História Hit me with your best shot - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Personagens Originais, Suga, V
Tags Bts, Jikook, Kookmin, Longfic, Romance, Shoujo, Taekook, Vkook, Yoonseok
Exibições 555
Palavras 4.426
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI BABYS DA TIA TINY.
CHEGUEI O MAIS RAPIDO POSSIVEL PRA VOCÊS.

Gente é o seguinte, eu não revisei, isso mesmo, eu escrevi o capitulo na loca, mentira levei 7 dias pra conseguir escrever, mas eu terminei ele na loca, dei uma olhada meio por cima, e ja estou postando. Eu estou com um bloqueio fodido e por isso eu peço _perdão_ se alguem se decepcionar com meus futuros capitulos e principalmente com minha escrita..... eu estou tentando fazer meu melhor, gente.

a musica citada nesse capitulo é:
" Trey Songz - Slow Motion (Rendition) by SoMo " É assim que esta escrito no video, então quem se interessar, da uma olhadinha, o cover é muito bom, mas a musica oficial também é otima!

Boa leitura meus anjos.

Capítulo 9 - Capitulo IX


 

O sorriso e o bom humor de Park, não se desfaziam por nada.

Nem mesmo quando um cliente revolver encrencar sobre o ligeiro erro—Confundir os doces—Jimin se deixou entristecer, na verdade esperou o cliente sair da loja e desatou a rir de si mesmo. Estava completamente bobo. Os doces pareciam mais cheirosos e coloridos. Enquanto abria a loja mais cedo, Yoongi ligou o enchendo de perguntas, alegando que Hoseok estava trancando no quarto desde a hora que chegara e se negou a trocar qualquer palavra consigo. O ruivo baixinho demorou para conseguir convencer seu amigo loiro de que conversariam outra hora já que agora não tinha tempo.

E ali estava ele, atrás da bancada roca chiclete onde continha inúmeros recipientes embutido na madeira, e em cada quadradinho um doce diferente, atrás de si havia uma porta para a cozinha, para o banheiro e grandes caixas de vidro e em cada prateleira um doce exposto, diferentes um do outro. A máquina de bebidas ficava colada na parede ao lado do caixa. As paredes eram de um tom mel saboroso, as mesas eram poucas pelo tamanho do estabelecimento, mas estavam todas cheias.

Park lembrou que tinha uma reputação um tanto ruim entre as regiões que mais convivia, e de fato algumas pessoas ainda eram rudes com ele, outras soltavam algum comentário desagradável e homofobico, talvez não fora assim tão esquecido o ocorrido de agarrar um garoto atrás da escola.

Poderia se doer com essas coisas como todas as outras vezes, mas hoje seria um dia especial e ele apenas queria ser feliz.

 

 

 

 

— Hoseok, você tem que me deixar entrar... você precisa comer. – Tentou convencer o acastanhado trancado do outro lado da porta, suspirou.

Aquele segredo todo entre os dois estava matando Yoongi, nunca admitiria alguém fazer Park chorar, e pelo visto o motivo agora era seu priminho favorito. Precisava entender para saber qual dos dois levaria o esporro. Bateu com os nós dos dedos na porta branca outra vez, obtendo somente o silencio. Revirou os olhos e se retirou em direção as escadas.

 

Jung fungou mais uma vez, seu rosto estava molhado por completo, os olhos vermelhos, sobre sua cama tinha inúmeras bolinhas de lenço de papel amassadas e usadas. Usava um novo lenço assoando o nariz a cada vez que o sentia escorrer ou entupir demais. Na mão direta encarava uma foto, Jimin e ele.

O ruivo que naquela época era moreno, tinha os cabelos extremamente pretos, as feições eram mais joviais, e o brilho nos olhos era inconfundível, brilho de paixão enquanto olhava para si que estava muito ocupado olhando para a câmera polaroid na hora de bater a foto, o olhar que Jimin direcionava a ele na pequena fotografia enquanto estavam abraçados e aninhados na cama, era o mesmo olhar que Park lançou para o homem do transito.

Aquele homem alto qual Jimin se jogou nos braços sem pensar duas vezes.

Não que ainda estivesse apaixonado pelo ruivo, mas se arrependia profundamente pelo que fizera, como podia ter sido tão monstruoso com aquela figura pequena e sensível? Só Deus sabia quantas e quantas noites Hoseok passou no fundo do poço sem conseguir viver por culpa do remorso após descobrir que o mais novo tinha viajado para o outro lado do mundo, não tivera uma chance de se desculpar, beijaria os pés de Park se tivesse a oportunidade. Não tinha o supero, de forma alguma.

Era paixão?

Era amor?

Era situação mal resolvida?

Era apenas remorso?

Não tinha certeza de nenhum desses questionamentos, tinha a ferida finalmente colada por uma fita que fora rompida facilmente ao abrir aquela bendita porta, o garoto assustado estava diferente de antes, mais bonito, mais maduro, e ainda mais fofo. Olhou através da janela, o dia ainda estava claro, se perguntou sobre a casa de Park, precisava tirar esse peso das costas, do coração, da consciência. Em sua mente conturbada atravessa os risos antigos, as declarações meigas, os toques delicados, os gemidos sôfregos, as juras baixinhas. As pernas ainda latejavam doloridas por conta dos lances de escadas que tinha descido e a velocidade que perseguia o ruivo correndo enquanto gritava palavras de negações.

Perguntava-se onde Jimin estava, se estaria bem, lembrou do desespero que sentiu quando o mesmo correu em direção a rua movimentada, e quando o veículo branco freara alto antes de atingir o corpo de seu remorso e parando em cima do mesmo, as pernas fraquejaram aquele momento, o coração quase saiu pela boca e o sangue tinha congelado nas veias, mas chamou novamente por ele, o vendo se jogar nos braços do outro rapaz, com aquele olhar.

O mais novo não era do tipo que se apaixonava facilmente apesar do emocional sensível e carente, Hoseok sabia que tinha sido a primeira paixão do garoto, o baixinho era intenso em tudo que sentia e fazia ao lado de quem tinha seu coração, então o rapaz de cabelos acastanhados sabia.... Ele estava apaixonado, fiel a essa paixão e nada poderia ser comparado a ela na vida do pequeno jovem.  O conhecia bem.

De fato, havia sido um babaca escroto, mas aquilo era medo, em nenhum momento tinha iludido o outro rapaz. Fechou os olhos doloridos, com força, afundou o rosto no travesseiro encharcado e começou outra sessão de soluços desesperados.

 

 

 

 

As horas haviam passado rápidas devido ao número de cliente ocupando o dia de Park, mas agora após ter digitado uma mensagem para seu tão amado Jungkook se via fora da loja, encostado a parede. O céu estava escurecendo, as nuvens recheadas em tom alaranjado e rosado, o sol sumindo no horizonte sem realmente conseguir enxerga-lo devido as casas, se perguntou como seria estar em um lugar alto o suficiente para ver aquela bola brilhante sumir aos pouquinhos e dar lugar a lua vinda de outro hemisfério. Jimin não sabia se era seus olhos, mas tudo estava incrivelmente nostálgico, o fim do dia trazia a cidade algo vivo, como se tudo liberasse sua própria luz, sorriu perdido nesses pensamentos enquanto encarava alguns pássaros seguirem seu destino um atrás do outro no céu, e com o ligeiro sumir do sol um carro já bem memorizado por seus olhos estaciona em sua frente, o rapaz alto desce do carro, os fios negros estavam ainda úmidos, o corpo vestia uma jaqueta de couro preta, uma camisa bordo fina, uma calça jeans igualmente preta e um calçado ilustrado de alguma marca que Jimin nunca reconheceria.

Fora preciso apenas trinta segundos para que Park admirasse o corpo maior da cabeça aos pés, se desencostou da parede seguindo na direção do maior que abria a porta com todo o cavalheirismo que o outro sabia que ele tinha.

— Park Jimin, você está lindo essa noite. –Brincou com um sorriso meigo adornando os lábios finos e rosados, fazendo o ruivo abaixar o rosto completamente encabulado e rindo divertido enquanto entrava o carro e sentava-se no couro preto, passando o cinto pelo próprio corpo enquanto a porta era fechada.

Viu Kookie dar a volta no capo, deveria dar nota de que o mais velho queria jogar-se novamente naqueles braços e se aninhar sobre o peitoral largo e firme? Ainda sorria bobo com a cabeça encostada no banco, olhando o moreno adentrar o pequeno espaço que dividiriam por alguns minutos até o destino ainda segredado.

— Você... Você também esta lindo.. – Elogiou, baixinho pela incerteza se deveria realmente dizer aquilo, quer dizer, ele realmente queria dizer algo, mas não tinha certeza do que, arrancando um sorriso enorme do outro que mostrava os dentes brancos e muito bem cuidados, Park podia quase sentir o hálito de menta de Jungkook apenas de olha-lo.

— Estou? Que ótimo saber, eu não tinha certeza de qual roupa iria te impressionar. – E então deu partida no carro.

Arregalou os olhos com a frase do maior, se estava impressionado sobre ter sido convidado para um encontro, definitivamente estava estupefato em ouvir aquilo. Jeon Jungkook estava flertando consigo? Definitivamente estava sem uma boa resposta o que o fizera pensar que deveria pesquisar algo bobo como “Ter respostas na ponta da língua” .

E totalmente o oposto de Jimin estava o moreno, se divertindo com a situação, havia calado ao ruivo com apenas uma frase que era tão simples para si, podia ver aquele quase bolinho de cabelos alaranjados todo encolhido no banco por timidez e então perguntou a ele se podia por uma música recebendo um sorrisinho e um acenar constrangido, sorriu de canto para o pequeno que visivelmente teve as bochechas róseas e o olhar desviado para baixo. Jungkook mordeu o inferior e então colocou uma de suas preferidas para tocar. Slow Motion, mais precisamente um cover que tanto era viciado em ouvir, havia ouvido bastante enquanto certo ruivo lhe assombrava as imaginações. O maior não queria de fato criar algum tipo de clima e abusar do garotinho no banco traseiro de seu Audi, ainda que fosse uma ideia tentadora abrir as coxas de Park e ve-lo esconder o rostinho com as mãos, negou com a cabeça tentando voltar a atenção para a rua movimentada, e então franziu o cenho ao sentir certo incomodo na própria calça. Estava enganado ou seu pau que não queria levantar a semanas estava semi duro apenas por uma imaginação boba? Ajeitou-se no banco abrindo um pouco mas as pernas afim de aliviar o incomodo pois aquele jeans era extremamente apertado, olhou de soslaio vendo as pontinhas dos pés do ruivinho juntos, calçados em um all star branco, as coxas do mesmo estavam sendo pressionadas uma contra a outra e o corpo pequeno parecia tenso, as mãos estavam juntas no colo e o rosto virado quase inteiro para o vidro fechado.

O que ele não sabia era que seu admirador mais velho estava se torturando pela letra da música posta enquanto tentava se distrair coma paisagem de fora e os carros que passavam em flashs de luzes.

“Baby, I just wanna get you out them clothes

I just wanna see you dance in

Slow motion”

 

 

Por conta do rosto virado de Jimin, seu pescoço e nuca estavam claramente expostos, sentiu vontade se aproximar e roçar os lábios na pele branquinha, experimentar com a ponta da língua e sugar em uma suave provocação e então ouviria como é aquela voz doce gemendo baixinho por seu nome como um pedido silencioso por mais, quer dizer, Jungkook se garantia e tinha certeza que tiraria o folego do pequeno em apenas um beijo, queimaria aquele corpo esculpido pelos anjos com apenas as pontas dos dedos e o faria perder a voz entre êxtases prazerosos. Dominaria Park Jimin muito mais do que ele achava que já estava domado com aquela paixão nem um pouco secreta.

O fato era: Se já tinha o mais velho tão na sua, então como seria quando quisesse realmente conquista-lo?

A tensão palpável no carro permaneceu até que ambos chegassem, Kookie precisou puxar a camisa bordo um pouco mais para baixo afim de tapar agora sua ereção completa, estava usando todo o alto controle que conseguia ter para não puxar o mais velho para um daqueles becos e se aliviar entre suas pernas enquanto o fazia tentar conter as alturas dos gemidos para que não os descobrissem na escuridão luxuriosa. Estava quente como inferno e tinha a impressão de que não transava a anos e iria entrar em combustão a qualquer momento.

— Jungkook! Mas aqui é... – Não terminou de falar ao parar em frente ao estabelecimento de características clássicas, lembrava-se de admirar este mesmo teatro nas revistas ou jornais, jamais se imaginaria entrando ali ainda que almejasse isso diversas vezes durante a rotina boba do dia-a-dia.

— Sim, é. E não me venha com essa de “É muito caro, não posso aceitar” – Pousou uma das mãos na base das costas do ruivo afim de guia-lo para dentro assim como muitas pessoas devidamente vestidas também faziam, os olhos do outro eram maravilhados para tudo que via e quando finalmente percebeu as pessoas e suas vestimentas, desviou os olhos para as próprias peças e então ergueu o rosto para o maior que ainda o guiava com o sutil toque na cintura.

— Jungkook... você não acha que eu estou um pouco... – Entortou os lábios erguendo uma das maças das bochechas, fazendo uma caretinha fofa, trazendo risos do moreno que logo adentra uma das portas mostrando dois ingressos para o segurança e adentrando uma enorme sala repleta de poltronas em linhas altas que desciam gradativamente conforme se aproximavam do palco no fim da sala.

— Você esta encantador, Sr.Park. – Disse enquanto tentava imitar aqueles senhores em ternos caros acompanhados das mulheres em vestidos longos e brilhantes. Se ajeitou nas fileiras do meio nas poltronas macias e confortáveis.

— Espero ser merecedor de seu elogio cortes mais vezes, caro Jeon – Procurou soar da mesma forma que o moreno, segurando o riso descontraído que queria escapar.

— Jimi, olha para aquele casal ali.. – Sussurrou próximo ao ouvido do ruivo enquanto apontava discretamente para um casal elegante mais a frente, trocando uma palavra ou outra – Aposto que ele é casado, tem três filhos, e não sabe a idade de nenhum deles, esta tão estressado com o emprego que desconta sua vontade de liberdade em um caso com a chefe mais velha e a traz para assistir peças de teatros sem nem mesmo saber da história.

— Eu aposto que ela é casada com um cara que nos últimos anos não corresponde mais as investidas dela e faz ela sentir falta de ser desejada e paparicada, e no café da manhã eles nem se falam enquanto ele lê algum jornal na frente do rosto, e ela troca mensagens com o amante sobre o encontro que terá a noite no teatro mais caro do estado... – Completou Park, desviando a atenção do casal para Jungkook que estava extremamente perto para que pudessem sussurrar sem que ninguém os ouvisse.

Os orbes escuros do maior pousaram sobre os adoráveis do ruivo, o formato dos olhos de Jimin eram semelhantes a formatos felinos, na opinião de Jeon que odiava felinos mas em especial poderia se apaixonar por aqueles olhos únicos e manhosos. Os lábios grossos estavam em um sorriso que se desfazia aos poucos para que tornasse uma expressão séria, a ponta dos narizes estavam extremamente perto.

— Jungkook?

Ambos desviaram a atenção para a mulher magra e alta parada no corredor próximo a cadeira do ruivo. O jogador universitário enrijeceu o corpo inteiro e a linha do maxilar se tornou tensa, somente de ouvir aquela voz, poderia trincar os ossos do mesmo com tamanha força que pressionava a arcada dentaria uma contra a outra, os olhos femininos e banhados em cílios longos e invejáveis pousaram com escarnio sobre o desconhecido para ela, e então o baixinho segurou a vontade de se encolher e sair correndo como um cachorro covarde com o rabo entre as pernas, a expressão da mulher era de superioridade e também irritação.

— O que você quer? Se eu soubesse que você estaria aqui eu nem teria vindo. – O tom de Jungkook estava como uma lamina afiada, a terceira presença que até então continuou encarando o ruivo como se fosse o dilacerar com as unhas enormes e bem pintadas subiu a atenção para o rosto do moreno. Mas antes que pudesse responder as luzes se apagaram e as cortinas de abriram, obrigando a senhora-não-tão-senhora-assim seguir as escadas e procurar seu assento.

O mais velho tinha os olhos no chão e uma agonia de inferioridade no peito, era como ter caído de paraquedas em um lugar que não combinava consigo entre pessoas que o faziam se sentir excluído por não ter a mínima noção do que acontecia. A música tomou o ambiente e os murmurinhos de conversas cessaram.

— Desculpe por isso.. – Ouviu o sussurro de seu acompanhante da noite soar próximo a audição e então ergueu o rosto, sorrindo com os lábios fechados e respondendo um simples “tudo bem.”

 

Jeon Jungkook sabia, seu inferno tinha começado aquela noite, mas por enquanto aproveitaria a presença do outro e deixaria para se preocupar com as chamas do diabo mais tarde.

 

 

 

— Eu não acredito que ela morreu!! – A voz indignada de Jimin soava pela lanchonete.

Tinham acabado de sair do teatro, reagiu repleto de emoções a cada nova cena do clássico que nunca tinha ouvido falar antes, mas de fato se tornara inesquecível. E para Jeon o maior clássico daquela noite tinha sido Park Jimin, com os olhos brilhantes, o sorriso curioso, e o corpo tenso em expectativa. Encostado na cadeira enquanto ainda o admirava, o ruivo comia do lanche enquanto reclamava sobre o final inusitado da peça, tapando a boca com as pontas dos dedos para que o maior provavelmente não visse seus lábios sujos e sua boca cheia.

— Eu não acredito que o francês deixou ela morrer por amor! Foi tão trágico... – Fez um leve careta levando o canudo da bebida até a boca – Jungkook, você já tinha assistido antes?

— Não, também fiquei impressionado... – Disse com a voz mansa, diferente da de Park que estava incrivelmente tagarela de olhar distraído e riso fácil, a verdade era que não podia comentar sobre o teatro já que na verdade não tirou os olhos do ruivo e ao menos sabia o que acontecia no palco, como fazia nesse exato momento, o garoto ao perceber a maneira que era fitado abaixou o olhar terminando de comer, limpando as m]aos com o guardanapo.

Kookie desviou o olhar para elas, reparando em como a mão era pequena, gordinha e com as pontas dos dedinhos levemente rosadinhas por conta da força que Jimin usava para as limpar com o papel macio, navegou com os olhos outra vez para cima, vendo o centro do inferior do ruivo um pouco sujo com ketchup. “Eu não posso perder essa oportunidade clichê!” . Estendeu a mão chamando a atenção do menor que o olha curioso e prende a respiração em seguida, o coração tamborilando a mil ao sentir o polegar do mais novo suavemente caminhar pelo inferior fazendo uma leve pressão, conseguindo sentir o quanto era macio e aveludados.

E para finalizar guiou o digito para os próprios lábios, encarando os orbes castanhos e tímidos a frente, cobrindo a digital e sugando o molho vermelho, sorrindo de canto e despontando a língua por entre o par labial. O mais velho podia jurar que todo o ar tinha acabado no estabelecimento e ido para outro planeta, um desejo repentino de beijar o seu amigo de universidade surgiu a ponto de parecer que a boca tinha secado, era muito perceptível os olhos felinos pregados sobre os lábios alheios.

— Aquela loja que você trabalha é da sua família? – Perguntou, surpreendendo ao ruivo que engoliu em seco assentindo com a cabeça.

— Sim, mas como meu pai tem cuidado da minha mãe, eu fico a cargo de trabalhar na loja. Mas não é nenhum um pouco difícil, eu amo doces! – Sorriu, fazendo os olhos formarem aqueles dois risquinhos adoráveis.

— é uma loja de doces? --- Ergueu as sobrancelhas impressionado, levantou-se pagando a conta e sendo acompanhado por Jimin para fora do estabelecimento. Guardou as mãos no bolso da jaqueta. O tempo estava ainda mais frio por ser boa parte da noite, a neve voltava a cair e as decorações natalinas estavam por toda a parte assim como os casais e somente casais.

— Sim! E são doces muito deliciosos, você deveria ir la qualquer dia..—Convidou-o, era uma garantia de que voltariam a se ver. Olhou para o chão, vendo o próprio all star sujo com a maça gelada, que derretia e molhava o coro do calçado. – Eu te faço um desconto! – Riu divertido erguendo o rosto para o mais novo.

— Ah que proposta tentadora! – Jogou o braço pelos ombros do baixinho, o trazendo para perto do próprio corpo, não tinha nenhum motivo especial, existia alguma regra onde dizia que deveriam manter certa distância? Ainda que tivesse, regras foram feitas para serem quebradas na visão do moreno, e ele queria estar perto de Park Jimin então era o que faria. O garoto sorriu com esse ato, sentindo o corpo aquecido do mais alto e se manteve pertinho dali, enlaçando as costas vestida em jaqueta de couro com o braço. – Qual seu doce favorito, Jimi?

— Ah que difícil escolha... – O vapor quentinho deixava os lábios carnudos e vermelhos por conta do frio, apertou-se mais no abraço de Kookie, vendo o carro que entrariam logo em seguida, e de repente lembrou-se do pirulito que tinha ganhado no parque de diversões, estava guardado dentro da gaveta do guarda roupa, mas não poderá dize isso, iria parecer um louco! –Acho que aqueles tubinhos doces e azedinhos ao mesmo tempo... E o seu?

 

Jungkook destravou o veículo abrindo a porta para Jimin em um ato de cavalheirismos que faz o mais velho sorrir como bobo e adentrar.

Leite condensado com morango. – Respondeu com um sorrisinho suave, assim que entrou no veículo e deu partida.

O encontro deles estava no fim, em apenas metade de uma noite sentiu-se duro, sentiu-se encantado, sentiu-se leve e algo a mais que não tinha parado para definir, queria sair com o pequeno Park Jimin, conhecer mais sobre sua cor favorita, seu senso de humor ou o tipo de roupa que usava para dormir, queria conhecer cada mínimo detalhe de seu doce favorito. Trocava conversa fácil com o garoto que logo teve o celular tocando no bolso do casaco e o mesmo atendeu após Jeon lhe dizer que estava tudo bem conversar’ com quem quer que fosse do outro lado da linha.

Fingia-se concentrado no fluxo de carros, placas, neves, pedestres ou semáforos, por ver como o pequeno o olhou de canto procurando alguma confirmação de que ele não estaria ouvindo ao todo a conversa, porem, estava. E concluiu que deveria mesmo saber o que estava acontecendo, ouviu o nome do loiro que era seu amigo de time.

— Yoongi... por favor deixa eu terminar! Você não pode socar a cara do seu primo, vocês moram juntos e tem que continuar vivendo em harmonia ou quase isso...  – O loirinho não tivera paciência para esperar que Park o ligasse e por isso fizera em um momento de desespero. Hoseok não havia saído do quarto durante a tarde toda somente mais cedo quando começara a escurecer sem dar satisfação alguma, tinha dado essa informação para o ruivo que ficara surpreso – Você lembra que eu te contei sobre aquilo? Sobre aquele meu ex... Então, é ele.

filho da puta! – O grito de Min soou tão alto pelo telefone que até o moreno pudera ouvir, teria rido se não estivesse completamente tenso ouvindo sobre o possível ex de Jimin, era isso que tinha entendido até então.

— Min Hyung... – Dificilmente o ruivo usava tratamentos coreanos, mas precisava acalmar seu hyung do outro lado da linha que estava jurando matar seu próprio primo em porradas no meio cara, Jungkook sentiu-se estranho sobre aquilo, Jimin parecia estar realmente sendo carinhoso com o outro e a lembrança sobre a forma que Min Yoongi protegera o mais velho do ginásio volta em sua mente, franziu os lábios e apertos os dedos no volante preto, e se seu jogador estivesse apaixonado pela figura tímida e fechada que era o rapaz sentando ao seu lado? Eles tinham mais intimidade, e ele conhecia muito mais a Jimin do que si, tanto que podia notar o assunto tratado entre eles era algo que já tinham dividido antes. – Deixa eu falar! Sim, ele é aquele garoto mas eu já superei isso, olha quantos anos fazem....

— Superou, Jimin? Você saiu correndo do meu prédio enquanto chorava... – Ouviu o outro suspirar, e sabia que o mais velho estava apertando os olhos com o indicador e o polegar atrás da linha, o alaranjado apertou os dedos no celular e soltou toda a respiração.

— Eu não posso... evitar. Eu achei que nunca mais fosse ver ele na minha vida... eu só fiquei surpreso... – A voz do menor tomou um tom tristonho e abalado, o corpo encolheu-se no banco de couro e encostou a lateral da cabeça na janela fechada.

Era por isso que o mais velho estava chorando quando quase o atropelou mais cedo? Jungkook pensava e pensava, encaixando todas as peças no quebra cabeça mal feito, Jimin viu ele e então fugiu sem ver por onde ia, procurando abrigo em seus braços; soltou um baixo “Jimin, chegamos” Tinha ganhado o endereço da casa do mais velho durante a conversa boba antes de Min Yoongi ligar. E descobriu que ele morava em um dos bairros mais simples da cidade.

Estreitou bem os olhos vendo uma silhueta escorada contra a porta do mais velho, estava escuro e por isso não tinha tanta clareza. Tirou o cinto de segurança, e se alarmou, os vidros eram esfumados e por isso tinha certeza que não estava sendo visto de volta pela figura segredada.

— Yoongi... eu vou desligar. – Jimin disse, tenso. Notava o mesmo que seu companheiro de encontro e ignorou os questionamentos do outro lado da linha, guardando o celular de volta no bolso. Engoliu em seco sem saber direito o que deveria fazer.

Estava com medo mas precisava sair, precisava enfrentar. Abriu a porta vendo o moreno o olhar de imediato.

— O que esta fazendo? Você não vai ir sozinho. – E antes que o menor pudesse protestar, desceu do carro, seguido pelo outro que fechou a porta e deu a volta no veículo, subindo na calçada junto do mais novo. A silhueta então se mexeu em direção a ambos e Jeon agarrou a mão alheia entrando parcialmente na frente do corpo menor, cerrava os punhos pronto para desacordar quem quer que fosse.

— J-Jimin...? – A voz tremula e embargada viera da terceira presença que ao ser iluminado pelo poste de luz fraca Jungkook franziu o cenho, o rapaz estava com o rosto lavado em lagrimas, as roupas pareciam finas demais para a noite nevada, relaxou levemente o corpo já que o outro parecia inofensivo, sentiu a mão pequena apertar a sua, então devolveu o aperto para mostrar confiança ao ruivo que parecia muito mais medroso agora do que antes. – Jimin... por favor...

— Hoseok... o que você quer? – Perguntou, o coração voltava a doer e o estomago revirar, sentiu uma ânsia súbita e poderia ter vomitado ali mesmo. O estado do mais alto chamou atenção do ruivo que ainda não tinha certeza se deveria baixar a guarda ou não.

Jeon estava incomodado com a forma que estava sendo ignorado pelo rapaz de postura deplorável e cabelos castanhos claros, não exatamente o fato de ser ignorado, mas o fato de parecer que não existia ali uma vez que os olhos molhados e vermelhos estavam focados obsessivamente no menor atrás de si.

 


Notas Finais


E AI, O QUE ACHARAM?
Gente eu estou vendo que tenho ganhado muitos mais comentarios e nao vou parar de repetir o quanto isso me motiva a continuar, eu não quero mesmo abandonar essa fic como fiz com muitas, e por isso a opinião de vocês me são importante, PRINCIPALMENTE AQUELES COMENTARIOS ENORMES QUE VOCÊS FAZEM, AMO ELES, SÃO OS MELHORES!!!
Eu tenho algumas ideias incessantes para outras fanfics, também com o Jimin envolvido, me dizem o que acham..

Até o proximo, babys da tia Tiny <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...