História Hi, Im Liv - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chandler Riggs, Dove Cameron, Lauren Cohan, Sabrina Carpenter
Exibições 163
Palavras 2.672
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 14 - So I want you


Fanfic / Fanfiction Hi, Im Liv - Capítulo 14 - So I want you

_Desculpa. –ele falou e eu o olhei. _Eu só acho que você deveria ter me conhecido antes de eu ser essa pessoa que eu sou. Iria gostar mais de mim.

_Não peça. Eu gosto de você como você é. –eu disse. _E você pode dizer quantas vezes quiser que eu mereça alguém melhor que você, mas eu começo a achar que o melhor para mim é você. Todos nós temos defeitos Tyler. Só precisamos achar alguém que os aceite. –eu o afastei de mim e me curvei para pegar minha bolsa jogada no chão. _Acho que o sidewalk fica para depois. –eu sai andando e ele me acompanhou com o olhar provavelmente pensando no que eu havia falado.

Quando eu cheguei em casa eu fui direto para o meu quarto. Peguei meu celular olhando as horas e mandei uma mensagem para a Riley.

*Hey pode falar? Precisamos conversar. Tyler me beijou. *

*Sério? Explica. *

*Não tem nada para explicar. Ele me beijou em frente aos garotos do futebol e eu disse algumas coisas. Eu falei que eu posso estar gostando dele.*

*Ahhh eu sabia!!  Passo ai daqui meia hora. *

Eu visualizei sua mensagem e me deitei na cama. Eu olhei o papel da dieta e a porta do meu quarto foi aberta. Eu olhei meu pai entrando com uma bandeja e sorrindo para mim.

_Oi. –ele falou.

_Oi. –eu disse. Ele me entregou e eu comecei a comer o bolo de chocolate e morango.

_Eai como foi o treino? –ele perguntou.

_Normal. Não teve nada de mais. –eu disse e ele assentiu. _Eu e sua mãe vamos sair, quer alguma coisa?

_Não, eu acho que não. Qualquer coisa eu ligo. –ele sorriu e saiu andando. _Ei pai. –ele me olhou esperando eu continuar. _A Riley vai vir aqui daqui a pouco ok?

_Tudo bem. –ele saiu do quarto e eu terminei de comer o bolo. Eu fiquei sentada na cama me lembrando da treinadora. É estranho falar, mas aquele papo dela de dieta ficava batendo na minha cabeça igual ao da líder de torcida. Eu tirei minha blusa e fiquei de sutiã. Eu fiquei de frente para o espelho me analisando e logo depois eu fiquei de lado. É, eu estava mesmo precisando perder uns quilinhos. Isso não faria mal, acho que nem daria tanta diferença. Eu olhei a tigela onde estava o bolo e logo me senti culpada de ter o comido. Eu caminhei ate o banheiro e respirei fundo. Eu coloquei meu cabelo para trás da orelha e comecei a pensar se eu deveria ou não fazer isso. Se isso seria certo e traria resultados bons para mim ou se fosse só piorar tudo. Eu levantei a tampa do vaso sanitário e me ajoelhei ao lado dele. Eu fechei meus olhos com força e abri a minha boca.  Eu enfiei meus dedos na boca sentindo meu coração batendo contra o meu peito. Eu o forcei contra a minha garganta e comecei a vomitar em seguida. Eu tossi sentindo minha respiração ofegante e logo me arrependi de ter feito isso. Mas que droga eu estava fazendo. Meu estomago embrulhava e meu esôfago parecia estar queimando. Eu tinha que me concentrar. Depois de amanhã eram as competições. Eu me levantei dando descarga e escovei meus dentes por estar sentindo um gosto horrível na boca.

_Liv cheguei! –Riley gritou do andar debaixo e eu ouvi a mesma conversando com Thomas. Eu apressei e sai correndo do banheiro pulando na cama e pegando meu celular fingindo estar mexendo nele. Ela entrou no quarto sorrindo e com uma caixa do sidewalk. _E então pode começar a contar sis. Eu ate trouxe alguns cupcakes para comermos, eu sei que você adora eles. –ela se sentou na cama e eu sorri de lado olhando para a caixa.

_Ahw...pode comer você, eu não vou querê-los. –ela me olhou com uma cara estranha e revirou os olhos.

_O que o beijo do Tyler fez com você hein sua safada? Você esta recusando os maravilhosos cupcakes e você esta bem pálida. –ela falou s encostando na parede e abrindo a caixa. Eu olhei o bolinho com chantilly e calda de chocolate e acabei pegando um.

_Ok. Eu não sei o que eu faço. –falei começando a comer e me encostando do lado dela. _EU acho que eu não estou começando a gostar dele, eu acho que eu já gosto dele.

_Altas revelações, mas sinto em te dizer que eu já sabia disso. Ate o Zay comentou algo parecido comigo e com o Alex. –ela falou mordendo o bolinho de chocolate com calda de morango e eu amassei o papel depois que eu terminei de comer.

_Eu acho que eu estou surtando. Ainda tem as competições depois de amanhã. –eu falei pegando outro e comendo. _O que acha que eu devo fazer?

_Em relação ao Tyler ou as competições? –ela perguntou me olhando enquanto eu mastigava.

_Aos dois? –eu perguntei.

_Bom, em relação as competições todos nós sabemos que você vai dar o seu melhor. –ela falou. _E pode ficar bem calma, tem outras daqui um mês. E em relação ao Tyler... tentem fazer dar certo.

_Acho que ele não me quer. –eu disse. _Acho que ele é do tipo sou pegador e vou ser ate morrer. –ela começou a rir e eu ri em seguida. _Isso não tem graça.

_Ah tem sim.

_Riley! –eu falei. _Ele não vai mudar por causa de mim.

_Bom, ele pode ser um dos 2% dos caras que mudam por causa das garotas. E você nem sabe se ele gosta ou não de você. Você nem pergunta para saber não adianta ficar dando a louca. –ela disse e eu assenti.

_Ok, não vou dar mais a louca. –eu falei.

_Promete?

_Prometo. –eu falei.

_Legal, agora vamos continuar falando da vida dos outros e continuar comendo esses cupcakes.

_Ok.

_Amanhã, eu vou roubar mais desses para nós. Minha mãe provavelmente vai me matar, mas meu pai vai acabar entrando no meio para me proteger. Ele sempre faz isso.

_É, acho que é bem parecido com o meu. –eu disse. _Esse ano esta sendo parecido com o que você planejou? –ela me olhou pensando um pouco e passando a língua provavelmente nos dentes sujos de chocolate.

_Não. –ela disse e eu a olhei.

_Não? Nenhum pouco?

_Não. Acho que esta sendo melhor. –ela falou. _Olha só para nós. Temos outros quatro amigos incríveis. O Alex finalmente entrou para uma banda. Você compete no time de ginástica da escola e eu entrei para o lacross finalmente.

_É, esta dando certo para nós. –eu disse e ela assentiu. Eu ri e ela riu em seguida enquanto eu ligava TV. _Acha que o Alex vai nos matar por ele não estar aqui?

_Ah, com certeza vou. –Alex falou entrando pela janela e eu e Riley arregalamos nossos olhos. _Não estão ouvindo a campanhia não? –ele pulou a bay window e veio caminhando em nossa direção. Ele se sentou entre nós três e pegou a caixa de cupcakes. _Estavam falando de que?

_De você. –Riley disse e ele a olhou.

_Mentira, estávamos falando desse ano e como as coisas vão. –eu falei. _Ah e eu gosto do Tyler e ele me beijou hoje no estacionamento.

_Wow! –ele disse começando a comer. _Eu já me perguntava quando você ia admitir isso. –ele falou e eu acertei um tapa no seu braço.

_Fica quieto Alex. –eu falei.

_Nossa...magoou. –ele soltou e depois riu. _Mas eu também tenho uma novidade. Adivinhem quem me chamou no Skype querendo “forçar amizade”?-eu e Riley nos entreolhamos e eu franzi o cenho.

_Quem? –perguntamos juntas.

_Megan ambulante. –ele respondeu e eu arregalei meus olhos.

_Está brincando?! –eu perguntei e ele negou.

_Não. Ela esta atrás de mim agora, parece que ela desencalhou do Tyler depois do fora que ele deu nela. –ele respondeu.

_Ahh mas você não vai ficar com ela! Nem morto! –Riley disse.

_Ficou louca?! Estamos falando da Megan ambulante. Ela é gata mas...cara que nojo. –ele disse fazendo uma careta.

_Ah meu deus, me traumatizou em pensar em vocês dois juntos. Imagina os filhos, nasceriam horríveis. –eu disse.

_Ah obrigado Olívia Riggs Hale. –ele falou sério.

_Mas, pensa só. –eu disse e ele se arrepiou.

_Credo. –ele e Riley falaram juntos.

_Dá um fora nela. –Riley disse. _Na minha frente. Eu preciso arranjar outra coisa para rir.

_Na nossa frente. –eu disse apontando para mim e depois para ela. _Eu quero ver a cara que ela vai fazer.

_Vocês não são sentimentais sabiam.

_Alex shhh.. estamos falando da Megan. –eu disse. _Não estou acreditando.

_Deus nos livre. –Riley falou e nós começamos a rir.

**

Na hora do jantar, eu estava sentada se frente para a minha mãe e Thomas de frente para o meu pai. Eu mexia no macarrão com molho e comia apenas a salada.

_Como foi o dia de vocês? –minha mãe perguntou cortando o silencio.

_Normal. –eu falei sem tirar os olhos do prato. _Treinei ate mais tarde e só.

_Tenho certeza que vai ser sair bem. –ela disse e eu a olhei sorrindo sem mostrar os dentes.

_Bom, hoje eu terminei as gravações daquele filme. –meu pai começou. _E o filho do Robert me ligou, ele quer regravar The Walking Dead.

_Tá falando sério?! –Thomas perguntou super animado.

_É, e quer você como o Carl. –ele respondeu enquanto Thomas não se agüentava de felicidade.

_E você vai participar também? –minha mãe perguntou o olhando sorrindo.

_Vou, só que dessa vez eu vou ser o Rick. –meu pai disse e ele e Thomas fizeram um toquinho. _Somos os Grimes agora.

_Ah isso é incrível. Não estou acreditando.

_Uhuull maravilhoso. –eu disse fingindo empolgação e minha mãe me chutou debaixo da mesa. _Ai mãe!

_Shh. –ela disse. _Parabéns para vocês dois. A série vai ficar ainda melhor.

_Já no meu dia, eu descobri que Jennie Lewes me ama. E ela me ama porque eu sou inteligente. Ou seja, foi um ótimo um dia. E ela foi bem clara quando falou que me ama, agora só falta eu corresponder, o que vai ser brevemente.

_Você é muito novo para namorar Thomas. –minha mãe disse.

_Ah não, tudo bem, ele pode namorar quem ele quiser. –meu pai disse.

_Eu também? –eu perguntei.

_Eu não disse isso. Não precisa se empolgar. –meu pai falou franzindo a testa.

_É, claro que você pode meu bem. –minha mãe falou e meu pai revirou os olhos.

_Eu gosto do Tyler. –eu falei e meu pai começou a tossir tentando puxar o ar. Meu irmão me olhava de olhos arregalados e minha mãe abria um de seus maiores sorrisos.

_O que? –meu pai perguntou com o rosto vermelho tentando recuperar o ar.

_Eu gosto dele mais do que como amigo. –eu disse. Meu irmão pegou o copo de suco e bebeu um gole se encolhendo na cadeira esperando a reação dos meus pais.

_Filha isso é lindo. –minha mãe disse.

_Isso é o inferno! –meu pai falou e minha mãe olhou brava para ele fazendo o mesmo se calar. _Isso é maravilhoso, eu quero dizer. Uau. Grande noticia, encantadora, esplendida. –meu irmão riu e eu o acompanhei.

_Bom, eu vou dormir, tenho que acordar cedo amanhã. –eu disse me levantando da mesa.

_Você quase não comeu nada. –minha mãe disse apontando para o meu prato.

_Não estou com muita fome. Boa noite. –eu me despedi deles enquanto via Thomas pegando o meu prato e comendo. Eu subi as escadas e entrei no meu quarto fechando a porta atrás de mim. Eu coloquei meu pijama e escovei meus dentes. Fiz um coque no meu cabelo e apaguei a luz do quarto caminhando lentamente ate a cama. Eu me sentei e me cobri sentindo meu celular vibrar debaixo do meu travesseiro. Eu o peguei e vi uma mensagem de Tyler.

*Está acordada?*

*Estou.* -eu digitei e enviei. Ele visualizou e demorou apenas alguns segundos para eu ver que ele digitava alguma coisa.

*Eu pensei no que você disse hoje mais cedo. * -ele mandou enquanto meu quarto era iluminado pela luz do celular.

*E?*

*E que eu não sei o que eu faço da minha vida. * -ele mandou e eu revirei os olhos.

*Bom, a vida é sua. Você faz o que quiser. * -eu mandei.

*Certo. *

*Tá.* -eu enviei.

*Tudo bem. *

*Tá bom.*

*A gente não tem tudo o quer. * -ele mandou e eu pensei o que ele queria dizer. *E eu não sei o que eu quero. *

*Me fala quando descobrir então. * -eu mandei e coloquei o celular perto do abajur ao lado da cama. Eu virei para o outro canto e abracei o travesseiro. Eu fechei meus olhos e dormi rapidamente.

**

Quando eram sete da manhã eu acordei com minha mãe batendo na porta.

_Você vai se atrasar! –ela gritou com a voz abafada pela porta fechada. Eu me sentei na cama e esfreguei meus olhos vendo o sol entrar pela janela do quarto. Eu me levantei e coloquei uma calça jeans clara, uma blusa cinza, uma blusa de frio preta por cima e calcei um par de tênis brancos. Eu fui ate o banheiro e escovei meus dentes, em seguida, penteei meu cabelo e fiz uma maquiagem simples. Peguei minha bolsa e desci as escadas passando pela sala e indo ate a cozinha.

_Aqui o seu café. –minha mãe disse apontando para o balcão enquanto Thomas já terminava o dele.

_Sabe o que é mãe? –eu comecei. _Eu não sinto muita fome de manhã. Faz meu estomago embrulhar.

_Liv, se sente e coma. Atletas não param em pé sem comida. –ela disse parando para me olhar brevemente.

_Mãe, é serio. Estou sem fome. –eu disse cruzando os braços e me encostando na parede.

_Olívia, se sente e coma. Agora. –ela falou brava e eu revirei os olhos. Eu olhei o copo de suco, as torradas recheiadas, o pão com nutella, e algumas rosquinhas de leite e olhei para minha mãe. Ela continuava me olhando dessa vez de braços cruzados esperando eu comer. Eu peguei o copo e comecei a tomar o suco. _Se continuar com essa lerdeza irá entrar só no segundo período. –eu revirei os olhos e ela arqueou uma sobrancelha. _E para com essa mania.

_Acordaram com o pé esquerdo foi? –Thomas perguntou mas logo se calou quando eu o olhei brava. Ele se levantou pegando sua pasta e saiu a arrastando. _Mande lembranças para o Tyler. –eu comecei a comer enquanto minha mãe permanecia na cozinha ate eu acabar.

_Vai ficar aqui? –eu perguntei.

_Vou. –ela disse.

_Ok. –eu mordi o pão e comecei a mastigá-lo e me levantei. Abri o armário pegando uma vasilha e coloquei as coisas de comer dentro. Eu peguei dois pacotes de bolacha recheada e enfiei dentro da minha bolsa. _Pronto, agora pode ter certeza que eu não vou ficar com fome.

_Olivia, eu disse para comer o café da manhã não para se entupir de comida. Não precisa comer isso tudo também né? Essas coisas, em grandes quantidades engordam. –ela falou e eu fiquei séria.

_Eu sei. Agora, eu preciso ir. Antes que eu me atrase. –eu me despedi dela e caminhei ate o carro.

**

Quando chegamos na escola, eu desci batendo a porta e fui caminhando ate a entrada. Eu subi as escadas e empurrei a porta azul trombando com Tyler que saia.

_Whoa! –ele disse e sorriu. _Bom-dia.

_Bom-dia. –eu disse passando por ele enquanto o mesmo vinha atrás de mim.

_Sabe o que eu descobri? –ele perguntou enquanto eu abria meu armário e enfiava minha bolsa nele.

_O que? –eu perguntei sem muita empolgação enquanto pegava meu livro de literatura.

_Eu descobri o que fazer. –ele respondeu.

_Da sua vida? –ele assentiu e eu o olhei. _Então... o quer?

_Você. –ele falou e eu parei. _Eu quero você. –eu sorri sem mostrar os dentes enquanto ele dava um de seus melhores sorrisos. _Vou ter o que eu quero? –eu assenti com a cabeça e sorri.


Notas Finais


Comentem ;) O que acham dessa história da Liv estar fazendo isso hein??? xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...