza que o SeHun é gay

 

– Tem certeza que pegou tudo, amor? – Perguntei dobrando o cobertorzinho do SeHun, colocando ele no meu ombro. E o ser antes citado estava sentado em cima da própria mala, tentando fechá-la.

– Tenho. – Ele tentava a todo custo puxar o zíper, mas parecia emperrado. E como o bom namorado que eu sou, fui lá ajudar, né. – Eu acho que tem roupas suas nas minhas coisas, minha mala não estava tão cheia, Channie.

– Isso é porque suas roupas estão todas jogadas ai dentro. – Fiquei entre suas pernas, passando meus braços pela sua cintura, para enfiam chegar no zíper atrás dele. Demorei? Demorei, mas puxei aquela porra e fechei aquela mala. – Eu ganho um beijo, Hun? Eu fechei a mala, eu acho que mereço.

– O Chen vai xingar a gente se demorarmos. Ele, o MinSeok Hyung e o JoonMyeon Hyung já estão esperando no carro.

– É? E eu não ligo nenhum pouquinho pra isso. Ainda mais se você fica exibindo essa boca gostosa. – Aproximei nossos rostos, e como aquele porra ‘tava sorrindo, tirei uma das minhas mãos da cintura dele pra poder apertar aquela carinha toda, pra fazer ele fechar aquela boca com um biquinho.

– Voxê mi aperxo muto, Hyung. – Ele tentou falar manhoso, mas eu só me limitei a rir, logo encostando nossos lábios demoradamente. SeHun era todinho macio, eu ainda conseguia me surpreender.

– Eu gosto de apertar você. – Sussurrei ainda rente a pele dele, sorrindo ainda mais vendo aquela carinha linda ficar ainda mais vermelha.

– Aish, você me coisa. – SeHun bateu as mãozinhas contra o meu peito, me empurrando levemente, o que me fez rir, já que esse piranho todo encabulado era a coisinha mais fofa e engraçadinha da vida. – Vamos logo, Hyung. – Saiu de cima da mala, logo a colocando no chão e puxando sua alça.

Revirei os olhos, eu queria mesmo ficar ali com ele, mas como nada na minha vida dá certo, só peguei minhas palas e fui para fora do quarto. E ai simplesmente um bagulhão parou do meu lado. E não era um bagulhão qualquer.

Era o BaekHyun.

Mas não era apenas o BaekHyun.

O menino ‘tava sendo sugado pelo Lu Han. E não vou negar, fiquei surpreso.

BaekHyun estava sendo prensado na parede, e o chinês atacava ele, fazendo uns barulhos molhados pornô. Baek até gemia. Estou chocado. Que nem aquela musica que o refrão repete tananana SHOOK!

– Nossa, BaekHyun virou rola pra você querer enfiar ele na sua traqueia, Lu Han? – Falei bem venenoso mesmo, porque eu sou ruim, mas eu estava feliz por eles. Lu Han fazia bem para o Baek e vice-versa.

– Cala a boca, Park. – Mustafá resmungou entre o beijo nojento deles, era bem nojentão mesmo, cheio de baba, e mãos bobas nas bundas e se pá eles tinham até dado umas batidas de dentes doídas.

– Ui, tá bom. Lu Han? ‘Tô fora. Pego meu SeHun e vou embora. – E eu teria pegado o menino pela mão e andado com ele para fora da casa, assim como uma mãe que pega sua prole que mal sabe andar e a leva para passear; se eu não estivesse com as minhas mãozinhas ocupadas.

Mas ele entendeu que era para vir comigo.

Telepatia entre casal.

 

Nós finalmente saímos da casa, encontramos KyungSoo e JoonMyeon encaixando as malas no porta malas da vã, já JongDae e MinSeok estavam conversandoencostados no carro, quer dizer, Chen estava conversando, porque o bibliotecário gostosinho só escutava tudo sem abrir a boca.

Pareciam até minha mãe e meu pai conversando. Meu pai fala pelos cotovelos, é notório, né.

E JongIn.... Bom, aquele puto ‘tava parado ali na porta, abraçando um travesseiro, com as roupas amarrotadas e o cabelo bagunçado, ele estava cagado de sono. Eu só não sabia porque merdas ele insistia em ficar paradão ali. Mas, assim né, do JongIn eu não espero outro tipo de atitudes.

– Vai dormir, manguaça. – Dei um tapa naquela bunda bem trabalhada, assustando aquele porra, que se tremeu todinho. Hunnie começou a rir e ele a resmungar.

– Eu quero esperar o Soo, ele e o Hyung não sabem enfiar as coisas dentro do carro. Cadê o Lu Han? Só ele faz as coisas direito pelo visto.

– Lu Han ‘tá comendo o BaekHyun literalmente, então vai demorar um pouquinho para ele sair de lá de dentro. – Respondi tomando frente, rumando para o carro, sendo seguido pelo menino Oh.  – Vocês precisam de ajuda?

– Não, estamos quase acabando, só faltam as minhas malas e as suas e as do SeHun. Lu Han foi pegar travesseiros e até agora não voltou. Aconteceu alguma coisa? – Soo disse pegando a mala do Hunnie, e o professor empinava aquela bunda sensual enquanto se curvava para dentro do porta-malas.

Viado do céu, que homão.

Tá, eu sei que eu sou compromissado.

Mas eu não sou cego.

O espirito de piranha ainda está dentro de mim.

– BaekHyun aconteceu. – Dei de ombros, deixando minhas coisas ali. – Manda seu macho ir dormir, eu ‘tô ficando com dó do Kai.

– Eu falei pra ele ir dormir, mas ele insistiu em me esperar. – Não é que eu achasse que KyungSoo tinha dado um sorrisinho, mas ele deu. E foi um daqueles  sorrisinhos apaixonados bem escrotos.

– JongInnie é fofo. – SeHunnie disse, abraçando meu braço, e encostando o rostinho no meu ombro. Coisa que ele fazia bem usualmente sim. E eu adoro. Porque né, meu bebê querendo carinho é a coisa mais linda que existe.

– É mesmo. – O olhudo concordou cheio daquele ar... Amoroso. Que era um pouco estranho vindo dele. Talvez eu não me acostumasse tão facilmente, mas era bem bonitinho sim. – Saeng, entre no carro, hn? Não precisa ficar ai de pé.

Eu até achei que ele estivesse falando comigo, mas claro que ele não seria tão carinhoso se a fala fosse dirigida a mim. Pau no cu do caralho.

Já deu pra ver que meu humor não está lá muito bom.

Eu, sei lá... Ás vezes as pessoas acordam putassas, né? Mas no fundo, no fundo, eu sabia que estava irritado porque as noites dormindo ao lado do meu homem terminaram. Bom, não exatamente, mas, eu gostei do que o feriado na casa de praia do Mustafá se tornou.

Era como se eu pudesse sentir um gostinho de um futuro com ele. Como se SeHun e eu pudéssemos constituir uma família feliz. Eu sei que, porra eu sou jovem pra caralho, mas isso não quer dizer que eu não tenha planos para o futuro. E eu gostaria muito que o Hunnie fosse parte do meu futuro. Porra de pessoa perfeita.

E eu vou dar tudo de mim para fazer ele feliz. E tentar fazer com que ele faça parte do que eu quero construir.

Caralho, eu vou ficar choroso.

– Channie Hyung vamos para o carro? – SeHunnie puxou a barra da minha camiseta, fazendo aquela carinha de bebê com fome, o que me amoleceu todinho porque eu não sou de ferro. – Eu quero carinho, Hyung.

– Então quer que eu vá com você só pra receber carinho? Que namorado mais interesseiro. – Sorri levemente, tomando sua mão na minha, apertando todos aqueles dedinhos magrelos. Demos a volta na vã para então entrarmos no carro, e já que éramos os primeiros a entrar, fomos direto para o fundão.

Porque, todo mundo sabe, que é no fundão que as putarias acontecem.

Até porque todo mundo já  foi em excursão com a escola, não é mesmo? E é lá onde os boquetes e as mãos na bunda passam a ser encarados como atos usuais.

Pois é.

Aconteceu comigo, e uma hora acontece com todos.

Assim que me sentei, tirei o corbertorzinho que cheirava a talco do meu ombro e joguei o pedaço de pano em cima dele, ele que do nada, mesmo, se enrolou naquilo e começou se esfregar em mim, Ai fiquei de cara, porque né, não é sempre que um macho desses esfrega a cara em mim.

– Carinho, Channie, carinho.

Ata po, tem que ser mais especifico com o que você quer, querido, eu lá tenho cara de adivinho?

–  Eu entendi, seu provocador. ‘Tá me achando com cara de sonso? Eu não sou o JongIn, não. – Falei bem cínico, porque eu sou venenoso e não posso passar mais de dez minutos sem ofender ninguém. – Muito pelo contrário. – Toquei sua mandíbula com ambas mãos, mantendo seu rosto na altura do meu, bem posicionadinho onde eu queria que estivesse. – Eu sou muito espertinho, hn?

Os olhinhos da criatura praticamente me engoliam, SeHun tinha os olhos bastante puxados, mas naquele momento eles ficaram esbugalhados, bem bonitinho, e ai, devagar, juntei nossas bocas. Foi só um selinho que demorou demais, mas foi o bastante para o corpo dele relaxar e ficar todo molinho pra mim. Eu deixo as pessoas moles, fazer o quê.

– Vocês vão se comer na cara de pau mesmo? – JongDae entrou no carro, nos olhando pelo retrovisor já que ele estava nos bancos da frente. Ai virou festinha e todo mundo resolveu entrar no carro pra empatar os beijos que eu ia continuar dando na boca gostosa do meu homem.

– Você que é cara de pau, vai tomar vergonha nessa sua cara, seu rato molhado. – Resmunguei, me aconchegando no banco.

– Está irritado, amor? – SeHunnie colocou a mãozinha no meu rosto, fazendo carinho na minha bochecha, ele faz carinhos muito bons. – Eu prometo que quando chegarmos eu cassa eu vou com você comprar hambúrguer, e ai vamos beijar bastante no banheiro.

Olha esse menino que afrontoso, ‘tá me sugerindo pega no banheiro! Onde é que ele aprendeu essas coisas? Rs. Isso não foi uma reclamação, de forma alguma. Até porque se tiver incluído uns beijo, é só mandar que eu faço. Claro, se você for Oh SeHun.

Então, o menino se escorou em mim e assim ficou durante boa parte da viagem. Eu detesto ficar na mesma posição por muito tempo, mas por ele eu fiquei, achando inocentemente, que meu loiro estava dormindo. Tive que aguentar calado, KyungSoo e JongIn no banco da frente cheios de “mimimi”, “eu amo você mais, bebê” e risadinhas e BaekHyun e Lu Han se entreolhando daquele jeito esquisito, como se estivessem transando pelo olhar. E pelo jeito que sorriam, ‘tava rolando uma discreta mão no saco ali.

Já havíamos adentrado a cidade, eu estava bastante concentrado em olhar a paisagem para ignorar os apelos sexuais acontecendo dentro do veículo, porém, a voz doce e rouquinha me tirou da foça.

– Channie Hyung, eu estive pensando nisso faz um tempo... Sabe... Sobre te apresentar para os meus pais. – Assim que escutei a criatura citando os pais meus olhos esbugalharam, o sangue gelou, o coração parou de bater, o cu trancou. Ele citou os não citáveis. Hun era algo como “seus pais são top, meus pais? O que tenho a ver?” Todos estavam tão atolados nos próprios relacionamentos e conversas, quem nem escutaram. – Eu sei que eu não falo muito deles, mas é porque eu não acho justo eu conhecer os seus pais e você não conhecer os meus. Eu não quero que você sinta que eu tenho vergonha de você.

– Bebê, não precisa, família é um negócio difícil, eu não sei o que está acontecendo, mas se for melhor não contar, não conte.

– Não, Chan, eu quero. Escuta, a minha família é muito tradicional, eu nunca tentei conversar com eles sobre isso, e eu sei que eu sou muito novo, que contar pode fazer a minha vida virar de cabeça para baixo, meu te amo tanto, Channie... E-eu q-quero que saibam que e-eu te amo muito, q-que eu namoro com você, e-e que eu te quero comigo p-pra sempre. – A cada palavra que pronunciada, ficava mais emcabuladinho, nem ao menos conseguia olhar para mim.

– Eu também te amo muito, Hunnie. – Passei meus dedos pelo seu pescoço, virando meu troco para ficar de frente para ele. – Se acontecer algo ruim, o Hyung vai cuidar de você, minha casa pode te receber, hn? Se você acha que agora é o momento pra contar, então eu te apoio. – O fitei profundamente, as orbes escuras devolviam o olhar, então selei seus lábios gordinhos, tão gostosinhos que me deixavam tonto. Eu sou completamente tonto pelo SeHun.

 

 

 

 

Nos despedimos do pessoal e agradecemos rapidamente MinSeok-ssi por ter nos ajudado a tirar as malas do porta-malas, já falei que ele é educadinho, né? Uma gracinha esse Hyung.

– Eu queria segurar a sua mão, mas você está cheio de malas pra carregar. – SeHunnie fez um biquinho emburrado, tomando frente, seguindo para a porta de sua casa.

– Me desculpa se eu gosto de ter uma variedade de roupas e estar preparado para tudo. – Revirei os olhos,  seguindo o ser. 

Hun girara a maçaneta, abrindo a porta para entrarmos. Ele pediu para que eu deixasse as minhas malas no hall de entrada , ele fez o mesmo; tiramos os sapatos e adentramos o lugar. A sala de estar era bastantes espaçosa e clara, cheia de vasos decorativos de aparência cara e fotos da família. No sofá de couro branco, uma mulher baixinha e pálida, com cabelos longos e negros, tomava uma xicara de chá. Um homem extremamente parecido com SeHun (porém com trinta anos a mais) estava sentado sobre as panturrilhas no meio da sala, usando um hanbok, treinava a caligrafia bastante concentrado no que fazia. E assim que notou nossa presença, soltou o pincel e nos encarou. E a mulher também.

– SeHunnie, eu estava com saudade. Um filho não pode ficar longe da mãe por tanto tempo assim. – Senhora Oh levantou, colocando a xícara na mesa de centro, para ir abraçar a prole envergonhada que ela tinha.

– As crianças um dia saem debaixo das asas da mãe, não se prenda a isso, JinHee. – O SeHun trinta anos a mais disse humorado. – Quem é seu amigo? Ele é bem alto, não? Vocês praticam esportes juntos?

– Papai, o senhor sabe que eu sou muito magrelo, não sirvo pra isso. Esse é o ChanYeol. – Me deu um leve empurrão, e nisso eu me curvei, botando um sorriso fodido na cara.

– Vocês são amigos? ChanYeol-ah é um menino lindo! – JinHee sorria toda alegre pra mim, e é claro que eu sou bonito, eu sei disso, eu tenho um espelho.

– E-então, m-mamãe... É-é sobre isso q-que e-eu quero falar. – Hunnie começou, e eu sabia que ele teria dificuldade em terminar. Ai olhou pra mim desesperado, tremendo de nervoso, como se eu pudesse ajudar! – O C-chan é m-meu... M-meu... M-me-meu...!

– Seu o que, querido? Pode falar. – A mulher sorria gentil, mas eu sabia que ela provavelmente não manteria essa gentileza toda ao saber.

SeHun puxou oxigênio para seus pulmões e então soltou. – E-ele é meu namorado!

– S-seu o quê? – Ambos mais velhos questionaram e Hunnie praticamente entrou em modo defesa, já estava prontinho pra se encolher ali e começar a chorar.

Antes que algo acontecesse, eu criei coragem, e pela primeira vez na minha, tentei tomar as rédeas da situação em que a situação não fosse um barraco.

– Então, Senhora e Senhor Oh... – Dei de ombros, falando como quem não queria nada. – Eu acho que o SeHun é gay. 

 

Não... Definitivamente... SeHun é gay.

Fim. 


Notas Finais


Agora, tenham paciência pra ler isso, genteney

eu comecei essa fic, inspirada por uma fic (eu tentei mesmo achar a fic, mas eu n to achando aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa), na época eu só tinha lido o primeiro cap e era o chan falando e falando de forma muito aleatória sobre a vida dele, e eu gostei muito da forma que a escritora fazia aquilo e eu fiquei tipo "porra, eu vou fazer umas coisa aleatória tb, pq eu n sou original" POIUYTFRYGUHIOP grrr kjkjkj cada k é uma lágrima, cada j um soluço
mas ai conforme eu ia escrevendo, eu consegui desenvolver um negócio muito espontâneo e muito aleatório, que acabou virando um enredo decente JHGFGHJKL DECENTEU EU ACHO


e eu acho que dá pra aprender um pouquinho com cada personagem, pq de tudo dá pra tirar lição né, mesmo que n tenha sido exatamente a minha intenção. Com o Chan é: larga a mão de ser trouxa, pq quando o cara n te quer, n adianta ficar insistindo e lambendo o saco, isso n tá :vv Com o Hunnie é: se declarar pode dar certo gente, às vezes, falar pra aquelx cheguinhx pode ser a melhor opção, mesmo que as chances de dar merda sejam grandes DKEIFNIOPK´LPCom o Baek o negócio é mais sério, acontece que eu nunca vi um relacionamento abusivo de perto, e no caso do Baek, além de gostar do Kris, ele achava o Fan muito pra ele, porque ele se sentia inferior e desmerecedor. Se sentia tão inferior que mesmo sabendo que o que o Fan fazia era errado, ele deixava como se pudesse suportar tudo pra ter alguém "superior" consigo. Não deixem esse tipo de coisa acontecer com vo6, e se estão em um relacionamento assim, por favor, saibam que vocês são pessoas incríveis, que merecem ser felizes, então não deixem nenhum desgraçadinhx te puxar pra baixo e te impedir de ser topezera. Lembrando aqui, que acontece vários tipos de violência dentro de um relacionamento abusivo, pesquisem por favor e se mantenham a par das paradas todas, porque ninguém merece sofrer por causa de alguém que deveria trazer felicidade.
Com o Kai é, gente, se você gosta de pintinho, de ppkinha, se gosta dos dois, ou se n gosta de nenhum e n quer se aceitar, please stop bitch. Eu entendo que sexualidade envolve uma caralhada de fatores externos, mas não minta pra vocês mesmx. Se aceitar, seja relacionado a qualquer coisa, é importante, ser você mesmo (a) é lindo.
Com o Soo é: ultrapassar as barreiras da amizade pode ser bom, gentinei. Lembrando aqui, que relacionamentos amorosos que começaram com uma amizade duram mais. Principalmente se você nutrir um sentimento forte pela pessoa.
E com o LuHannie é: paciência. POIJUHYGTFRYGUHIJKOPL
e sobre o Kris... Não seja o Kris.


eu quero agradecer a todo mundo que leu e comentou, eu queria poder citar todo mundo que comentou com frequência, que me deixaram realmente feliz quando eu tava meio merda, mas eu acho que n seria justo JKHBJIOKPL e também é um paco de gente. Mas quem é importantinho, sabe que é. Obrigada mesmo. Mesmo mesmo mesmo, muitão.

n sei se eu to fazendo drama, mas é q essa fic é realmente importante, minha segunda longfic e com o duplo ou triplo (?) de favs da primeira, estamos quase nos 600+ e como escritora é algo aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa sabe?

e eu espero que possam me acompanhar em projetos futuros <3
atualmente eu tenho 2 fics em andamento, nada muito complexas

Essa é ChanBaek fluffy ---> https://spiritfanfics.com/historia/como-cao-e-gato-10806629
E essa geral sabe ---> https://spiritfanfics.com/historia/nunca-deveria-ter-saido-da-china-8249785

e eu tb postei essa one kaibaek, q provavelmente vai ter um extra ---> https://spiritfanfics.com/historia/slow-down-10877145

por fa, deem uma olhadinha

brigadona quem acompanhou a fic durante esses 8 meses acho kljhgftvhj :vv e quem passou a acompanhar depois, brigada por todas as views, coments e favoritos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...