História Him - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Suga
Tags Bts, Jimin, Yoongi, Yoonmin
Exibições 215
Palavras 1.851
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Apenas boa leitura!!

Capítulo 1 - Capítulo Único - HIM


Fanfic / Fanfiction Him - Capítulo 1 - Capítulo Único - HIM

Ajoelhado, submisso, entregue.

Vendado, cego, frustrado.

Era assim sempre que eu me deixava levar pelo sádico Yoongi. Ah como eu queria socar aquela cara linda agora, aquele grande filho da puta me esquentou, deixou meu corpo em ponto de ebulição, quase pegando fogo. Tocou-me em todos os lugares. Beijou-me de todas as formas, me deixou bêbados com sua aura extremamente e irresistivelmente sexy. Ele sabe como domar-me e eu odeio-me por deixar que isso se repita sempre. Ele me vendou e se afastou, não posso toca-lo, não posso vê-lo, quero cravar meus dentes em seu pescoço, mas aquele filho da mãe não esta ao meu alcance. Odeio isso e ele sabe, por isso sempre que pode o faz.

O grande quarto com paredes azuis e detalhes sofisticados em dourado, eu não posso mais ver, não consigo me situar. A grande cama de madeira rústica com cobertas em seda vermelha, eu não sei onde está, não lembro se esta a minha direita ou esquerda, eu nunca sei onde estou depois dos seus toques, ele me deixa bêbado sem álcool. Estou suando exitado, quero me tocar, quero toca-lo, mas ele não está aqui. Eu o odeio. Eu me odeio. Estava quase mandando tudo para o inferno quando um ranger de porta familiar encheu o ambiente.

 

—Você parece um pouco tenso, posso te ajudar em algo, baby? – Eu não o via, mas sabia que estava sorrindo quando disse isso.

—Vamos lá Yoongi... tire logo essa venda da minha cara e vamos terminar o que começamos, eu não aguento mais.

 

Ele me segurou pelo queixo e me puxou para cima obrigando-me a erguer-me do chão, eu sentia seu cheiro doce, eu sentia o calor que emanava de seu corpo, ele estava bem próximo a mim, mas não tocava meu corpo.

 

—Sinto muito meu amor, mas ainda vamos brincar um pouco – Aquilo me arrepiou da cabeça aos pés, eu sentia certo sadismo em sua voz, eu não o via, mas novamente sabia que sorria.

 

Minha mão foi levemente segurada e com um toque delicado ele me levou devagar ate a cama onde ainda com muita delicadeza me fez deitar com os pés para fora da cama. Ele tocou meu rosto com a ponta dos dedos, sua mão estava fria. Seu toque desceu gradativamente ate alcançar meu peito, ele acariciou e começou a abrir cada botão, eu não me movia, sabia que ele não queria que o fizesse, eu mantinha boca entreaberta e ofegava sempre que sentia seus dedos tocarem minha pele propositalmente a cada botão que saia de sua casa. Seus lábios foram ate a pele que agora estava exposta, ele selou devagar com vários beijos enquanto sua mão descia ate minhas coxas e as apertava com vontade. Ergui uma de minhas mãos que estava caída ao lado do meu corpo e agarrei em seus cabelos, puxei-os ate conseguir alcançar seus lábios e o beijar com vontade. Ele se afastou, eu já sabia que o faria, senti suas mãos puxarem as laterais da minha camisa que já estava aberta, ele me fez sentar na cama e tirou o tecido que cobria parte do meu tórax. Ele estava bem na minha frente, toquei as laterais de seu corpo com minhas mãos e o puxei para perto com a cabeça erguida, mesmo que não pudesse o ver. Senti seu toque em meus cabelos, ele afagava lentamente meus fios acinzentados.

 

—Ah jimin, tem noção do quanto fica lindo desse jeito?! – Ele segurou meu queixo ­– Amo quando esta implorando calado por mais – agarrou em meus cabelos e puxou minha cabeça ao máximo para trás – Agora vá para o centro da cama, sim?!

 

Ele soltou meus cabelos me dando permissão para me afastar, me arrastei ate o centro da cama como ele havia pedido, aquela altura atenderia qualquer um de seus pedidos (Lê-se ordens). Sentia cama afundar e ele empurrou meu peito fazendo com que eu caísse deitado na cama, logo um peso foi colocado sob meu corpo. Ele sentou em cima das minhas coxas com uma perna de cada lado de meu corpo. Suas mãos arranhavam e acariciavam meu peito, eu respirava pesadamente e ofegava sempre que suas unhas curtas chegavam ao cós da minha calça. Seus dedos foram ate meu cinto o desafivelando devagar e logo o colocando em algum lugar que não pude ver, na verdade não posso ver nada agora de qualquer forma, e não como se isso importasse no momento. Seus dedos abriram o botão de minha calça e desceram o zíper, meu corpo borbulhava em exitação, arqueei pouco as costas. Ele beijou bem abaixo do meu umbigo e continuou a descer seus lábios macios e frios por minha pele ate chegar em meu membro pulsante coberto pelo tecido de uma cueca que agora nem mesmo me recordo a cor, preta talvez. Gemi. Meu corpo moveu-se sozinho. Tremi. Seu peso foi tirado de cima de minhas coxas e eu logo entendi o por que. Ele retirou de mim a calça e a cueca. Surpreendi-me quando ele voltou a sentar-se em mim e um roçar de peles nuas se fez presente, ele também tinha retirado suas calças.

 

—Vamos começar a brincar, baby?!

 

Aquelas palavras pareciam atrativas a qualquer um que as ouvisse sair de sua boa, mas eu o conheço, ele está disposto a arrancar de mim ate o ultimo fio de sanidade. Ele se posicionou entre minha pernas e segurou a parte de trás dos meus joelhos me fazendo ficar com as pernas dobradas e separadas, ele me tinha totalmente exposto. Senti ao roliço, frio e melecado ser esfregado em minha entrada. Gemi. Tremi. Meu corpo me traiu e mostrou o quanto eu queria aquilo, mesmo meu cérebro dizendo “Eu não dê tão fácil a ele o que ele quer”, mas era impossível controlar os espamos. Ele riu, pude ouvir um risada baixa.

 

—Yoongi... só hoje por favor, pare de me torturar – Disse com certa dificuldade, ele circulava minha entrada com o tal objeto desconhecido para mim.

—Mas eu só estou brincando com meu baby – Ele disse enquanto forçava pouco o objeto em mim.

—Pro inferno com suas malditas brincadeiras.

 

Mais uma vez ele riu. O Objeto foi inserido em mim, tentei ignorar o desconforto inicial, engoli seco, senti uma de suas mãos acariciarem minha bochecha e descer devagar ate chegar em meu membro onde iniciou uma massagem extremamente bem vinda, mesmo assim ainda era pouco para aliviar todo o tesão que sentia no momento. Quando senti algo vibrar em meu interior descobri do que se trava o objeto estranho. Yoongi massageava devagar meu membro enquanto controlava as vibrações em meu interior. Agarrei os lençóis com força o suficiente para os nós dos dedos se tornarem brancos, eu suava e me contorcia, queria que ele acabasse de uma vez com isso, mas ele não o faria, não antes de me ter a beira da loucura em suas mãos. Ele largou meu membro e sentou-se no meu colo. Eu podia sentir sua pela roçando em meu membro, eu movia meu quadril em busca de mais contato, abria minha boca ao Maximo e sugava o ar em busca de oxigênio, meu peito queimava, meu corpo queimava, sentia minha pele em chamas onde Yoongi me tocava. Seus lábios atacaram meu pescoço com mordidas leves e chupões fortes, aquele maldito estava me marcando, ele queria um troféu ao seu lado. Uma de suas mãos foi espalmada em meu peito e a outra segurou meu membro, ele o guiou ate sua entrada penetrando-se vagarosamente, levei minhas mãos instintivamente ate sua cintura a apertando com força, mas sem força-lo para baixo. Senti algo frio e melecado em meu membro, ele já havia se preparado, é uma pena ter perdido essa cena. Quando ele finalmente tinha sido penetrado completamente ele gemeu arrastado e manhoso, o melhor som que alguém pode ouvir, chego a ter ciúmes dos quartos vizinhos, não quero imaginar que alguém possa ouvi-lo, seus gemidos são meus e apenas meus.

Ele permaneceu parado, mas o vibrador em meu interior ainda funcionava, meu membro era acolhido gentilmente em seu interior. Sentia meu corpo em chamas, suava, tremia, tentava de alguma forma me mover, mas ele não permitiria, ele se forçava para baixo me mantendo parado.

 

—Está inquieto querido, posso ajudar em algo? – Ele disse enquanto subia e descia bem devagar.

—Que tal ir pro inferno? Huh? – Agarrei com força sua cintura, queria marca-lo também e tenho certeza que no dia seguinte sua pele possuiria uma tatuagem temporária de meus dedos gravada nela.

—Um Yoongi no inferno não pode transar com você.

 

Ele puxou minha mão direita ate seu membro teso e eu o envolvi com delicadeza, ele mantinha sua mão sobre a minha me forçando a manter um ritmo lento. Os movimentos de sobe e desce de seu corpo aumentaram assim como a vibração dentro de mim, ele apoiou ambas as mãos em meu peito para facilitar os movimentos que agora estavam rápidos. Gemíamos uníssono, suas unhas eram cravadas em minha pele e meus dedos grudados em sua cintura o apertavam o puxando pra baixo para ir cada vez mais fundo. Eu sentia sua pele quente e suada, era macia, delicada. Eu ouvia sua voz, seus gemidos, eram manhosos e roucos. De certo modo a privação da visão era bom, eu admito, me permitia desfrutar com mais atenção de todas as sensações que a apenas a visão não podem me dar. Eu estava chegando ao meu limite, levei minha mão direta ate o membro de Yoongi que gemeu mais alto e manhoso. Minha mão se movia em estado frenético assim como Yoongi que subia e descia majestosamente em mim, ele passou a gemer mais lato e arrastado e se tornou em parte desesperado para alcançar o ápice do prazer, com um gemido alto ele se desfez em meu abdômen, mas não parou com seus movimentos, eu ergui meu corpo o abraçando e sentindo seu interior me comprimindo ate me fazer gozar deliciosamente, o vibrador em meu interior ainda funcionava me fazendo ter espamos ainda mais fortes que os normais. Eu o abracei com força sentindo seu peito subir e descer junto ao meu e nossas peles suadas se tocando. Sua mão arrancou de mim a venda, eu abri os olhos ainda vendo tudo meio embaçado, mas logo pude focar em um rosto muito familiar, um Yoongi com rosto corado, fios grudados na testa, cabelos completamente bagunçados e ostentando um sorriso ladino de quem sabe que pode me levar ao estado de loucura e me fazer amar isso.

 

—Gostou de brincar comigo, baby? – Disse desgrudando alguns fios de minha testa, eu o observava, gravava cada detalhe, aqueles olhos profundos, aquela pele clara agora corada e suada, sua expressão.

—Sabe que se for com você eu sempre vou gostar!

—Só queria ouvir você dizer

 

Ele sorriu vitorioso e me beijou, eu ainda estava em seu interior e uma droga de vibrador ainda funcionava em meu interior, eu estava feliz, não por ter uma noite de sexo (que só pra constar foi maravilhosa apesar de tudo) e sim por ser ELE ali comigo. Eu sempre gostaria de qualquer coisa, desde que seja ele comigo.


Notas Finais


A capa foi feita por mim, sim, apesar de conter os créditos da Monstro Do Rap (Afinal sou a dona da page)
A historia surgiu quando eu estava observando uma capa em especial também feita por mim [http://imgur.com/uw50WsA] Acabei por decidir escrever algo hehehehe, espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...