História Hogwarts, Uma História - Pós-guerra - Capítulo 150


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Andromeda Tonks, Angelina Johnson, Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Blásio Zabini, Carlinhos Weasley, Cho Chang, Daphne Greengrass, Dino Thomas, Draco Malfoy, Fleur Delacour, Gina Weasley, Gui Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Lilá Brown, Luna Lovegood, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Percy Weasley, Ronald Weasley, Simas Finnigan, Theodore Nott
Tags Amor, Draco Malfoy, Dramione, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Hinny, Hogwarts, Pos Hogwarts, Pos-guerra, Sexo
Visualizações 606
Palavras 1.864
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aqui vai mais um bem delicinha pra vcs se acalmarem!

Capítulo 150 - 150 - Mudanças


POV Gina

Acordei com a claridade entrando pela janela do quarto. Tínhamos esquecido de fechar a merda da cortina de novo. Ri com isso e me virei de frente para Harry que já estava acordado, me olhando de um jeito que eu não consegui descrever. Me espreguicei olhando para ele que sorriu pra mim.

- Bom dia! – Eu disse com a voz sonolenta.

- Eu amo você! – Ele respondeu e eu abri um sorrisão.

- Eu também te amo. – Eu disse o abraçando e enchendo o seu ombro de beijos. – Sabe o que eu estou lembrando?

- Hum... – Ele disse perto do meu ouvido, me fazendo arrepiar.

- A gente não comemorou a minha vitória do jogo e nem a minha gravidez. O que acha de comemorarmos hoje quando voltarmos da toca. – Eu fiz a voz mais sexy que pude e beijei a curva de seu pescoço.

- Mas você está grávida, amor. – Ele disse alarmado. – Você pode transar grávida?

- Claro que sim. – Eu revirei os olhos. – É até saudável... É só a gente fazer com cuidado.

- Bom saber. – Ele sorriu e selou nossos lábios várias vezes seguidas, e eu não pude deixar de sorrir. – Você vai querer tomar café aqui ou prefere a comida da sua mãe na Toca?

- A da mamãe.

- Foi o que eu pensei. – Ele riu. – Vamos tomar um banho juntos?

- Hum, que gostoso! Eu topo! – Eu sorri e nós fomos de mãos dadas até dentro do box. Harry segurou meu rosto com as mãos e me deu um beijo apaixonado. Nós nos despimos entre o beijo e ligamos o chuveiro. Ele pegou o sabonete e esfregou todo o meu corpo com as mãos e eu fiz a mesma coisa com ele. Nós nos enxaguamos e ele voltou a me beijar, deixando suas mãos passearem pelo meu corpo. – Amor, guarda essa energia pra de noite. – Eu sussurrei em seu ouvido e ele assentiu com um sorriso malicioso.

- Eu tô morrendo de saudades de você, minha ruiva! – Ele sussurrou em minha boca e me deu mais um selinho antes de sair do box e me dar uma toalha. Nós nos enxugamos e nos vestimos. Ele colocou uma bermuda de moletom e uma camiseta vermelha e eu coloquei um vestidinho florido e um chinelinho de dedo. Peguei algumas poções da mesinha do meu quarto e coloquei na bolsa, sob o olhar atencioso do meu marido que em seguida me abraçou e aparatou comigo para o jardim da toca. A aparatação me revirou o estômago, mas nada muito grave. Me apoiei em Harry para me equilibrar melhor e ele, ao perceber isso me segurou firme pela cintura.

- Você tá legal? – Ele perguntou quando chegamos.

- Só um pouco enjoada. Nada demais. – Eu sorri e beijei o seu rosto. – Vamos entrar?

- Vamos. – Ele sorriu e andou abraçado comigo até a porta, que estava escancarada por causa do calor. Gui, Anton e Carlinhos já estavam lá e falavam os cochichos.

- Oi vocês três! – Eu sorri e Carlinhos veio correndo em minha direção para me virar de ponta cabeça, mas Harry foi ágil o suficiente para entrar na minha frente e impedir que ele fizesse isso.

- Hoje não, Carlinhos. – Ele sentenciou e meu irmão franziu o cenho.

- Por que não? – Carlinhos cruzou os braços indignado. – Ela é minha irmã antes de ser sua mulher, Potter.

- Eu estou enjoada, ele só está tentando garantir que eu não vomite na sua cara. – Respondi virando os olhos. – Gui, cadê a Fleur?

- Foi acordar o Teddy e a Vic que dormiram aqui. Deve estar no meu antigo quarto.

- Legal. Eu vou lá. – Sorri e saí andando.

- Ah, mas não vai mesmo! – Harry me agarrou pela cintura. – Você precisa se alimentar direito, come pelo menos uma tortinha de abóbora.

- Tá bom. – Eu sorri e fui até a mesa do café que já estava posta no jardim e peguei um prato para me servir. Na mesma hora me bateu uma fome enorme e eu comecei a colocar os quitutes de minha mãe no meu prato, voltando para a sala em seguida. – Cadê minha mãe?

- Primeiro que ela não é só a sua mãe. – Gui falou e eu revirei os olhos. – Ela foi ajudar a Audrey a retirar as fadas mordentes das cortinas do quarto de hospedes da casa dela.

- Por quê?

- Sei lá, Ginevra. Tenho cara de revista de fofoca? – Ele rebateu grosseiramente e eu senti meus olhos lacrimejarem.

- NÃO PRECISA SER ESTÚPIDO, TA? – Eu disse chorosa e todo mundo me encarou com olhos arregalados. – Eu vou subir e falar com a minha cunhada, por que ela não é grossa comigo.

Olhei feio para o Gui e saí correndo para o andar de cima.

- Amor! – Harry me chamou mas eu ignorei. Entrei no meu quarto para chorar, mas dei de cara com Fleur sentada na poltrona olhando Vic e Teddy dormirem de mãos dadas. Ela com um pijama de fadinhas e ele com um pijama de cachorrinhos. A cena mais fofa do universo, logo o meu humor mudou.

- Oi, Gi! Tá tudo bem?

- Tudo... Que coisa mais fofa! – Eu apontei para a cama onde eles dormiam e Fleur sorriu.

- Muito! Você está bem?

- Tô sim. – Eu sorri e comecei a comer um dos biscoitos do meu prato. – Fleur, você corta o meu cabelo?

- Corto. – Ela torceu os lábios. – Mas ele está tão bonito...

- Mas a minha vida inteira está mudando. Acho que chegou a hora de mudar o meu cabelo.

- Como você quer que eu corte?

- Quero ele um pouco abaixo dos ombros e com uma franja legal. – Eu sorri e ela puxou uma cadeira para eu sentar e eu o fiz. Ela, com a varinha começou a cortar o meu cabelo. Fleur era excelente com esses feitiços de beleza, que cortavam, alisavam, enrolavam os cabelos e até mudavam de cor. Eu comi toda a comida do meu prato enquanto ela cortava mecha por mecha.

- Gin, quer lavar para ver se ficou certinho e fazer uma escova?

- Pode ser. – Eu sorri. Eu adorava quando penteavam meu cabelo então eu não me incomodei em deixa-la mexendo. Ela deitou minha cabeça em uma bacia com água quente e começou a lavá-lo.

- Você está gravida, não está? – Ela perguntou sorridente e eu arregalei os olhos. – Você comeu muito no café, teve uma mudança repentina de humor, passou mal ontem... Está ou não está?

- Estou. – Sorri suspirando derrotada e ela riu. Quando ela acabou de lavar o cabelo, ela o penteou e acertou o corte com a varinha, secando-o depois.

- E aí? Gostou? – Ela perguntou e eu me olhei no espelho. Fazia anos que eu não usava o cabelo mais curto e eu tinha medo de parecer muito mais velha que a minha idade quando cortasse, mas surpreendentemente eu estava parecendo até mais nova do que antes.

- Amei! – Sorri para o meu reflexo. – Me sinto uma nova pessoa.

- Que bom! – Ela sorriu e eu a abracei.

- Obrigada!

- Não há de que.

A porta foi aberta com calma e a voz de meu marido surgiu.

- Gina, você está aí?

- Ela está. – Fleur respondeu sorridente e saiu do quarto depois de me dar um beijo em cada bochecha.

- Posso entrar, amor? – Ele perguntou ainda sem abrir a porta.

- Claro que sim, né? – Eu disse divertida e ele abriu a porta parando ao me ver.

- Wow. Cortou o cabelo! – Ele exclamou sorrindo. – Dá uma voltinha pra eu ver.

Eu sorri timidamente e rodei em meu próprio eixo. – E aí?

- Puta que pariu! Quando eu acho que não tem como você ficar mais bonita, você vai lá e corta o cabelo. Vou ter que ficar de olho em você, mocinha. – Ele sorriu e me abraçou pela cintura, selando os nossos lábios. – Tá uma gata!

- Obrigada! – Eu sorri e mordi o lábio inferior. – Quer acordar o casal mirim e falar com o Ted agora?

- Quero. – Ele sorriu e foi acordar os pequenos enquanto eu escovava os meus cabelos mais uma fez. – Acorda galera!!! Venham ver o cabelo bonito da tia Gina!

Vic levantou rápido e deu um beijo estralado no rosto de Harry e correu para ver meu cabelo.

- Você está linda, Tia! – Ela sorriu.

- E você é linda sempre, minha bailarina. – Eu sorri e a abracei. – Desça para tomar café enquanto eu tenho uma conversa com o Teddy, sim.

Ela assentiu e saiu do quarto, fechando a porta em seguida.

- Eu vou tomar bronca? – Teddy se sentou na cama esfregando os olhinhos e Harry gargalhou, me puxando para sentar ao seu lado. Teddy correu para se sentar em meu colo, de frente para mim, escondendo o rosto em meu peito.

- Não, campeão, você não vai tomar bronca. Só queremos conversar com você sobre uma novidade, antes de contar pra todo mundo.

- O que? – Ele olhou para o Harry com curiosidade.

- Você vai ganhar um quase-irmãozinho. – Eu disse trocando um olhar com meu marido.

- É? – Ele franziu o cenho. – Quando?

- Em abril do ano que vem, provavelmente. – Eu respondi acariciando seu cabelo e os olhinhos dele se encheram de lágrimas. – O que foi, meu amor?

- E eu vou ter que voltar pra casa da vovó Andrômeda? – Ele perguntou manhoso.

- Claro que não, pequeno. De onde você tirou essa ideia?

- Vocês vão ter outro bebê pra colocar no meu lugar. – Ele choramingou, enxugando os olhinhos.

- Claro que não, filho. – Harry sorriu. – Ninguém vai tomar o seu lugar. Você vai continuar tendo a gente e o seu quartinho e o seu videogame, o seu gato, tudo o que você tem. Mas você vai ter que ajudar a gente.

- A fazer o que? – Ele disse secando as lágrimas e nos olhando com curiosidade.

- A cuidar da sua tia Gina e do seu irmãozinho quando ele nascer.

- Eu vou poder brincar com ele? – Ele perguntou desconfiado.

- Claro que sim. Vai poder ensinar ele a jogar bola, xadrez, a jogar videogame... E você vai ter que dar muito amor pra esse irmãozinho.

- Vocês vão continuar me amando?

- Sempre. – Nós respondemos ao mesmo tempo e ele abriu um sorrisão dando um beijo babado na bochecha de cada um de nós.

- Eu também vou amar vocês pra sempre. – Ele sorriu e aproximou o rostinho da minha barriga. – E aí, cara!? Chega logo pra a gente brincar?

Eu sorri parra Harry que me deu um selinho demorado, mas fomos interrompidos pela mão do Teddy.

- Tia Gina é minha e do bebê! – Ele deu um sorriso sapeca.

- Você é um folgado! – Harry riu e o pegou no colo, virando-o de ponta cabeça. – De quem é a Tia Gina?

- É sua, tio! É sua! – Harry riu e o colocou na cama, fazendo cocegas. Mas o nosso momento foi interrompido por Jorge, que abriu a porta.

- Mamãe tá chamando pra almoçar. – Ele sorriu e entrou, pegando Teddy no colo. – Seu cabelo tá lindo, maninha! Desçam pra almoçar, Angelina quer falar com todos nós. 


Notas Finais


É isso...

Beijos e Nox!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...