História Hidden Secrets - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Lana Parrilla, Once Upon a Time, Sean Maguire
Personagens Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood
Tags Capitainswan, Ouat, Outlaw Queen, Outlawqueen, Regina Mills, Reginamills, Robin Hood, Robinhood, Snowing
Exibições 261
Palavras 870
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


BOA NOITE. Não, nada de boa noite.
Pra vocês é só boa sorte mesmo.
Dedico esse capitulo extremamente polêmico pra minha queridissima Selena Gomez, aka Livia! Espero que goste e não desista de mim, teu texto vai chegar ♥
Ok, chega. Boa sorte e boa leitura "proceis"
(Escutem a musica pra dar aquele 'tchan'. Link nas notas finais)
Beijos de luz - xx
@hiddwnsecrets

Capítulo 17 - XVI - Robin?


Fanfic / Fanfiction Hidden Secrets - Capítulo 17 - XVI - Robin?

 

 

"O guerreiro conhece o silêncio que antecipa o combate importante"
Paulo Coelho

 

 

Audiomachine - Being Alive

 

– Robin. – Chamou, ao montar em seu cavalo. Os soldados iam a pé, mas Killian e Robin de cavalo, ambos negros. – Essa não é a batalha que havíamos planejado, e nós estamos esperando por Merlin e por David, lembre-se disso.

– O que quer que eu faça, entregue a coroa? – Perguntou, esperando o exercito avançar a sua frente para poder passar. Os soldados abriam frente para a cavalaria.

– Não, seu idiota. Mas se for uma armadilha, se ele não estiver lá, nós vamos fechar fronteira e recuar.

– Ele está lá. – Disse, pondo o capacete.

– Espero que esteja. Mas se não estiver e tu insistires, eu vou recuar com meus homens e largá-lo lá sozinho. – Avisou, pondo o capacete também. Robin não respondeu.

Esse era todo o problema da situação. Batalhas haviam, e várias, mas era como no xadrez: Apenas os peões iam, os reis eram protegidos. Uma vez que Graham estivesse dentre o exercito de ataque, Robin deveria sair do castelo e oferecer resistência. Se ele não fizesse isso, perderia. Porém, se Robin fosse derrubado em um campo de batalha onde Graham nem estava... Seria uma catástrofe.

Haviam 1.500 homens reunidos ali. Killian queria que houvesse resistência de pelo menos 2 homens seus para cada 1 de Graham. E em silencio, todos seguiram

– Onde está meu pai? – O menino estava impaciente desde que Robin saíra. – Regina, chame ele!

Mas Regina não respondeu. Tanto ela quanto Emma não diriam mais nada aquela tarde. O silencio dominava o castelo.

Ela só rezava. Rezava para que nada acontecesse a ele, para que voltasse para ela...

E as horas passavam... Passavam... O campo de batalha era o caos. Robin já sumira dentre os soldados, procurando por Graham... Matando quem passava ao seu redor. Killian não descera do cavalo, procurava como Robin, mas com os olhos.

– ARQUEIROS! – Rugiu Killian ainda olhando pro campo de batalha. Mais de 200 arcos se montaram as suas costas, esperando as ordens – AGORA!

E voaram duas centenas de flechas juntas, enegrecendo o céu por instantes. Parecia chuva. Quando atingiram seus alvos, muitos caíram. A cena era caótica. Haviam gritos, e o som do metal cortando tudo o que aparecesse. Killian permaneceu quieto, procurando novamente. Porém a verdade o açoitava juntamente com o ódio. Ele deu a ordem aos arqueiros novamente, e mais uma revoada de flechas sobrevoaram o céu.

Haviam menos homens de Graham agora. A vitória estava ao alcance das mãos. Porém...

– Ele não está aqui. Desgraçado. – Disse, fazendo o cavalo girar para olhar em volta. Não havia sinal de  Graham por ali, só soldados. Killian ergueu o braço e com um gesto deu a ordem – RECUAR! RECUAR, AGORA!

Os soldados começaram a recuar. Os arqueiros; a montar resistência na fronteira. Mas Robin não estava dentre nenhum dos dois. Também percebera que Graham não estava ali e estava furioso. Todos os que cruzavam ao seu redor terminavam por morrer. Tanto sua espada quanto sua armadura já estavam lavadas em sangue. Perdera o capacete em algum lugar, seu rosto estava livre, e era o rosto da fúria. Killian localizou Robin rapidamente: Dentre os que ainda não recuaram ele era o mais rodeado, e o que mais derrubava homens.

– ROBIN! – Rugiu, raivoso. Robin se ouviu, ignorou. – É o inferno. HOMENS, RECUAR! – Ordenou, e puxou a espada da bainha, atiçando o cavalo que foi no meio – E eu que não queria me sujar de sangue. – Rosnou consigo mesmo.

Não queria, mas se sujou. Todos aqueles que não eram seus e que passaram por seu caminho caíram. Até que ele chegou a Robin. Não havia como parar, ele estava sendo atacado. O cavalo relinchou e a espada de Killian reluziu no ar, se abatendo sobre todos os que se aproximava.

– ROBIN! – Dessa vez tinha certeza de que Robin ouvira – ELE NÃO ESTÁ AQUI, O QUE ESTÁS FAZENDO? – Não houve resposta. – Ótimo. – Disse, descendo do cavalo.

Desgraça pouca era realmente bobagem. Se um dia Graham tivera chance de ganhar essa guerra era agora. Killian e Robin estavam expostos combatendo soldados! Não podia ser melhor!

Robin matava homens porque estava com raiva, e Killian matava homens para tentar deter Robin. Quando não havia mais nenhum homem por perto, ou no raio de alcance deles, Killian agarrou Robin pela armadura.

– Tu tens sorte por eu ser piedoso e não tê-lo largado aqui. – Rosnou, raivoso – Quando eu ordenei para recuar, se aplicava a ti também. Vamos sair daqui.

Robin não disse nada, apenas se virou para sair.

Não haviam chegado ao cavalo ainda quando alguém o atacou pela costas. A espada do atacante passou pelo feche da armadura de Robin, acertando-o nas costas. Na altura do peito. Ele cambaleou, com um grunhido, e Killian se virou. Ao ver a situação, Killian tirou o próprio capacete e atirou na direção do homem que atacara Robin, e foi até ele, cravando sua espada em seu peito. Ele puxou a espada de volta, gotejando sangue, e se virou. Mas Robin já havia caído, e agora estava no chão, imóvel e com a espada cravada na lateral das costas.

Todos estavam paralisados. Killian fez sinal para que vigiassem ao seu redor enquanto se aproximava de Robin.

– Robin?


Notas Finais


https://www.youtube.com/watch?v=vH_gcp0GEbc

Espero que tenham gostado, não se esqueçam de comentar ♥
ADEUS - xx @hiddwnsecrets


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...