História Homofóbico, só que não - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~Vodka-chan

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Suga
Tags Hopesuga, Sobi, Sope, Sugahope, Yoonmin, Yoonseok
Visualizações 721
Palavras 9.074
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Famí­lia, Fluffy, Lemon, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello~

Eu e a Vodka-chan (melhor nome kkkkkkkkk) esperamos que gostem da One :3

Sem mais delongas, boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo único


Desde que era criança eu ouvia meus pais falarem mal de homossexuais, com isso acabei pensando que esse tipo de pessoa era um lixo também, mas então eu acabei descobrindo que meu melhor amigo é  gay e isso me deixou bem confuso. Estava em silêncio após ele contar isso.  Ele estava esperando uma resposta minha, mas não sabia o que dizer agora que descobri que ele é  viado.

 

Estava o encarando tentando buscar qualquer vestígio de que ele estava brincando comigo, como alguém "igual" a mim poderia dizer simplesmente " Sou gay!?"

 

Porra!

 

Ele é um garoto normal, com gostos parecidos com os meus, é até que bom aluno, não aprontava, um garoto bom como meus pais diziam, mas ele vem e me diz que é GAY!

 

— O que você espera que eu diga, Hoseok?  — Perguntei sério.

 

O que ele estava ganhando falando aquelas coisas para mim? O que eu tinha que dizer? Mesmo ele sendo gay, ele ainda é  meu melhor amigo?

 

Porra eu não faço a menor ideia do que é  o certo a se fazer.

 

— Que não se importa com isso? Que somos melhores amigos ainda? — Arqueou a sobrancelha me olhando parecendo hesitante.

 

Pelo jeito ele estava mesmo falando sério, eu conhecia muito bem esse olhar.

 

— E por que mudaria algo? — Perguntei tentando não parecer tão sério, talvez assim eu chegasse a uma resposta.

 

— Porque eu sinto que você é  homofóbico, tenho quase certeza. — Sussurrou. — Mas eu não podia ficar mentindo pra você… — Explicou o que me fez respirar fundo.

 

Mesmo que eu quisesse distância de gays, eu não queria perder a amizade que tinha com Hoseok. Eu não conseguia me ver vivendo sem a amizade dele, Hoseok era o único em quem eu confiava, mesmo que eu devesse me afastar dele, eu não conseguia. Odeio saber que ele é gay, mas odeio ainda mais a possibilidade de não ter mais a sua amizade.


 

— Olha... Se você for gay apenas com outros caras isso não muda nada, eu não quero perder a sua amizade por causa de algo assim.— Respondi.

 

— Te abraçar às vezes como faço é algo gay pra você? — Perguntou coçando a nuca.

 

Hoseok sempre me abraçou e por mais que eu achasse isso estranho eu acabei me acostumando como se ele fosse um irmão que vivia agarrado em mim.

 

— Não, eu não me importo. — Dei de ombros.

 

— Então você não me odeia? — Perguntou parecendo ter medo da minha resposta.

 

— Não, mas saber disso é  meio estranho para mim,  mais alguém sabe disso?  — Perguntei.

 

— Minha mãe sabe... — Respondeu. — ela me aceita como sou. — Explicou.

 

Hoseok morava só com a mãe dele e ele até que tinha sorte dela aceitar isso o que me deixava um pouco aliviado, mesmo que ele fosse gay eu não queria o ver sofrendo por isso. Agora eu me sinto ainda mais confuso em relação a tudo isso, mas não quero pensar a respeito.

 

— Entendi...

 

— Mas você é homofóbico né? — Perguntou engolindo em seco.

 

— Não faz muita diferença o que importa é que não vejo problema em você ser gay. — Falei querendo fugir um pouco daquele assunto.

 

— Faz diferença se você sentir nojo de mim! — Afirmou e ele parecia estar quase chorando.

 

— Eu não tenho nojo de você Hoseok, você é  tão importante pra mim que mesmo sendo gay eu não  quero perder a sua amizade, agora vamos parar de falar disso antes que meus pais escutem nossas conversas. — Pedi. Estávamos em meu quarto e ali não era um lugar confortável para falar sobre homossexualidade.

 

— Yoongi você está deixando claro que é muito homofóbico, por isso eu tenho receio. — Explicou suspirando.

 

— Vamos esquecer esse assunto e continuar como sempre, ok? — Pedi me levantando da cama andando até a mesa de estudos pegando meu celular antes de voltar e me sentar novamente de frente para Hoseok. O assunto havia sido encerrado. Vou apenas fingir que ele não me contou nada, é  o melhor que eu faço.

 

[...]

 

Toda vez que ele me abraçava era estranho agora que eu sabia que ele era gay,  mas eu me esforçava para não ligar para aquilo. Era o jeito dele e eu não pediria para ele mudar apenas por me contar algo que eu sinceramente não deveria saber, eu estava meio paranóico, talvez.

 

— Vamos na minha casa ? — Perguntou com aquele seu jeito todo animado.

 

— Vamos, você vai na festa que o Jimin vai dar?  — Perguntei curioso já que ele era amigo do Park, diferente de mim que vivia brigando com o garoto.  A culpa não era nem minha, ele que me provocava, mas até mesmo eu fui convidado para aquela droga, mas obviamente me recusei a ir.

 

— To em dúvida e você?  

 

— Não vou não — neguei.

 

— Por que? — perguntou emburrado.

 

— Não gosto de festas — falei algo que era óbvio.

 

— Eu não quero ir sozinho — resmungou cruzando os braços me encarando com aquela carinha de emburrado.

 

— O Jimin e eu não nos damos bem, ele me convidar pra festa dele foi bizarro, e se ele tiver armando alguma pra cima de mim?  

 

— isso já é  paranoia— comentou rindo.

 

— Pode até ser, mas não tô afim de ir mesmo não. Vai com algum outro amigo seu — mandei.

 

— Para de ser chato comigo — pediu emburrado.

 

— Negar ir ao aniversário é ser chato? — arqueei a sobrancelha.

 

— É  sim... Você fica mandando eu ir com outra pessoa, mas eu quero ir com você, assim vai ser mais divertido — garantiu.

 

— Tá bom, tá bom, mas assim que eu cansar eu vou embora — Avisei vendo ele ficar animado e pular em cima de mim me abraçando rindo. Era tão fácil deixá-lo alegre.

 

— Você ficando um pouco comigo já me deixa muito feliz — falou me apertando em seus braços deixando-me meio sem reação com o que ele havia dito agora.

 

Rodei meus olhos dando alguns tapinhas em suas costas para ver se ele sossegava logo. Senti seus lábios em minhas bochechas e fiquei tenso, ele não costumava fazer isso.

 

— Não faz isso  — Reclamei.

 

— Tem nojo?  — Perguntou inseguro.

 

— Não, só é  meio estranho — Respondi.

 

— Por que? — Me olhou sério.  

 

— Você sabe — revirei meus olhos me afastando de si e ele segurou meu pulso com certa força.

 

— Por que? — repetiu.

 

— Porque você é  um homem, por isso.

 

— Então você tem nojo — Acusou.

 

— Se fosse outro homem eu teria nojo, mas é você — falei irritado revirando meus olhos.

 

— E?

 

— E que é  só estranho  — me aproximei de si beijando sua bochecha  que nem ele fez comigo — Eu não tenho nojo, viu? — perguntei  me afastando de si novamente.

 

— De novo — pediu sorrindo.

 

— De novo o que? — perguntei confuso vendo-o apontar para a própria bochecha, sério que ele queria outro beijo?

 

— O último — Avisei lhe dando mais um beijo, agora na outra bochecha. Ele ficou meio vermelho o que era ainda mais estranho — chega disso antes que alguém veja isso — falei sério.

 

Estávamos na lanchonete da escola e era o intervalo, mesmo que estivesse meio vazio hoje qualquer um poderia nos ver e inventar alguma coisa depois.

 

Hoseok apenas acenou com a cabeça ficando em silêncio com um sorriso no rosto, ele deveria estar feliz por apesar de ser claramente preconceituoso não o tratar mal e continuar sendo seu amigo.

Era um saco pensar nisso, porque eu realmente ainda estava confuso,  se ser gay fosse ser como o Hoseok eu não conseguia entender o problema de ser gay. Mas havia tantas coisas que eu preferia ignorar tudo isso, não era problema meu de qualquer jeito. Eu era normal.

 

[...]

 

Naquela festa que o Jimin deu não estava nem um pouco ruim, havia o jogo da garrafa, onde para quem apontava você tinha que ficar preso em um quartinho por sete minutos e vamos se dizer que eu tive a sorte de ficar com uma garota que eu era meio afim.

 

Porém quando eu saí Hoseok parecia meio diferente ele estava quieto e estava ainda mais grudado em mim do que ele já era normalmente.

 

— Você ta estranho — falei baixo para que apenas ele me ouvisse.

 

— Queria ir embora... — Confessou.

 

— Que estranho você querer ir embora primeiro que eu. Mas se quiser vamos então,  você quer ir dormir na minha casa? Ou que eu durma na sua? — perguntei. Eu não ia ficar nessa festa se ele fosse embora, já havia pegado quem eu queria, não tinha mais nada pra fazer.

 

— Não sei — murmurou apoiando sua cabeça em meu ombro.

 

— Meus pais não estão em casa se isso te deixa mais tranquilo — falei suspirando.

 

— Eles não estão?  — ficou confuso.

 

— Eles foram passar uns dias com a minha avó para cuidar dela — Expliquei.

 

— Então vamos para sua casa, mas antes,  você ficou com aquela garota? — Perguntou.

 

— Sim, por quê?

 

— Vamos — falou segurando meu pulso me puxando.

 

— Por que quer saber? — perguntei confuso com a sua atitude.

 

— Vamos levar algo para beber? — perguntou me olhando sobre o ombro.

 

— Ah não, se quiser beber algo a gente pega lá em casa, meus pais não ligam — Respondi e ele foi me puxando sem falar mais nada até que saímos da casa do Jimin. Ele ligou para um táxi e ficamos ali esperando.

 

Estava frio e ele  não tinha trazido blusa de frio, diferente de mim aquele idiota ficava doente fácil e só por isso tirei a jaqueta que usava  colocando em suas costas.

 

— Por que fez isso? — perguntou confuso me olhando.

 

— Porque você é idiota que esquece a blusa e fica doente fácil — falei revirando os olhos.

 

— Mas...

 

— Mas nada Hoseok, veste a jaqueta — mandei vendo ele fazer isso é cruzar os braços parecendo querer sorrir, ao mesmo tempo que não, como se ele estivesse bravo com algo. Preferi ignorar, ele é  confuso demais.

 

Não demorou muito para o táxi chegar e nós entramos no mesmo, Hoseok falou meu endereço e ficou em silêncio ao meu lado, ele quieto era muito estranho.

Deve ter acontecido algo com ele enquanto eu estava trancado naquele quarto, mas normalmente ele me contaria o que é,  porém eu tenho medo de perguntar o que é  e ele vir falar de um assunto gay, talvez seja até por isso que ele não me contou nada até agora.

 

— Você está gelado — comentou chamando a minha atenção segurando minha mão com força.

 

— Está frio — Respondi olhando para as nossas mãos juntas, aquilo era muito esquisito, mas se eu o fizesse soltar ele viria com aquele papo que eu tenho nojo, o que não é  o caso. Respirei fundo apertando a sua mão também a segurando.

 

Hoseok sorriu brevemente apoiando sua cabeça em meu ombro apertando minha mão entrelaçando nossos dedos e eu tentei não ficar tenso com aquilo.

 

[...]

 

Havíamos bebido quase uma garrafa de vinho e juntando isso com os copos de vodka com refrigerante que bebemos na casa do Jimin nos deixou embriagados. Havíamos colocado uma música no celular e estávamos rindo deitados na cama. Ele finalmente estava normal novamente sem parecer todo estranho.

 

— Yoongi você gosta de alguém? — Perguntou do nada.

 

— Na verdade não... Eu não vou perguntar se você gosta.

 

— Por que não?

 

— isso seria estranho,  você ia falar um nome de um cara.

 

— Para de ficar dizendo isso — mandou.

 

— Mas eu não tenho culpa se seria estranho — bufei, ele iria fazer drama agora.

 

— Por que você tem que ser assim? — Reclamou e eu senti um tapa em meu braço e o olhei na mesma hora.

 

— Posso te fazer essa mesma pergunta, sabia?  

 

— Eu não escolhi ser gay!

 

— Eu sei, mas eu não consigo ouvir sobre esse assunto, não ainda. — bufei me sentando ficando um pouco irritado.

 

— Mas você nunca vai se acostumar pelo jeito — murmurou.

 

— É um choque pra mim ainda — bufei revirando os olhos.

 

— Isso é  tudo culpa da sua família — acusou se sentando também me olhando nos olhos.

 

— Deixa meus pais em paz, tudo você diz que é  culpa deles, mas eles sempre foram bons pais — revirei meus olhos, Hoseok detestava minha família, eu já estava cansado disso.

 

— Eles são homofóbicos e sempre falavam e ainda devem falar merda pra você e agora olha só como você é — falou irritado.

 

— Eu sou alguém normal e tenho meu modo de ver as coisas — falei sério.

 

— Ser preconceituoso não é  ser normal, Yoongi — negou  me deixando mais irritado.

 

— Eu não quero brigar, então cala a boca — mandei me levantando da cama querendo pegar um ar longe do Hoseok. Eu não queria dizer nada que pudesse prejudicar a nossa amizade.

 

— Ah que saco Yoongi — reclamou e eu ignorei aquilo andando para fora do quarto, porra eu tava todo confuso com o que estava acontecendo em relação da nossa amizade e sobre ele ser gay.

 

Seria tudo tão mais fácil se ele fosse hétero, a gente não estaria passando por esses problemas agora. Mas se eu fosse um pouco mais mente aberta também ajudaria, não é?

 

Ser gay não é anormal, porque é errado ficar afim de alguém do mesmo sexo?

 

Hoseok não é inferior a ninguém por causa disso, logo nenhum gay é, então ser gay não é um problema, o problema é ser intolerante. Como as pessoas racistas, não faz diferença a cor de pele, porque a opção sexual também faria?

 

Por que eu fico pensando nisso?

 

Talvez o Hoseok tenha razão, de tanto eu ouvir meus pais dizerem essas coisas eu comecei a acreditar no mesmo.

 

Devia desculpas a Hoseok por ter pensamentos tão ruins relacionados ao que ele era, meus pais estavam errados e eu os defendia, como eu sou idiota!

 

Me sentei no sofá, por mais que eu quisesse pedir desculpas, eu ainda não estava pronto para resolver ser livre dos preconceitos, não quando eu ainda não era realmente. Que saco isso tudo. Por que eu tinha que ser homofóbico?  Porque eu não consigo pensar somente por mim mesmo? O que há de errado comigo?

 

[...]

 

A ressaca me castigava e ter que aguentar aquela merda de aula de física estava me matando. Hoseok e eu estávamos normais novamente, como brigamos bêbados nenhum de nós ficou tocando naquele assunto e estava tudo bem.

 

Uma bolinha de papel caiu na minha mesa e eu acabei sorrindo imaginando que seria Hoseok, ele vivia fazendo isso quando a aula era muito tediosa. Mas fiquei confuso ao notar que era outra caligrafia.

 

"Ei você é homofóbico?"

 

Quem enviou aquilo? Olhei para o lado e não consegui achar a pessoa, de quem era aquela merda?

 

— Aqui — Percebi que era Jimin o que me fez revirar os olhos, ele se senta do meu lado, podia só falar mesmo.  

 

— Pra que quer saber isso? — Perguntei sério.

 

— Responde — pediu apontando para o papel.

 

Revirei os olhos amassando a bolinha a jogando na sua cara.

 

— Não.

 

—Não é mesmo? — Desconfiou.

 

— Não sou porra — Revirei os olhos novamente, ao menos não mais, não depois de refletir sobre aquele assunto ontem.

 

— Mas é hétero?

 

— Óbvio, pra que quer saber?

 

— Nada demais — sorriu de lado.

 

— Fala — mandei, eu odiava ficar curioso com idiotices assim.

 

— Silêncio! — O professor mandou me fazendo ficar com ainda mais dor de cabeça, e depois disso calei minha boca tentando aturar o restante daquela aula de merda.

 

— Vai atrás do depósito lá na quadra depois Yoongi — Jimin pediu quase em um sussurro e eu apenas fiz sinal para ele calar a boca e que eu havia entendido.

 

[...]

 

Hoseok quis ir embora da escola por ter que ir ao dentista e não ficou comigo para ir atrás do depósito perto da quadra, então eu fui sozinho e fiquei ali encostado na parede esperando o Jimin  Quando estava desistindo de o esperar ele chegou sorrindo.

 

— Por que demorou?  — perguntei.

 

— Tudo isso é ansiedade para me ver? — perguntou sorrindo ainda mais.

 

— Apenas vontade de ir embora mesmo — comentei revirando os olhos.

 

— Direto você, então foi uma surpresa pra mim você ter aceitado o pedido que te fiz de ir a minha festa.

 

— Pra mim foi surpreendente você me convidar — Rebati.

 

— Só fiz um teste pra saber se me odiava após todas as minhas brincadeiras — Explicou.

 

— Eu não te odeio não, você só me deixa puto com suas graças —Respondi dando de ombros.

 

Eu e Jimin sempre brigamos por coisas idiotas que ele fez, como ficar zoando a cor da minha pele, da minha magreza, das minhas pernas e tudo mais, porém ódio era forte demais, ele nem fazia nada que valesse a pena se importar.

 

— Então o que sente é coisa de momento? — perguntou confuso.

 

— Sim se não fosse provavelmente eu nunca mais iria olhar na sua cara e teria quebrado ela também — falei dando de ombros.

 

— Você já quase quebrou antes — Se defendeu me fazendo lembrar o dia que eu soquei o rosto dele quando ele apertou a minha bunda.

 

— Você mereceu aquele soco.

 

— Foi por isso que pensei que fosse homofóbico — Riu.

 

— Eu era — Dei de ombros.

 

— Como assim era?

 

— Naquela época eu era idiota e apenas agora eu percebi isso — falei de uma forma resumida, eu não iria dar detalhes sobre minha mudança. Não era da conta dele.

 

— Você mudou então? Como posso ter certeza que não é mais? — Perguntou.

 

— Hm... Isso prova? — Me aproximei de si beijando a sua bochecha um pouco demoradamente como fiz com Hoseok para ele parar de achar que eu tinha nojo de si.

 

— Isso qualquer um faz — falou me fazendo bufar.

 

— E o que faria você mudar de ideia? — perguntei impaciente.

 

— Apenas retribua — falou sorrindo.

 

— Como assim retribua? — perguntei confuso vendo-o sorrir e se aproximar de mim.

 

Sua mão foi a minha nuca me puxando para frente, enquanto sua outra mão foi a minha cintura, senti sua boca contra a minha o que fez meus olhos arregalarem, o empurrei com força na mesma hora e ele caiu de bunda no chão.

 

—  Nunca mais faça isso porra! — Falei saindo andando antes que eu resolvesse bater nele. Esfreguei minha boca com as costas da mão tentando ficar calmo.

 

Que merda ele tinha na cabeça de querer me beijar assim?

 

Porra Jimin vai para o inferno com essa sua ideia idiota e por que meus lábios estão formigando com a sensação!?

 

Que nojo! Que ódio! Que raiva!

 

Parei de andar entendendo o que aconteceu, o jeito que estava pensando e reagi era de um homofóbico, se uma garota que eu não gosto me beijasse eu apenas me afastaria, não a empurraria ou ficaria com nojo.

 

Droga, era mais difícil aceitar a minha decisão do que parecia, eu devia voltar e pedir desculpas pelo meu jeito agora mesmo ou não?

 

Bufei voltando da onde havia ido embora e Jimin andava em minha direção e quando me viu olhou para o lado se virando para voltar, como se não quisesse mais falar comigo.

 

—  Jimin? —  O chamei e ele andou mais rápido. —  Me desculpa — Pedi alto, eu não ia ficar atrás dele.

 

— Você mentiu — acusou parando de andar ficando de costas para mim.

 

— Eu não...

 

— Eu te pedi uma coisa para provar o que disse e você reagiu da pior forma possível — falou.

 

— Eu estou tentando mudar isso ainda —  Falei segurando o seu braço o virando de frente para mim, ele estava chorando, talvez eu tivesse o empurrado forte demais, ele até caiu, deve ter se machucado. —  Eu sinto muito mesmo.

 

— Prove — mandou puxando seu braço me olhando sério parecendo que tentava parar de chorar.

 

Não havia maneira de eu provar além de beijá-lo, mas eu não queria beijar um cara, porém também não queria ser homofóbico mais, isso era um saco, se só tinha essa forma eu ia tentar.

 

Puxei Jimin pela cintura colando nossos corpos me sentindo desconfortável já que nossos quadris ficavam juntos. Selei meus lábios aos dele fechando os meus olhos. Jimin soltou meu braço e me agarrou, foi tudo muito estranho, sua língua adentrando a minha boca, tocando a minha e quando eu correspondi foi ainda mais esquisito.

 

Eu senti sua mão em meu cabelo o puxando enquanto ele aprofundava o beijo deixando nossos quadris ainda mais colados, eu não sabia explicar o que estava sentindo com essa maluquice.

 

Meu corpo foi empurrado para trás por ele e senti minhas costas bater contra uma parede, seu corpo se espremeu contra o meu e eu conseguia sentir sua intimidade contra a minha o que era muito esquisito.

 

Jimin separou nossos lábios por segundos antes de voltar a cola-los mais uma vez me beijando de uma forma mais intensa e eu estava completamente sem reação agora.

 

Meus lábios chegavam a doer, era bruto, forte, bem diferente dos beijos que as garotas me davam, eu não sabia definir se aquilo era bom ou ruim, era diferente e estranho para mim.

 

— E-Eu quero te tocar — murmurou em meio ao beijo parecendo nervoso apertando minha cintura com força.

 

— Me tocar? De que forma? — perguntei virando o rosto para fugir dele tentar mais um beijo e senti seus lábios em meu pescoço o que me causou arrepios me fazendo suspirar, era sensível ali afinal das contas.

 

Senti sua mão deslizar lentamente para dentro da minha camisa alisando meu abdômen lentamente causando-me ainda mais arrepios, eu estava começando a gostar de estar com ele.

Não era ruim como eu sempre pensei que fosse, só era diferente, não que fosse melhor que ficar com uma mulher, para mim, ao menos em relação ao beijo era bom de ambas as formas.

 

— Me toca Yoongi — pediu mordendo a pele de meu pescoço fazendo-me suspirar em surpresa.

 

— Já chega Jimin, eu já provei o que você queria — o empurrei de leve fazendo-o se afastar de mim.

 

Eu percebi que ele iria insistir então fugi de si e mesmo escutando ele me chamar não olhei para trás andando rapidamente querendo chegar em casa logo.

 

[...]

 

Precisava conversar com alguém e  só conseguia pensar em Hoseok para isso. Peguei o celular para mandar uma mensagem para ele e esperava que ele já tivesse voltado do dentista ou que tivesse 4G para me responder.

 

Yoongi: Eu preciso da sua ajuda...

 

Mordi o lábio estando impaciente por ele não ter me respondido em apenas dois minutos, Hoseok sempre me respondia na hora! Ele deveria estar na rua ainda, peguei meu celular ligando para ele querendo saber se ele demoraria chegar em casa.

 

— Yoongi?

 

— Hoseok você tá onde? — perguntei.

 

— Eu acabei de sair do dentista, por quê?

 

— Logo eu chego na sua casa preciso conversar com você — falei sério antes de desligar o telefone.

 

Sai de casa o mais rápido que pude, meus pais estavam em casa já, preferia evitar de falar com Hoseok aqui em casa.

 

Eu torcia também para a mãe dele não estar em sua casa já que ela geralmente ficava fazendo piadas não nos deixando sozinhos. A casa de Hoseok não ficava muito longe apóia alguns minutos eu cheguei.  Liguei novamente para Hoseok que atendeu o telefone.

 

— Você já está em casa? — perguntei.

 

— Atrás de você seu desesperado — falou desligando o telefone e eu olhei para trás surpreso e aliviado por ele estar aqui já.

 

— Eu preciso te contar uma coisa que aconteceu, lembra que o Jimin queria falar comigo? — perguntei  o olhando nos olhos e vi ele acenar — Eu não sei o que ele queria falar ao certo só sei que ele me beijou.

 

— Como assim ele te beijou? — perguntou quase sem voz me olhando nos olhos e eu sentia uma sensação estranha por conta do seu olhar.

 

— Ele me beijou com a boca obviamente, então eu empurrei ele com força, mas depois eu fiquei me sentindo confuso, mas não foi por causa dele e sim por sua causa, desde que brigamos ontem eu fiquei repensando umas coisas e eu não queria mais ser homofóbico então acabei voltando e deixei Jimin me beijar só pra lutar contra esse lado ruim que eu tenho — Fui sincero.

 

— Por que ele? — murmurou baixo virando o rosto para o lado me deixando confuso.

 

— O que foi Hobi? — perguntei o chamando pelo apelido que havia lhe dado quando éramos crianças.

 

— Por que tentou isso com ele? —Repetiu.

 

— Porque ele me beijou.

 

— E você gostou disso? — Perguntou.

 

— Achei esquisito...

 

— Por ser um homem? — perguntou sério.

 

— Sim, mas por ser ele também — falei confuso.

 

— Com outro seria diferente?

 

— Talvez — falei coçando a nuca.

 

— Quer tentar comigo?  — perguntou. Hoseok era legal em querer me ajudar com isso e como ele é  meu melhor amigo tenho certeza que será mais natural eu conseguir isso.

 

— Quero...Você me ajuda com isso? — perguntei.

 

Hoseok pareceu segurar o sorriso enquanto me segurava pelo pulso puxando-me para dentro da sua casa, após destrancar a porta.

 

— Sua mãe está? — perguntei mordendo meu lábio.

 

— Ela está na vizinha — Respondeu me puxando até o seu quarto me soltando e fechando a porta, a trancando.

 

— Vem aqui — o chamei tirando meus sapatos e meias subindo em sua cama ficando sentando.  Vi ele tirar os sapatos e meias também se sentando ao meu lado.

 

Engoli em seco não sabendo como agir, eu estava nervoso a ponto de não saber começar um beijo!

 

Hoseok sorriu levando sua mão ao meu rosto o acariciando antes de começar a se aproximar deixando nossos lábios cada vez mais próximos.Fechei meus olhos e quando senti a sua boca, não foi esquisito como com o Jimin, foi quase como se eu quisesse o beijar também e de certa forma eu queria. Sentia mais à vontade em fazer aquelas coisas com Hoseok, eu não senti nem um pouco de nojo ou raiva, mas parecia ser algo que eu só sentia com o Hoseok.

 

— Beijar você é  bom — sussurrei mesmo que estivéssemos dando só um selinho por enquanto. Beijar Hoseok não era ruim, soava como um carinho, não sabia explicar o que estava sentindo, visto que aquela sensação eu nunca tive nem com uma garota.

 

Hoseok sorriu brevemente colando mais nossos lábios  pedindo passagem com a língua e eu a concedi sem pensar muito sobre isso já que eu queria o beijar também.

 

Sua língua tocou a minha, criando um ósculo lento e calmo. O beijo do Hoseok era meio delicado e extremamente carinhoso, aquilo me deixava calmo. Abracei o seu pescoço sentindo ele abraçar a minha cintura e fiquei relaxado e calmo o correspondendo, saber que ele era um homem já não me incomodava, ao menos não muito.

 

— Você beija muito bem — comentou em meio ao beijo alisando a minha cintura lentamente e eu acabei sorrindo com o seu comentário.

 

— Você também — segurei em seu rosto, sugando seu lábio inferior lhe dando um selinho em seguida — Daqui a pouco você me transforma em bi — brinquei rindo.

 

— Não posso te transformar em bi — falou sério.

 

— Por que não? — perguntei rindo lhe dando um selinho, era muito gostoso o beijar.

 

— Ou você é  ou você não é.  Ninguém transforma ninguém em gay, hétero ou Bi.

 

— Sinceramente falando eu gosto de mulher, mas desde que percebi que meu preconceito não tinha sentido, eu também comecei a pensar que era bom beijar um cara apesar de ser diferente, talvez eu seja bi e só não percebi isso ou talvez eu seja hétero mesmo e esteja confundindo  tudo, não sei de mais nada — acabei rindo de nervoso.

 

— Agora vai sair por aí beijando qualquer um? — perguntou irritado se afastando de mim, por que ele ficou assim do nada?

 

— Eu não disse isso e  você sabe que nem mesmo com mulher eu fico com qualquer uma.— neguei. Eu só ficava com garotas que me atraia e a maioria das vezes nem era pela aparência e sim o jeitinhos  delas, algumas eram fáceis e outras difíceis, mas pra mim não importava isso, a garota não era vadia só porque ficou com vários caras, só nunca havia namorado ninguém ainda porque penso não ter maturidade pra isso e não quis magoar ninguém.

 

— Vai ficar com o Jimin de novo agora? — perguntou cruzando os braços, por que ele parecia incomodado pelo fato de eu poder ficar com algum garoto?

 

— Eu não sei, por que está tão incomodado com essas coisas? Pensei que quisesse que eu deixasse de ser tão mente fechada — falei querendo entender o que se passava na cabecinha de Hoseok.

 

— Se for pra ser assim prefiro que continue com a mente fechada — falou sério.

 

— Quer que eu te beije apenas então? — perguntei confuso, aquilo não tinha lógica.

 

— Sim! — Afirmou com tanta convicção que até me assustou.

 

— Tá você vai ser o único cara que eu vou beijar — prometi. Eu nem curtia homens de verdade e nem sabia se iria querer beijar novamente um, então não fazia diferença pra mim isso.

 

— Vou ser mesmo? — arqueou a sobrancelha.

 

Suspirei segurando seu rosto colando nossos lábios querendo provar que iria apenas o beijar. Hoseok apertou meu corpo contra o seu me beijando de uma maneira mais possessiva, me apertando e acelerando o beijo o deixando intenso perdendo toda a calmaria de antes.

 

Sua mão estava em minha cintura a apertando com força me puxando contra si quase me erguendo do colchão. Me ajoelhei na cama, passando uma perna de cada lado do seu corpo para ficar mais próximo dele, apertando o seu cabelo o beijando com mais vontade também.

 

A sua mão adentrou minha camisa alisando minhas costas lentamente dando-me alguns arrepios conforme ele subia suas mãos seguindo a linha da minha coluna. O ar se fez necessário mais uma vez e então eu suguei seu lábio inferior escutando Hoseok soltar um gemido o que me deixou meio sem reação pelo som que escutei.

 

— Seu beijo é tão gostoso Yoongi — falou mordendo meu lábio o sugando enquanto puxava.

 

— O seu também — abri meus olhos respirando fundo tentando recuperar o ar.

 

Hoseok sorriu de lado descendo seus lábios para o meu pescoço beijando-o me fazendo estremecer, eu odiava ser sensível naquele lugar. Senti as pontas das unhas do Hoseok arranhar minhas costas o que me arrepiou ainda mais, ele puxou a minha camiseta querendo a tirar mas eu o parei segurando suas mãos.

 

— Ah Yoongi — Reclamou.

 

— Você já está se empolgando demais.

 

— Não estou — bufou.

 

— Está sim — falei o fazendo soltar a minha roupa.

 

— Se eu tirar a minha primeira você fica mais à vontade? — arqueou a sobrancelha.

 

— Essa não é a questão Hoseok, a gente combinou só de se beijar, somos amigos, não devemos fazer mais do que isso — fui sincero.

 

— Mas eu ainda estou te beijando — falou sorrindo de lado.

 

— Me beijar normalmente é  uma coisa, beijar e começar a tirar a roupa é  outra história, que no caso não vai acontecer.

 

— Que chato você — falou emburrado se jogando na cama me puxando com ele fazendo-me ficar deitado em cima de si.

— Não vai ficar grudento agora, vai? Tipo eu sei que a gente se beijou, mas eu não sou seu namorado pra grudar em mim mais do que já é  grudento — Falei me afastando de si saindo de cima.

 

— E se a gente namorasse? — perguntou se sentando me olhando nos olhos.

 

— Está zoando né? — perguntei rindo.

 

— Não, me responda — pediu.

 

— Se a gente namorasse provavelmente eu não poderia reclamar de você ser grudento e teria que deixar você fazer o que quer as vezes... — Respondi pensativo.

 

— Namora comigo? — pediu me deixando um tanto surpreso.

 

— Isso é sério? — perguntei engolindo em seco recebendo um aceno e um sorriso.

 

Fiquei pensativo, uma coisa era beijar um garoto, outra era namorar um, eu sequer tinha qualquer experiência em algum relacionamento sério. Mas se eu dissesse não tenho certeza que o Hoseok ficaria magoado e chato por vários dias.

 

— Yoongi?  — me chamou, ele parecia querer saber logo a resposta.

 

— Eu... Aceito — Falei por fim, mesmo que isso fosse me dar dor de cabeça, eu preferia assim do que ele magoado por minha causa.

 

— Aceita mesmo? — perguntou sorrindo abertamente.

 

— Aceito — falei suspirando passando a mão pelo meu cabelo e Hoseok pulou em cima de mim no mesmo instante.

 

Ele me beijou de forma toda ansiosa e apressada o que me deixou até perdido, ele parecia eufórico por eu ter aceitado ser o namorado dele, como se isso fosse realmente grande coisa. Suas mãos foram a minha blusa a puxando para cima e eu o empurrei fazendo-o cair deitado do meu lado.

 

— Isso é abuso! — acusei me levantando — Aproveitador!

 

— Você disse que ia fazer minhas vontades as vezes — protestou.

 

— Estamos namorando a um minuto e você já tá querendo tirar a minha roupa, vai se foder — Mandei e o filho da puta começou a rir. — Tá rindo do que? — perguntei irritado.

 

— Quer que eu te leve para um jantar antes de tirar sua roupa? — perguntou em meio a risada.

 

— Se ficar de graça eu termino com você — Avisei pegando o travesseiro jogando em sua cara, me levantando da sua cama em seguida para escapar daquele idiota pervertido que eu chamo de melhor amigo e fiz a besteira de aceitar ser o seu namorado.

 

— Ah vai me deixar sozinho agora? — choramingou alto como se fosse uma criança, ele era tão infantil as vezes.

 

— Eu vou, pra você aprender a se comportar quando estiver comigo.

 

— Ah você não tinha essa frescura com aquelas vadias que você ficava — Reclamou.

 

— Aqui é  diferente, eu não sou o único que tem pau e considerando que em quesito força você ganha de mim, eu que não quero pagar pra ver — cruzei meus braços.

 

— Eu não vou te estuprar — falou com um enorme bico.

 

— Prefiro não arriscar — falei sério.

 

— Ah Yoongi, você não confia em mim? —  Fez bico.

 

—  Em você eu confio, eu não confio é no seu pau —  Respondi revirando os olhos.

 

— Ah para de graça deita aqui — pediu batendo no espaço da cama ao seu lado.

 

Revirei meus olhos voltando até a cama me deitando puxando seu braço o fazendo de travesseiro. Hoseok me abraçou novamente, me beijando e dessa vez se comportou mais, não ficou tentando tirar a minha blusa ao menos.

 

— Dorme aqui em casa — murmurou acariciando meu rosto lentamente me fazendo sorrir, ele estava tirando sorrisos meus sem motivos!

 

— Tá —  Concordei o abraçando escondendo meu rosto na curva de seu pescoço, não queria que ele visse como estava me deixando, aquilo era confuso demais.

 

— Você é muito fofo — Comentou afagando meu cabelo lentamente enquanto me apertava contra seu corpo.

 

Mordi o seu pescoço como  castigo por ele estar falando merda, mas o filho da puta deu um gemidinho que me deixou meio constrangido, eu sei que ele fez aquele som de propósito.

 

— Idiota — acusei emburrado o fazendo rir e me apertar.

 

— Seu idiota — falou me deixando ainda mais constrangido.

 

— Vai ficar com esse papo meloso agora? — Perguntei o sentindo me apertar ainda mais.

 

—   Agora somos namorados, eu posso —   Se gabou.

 

—   Cuidado que eu termino com você —   Sussurrei.

 

— Yoongi — choramingou alto me fazendo segurar um sorriso.

 

Como ele podia mexer tanto comigo?

 

[...]

 

Nunca havia passado três meses sem transar desde que comecei a ficar com algumas garotas quando tinha quinze anos, mas agora que estava namorando com o Hoseok, obviamente eu fiquei na seca todo esse tempo e nem era culpa dele, visto que eu que fujo.

 

— Yoongi que saco faz três meses que estamos juntos! — Hoseok gritou tentando abrir a porta do banheiro, eu havia acordado com ele tirando a minha roupa e apenas consegui correr e me trancar no banheiro.

 

— Foda-se, três meses não é  tempo suficiente pra você já tá querendo transar! — Reclamei.

 

— Mas eu só quero tirar sua roupa e te tocar um pouco,  prometo não passar disso — garantiu.

 

—Tá... Mas se passar do limite vou embora pra casa  — Avisei abrindo a porta do banheiro saindo dali de dentro.

 

— Eu não vou passar dos limites — falou sorrindo abertamente me puxando e me jogando na cama.

 

— Já estou achando que vai — falei sério.

 

— confia em mim porra, sou seu namorado e seu melhor amigo — Falou se ajoelhando na cama puxando a calça que eu usava.

 

— Em você eu confio já disse…

 

— Então deixa eu te tocar como eu quiser — pediu me deixando apenas de cueca e eu me senti meio envergonhado por saber que ele tinha desejo por mim.

 

— Se eu perceber que ficou excitado eu vou fugir de você de novo — Avisei sentindo suas mais em minha coxas as apertando com certa força.

 

— Mas é meio difícil eu não ficar excitado Yoongi — falou irritado.

 

— Se controla então — falei sério.

 

— Se eu ficar é só você me ajudar, pode ser com a mão mesmo — falou e eu senti meu rosto esquentar com o que ele disse.

 

— Agora quer a mão, amanhã vai querer o meu cu — Reclamei olhando para o lado.

 

Eu ainda não tinha me acostumado com a idéia de tá namorando alguém que tinha um pau no meio das pernas como eu. Ainda mais quando Hoseok faz questão de alisar a minha bunda sempre que pode, obviamente ele tá afim de me comer e isso é  um pouco estranho, pensar que Hoseok quer meter em mim é quase inacreditável. Na verdade eu nem tenho certeza se ele quer isso, já que ele não falou nada. Isso é só uma suposição.

 

— Amanhã eu posso querer a sua boca e você está sendo todo apressado falando assim — sorriu de lado me fazendo bufar, aquele idiota estava me deixando sem jeito!

 

— Eu não tenho a mínima intenção de te chupar algum dia, isso já é  demais — o empurrei me afastando dele novamente, me sentando na cama. Ele logo iria terminar comigo agindo desse jeito e eu sinceramente não queria isso o que era ainda mais estranho. Talvez eu precisasse deixar ele fazer um pouco do que queria... — Mas... — Não consegui terminar aquela frase.

 

— Para de me afastar e termina a frase — pediu se sentando ao meu lado se aproximando beijando a minha bochecha deixando sua mão pousada sobre a minha coxa.

 

— Eu te toco com a mão — falei olhando para o lado sentindo meu rosto esquentar enquanto colocava minha mão sobre a sua intimidade esfregando de leve aquela área.

 

— Deixa eu te tocar também — pediu subindo sua mão até a minha virilha enquanto a sua outra estava sobre a minha a pressionando contra sua intimidade.

 

— Tira a sua calça — pedi e ele desabotoou a mesma a tirando assim como arrancou a sua camiseta ficando apenas de cueca, percebi que já tinha um pequeno volume sendo marcado pela sua cueca.

 

— Deixa eu te tocar antes de tudo Yoongi — pediu me empurrando fazendo-me deitar.

 

— O que vai fazer? — perguntei engolindo em seco estando incerto disso.

 

Hoseok sorriu me dando um selinho descendo seus lábios para o meu peito o beijando, o pervertido tirou minha blusa enquanto eu dormia. Sua língua deslizou pelo meu mamilo o pondo na boca e chupando o que me fez suspirar  por sentir meu corpo estremecer um pouco. Fechei meus olhos deixando meus braços e pernas um tanto abertas para que ele me tocasse como quisesse. Mordi meu lábio apenas para não gemer.

 

Ele se remexeu em cima de mim e por mais que eu quisesse reclamar o deixei ficar entre minhas pernas enquanto ele chupava um de seus mamilos apertado o outro entre seus dedos pressionando a sua intimidade contra a minha. Ele esfregou seu quadril contra o meu, gemendo contra o meu peito e comecei a notar que ele ficava excitado. Tentei erguer minhas perna para não senti a sua ereção, mas isso fez a minha perna ficar entre a deles é consequentemente ele começou a se esfregar em minha coxa.

 

— Abaixa essa perna você vai gostar também — falou trocando de mamilo sugando o outro com força me fazendo gemer deixando-me extremamente envergonhado.

 

Abaixei a minha perna meio hesitante, Hoseok se encaixou novamente entre minhas pernas pressionando a sua ereção contra a minha bunda o que me fez arregalar os olhos.

 

— Hoseok você ta fazendo de propósito — acusei.

 

— Eu não posso nem fazer isso — reclamou me puxando pela cintura se remexendo pressionando sua intimidade contra a minha dessa vez.

 

— Se dependesse de você a gente já tinha fodido,  você é  um tarado — acusei sentindo suas mãos em minha cueca a puxando para baixo.

 

— Eu sou tarado por você docinho — falou retirando a minha cueca sem que eu realmente me desse conta já que estava levemente envergonhado e irritado com o apelido.

 

— Filho da puta — xinguei e ele fechou os olhos mordendo o lábio inferior como se tivesse gostado de eu o xingar — cretino, desgraçado — falei e ele pareceu ainda mais excitado — gosta que eu te xingo então?  — perguntei rindo ao notar aquilo.

 

— Se tornou excitante saber que você é todo arisco — falou sorrindo de lado dando um tapa na minha coxa.

 

— aproveita hoje, eu não vou te deixar me tocar sempre que quiser não — falei mordendo meu lábio inferior começando a me excitar também por mais que eu não quisesse admitir.

 

— Uma hora você vai querer que eu te toque — piscou voltando a se ajeitar entre minhas pernas pressionando sua ereção contra a minha bunda lambendo meu mamilo mais uma vez voltando a chupá-lo.

 

— Eu já falei que na bunda não, Hoseok — reclamei levando minha mão em seu cabelo o puxando para o castigar por estar me desobedecendo.

 

— Eu não vou te foder assim — falou em meio a um gemido me olhando como se tivesse gostado do que eu fiz para castigá-lo.

 

— Hoseok por que você não age como passivo? — Reclamei o empurrando saindo debaixo de seu corpo me sentindo desconfortável com ele me tarando daquela forma. Eu sentia vontade de deixar ele fazer o que quisesse comigo mas meu orgulho não permitia.

 

— Por que não age como ativo? — arqueou a sobrancelha apertando minhas coxas com força.

 

— Vamos fazer um acordo? — Perguntei tendo uma ideia.

 

— Quer acordo?

 

— No dia que formos fazer sexo, eu dou pra você se você der pra mim, o que acha?

 

— Eu dou para você e você foge de mim não me deixando te comer isso não é justo — falou emburrado.

 

— Eu não vou fugir — falei sério.

 

— Duvido— Não acreditou em mim.

 

— Eu dou primeiro então — Falei para ele aceitar o acordo de uma vez.

 

— Então eu aceito — falou sorrindo abertamente.

 

— Tarado — resmunguei revirando os olhos.

 

— Quando vamos poder fazer? — Perguntou apertando minha bunda, mordendo meu pescoço.

 

— Se você ficar me tarando assim daqui um ano — falei sentindo meu rosto esquentar.

 

— Não seja tão malvado  — Pediu dando um chupar já área que ele mordeu e como sou sensível naquela área  acabei deixando um gemido escapar.

 

— Não seja tão tarado assim — devolvi  mordendo meu lábio com força.

 

— Eu amo seus gemidos — falou apertando minha cintura com força.

 

— Hoseok, vou gosta mesmo de estar comigo mesmo eu fugindo de você? - Questionei, eu não entendia o que se passava na minha cabeça, só sei que tinha medo dele terminar comigo por causa disso.

 

— Eu não encaro isso como algo ruim e sim divertido — falou sorrindo.

 

— Mas você não cansaria disso? — perguntei engolindo em seco.

 

— Ah você não vai fazer isso pra sempre, antes você era homofóbico e agora já liberou a mão para mim, eu serei paciente — prometeu.

 

— Pervertido — resmunguei sentindo meu rosto esquentar com esse fato mais do que claro.

 

— Já falei que sou seu — sorriu me dando um selinho demorado.

 

— Vamos acabar logo com isso — Pedi abaixando minha mão enfiando dentro de sua cueca segurando em sua ereção escutando ele gemer me encarando o que me dava vergonha.

 

— Apressado – acusou segurando meu pênis que estava semi-ereto passando a me masturbar de forma rápida.

Fechei meus olhos soltando um gemido baixo o masturbando da mesma forma, ele estava tão duro já.

 

Puxei a sua cueca para baixo para ficar mais fácil de o tocar. Abri um pouco minhas pernas por causa do prazer que sentia suspirando mais alto.

 

Hoseok me empurrou um pouco ficando entre minhas pernas antes que eu pudesse raciocinar e quando iria o empurrar ele segurou nossos pênis juntos os masturbando de forma desajeitada. Acabei gemendo mais alto sentindo excitação por causa das nossas intimidades estarem juntas, abracei suas costas o apertando contra mim, respirando fundo, buscando me controlar para não gemer alto

 

— Deixa eu ouvir os seus gemidos — pediu gemendo assim que apertou nossas ereções o que me fez gemer junto a si.

 

— Apenas me toca mais — pedi tentando não demonstrar que eu estava com vergonha.

 

— Ah meu docinho como você tá me deixando louco com esses gemidos e rosto corado — Falou mordendo meu lábio inferior o puxando e o sugando.

 

— Para de me chamar desse jeito  — pedi entre dentes, ele me deixava com ainda mais vergonha assim!

 

— Não paro — me beijou e eu agarrei seu cabelo o beijando com raiva, sendo bruto por ele me deixar com vergonha.

 

Hoseok apertou nossas ereções beijando-me da mesma forma tirando nosso fôlego, eu não esperava que ele fosse corresponder ao beijo daquele jeito!

 

Sua mão livre apertou a minha bunda e eu ia ignorar mas o safado deslizou um dedo em minha cavidade quando parou de apertar minha nádega.

 

— Para agora — mandei puxando seu cabelo com força sabendo que aquilo iria doer e muito.

 

— Ah como eu amo você agressivo assim — gemeu não parando de brincar com a minha cavidade como se ele quisesse me provocar ainda mais.

 

— Puta que pariu Hoseok! — gritei sentindo meu rosto queimar em vergonha e raiva, eu estava gostando daquela maldita sensação!

 

Quando ele forçou aquele maldito dedo puxei seus cabelos mais uma vez, eu podia fazer ele parar e negar,  mas estava excitado demais pra isso, acabei deixando, mas esperava que ele não ficasse me perturbando com isso depois.

 

— Você é todo apertado pelo jeito Yoongi — falou mordendo o lábio inferior nos masturbando de forma rápida enquanto afundava seu dedo dentro de mim.

 

— Se vai me dedar ao menos me chupa — Mandei, se era pra aguentar aquela merda de dedo me cutucando queria ser recompensado.

 

— Vamos fazer meia nove então — pediu sorrindo.

 

— Eu não vou te chupar! — berrei.

 

— Eu não quero te chupar e não ter nada em troca — falou emburrado.

 

— Se quiser ficar enfiando dedo em mim vai me chupar sem reclamar ou eu não vou deixar mais nada — O ameacei arranhando suas costas por ele estar me deixando com ainda mais raiva.

 

— Isso é meio injusto — falou emburrado forçando o segundo dedo me fazendo gemer em desconforto.

 

— A escolha é sua — mordi meu lábio inferior e Hoseok soltou nossas ereções se abaixando lambendo minha virilha me deixando ainda mais excitado.

 

Abri mais as minhas pernas deixando-o mais a vontade para mover seus dedos dentro de mim por mais fosse estranho era excitante. Acabei gemendo quando ele lambeu toda a extensão do meu membro, eu estava gostando muito de ficar com ele daquele jeito,  eu tava tão na seca que seria mentira se dissesse que não queria transar com ele logo também.

 

— Está tão excitado assim que geme com um simples toque — comentou circulando minha glande com sua língua.

 

— Eu tô muito tempo sem foder então cala a boca — mandei irritado. Estava na seca porque Hoseok era um homem e queria ser o ativo primeiro e eu meio que não estava completamente confortável com a idéia de ter um pau dentro de mim ainda.

 

— Ficou na seca por mim é? — perguntou rindo antes de colocar parte de minha ereção em sua boca a sugando com força arrancando de mim um quase grito de prazer.

 

— Eu nunca ia te trair seu desgraçado — xinguei segurando seus cabelos movendo o quadril para cima querendo sentir mais de sua boca.

 

Hoseok afundou seus dedos dentro de mim fazendo-me gemer mais uma vez sentindo prazer, que droga eu estava todo sensível. Fechei meus olhos e sem pensar direito rebolei em direção aos seus dedos querendo sentir ainda mais,  não era tão ruim ser tocado ali como pensei que seria.

 

Era apenas um pouco desconfortável de começo, mas logo melhorava e se tornava muito prazeroso. Hoseok me chupava meio desajeitado e eu gostava disso porque significava que ele nunca tinha feito isso com um outro cara. Eu seria o seu primeiro em tudo assim como ele seria meu primeiro homem, era muito excitante pensar tudo dessa forma. Senti um terceiro dedo e eu estava tão excitado que nem o incomodo me fez gostar menos daquela sensação.

 

— Hoseok acho que tô com vontade de fazer agora... — confessei já prevendo ele me zoar por isso

 

— Não é cedo ainda? — perguntou tirando meu pênis de sua boca me olhando sério.

 

— Vem — pedi abrindo mais as minhas pernas, eu queria que ele viesse logo antes que eu desistisse da ideia,  eu não sabia quando iria querer de novo.

 

— Você tem certeza? — perguntou parecendo incerto.

 

Porra ele queria tanto e agora ficava nessa enrolação!

 

— Hoseok, se você não me comer agora eu vou comer você e  nem venha reclamar depois — o ameacei sem paciência já.

 

— Você ficou de doce e agora abre as pernas e fala me come, eu não esperava isso — falou se ajeitando entre minhas pernas tirando seus dedos de dentro ainda parecendo hesitante.

 

— Porra mete logo em mim — mandei impaciente.

 

— Eu preciso te preparar melhor — falou sério.

 

— Precisa porra nenhuma seu pau nem é  grande coisa — Falei. Era uns dois ou três centímetros menor que o meu então eu podia muito bem aguentar.

 

— Nossa manda eu te foder, mas fala que tenho pau pequeno — bufou parecendo estar extremamente irritado com o que eu falei.

 

— Tem o tamanho perfeito pra não me brochar e nem me assustar, eu amo seu pau, vai logo para de querer se fazer se difícil  agora — mandei.

 

Hoseok sorriu esfregando sua glande em minha entrada tentando me penetrar conforme se forçava cada vez mais até conseguir fazendo-me gemer alto.

Franzi o cenho sentindo muita ardência, mas não era à dor que eu imaginava, não era algo insuportável, estava tão relaxado,  talvez fosse por isso, confiava nele e o queria. Hoseok foi se enterrando devagar gemendo junto comigo até ficar completamente dentro de mim o que me dava certa satisfação por ser preenchido pelo seu pau,  era uma sensação nova, mas gostosa mesmo que doesse um pouco.

 

O puxei pelo cabelo colando nossas bocas o beijando de forma lenta, porém intensa demonstrando certo afeto por meio do beijo. Eu fui me acostumando aquela dor que sentia e sem quebrar o beijo movi meu quadril em sua direção para ele entender que eu queria que ele se movesse.

 

Hoseok entendeu o recado passando a mover o quadril de forma lenta, porém sempre o chocando contra o meu com força fazendo-me gemer. Gemi contra a sua boca, cravando minhas unhas em suas costas o arranhando e puxando para mim, quebrando o beijo arfando por ar.

 

— Me arranhe mais — mandou chocando o seu quadril contra o meu com mais força me fazendo gemer alto.

 

Me agarrei ainda mais em si deslizando minhas unhas por suas costas o marcando, será que ele era masoquista?

Mordi seu ombro com força e ele pareceu gemer em prazer o que me fez rir e o puxar para um novo beijo puxando o seu cabelo, pelo jeito ele gostava mesmo quando eu era um pouco mais bruto.

 

— Eu fico ainda mais excitado com você sendo agressivo — falou em meio ao beijou passando a mover seu quadril de forma rápida em movimentos firmes me fazendo gemer em meio ao beijo.

 

— Meu masoquista — Mordi seu lábio inferior com um pouco de força, ferindo aquela área e sugando sentindo o gostinho de sangue.

 

Gemi mais alto arqueando as costas quando ele acertou algo que fez meu corpo todo tremer em prazer.

 

— Porra! De novo Hoseok — rebolei em sua direção e fiquei vermelho na mesma hora de vergonha pelo meu ato.

 

— Rebola de novo — pediu sorrindo de lado dando um forte tapa em minha coxa fazendo-me gemer mais uma vez.

 

Fechei meus olhos voltando a rebolar em sua direção ficando constrangido e ainda mais excitado, aquilo estava sendo bem melhor do que eu pensei que seria, toda vez que ele acertava uma área em mim eu gemia mais alto e meu corpo chegava a tremer em prazer.

 

— Você cavalga em mim? — perguntou em meio a um alto gemido parando de se mover.

 

Assenti com a cabeça, Hoseok sorriu safado se encostando na cabeceira da cama,  me ajoelhei na cama ficando com uma perna de cada lado do seu corpo,  ele segurou o seu pênis e eu fui me sentando em si.

 

Era muito vergonhoso saber que ele podia ver claramente seu pênis entrando dentro de mim e eu sabia que estava muito vermelho pela vergonha. Segurei em seus ombros e rebolei em seu colo quando estava completamente preenchido pelo seu membro para me acostumar com aquele volume novamente.

 

Hoseok deu um forte tapa em minha bunda me fazendo gemer de prazer deixando-me ainda mais envergonhado.

Segurei em seus ombro elevado o meu corpo e era mais complicado que eu pensei ter força nas pernas para conseguir cavalgar em seu colo.

 

— Se fosse menos sedentário você conseguiria numa boa — falou rindo me dando outro tapa  na bunda.

 

— Cala a boca, ou eu vou parar — o ameacei tirando força da onde nem tinha para erguer meu corpo e soltar me peso "caindo’’ em seu colo em seguida, gemi alto por ter sentindo ele acertar minha próstata daquele jeito o que me incentivou.

 

Hoseok apertou minhas nádegas com força ajudando-me a erguer meu corpo antes de o soltar me fazendo gemer alto mais uma vez. Conseguimos repetir aqui ato mais algumas vezes até que senti Hoseok pulsar dentro de mim e ele me empurrou na cama voltando a ficar por cima.

 

— Eu quero gozar dentro de você — murmurou se abaixando mordendo meu pescoço com força e eu sabia que aquilo deixaria marca.

 

Se eu tivesse completamente consciente e não embriagado de prazer como estava,  eu provavelmente negaria, porém naquela altura eu só conseguia gemer. Sua mão foi ao meu pênis me tocando e eu percebi que também estava perto do ápice

 

— Se dedica em me foder — mandei o fazendo soltar a minha ereção e eu passei a me masturbar de forma rápida.

Hoseok segurou meu quadril com força se movendo bem rápido e fundo.

 

Quando senti ele gozar dentro de mim acabei não aguentando mais chegando ao meu limite também. Eu não sabia explicar como era a sensação que eu senti com ele gozando dentro de mim, eu apenas sabia que era muito gostosa.

Hoseok saiu de dentro de mim me abraçando forte e me beijando. Eu ainda me sentia todo perdido ao estar namorando com um homem, mas era bom.

 

— Eu te amo, Yoongi — beijou minha bochecha demoradamente me fazendo sorrir.

 

— idiota — xinguei fazendo ele rir e me apertar contra o seu corpo beijando meus lábios carinhosamente, fazendo-me sentir bem.

 

— Eu esperava um "Eu também te amo idiota" — falou rindo me fazendo rir.

 

Mordi meu lábio o abraçando com força sentindo meu coração acelerar por causa disso.

 

— É... Eu também te amo, idiota — Falei e ele sorriu tanto me apertando e me beijando que mesmo que eu tivesse vergonha por ter falado o que sentia, fiquei feliz.

 

Hoseok podia ser grudento, chato e tarado, mas era impossível não amar aquele filho da puta.

 


Notas Finais


Gostaram?

Yoonseok Hoje, Yoonseok amanhã, Yoonseok sempre <3

Beijos~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...