História Hodierno - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~ShiroKohta

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suga, Suho, Xiumin
Tags Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Krisho, Luxing, Périplo, Periplo!au, Sexing, Sookai, Xiuchen
Visualizações 209
Palavras 3.174
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLÁ CHUCHUZINHOS <3 <3
Primeiro, desculpa pela péssima nota inicial do capítulo passado. Eu tava muito louca de dopada e ri horrores quando li de novo. Agora to mais descente pra escrever algo que valha mais a pena, porque nois trupica, mas não cai.
Dessa vez, não fizemos a Gaga e estamos aqui no sábado como prometido.
Espero que a história não esteja chatinha. A verdade é que ela é bem levinha em comparação a Périplo, mas juramos que não vai ser só esse mimimi aleatório. Ainda há umas coisinhas pra rolar!
No mais, boa leitura galerinha do mal <3

Capítulo 3 - Nunca seríamos uma boa equipe.


 

De alguma forma, Kai não conseguira se preocupar de fato com o machucado que tinha no amigo. Ainda que o Malesuadus tenha ido direto para o centro médico, o Tahrik parecia ter outras prioridades na frente e tudo se resumia a Rideel de cabelos negros que havia simplesmente tomado conta de todo seu ser.

Sem qualquer vergonha, a criatura de cabelo descolorido começou a perseguir a garota que estava sozinha, brigando com a barra da saia. Era algum fio solto ou coisa do tipo. O tintilar do salto da bota ecoava por todo o corredor que naquele momento estava vazio. Kai poderia simplesmente ter se teletransportado para perto da amada, mas estava num total estágio de admiração. A Rideel era a coisa mais linda desse mundo.

Quando a mesma virou em uma das esquinas dos corredores, os fios picotados até o ombro batendo no próprio queixo de uma maneira totalmente charmosa, o príncipe acabou parando apenas para dá um imenso suspiro apaixonado. Não podia lidar com tanta formosura em uma única pessoa.

Ao virar para continuar a seguir a garota, bateu com tudo contra o corpo baixo, reparando que a Rideel estava esperando-o com os braços cruzados e os olhos estreitos. Possivelmente havia notado que estava sendo seguida fazia um bom tempo.

— O que você quer de mim, seu imbecil? Ta achando o que? Que sou algum tipo de objeto da federação para você ficar indo atrás feito o otário que você é? — A voz fina, mas ainda assim firme se fez presente e tudo que o Tahrik conseguia notar era como os lábios em forma de coração humano, - ou ao menos a representação simbólica dele - era a coisa mais linda que já tinha visto em todo o universo.

    — Você é tão linda — O garoto ditou de forma totalmente abobada, fazendo a Rideel revirar os olhos e soltar um suspiro de pura impaciência.

— Me conte o óbvio, imbecil — Grunhiu batendo o pé no chão — Para de me seguir. Me deixa em paz! Eu vou quebrar a sua cara se você continuar a me perseguir, entendeu?

— Somos almas gêmeas, sabia? Eu sequer sabia que poderia me apaixonar por uma garota, mas você…

— Cara, tu tá ouvindo o que eu estou falando? Para de ser esse escroto do caralho.

— Eu paro. Eu faço o que você quiser. Você é minha princesa, sabia? — A Rideel arregalou os olhos com tal absurdo e acabou rindo totalmente descrente. Princesa? Era o que faltava! De forma rápida, segurou o colarinho do uniforme do outro e sem nem pensar duas vezes, impulsionou o joelho contra a virilha alheia sem medir um tantinho de força que fosse, vendo o garoto cair ajoelhado ao chão.

— Me chame de princesa outra vez, seu estúpido… Que eu quebro seu crânio no meio e uso de colher para tomar sopa — Praticamente rosnou, virando o corpo, os cabelos curtos esvoaçando e voltando a andar em passos rápidos para bem longe do ser estúpido que lhe infernizava.

E ainda que sentisse dor, o Kai sorria de forma totalmente sincera. Sua Vailles havia lhe tocado e queria usar seu osso para algo! Que coisa incrível!

 

[...]

 

— Posso entrar? — A voz doce se fez presente quando a porta fora aberta em uma pequena fresta, ganhando atenção do Malesuadus que tinha o tronco todo envolto com faixas verdes.

— Claro, fique a vontade! — Ditou baixo, ainda que não conseguisse ver quem era o dono da voz. Com certeza não era o Kai e naquele momento já havia desistido de receber a visita do amigo. Havia sido totalmente largado.

— Oi… Sehun né? Eu sou o Lu, que estava na simulação com você. Fiquei preocupado já que não pude fazer muita coisa antes de você ser socorrido e queria saber como estava — O Isticine ditou ainda de forma calma. Não estava mais com o uniforme, mas Sehun o reconheceu rapidamente pelos fios azulados e os olhos cor de rosa.

— Obrigado por se preocupar. Me falaram que foi uma perfuração de segundo grau. Preciso só esperar a abertura cicatrizar e fechar para poder ter alta — Explicou observando o outro garoto que tirava seu prontuário do apoio da cama e passava a ler com atenção.

— Você teve sorte. A perfuração passou bem perto do seu Sieg… Ele é o órgão vital da sua raça, não? Que produz energia para que seu cérebro funcione. Ainda não estudei muito bem sua raça — Admitiu num meio sorriso envergonhado, colocando a ficha no lugar — Mas sei que também ficará bom logo. Eu realmente fiquei preocupado.

— Eu estou bem. De verdade. Um tanto largado pelo meu melhor amigo, mas estou bem — Disse num meio sorriso, movendo-se minimamente na maca — O que importa é que no final deu tudo certo e todos saímos bem. Podia ter acontecido algo pior.

— Sim, poderia. Yixing ficou totalmente possesso. Queria derrubar a academia inteira por termos sidos mandados para uma sala de simulação defeituosa — O Lu riu baixinho, sentando na beirada da maca do Malesuadus.

— Yixing é o seu irmão? O de cabelo rosa e olhos azuis?

— Sim. Meu irmão gêmeo. Ele tem um gênio bem difícil, mas é um amor de pessoa. Eu digo que ele é um tanto incompreendido. E protetor demais.

— A enfermeira me disse que uma das coisas que me ajudou bastante era que eu tinha sido inicialmente atendido com fator de cura de dois Isticines em vez de um. Então eu agradeço muito a você e ao seu irmão. Papai veio me visitar também e disse que gostaria de agradecê-los pessoalmente.

— Seu pai?

— Woobin. o embaixador.

— Oh, sim! Você é filho do Woobin. Imagino que ele não esteja muito satisfeito com o que lhe aconteceu.

— Ele sabe que erros acontecem e só cobrou uma maior vistoria. Não há porque fazer alarde. Está todo mundo bem — O garoto deu de ombros, os olhos totalmente negros com um brilho fraco. Ainda não estava totalmente recuperado.

— Imagino que esteja cansado. Você deveria dormir um pouco, Sehun. Seu organismo trabalhará melhor enquanto descansa, uh? Eu posso ficar aqui se você quiser. Fomos liberados por hoje e não me custaria nada ficar aqui pra te ajudar em alguma coisa caso precise.

— De verdade?

— Claro! Eu gosto do ambiente hospitalar — Respondeu em um sorriso sincero, arrancando outro sorriso do Malesuadus.

O Lu parecia uma iguaria tão maravilhosa para ser ter na cama.

 

[...]

 

O efferinus estava deitado no chão do quarto, ao lado do terrígeno. Ainda que preferisse estar no compartimento da sua cama que era isolada e podia ter sua atual temperatura, estava mais interessado em conversar com o colega de quarto já que a cabeça parecia pipocar com todos os acontecimentos que havia tido naquela manhã.

Diferente do Wu que só estava com a calça do uniforme, Chanyeol preferiu manter o seu por completo já que sempre se distraía facilmente com o outro e colocara fogo no quarto duas vezes no ano passado. Ainda não era bom naquilo de controlar temperatura.

— No final, o que você achou de todos eles? — Chanyeol acabou perguntando, as mãos bagunçando levemente os fios avermelhados enquanto as orbes amareladas fitava o outro com total atenção.

— Tenho algumas preocupações, na verdade.  O Tahrik encontrou um Vailles, mas é justamente um Rideel. E você sabe que os Rideels são praticamente bonecos animados e sem sentimentos. Ela não vai retribuir ao outro e isso pode ser um problema gigantesco. Obviamente a federação vai mantê-los juntos é quase uma regra. Mas isso vai ser uma puta dor de cabeça.

— É engraçado. A Rideel tem corpo formado e aparentemente tem noção de alguns sentimentos. Eles não deviam ser zerados? — Indagou um tantinho confuso, contendo a vontade de pegar o tablet com a catalogação de raças.

— Pelo pouco que eu sei, a Rideel era zerada quando fora descoberta. Mas depois, se construiu. Não sei porquê ou como. Mas se isso não se resolver logo, a tripulação que pegá-los vai pegar em bomba. Eles e os Immors.

— Eu achei que eles fossem amigos. Sabe… Os últimos da raça.

— A minha impressão é que a Academia força isso, mas eles não suportam. Provavelmente, eles têm alguma esperança de procriação ou sei lá. Mas é óbvio que eles estão bem desconfortáveis com isso. Espero que consigam ficar em tripulações diferentes. Fiquei com a sensação de que eles preferiam morrer a ter que ficar lado a lado.

— Acho que eu também ficaria irritado se me forçassem a ficar com outra da minha espécie só porque temos uma “obrigação” de manter tudo. Não os entendo, mas imagino que realmente seja ruim — O Efferinus ditou num biquinho, levemente pensativo.

— E tem o outro da minha espécie. Ele é bem…

— Mandão.

— Não era essa a palavra, mas é basicamente isso. Ao tempo que sou permissível, ele é muito irredutível. Ainda que a pontuação dele de liderança esteja alta, imagino que não chegou a 100 por causa dessa imposição inteira.

— Vocês são praticamente o que falta no outro.

— Acho que somos mais opostos mesmo — Disse com pesar — Poderíamos ser bons numa mesma equipe. Mas isso é algo gritante e se mostrou péssimo na simulação. Nunca seríamos, em hipótese alguma, uma boa equipe.

 

[...]

 

— Eu juro que se me colocarem de novo com aquela criatura incompetente, eu vou jogar uma bomba no meio da federação — Chen grunhiu enquanto entrava no quarto, tirando o uniforme e jogando de todo jeito no chão.

— É estranho como vocês são da mesma raça, mas…

— Mas ele é um completo inútil. Um peso morto. Ele parece viver numa lamentação eterna pelo fim da raça. Eu não tenho saco pra isso não, de verdade. Ele deveria impor mais respeito, mostrar força. Fica parecendo que os nossos morreram porque são frágeis como ele. Ah, faça me o favor.

Chen ditou se dirigindo a um pequeno closet de onde tirou um par de calças de moletom é uma camiseta surrada, indo vesti-las.

— Eu não sei se é bem assim… Eu vejo mais como alguém que não quer se demonstrar mesmo — Suho comentou enquanto desabotoava a camisa sentado sobre a cama que o pertencia — Talvez seja algo como proteção própria. Ele foi sequestrado por anos, você sabe…

— Isso não é motivo. Dá vontade de descer uns socos na cara dele pra ver se ele acorda. Na verdade, eu quis meter um soco em muita gente hoje, principalmente naquele Tahrik estúpido. Bicho otário. Mimimi, a dona da minha vida, mimimi, meu amor maior. Isso é nojento. Amor deve ser bonito ou sei lá o que, mas porra… Tu deixar de ser quem é e viver por outra pessoa? Preferia ser morto — O tom era totalmente agressivo, os olhos tricolores praticamente brilhavam em raiva.

— A equipe de hoje foi péssima mesmo. Até falaria que o banco de dados da federação estava louco se não tivéssemos sidos colocados de maneira aleatória — Suho ditou enquanto colocava a camisa do uniforme em um cabide para que não amassasse, passando a tirar a calça — Tenho certeza absoluta que não estaremos juntos outra vez. Nem o P do Perigo disso acontecer.

— Se me enfiarem em qualquer coisa com aquele idiotinha apaixonado, eu estouro os miolos dele.

— Sempre acho que é por isso que você não foi aprovado em armamento e sim em pilotagem. Você teria matado a metade da população de terrígena — O Kim riu, vendo o outro revirar os olhos.

— Ainda tenho total capacidade de jogar uma nave em cima de alguém e explodir todo mundo. Não seja por isso — sorriu maldoso para o terrígeno que revirou os olhos — O que você achou do outro terrígeno lá?

— Já tinha ouvido falar dele. Aparentemente mesmo com um ranking alto de liderança, ele não consegue se impor. Nas outras simulações, o pessoal fazia o que bem entendia. Provavelmente por isso a pontuação dele não é 100.

Suho não gostou do outro terrígeno, e esperava que ele fosse designado para uma equipe bem longe do outro.

— Ele é idiota, ao meu ver. Ele parece ter muita cautela com coisas ou sei lá. Tu ta como líder? Faz direito, cara! Ordena, faz e desfaz. Ele parece aqueles serezinhos que pregam a lenda dos deuses — Murmurou desdenhoso sentando na própria e se preparando para dormir — Tu já pegou simulação com um Txiki? Velho, aquela bola rosa passou a simulação inteira falando que a harmonia e o caos tramaram um jogo de reformulação do universo. Que todos estavam aqui porque pessoas nos salvaram. Puta merda. Eu nunca ouvi tanta besteira e idiotice na minha vida numa parcela tão pequena de tempo.

— Já imaginou se existisse mesmo um Deus caos e uma Deusa harmonia que brigam? Iríamos viver em conflitos. Acho que todo o universo acabaria explodindo.

— Nem precisa de muito. É só me colocar com aquele bando de energúmenos mais uma vez, que eu faço o novo big bang — Novamente grunhiu, fazendo o terrígeno rir de toda a revolta do amigo.

— Mudando de assunto. Mamãe deve tá chegando de missão esse final de semana. Vai ficar aqui ou vai pra casa?

— Faz tempo que não vejo a Doona Bae. Quero vê-la sim. Ela sempre nos ensina algo relevante para academia, no final das contas. E o Siwon? Por onde ele tá?

— Acho que em Takhatur de novo — Disse levemente pensativo — Parece que a Federação quer manter um tipo de controle. Eles têm contato com todos os mapas. Existem pessoas de lá que estão morrendo ao entrar em planetas mais delicados ou de traços diferentes em busca do tal Vailles. Vai ter alguma reunião com o rei algo assim. Até achei estranho aquele Tahrik com a gente.

— E por que não estaria? — O Immor indagou confuso. Não poderia imaginar o porque de um idiota de cabelos descoloridos ser necessário em uma reunião tão importante.

— Ele é o príncipe de lá, pelo que eu lembro.

— Então porque diabos ele entrou na Academia?

— Procurar o Vailles — Suho deu de ombros vendo Chen bufar.

— Isso de amor é uma coisa muito escrota mesmo. Nossa — Negou com a cabeça decidindo deitar uma vez por todas na cama.

Era melhor dormir do que ouvir aquele momento de baboseira.

 

[...]

 

A sala era pequena, mas ainda assim, muito confortável. Era toda branca com alguns detalhes em azuis. Alguns puffs eram distribuídos por cima do carpete cinza, assim como havia vários travesseiros azulados jogados por todo o chão.

O grupo estava sentado em cima do carpete em uma círculo. Uma música calma tocava de fundo e um cheiro doce de biscoitos parecia ganhar todo o ambiente, dando um ar ainda mais aconchegante.

— E como foi o dia hoje? — A mulher perguntou num meio sorriso para o grupo, que até então estava calado. Era um dos grupos mais quietos na visão da psicóloga.

— Tivemos uma simulação — O terráqueo falou. Ele sempre era o primeiro a falar — Foi interessante. Um carinha ta de crush pela D.O!

— Sério? E como está sendo isso pra você, D.O? — A terrígena voltou a indagar, deixando o olhar cair sobre a Rideel que já demonstrava uma careta de insatisfação.

— Eu quero que ele morra! — Ditou de forma simplista, fazendo a Tzuyu que estava ao seu lado, rir.

— Então sem chances?

— Se ele não morrer, eu me mato! — Ditou com o nariz levemente empinado, fazendo a terrígena sorrir levemente.

— E o que mais temos? Xiumin?

— Ah. Oi Amber. Não tenho nada a acrescentar hoje não.

— Nada sobre essa simulação?

— Me colocaram com o outro Immor. De novo. Eu já te falei que odeio quando fazem isso. Quando me forçam estar do lado de alguém que tem um ego muito inflado e que se acha o dono da razão. Não gosto dele desde o nosso primeiro contato e gostaria bastante que ele ficasse bem longe de mim — O serzinho azul de olhos multicolores ditou com um suspiro, apoiando a cabeça no ombro da Rideel, que dessa vez, não reclamou.

— Ele continua arrogante?

— Muito. Ele consegue ser mais insuportável que o Baekhyun!

— Hey! — O Terráqueo falou indignado.

— Então ele é chato pra caramba — Dessa vez foi o matoki que falou

— Hey! — Ditou outra vez, fazendo todos rirem — Nossa Yongguk… Tudo isso é por não conseguir lidar com o amor que você tem pelo Himchan?

O nome mal escapou da boca do Terráqueo, que o Shishimato - uma projeção hologramática com formato de coelho e uma máscara vermelha que era praticamente a alma do matoki - começou a correr desesperado em circulo pela sala, sem atingir ninguém já que passava por entre as coisas, até bater com tudo no dono que era o único capaz de tocá-lo.

— Por que você faz isso, Baekhyun?

— Eu acho bonitinho o coelhinho correndo — Respondeu dando de ombros, vendo a Amber sorrir mais uma vez.

— Tzuyu, você está tão caladinha. Não tem nada a falar?

— Não. Na verdade não. Hoje não tive aula, passei boa parte do dia no quarto com a Sana. No nível um temos mais tempo de folga — Ditou baixinho, as antenas mexendo de forma calma sobre a testa.

— Saudades nível um — Baekhyun falou baixinho e até a D.O acabou concordando.

— Num geral, sem mentir, como vocês estão?

— Eu estou bem — A garota de anteninhas voltou a ditar, rindo baixinho ao ver a atenção que o Shishimato tinha sobre as antenas.

— Também estou bem. Só queria que me levassem mais a sério enquanto diplomata. Toda simulação parece que eu não existo. Aparentemente para você ser alguém importante numa tripulação, você tem que ser mau encarado. Bom humor é fraqueza ou sei lá o que — O byun ditou num suspiro, a Amber acenou em compreensão com a cabeça.

— Não é questão de bom humor, Baekhyun. Às vezes, você irrita demais a pessoas!

Yongguk resmungou o que todo mundo concordava.

— Eu só quero ajudar você a se declarar ao Himchan porque eu sei que você gosta dele. Não é irritar. Não faço por achar divertido você com vergonha… É que eu acho que você ficaria mais feliz com ele! As pessoas acham que tudo que eu faço é pra causar o caos — O garoto rebateu com um bico nos lábios, cruzando os braços.

— Baekhyun… É importante ajudar as pessoas, mas elas precisam querer. Então, respeitar o espaço do colega, é algo importante — Amber ditou em calma, vendo o terráqueo suspirar e assentir com a cabeça — D.O?

— O que?

— Você está bem?

— To. To aqui, não tou?

— Sim, está! — Sorriu e olhou para o Immor — Xiumin?

— Só queria distância do esquentadinho dono da verdade. De resto, estou sim.

— Yongguk?

— Estou bem. De verdade. O grupo está me ajudando muito com a adaptação depois do sequestro.

— Sendo assim… Nos vemos na próxima semana, tudo bem? Vocês sabem onde é minha sala e podem me procurar a qualquer momento. E sim, D.O, recebi o papel do seu requerimento e a Academia vai permitir que você continue com o Baekhyun e o Xiumin, mesmo que seja duas pessoas por quarto. Aceitaram meu laudo.

— Pelo menos. Melhor lidar com estrupícios que conheço a tempos do que com gente estúpida nova.

— Tem mais algo que alguém gostaria de falar ou pedir? — Indagou vendo o Byun erguer a mão — Sim Baekhyun?

— Eu gostaria de um namoradinho. Você pode fazer essa solicitação pra mim também?

 


Notas Finais


D.O Female Version is my new Religion.
Ps: Tia Amber, quero a solicitação de namoradinho também, pls.

Até próximo final de semana chuchuzinhos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...