História Histórias Não Contadas - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, David Nolan (Príncipe Encantado), Dr. Archie Hopper (Jiminy Cricket), Dr. Whale (Dr. Victor Frankenstein), Emma Swan, Henry Mills, Lacey (Belle), Madre Superiora (Fada Azul), Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Neal Cassidy (Baelfire), Personagens Originais, Peter Pan, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Violet, Vovó (Granny), Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Belle, Captainhook, Captainswan, Davidnolan, Evilqueen, Evilregal, Henrymills, Killianjones, Mrgold, Onceuponatime, Outlawqueen, Peterpan, Princecharming, Reginamills, Robinhood, Rumbelle, Rumple, Rumplestiltskin, Snowwhite, Storybrooke, Swanqueen, Zelena
Exibições 31
Palavras 1.248
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Magia, Mistério, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 11 - O Filho De Ravenna


Um garoto com olhos castanhos escuros e cabelo preto apareceu fazendo Mary Margaret e David darem um pulo. Ravenna estava assustada ao se deparar com o filho em sua frente, ela tentou chegar mais perto porém seu filho fez um gesto para não se aproximar.

- Vão. Não se preocupem, está tudo bem. - O garoto abriu a porta para o casal sair.

- Meu filho... - Ravenna tentou novamente se aproximar após Mary Margaret e David saírem. Mas foi interrompida

- Não. Eu não sou seu filho. Você tentou matar aquelas pessoas, porque? - O garoto estava bravo.

- Precisava de informações, precisava saber se aquela menina e o animal estavam ainda aqui e precisava saber como estava meu filho. - Ravenna estava feliz ao reencontrar o filho depois de alguns anos.

- Eu não deixarei você machucar ninguém Ravenna. Você é má, você deveria está naquele reino na qual nunca deveria ter saído. - O garoto estava se alterando.

- Oque? Eu vim atrás do meu filho... - Ravenna foi interrompida.

- Você não veio atrás de mim, disso eu tenho certeza. Vá em bora, não quero ficar do seu lado.

- Porque? - Ravenna não iria sair de Storybrooke por nada, nem mesmo pelo filho. Para ela a beleza valia mais que qualquer coisa.

- Porque você não merece. - O garoto se virou mas antes de sair, falou por última para a mãe. - Aprenda que a beleza não irá te definir mas o caráter defini muito mais que simples palavras. - Ele bateu a porta com força fazendo Ravenna refletir por horas.

                                *****

Parecia que a hora nunca passava, cada vez mais era um desafio para Ana quando se aproximaram da cidade. Assim que chegaram perto da entrada, Regina ligou para Gold que não atendia, por muitos minutos ela tentou mas ninguém atendia. Emma já estava cansada de ouvir a mulher xingar, Ana apenas estava com dor de cabeça de tanto olhar Regina virando de um lado para o outro. As três ficaram paradas em silêncio até que Ana notou a entrada estranha como se algo a incomodasse, ela olhou mais perto. Resolveu colocar a mão na barreira, Regina e Emma não sabiam oque ela estava fazendo mas ficaram caladas olhando a menina tocar a barreira.

- Estamos presas do lado de fora. - Ana sussurrou para sí mesma, mas foi em tom alto para Regina.

- Ah nossa. Imagina. - Regina bufou revirando os olhos de tédio.

- Você não entendeu. Alguma coisa está acontecendo do outro lado ou na cidade. - Ana olho fixamente para Regina, ela pediu que a mulher colocasse a mão na barreira. Ela sentiu um arrepio e logo notou que realmente Ana estava certa.

- É melhor alguns cidadãos se prepararem porque se tiverem acabado com minha cidade... Vou esmagar o coração de cada um deles. - Regina estava furiosa. Ana não se importou com o comportamento alterado de Regina, ela sabia que a mulher era assim. Emma estava preocupada. - Estou brincando Swan. - Regina viu que ela não gostou do que tinha ouvido então, tentou acalma lá. - E agora? Oque vamos fazer? Não existe outra forma de entrar. - Regina e Emma estavam aflitas mas Ana acalmou as duas.

- Claro que existe. Porque você acha que eu sei de muitas coisas que acontecem em Storybrooke?. - Ana riu do espanto de Regina. - Relaxa, eu sei como vamos passar, mas o fusca fica. - Ana apontou para o fusca de Emma. Regina tinha adorado a parte sobre o fusca mas Emma logo entristeceu.

- Emma para de drama, por favor. - Regina a olhou com certo espanto achando que a loira ia chorar.

- Ok, temos que ir. - Ana cortou logo os pensamentos de Regina e a má vontade de Emma em deixar o seu fusca de lado.

As três caminharam por quase 1 hora até achar um buraco no final de um rio com a fronteira que leva a cidade. Regina ficou apavorada com o lugar, estava cheio de bichos de todos os tipos. Ana detestava aranhas mas era obrigada a suportar naquele momento. Emma era a mais calma das três, andava de vagar enquanto ouvia Regina reclamar e olhava para Ana vendo as variáveis expressões que a menina fazia. Finalmente às três chegaram ao final daquele lugar escuro, Ana foi a primeira a atravessar pelo outro lado, logo atrás Regina e por último Emma.

- Por que não a nenhum efeito? - Regina achava estranho, elas passaram sem nenhum tipo de feitiço como se a cidade fosse como qualquer outra.

- Porque não é apenas um buraco. Se você parasse de resmungar, teria visto que entramos em um túnel. Quando a magia foi colocada aqui, o único local que não foi mas deveria ser atingido era o túnel, porém ele está cheio de " camadas " sujas por fora que seria quase impossível qualquer magia muda lo... Altera lo... Vocês entenderam. - Regina e Emma começaram a rir sabendo que Ana não sabia mais oque falar.

Elas andaram mais um pouco e se depararam com uma parede em volta cheia de ouro. Regina ficou de boca aberta. Emma estava apavorada, nunca tinha visto aquilo antes. Ana nem sabia oque fazer, ela tinha certeza oque havia acontecido mas estava com medo só de pensar. As três andaram apressadas, Regina andava mais na frente com os pés firmes. Emma e Ana apenas a olhavam, elas viam a raiva percorrer toda a floresta de longe, Emma tentou acalma lá uma ou duas vezes mas foi um grande desperdício.

                               *****

David estava sem fôlego e Mary Margaret mal podia pronunciar uma palavra. Zelena os encarava enquanto Robin e Gancho foram atrás de água para os dois. Henry, Escote e Violet brincavam com Neal e a filha de Zelena.

- Preciso perguntar? - Zelena falou sarcástica sem esperar respostas. - Andem logo. Minha beleza é preciosa, preciso descansar. - Zelena tentou anima los mas não adiantava de nada.

Após receberem a água, Robin sentou ao lado de Zelena enquanto Gancho ficava em pé. David e Mary Margaret explicaram detalhadamente oque tinha acontecido, o filho da rainha de ouro, David quase morto...
Uma batida na porta e todos olharam. Gancho foi abri lá e se deparou com um garoto. O filho de Ravenna.

- Desculpem incomoda los. Gostaria de conversar. - O garoto estava constrangido mas tentou pronunciar mais algumas palavras. - Meu nome é Luckas. Minha mãe é daquele jeito e nunca mudará, peço desculpas mais uma vez por ela quase ter matado vocês. - Luckas apontou para Mary Margaret e David.

- Claro que não. A gente que agradece, se não fosse você, eu teria morrido. - David foi cumprimentar o garoto com um aperto de mão.

Luckas contou oque tinha acontecido antes dele aparecer em Storybrooke, os motivos que a mãe dele tinha por querer tanta cede de sangue do animal e de Ana. Depois de muita conversa, mais uma vez a porta bateu, dessa vez Gancho não teve tempo de abri lá. Regina entrou indo em direção a irmã para abraça lá. Emma apenas pegou no ombro de Ana que estava um pouco alterada, ela não via Mary Margaret a muito tempo assim como Henry, ela não chegou a conhecer ou conversar com David, ele era desconhecido antes da maldição. Luckas virou para olhar a garota que Ravenna queria tanto matar, ela era linda e tinha acabado de encanta lo.


Notas Finais


Espero que tenha gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...