História Highway To Hell - Imagine Jackson Wang - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens Jackson
Exibições 392
Palavras 1.891
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiii amores *-*
É O PENULTIMOOOOO UHUUUUL
Espero que tenham gostado.
MAIS DE 100 FAVORITOS?? ASSIM VCS ME MATAM KKK
Me digam o que acharam ok?
Beijinhos

Capítulo 10 - Capítulo 9.


Jackson Wang

 

“Meus filhos,

Dói meu coração em ver que mesmo amando um ao outro, estejam separados. Sempre torci para que fossem felizes e sei que encontrarão a felicidade quando ficarem juntos. Devem estar se perguntando como eu sei disso, mas eu simplesmente sei. Por anos os pais de vocês vêm tentando separá-los. Sempre colocando a desculpa em mais um mudança de cidade, mas nada é capaz de separá-los e isso prova que foram feitos para ficarem juntos. Posso estar sendo equivocada. Vocês até podem ter encontrado novos parceiros ou parceiras, mas se olharem um para o outro ainda sentirão a mesma coisa que sentiam quando corriam pela fazenda juntos. Amizade, companheirismo e principalmente amor. Por isso deixo esse lugar para os dois. Para que mesmo separados, nunca se esqueçam do quanto foram felizes juntos. Do quanto se divertiam quando eram mais jovens. Quero apenas fortalecer o laço inabalável que vocês têm e que se um dia decidirem enfrentar tudo e a todos, que façam isso de cabeça erguida e cientes do meu apoio. Quero que independente de quem for os primeiros a criticarem, que unam suas mãos e olhem para cima, pois estarei olhando por vocês. Não se esqueçam de que eu os amo mais do que tudo e que sempre estarei com vocês.

Beijos, vovó.”

 

Ao final da carta, eu mal podia enxergar devido às lágrimas que se acumulavam em meus olhos. Vovó sabia de tudo e tinha certeza que ela estava feliz agora por finalmente ver _______ e eu juntos. Olhei para ela ao meu lado e também notei as lágrimas acumuladas em seus olhos. Entrelacei nossos dedos e a abracei quando ela disparou em um choro. Ela sempre foi a mais sensível.

A abracei forte tentando mostrar que estava com ela e que a partir de agora enfrentaríamos tudo juntos. Não me importava quem poderia se erguer contra nós, eu não me afastaria de ______ novamente. Esses últimos anos foram os piores da minha vida, pois a duvida me assombrou. Fui estúpido em pensar que nesse tempo todo ela estava com Jaebum, quando o mesmo já estava casado com outra. Devia tê-la procurado antes e esse é o maior dos meus arrependimentos.

- Vai ficar tudo bem. – Disse com convicção. – Agora vamos ficar bem.

 

Duas semanas Depois

 

- Jackson, precisamos correr. – _______ disse andando de um lado pro outro no meio do meu apartamento. – O bebê de Zuny não vai esperar você se arrumar para nascer. – Disse e eu ri.

- Estou terminando. – Coloquei meu sapato e corri para encontrar _________. Peguei as chaves do carro e desci pelo elevador. Corremos até o hospital onde Zuny iria dar a luz. Jay havia ligado falando que Zuny estava sentindo contrações e que a levaria para o médico. Como _______ e eu éramos padrinhos do bebê, Zuny exigiu nossa presença lá.

Aconteceu bastante coisa no meio dessas duas semanas. Uma delas era que ________ tinha vendido sua parte na empresa para seus sócios e no início dessa semana, veio para cá, pra me contar que agora ficaríamos juntos onde quer que fosse. E ela ter largado tudo foi mais do que uma prova de amor. Decidimos juntos, então, ir morar na fazenda de vovó que foi deixada para nós dois. Poderíamos cuidar dos animais e sobreviver com o dinheiro de lá. Não precisamos de empregos para isso.

Zuny e Jay tinham vindo para cá faz dois dias, pois todos nós tínhamos declarações a fazer. Zuny e Jay começaram dizendo que queriam que nós fossemos padrinhos de seu bebê. E é claro que nós concordamos. Ela ficou meio desconfiada quando viu que ______ estava morando comigo, então foi a vez de nós dois fazermos nossa declaração. Eu disse que _______ e eu estávamos juntos e ela só faltou esmagar nós dois em um abraço forte. Fiquei muito feliz por ela ter nos apoiado, mesmo nós dois sendo primos. _______ e Zuny têm estado muito amigas ultimamente, então se _____ estava feliz, ela também estava.

O casal tinha ido visitar seus pais ontem e estavam em uma pousada, mas hoje de manhã Zuny começou a sentir contrações. Como seria difícil fazer uma viajem de volta para a cidade onde moravam, Jay estava levando-a nesse momento para o hospital central. Saí depressa com ____ e depois de alguns minutos, chegamos ao hospital. Encontramos Jay inquieto na recepção e ele nos levou até o quarto de Zuny.

- Eu não quero ter esse bebê aqui. Eu preciso do meu médico. Eu quero ir pra casa. – Ela choramingava e de repente gritou sentindo mais uma contração.

- Sem condições de uma viajem agora, Zuny. – _______ disse indo para seu lado.

- O médico disse que ela está com 7 centímetros de dilatação. Mais dois e o bebê nasce. – Jay explicou.

- Vai ficar tudo bem. Respira comigo. – _____ disse incentivando Zuny a respirar.

- O médico dela não pode vir? – Perguntei baixo para Jay.

- Ia demorar de qualquer jeito, mas ele conhece o médico daqui, então vai dar tudo certo.

- Ahh! – Zuny gritou.

- Acho que está na hora. – A enfermeira disse entrando no quarto.

- Você não é paga pra achar, minha filha. Se não posso ir para casa, faça esse bebê sair de uma vez. – Zuny rosnou e eu prendi o riso.

- Ok. – A enfermeira disse sem graça. – Os dois vão ficar no quarto? – Perguntou apontando para _______ e eu.

- Sim, agora cadê o médico? – Zuny perguntou e a porta foi aberta.

- Ou, mais ajudantes. – O tal médico riu todo bem humorado.

- Minha esposa está quase dando a luz, podemos andar logo com isso? – Jay perguntou e o médico assentiu, indo para o meio das pernas de Zuny.

- Você segure a perna esquerda. – Apontou para Jay e assim ele foi para o lado de Zuny. – Você a direita. – Apontou para mim e eu engoli a seco antes de ir até ela. – E você dá o apoio moral. – Disse para _____. – Quando eu disser, você empurra com força. Vou contar até dez, então pode relaxar, entendido? – Perguntou para Zuny e ela assentiu, respirando fundo. – Agora. – Disse e a menina fez força. Jay e eu empurramos suas pernas e vi Zuny soltar uns grunhidos. - ...8, 9 e 10. Relaxa. – O médico disse e ela voltou a deitar.

- Respira, Zuny. – _____ disse limpando o suor de sua testa.

- Mais uma vez. Agora. – O médico voltou a dizer e a menina fez força novamente. – Isso, muito bem. Já posso vê-lo. Segure, Zuny. – O médico a incentivava e mesmo cansada, Zuny fazia força. Eu não queria olhar, mas quando ouvi um choro engasgado, meu olhar se voltou para as mãos do médico. – É uma menina! – O médico disse e Zuny voltou a deitar, exausta. – O pai quer cortar o cordão? – Perguntou e Jay assentiu rapidamente, pegando a tesoura. O médico entregou o bebê chorão para a enfermeira e eu mal percebi que deixava minhas lágrimas caírem. O bebê depois de limpo foi colocado no colo de Zuny e nessa hora todos estavam emocionados.

- Qual o nome, amor? – Jay perguntou passando o dedo delicadamente sobre os cabelos finos da menina.

- Zhou. Como minha avó. – Zuny sorriu e colocou um beijo na cabeça da menina.

 

[…]

 

- Pensa que irei deixar ir embora novamente? Ainda mais com... Ela? – Mamãe dizia enquanto tentávamos conversar civilizadamente. Coisa que parecia impossível.

- No fundo você sempre soube do que ______ e eu tínhamos. – Disse.

- Sim, mas jurei a mim mesma que morreria, mas não deixaria isso acontecer. – Disse brava.

- Eu amo ________. – Disse não na intenção de provocar, mas na intenção de fazê-la entender de uma vez por todas. Vi sua mão se levantar em minha direção, mas eu a segurei. – Não acredito que ia me bater. – Disse e soltei seu braço bruscamente. – Sou um homem, tenho meu emprego, minha casa e não lhe devo satisfações. Aceite por bem ou por mal. Você escolhe. Agora se me der licença, eu preciso terminar de fazer minhas malas.

- Onde está ela? Eu sei que aquela infeliz está aqui. – Minha mãe disse saindo do meu quarto, a procura de _____. Tinha pedido para ela ficar no quarto de hospedes enquanto conversava com minha mãe. Ela abriu todas as portas do corredor e por ultimo, achou _______. – Sua imunda. Isso tudo é culpa sua. – Minha mãe ia pra cima dela, mas eu a segurei.

- Para! – Gritei cansado de tudo aquilo. Ela tinha ficado maluca. Eu mal reconhecia minha própria mãe.

- Isso também é culpa daquela velha. Ela ficava mimando vocês dois. Pensei que com ela morta, ia ter algum alivio, mas a merda já estava feita. – Disse e eu mal acreditei.

- O que? – ____ perguntou com raiva. – Não acredito que disse isso. – ________ estava com tanta raiva quanto eu.

- Fora. Agora. – Rosnei a soltando. – Some daqui!

- Não fique com ódio só de mim, seu pai e os pais dela sempre tiveram a mesma opinião que eu. – Minha mãe disse.

- Dobre a língua para falar de minha mãe. Ela me apoia, me ama e não é interesseira como você. – _______ disse.

- Vai embora. – Disse pegando seu braço e a conduzindo para fora do meu apartamento. – Diga a meu pai, para ele pegar a opinião dele e enfiar no cu. – A empurrei para fora e bati a porta. Eu mal podia acreditar no que ela disse.

- Não acredito. – ______ sussurrou aparecendo na sala.

- Suas coisas estão prontas? – Perguntei tentando esquecer tudo isso.

- Sim. – Disse e eu andei até ela.

- Por favor, não deixe isso te abalar. Sabíamos que teríamos que enfrentar os outros, então não desista agora. – Disse pegando seu rosto em minhas mãos.

- Não irei desistir da gente, amor. – Disse e eu sorri minimamente, beijando seus lábios. Trouxe seu corpo para mais junto ao meu e senti seus dedos puxando meu cabelo. Eu amava beijá-la e fazer isso fazia com que eu me esquecesse de todos os meus problemas. Sua língua tinha um gosto único e tê-la junto a minha fazia uma explosão de sensações percorrer meu corpo. Sentia amor, paixão, desejo, prazer... Tudo isso em apenas um beijo.

- Eu tenho que terminar de arrumar minhas coisas. – Disse com minha testa colada na sua.

- Tudo bem. – Me deu um selinho demorado e se afastou, indo até o meu quarto.

Terminamos de arrumar tudo e enchemos nossos carros. Viajaríamos separadamente, mas isso é só porque tínhamos muita coisa para levar. _____ e eu decidimos reformar a fazenda, mas ainda mantendo a cara maternal da casa. Ela nos lembrava da vovó e desejávamos manter assim. Conversamos com o caseiro e com os outros funcionários do local, dizendo que continuaríamos com a produção do leite, do queijo e do requeijão, e outros derivados. Continuaríamos comercializando tudo, inclusive a grande horta. Assim que nossos avós conseguiram um bom padrão de vida, e assim que vamos continuar.

Chegamos a fazenda já de noite e gastamos um bom tempo descarregando o carro. Arrumamos nossas roupas no nosso novo quarto e ________ trocou os lençóis de cama. Tomamos um banho quente, já que o clima frio deixava tudo mais aconchegante e deitados juntos, dormindo cobertos por um fofo edredom. Estava feliz e sentia que a partir de agora tudo seria diferente. Tudo seria mais fácil.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...