História Hide and Seek - Capítulo 1


Escrita por: ~

Visualizações 66
Palavras 473
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Canibalismo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Aq estamos n a minha primeira história uhuuuuuuu (Na vdd a terceira, as outras duas eu exclui mesmo :) )
Enfim boa leitura para vcs, tomare q vcs morram de medo!

Capítulo 1 - ''A Mulher Sem Expressão''


Fanfic / Fanfiction Hide and Seek - Capítulo 1 - ''A Mulher Sem Expressão''

Em 1972, uma mulher apareceu no Hospital Cedar Senai, com nada mais que longas vestes brancas sujas de sangue. Agora isso por si só n deveria ser tão surpreendente, como muitas vezes as pessoas têm acidentes nas proximidades e vão para o Hospital mais próximo para atendimento médico. Mas havia duas coisas que causaram nas pessoas que a viram tiveram náuseas e terror.

A primeira é que ela  n era exatamente ''humana''. Ela parecia algo próximo ao manequim, mas teve a destreza e fluides de um ser  humano normal.  Seu rosto era tão perfeito como um manequim, desprovido de sobrancelhas e coberto de algo como manequim.

Ela tinhas grandes presas entre os dentes, as mandíbulas presas tão artificial e firmemente em torno de n poder ser visto o resto dos dentes. O sangue ainda estava esguichando sobre seu vestido e escorria para o chão, Ela ​então puxou o sangue para fora da boca, jogou-o de lado e entro em colapso!

A partir do momento que ela atravessou a entrada e foi levada pra o quarto do hospital limparam-a antes da sedação, ela estava completamente calma, inexpressiva, imóvel. Os médicos acharam melhor contê-la e esperar até autoridades chegassem e ela n protestou. Eles n foram capazes de obter qualquer tipo de resposta dela e a maioria dos membros da equipe se sentiam muito desconfortáveis de olhar diretamente para ela por mais de alguns segundos. 

Mas no segundo dia tentaram seda-la, ela lutou com força extrema. Dois membros da equipe tiveram q segurá-la, Foi quando seu corpo se levantou na cama com aquela expressão, em branco.

Ela virou seus olhos sem emoção para o médico de sexo masculino e fez algo em comum. Ela sorriu.

Quando ela fez isto a médica gritou e ficou completamente em choque.

Na boca da mulher n aviam dentes humanos , mas longas presas afiadas. Muito longas para sua boca fechar completamente sem causar nenhum dano...

O médico olhou para ela por um momento antes de perguntar: ''Que diabos é vc?''

Ela rachou o pescoço até seu ombro para observá-lo. Ainda sorrindo.

Houve uma longa pausa, a Segurança foi alertada e pode ser ouvido vindo pelo corredor.

Quando ela ouviu, disparou-se para frente, afundando seus dentes na frente do pescoço do médico, rasgando sua jugular o deixando cair no chão, se engasgando com seu próprio sangue.

Ela se levantou e se inclinou sobre ele, o rosto chegando perigosamente perto de seu rosto e quando a vida desapareceu de seus olhos, ela se aproximou  e sussurrou em seu ouvido:

-- ''Eu... Sou... Deus...''

Os olhos da equipe, cheios de medo, que a observava calmamente de pé aguardando a chegada da segurança. Ela iria acabar com eles, um por um.

A médica q sobreviveu ao incidente deu a ela o nome de ''A Mulher Sem Expressão''

Nunca houve um avistamento dela novamente. 

 


Notas Finais


Sim, foi meio pequeno mas.... Enfim, amanhã ou depois vou fazer vários caps para entretê-los!
Então até a próxima... :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...