História Honeymoon by The Taekooks - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Bts, Flex, Najuzinha, Se Reclamar Faço Outro, Taekook, Vkook
Visualizações 158
Palavras 3.304
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Kkkeae men
Bem, eu resolvi reler essa belezinha aqui e quase sofri um infarto ao ver os erros.
É óbvio que eu não ia deixar isso aqui assim, uma vez que minha escrita evoluiu...eu acho.
Contudo, apesar de haver betado, eu procurei manter a essência desse capítulo: um ar despojado e bem safadinho.
Eu espero que vocês releiam e me contem se assim está bom, ou se querem que eu, literalmente, o refaça.
Fiquei em dúvidas.

Boa Leitura!

Capítulo 1 - O Banho


O quarto de paredes claras foi preenchido pela luz amarelada do Sol, incomodando um pouco os olhos castanhos e fechados de Kim Taehyung. 

Quem é esse?

Apenas o mais novo empresário da Coreia e dono de uma das agências de modelo mais bem respeitadas daquele momento por sua constante ascensão. Não era sua beleza, ou seu cabelo castanho, ou sua pele levemente bronzeada que o deu esse posto. Mas sim, sua capacidade comunicativa e extrovertida que possuía. Um dom.

Ao seu lado, embrulhada nas cobertas, estava sua preciosidade.

Alguma joia rara? Quase isso.

Jungkook, seu recém marido. Pele clara, cabelos escuros, sorriso maravilhoso, fofo, um rosto bem angelical. No entanto, não se engane. Era dono de um corpo milimetricamente trabalhado, olhos negros de essência pecaminosa e profunda, em contraste com uma atmosfera bem madura provocada a sua volta.

Não conhece também?

Ele é ninguém mais, ninguém menos, que o detentor da maior porcentagem de uma rede de empresas, uma multinacional. Era de seu sogro. Mas como o filho era uma negação em investimentos exteriores ao mundo da moda, o homem já envelhecido julgou Jungkook o mais capacitado para alavancar ainda mais, bem como salvar aquela nada pequena empresa. E o homem orgulhou-se de sua escolha.

O que existia em apenas alguns países aleatórios, surgiu em lugares em crescimento e com garantia de lucro. Uma boa visão do jovem Jeongguk.

No entanto, toda essa habilidade e riqueza não era o que mais impressionava o país que moravam, e sim o fato desse "Casal Sucesso", como eram chamados, serem tão novinhos; Taehyung faria seus 28 aninhos e Jungkook, 26.

Eles se conheciam desde criança, e na amizade abrochou um amor forte e capaz de vencer as barreiras, que lhes eram colocadas. Agora, casados, em plena lua de mel, eles sabiam que essa ligação amorosa precisava ser mais forte.

É claro: o amor estava cravado na aliança que eles usavam sim. Porém, há mais tempo, já estava cravado em todos os momentos felizes, dificuldades passadas, reconciliações arduamente desejadas, até em outras pessoas, no corpo de ambos, na mente deles, e no local mais importante: nos próprios coraçõezinhos que batiam um pelo outro, exclusivamente.

Sobre o romance deles: Era bonito de se ver.

Quem assistia de perto, sabia do privilégio que possuía, fazendo esforços para mantê-los unidos. Mesmo com toda a força do amor ali reinando, o orgulho do Jungkook e a teimosia do Taehyung dificultavam as coisas; necessitando de "heróis" externos.

Todavia, agora com os votos trocados, não poderiam estar mais felizes. E, apesar deles irem contra a família tradicional coreana, infelizmente, a riqueza que eles detinham era mais importante. Mas, felizmente, isso salvava-os de serem (tão) apedrejados no país.

O casamento em Las Vegas fora perfeito. Logo, eles tiveram que voltar para o país de origem, onde ocorrera a festa, a qual fora grandiosa, conformando com a simplicidade característica dos dois.


[...]


Taehyung desceu o olhar, recebendo um vento frio em suas partes baixas nuas e arrepiou-se. Cobriu-se rapidamente com o lençol claro da cama de madeira negra; este movimento repentino fez o rapaz de olhos negros murmurar algo e encolher-se mais.

Kim, instintivamente, abraçou o corpo alheio, colocando seu queixo apoiado no ombro do mesmo, e seus braços envolveram a cintura bem desenhada, iniciando um carinho no abdômen muito bem trabalhado.

Meu Deus, como seu marido era gostoso!

No dia anterior, não conseguiram nem levantar para tomar um banho., de tão cansados. Assim, apenas se limparam superficialmente, mesmo sabendo que no outro dia viajariam para a Europa, onde conheceriam alguns países e viajariam pelos seus livros de História – matéria a qual muito agradava Taehyung e Jungkook –, e de lá, partiriam para o Brasil. Os dois queriam relaxar nas praias belíssimas que pesquisaram um mês antes do casamento, quando os últimos detalhes estavam se ajeitando, nas cachoeiras e florestas, manter um contato com a natureza belíssima que o país possuía. E Jungkook ia fazer uma pesquisa mais afundo daquele lugar; queria uma filial ali.

Enfim, estavam exaustos de ontem, depois das carícias que trocaram, os beijos intensos e o gran finale, no qual eles se entregaram, como se fosse a primeira vez, um para o outro. E se entregaram mais de uma vez na noite, diga-se de passagem.

Com a pontinha do nariz, o Kim acariciou toda a extensão do maxilar marcado do mais novo e acolheu a mão esquerda entre a sua própria. Deixou um beijinho casto em seu pescoço, sussurrando com a voz grossa e rouca, por ter acabado de acordar, no ouvido alheio um "Acorda, meu amor". Escutou um suspiro e viu um sorriso sapeca brotando naqueles lábios tão carnudinhos e gostosos de fod... Quer dizer, beijar.

BEIJAR!

Virou Jungkook para si, ficando em cima do mesmo. Deixou vários beijinhos pelo rosto, enquanto escutava risadas gostosas e fofas, nem parecendo o mesmo que gemeu alto seu nome, ao passo que se derramava na cama e no próprio abdômen.

— Bom dia, meu amor! – Taehyung deu um sorriso ladino, totalmente inocente, e o olhou atentamente.

— Bom dia! – Jungkook desejou, enquanto possuía aquele sorrisinho que mostrava seus dentinhos de coelho.

Ele era incrivelmente fofo e isso, para o Kim, não mudaria nunca. Por mais que ele tivesse momentos de seriedade, ficasse com uma pose muito sexy quando estavam transando, no final, a aura infantil do seu marido estaria ainda ali: no sorriso de coelho e nos olhinhos “piscantes”, como naquele momento.

— Podemos tomar um banho, e depois comer? Eu estou com fome. – Jeon questionou, alisando a pele amorenada de outrem.

— Vamos tomar um banho, sim. Mas espera um pouco, porque estou cansado, amor. Você acabou comigo ontem. – O Kim jogou-se na cama novamente, abrindo um sorriso malicioso.

— Hm, você está ficando velho, né, amor!?

— Vai se foder! – O de cabelos castanhos sentou-se rapidamente na cama, mostrando sua carinha de bravo, mas com uma pitada de diversão na voz.

— Quer me dar a honra? – Um pequeno sorriso ladino brotou nos lábios do mais novo, quem ainda teve a audácia de levantar as sobrancelhas diversas vezes.

— Oh, se quero! – Taehyung levantou-se e foi em direção ao marido, mas este lhe impediu.

— Vai ter que me pegar então! – Disse divertido, impedindo o quase movimento do outro com a mão em seu peito. Ainda se inclinou um pouco para pegar o último morango da vasilha, a qual se encontrava no criado-mudo do Kim, colocando em seus lábios sensualmente e quase chupando a fruta avermelhada, permanecendo concentrado nos olhos do outro.

Viu seu marido totalmente hipnotizado, ao passo que encarava seus lábios, agora, vermelhos. Levantou rapidamente (e nu) da cama, então, pôs-se a correr em direção ao banheiro, enquanto escutava o marido levantando da cama e murmurando algo como:

— Ah, Jeon Jungkook e agora Kim, quando eu te pegar... Você prepare essa bunda! Não corre, não!".

Jeon ria divertido no box da suíte do casal, escutando os passos do marido, e terminou de comer a fruta, o esperando chegar. Quando isso aconteceu, ele pôde sentir o arrepio por todo seu corpo, ao admirá-lo da cabeça aos pés. Seu marido era tão lindo e tão gostoso, e tão seu. Sorriu malicioso, vendo-o retribuir o sorriso.

O mais velho apoiou suas costas na bancada da pia, cruzando os braços e mordendo o lábio inferior. Para Jungkook, ele não poderia ser mais... “homão”, senão agindo como era mesmo. Agindo conforme sua personalidade mais obscura, porém, a mesma que tanto deixava o mais novo a mercê dos seus toques.

— Você é um menino mau! – Ele o encarou. Jungkook abria o chuveiro e, ao terminar de o fazer, arqueou as sobrancelhas, devolvendo o olhar na mesma intensidade, uma vez que conseguiu captar a mensagem subliminar do marido.

— Sou, Daddy? Oh, não sabia... – Lamentou-se, com falsa inocência.

Na verdade, Taehyung murmurou com a surpresa, já que ele realmente não esperava ser chamado assim tão cedo. Por outro lado, seu marido sentia mais prazer do que ele, ao realizarem o seu próprio fetiche; era incrível!

— Pois é, você é. Muito mau... – Caminhou lentamente e entrou no box, tentando manter constante seu olhar sugestivo. – E meninos maus são punidos! – Mal terminou a frase e virou o corpo do Jeon, o deixando de costas para si. Aproximou-se dele, praticamente deitando sobre, e sussurrou com a voz grossa em seu ouvido. – Empina. Agora. – Ordenou.

Não foi preciso falar mais de uma vez e o rapaz já jogava seus quadris para trás, sentindo-o de encontro ao outro quadril, e apoiou seus antebraços no azulejo frio, olhando para trás, com seu famoso sorriso ladino. Bem, esperava ter sido o bom menino que Taehyung clamava.

Contudo, ao contrário que pensava, não sentiu o membro dele o penetrando, e sim, o estalo de um tapa; o Kim havia o estapeado em sua nádega direita. A ardência o despertou imediatamente, e não resistiu em fazer uma expressão bem safada para o seu Daddy, mordendo o lábio de levinho. Então, sentiu vários outros tapas em sua bunda, depois em suas coxas, arranhões leves em suas costas... Quando se deu conta, gemia sem pudor, ao sentir sua carne ser apertada e amaciada entre os dedos longos de Taehyung.

O rapaz sentia as gotas que caíam do chuveiro molhar sua pele alva, bem como transformar o box em nuvens de vapor, deixando tudo mais erótico. Porém, ele foi desligado.

— Tomamos banho daqui a pouco... E a natureza agradece. – Kim sorriu para seu homem, que também sorriu e virou-se para frente, capturando o lábio alheio entre seus dentes.

Iniciaram um beijo cheio de vontade e desejo. As mãos de Taehyung permaneciam na bunda de Jungkook, apreciando a carne durinha e em contraste com a pele macia do local. O outro apoiava uma mão no braço direito do mais velho, enquanto a destra envolvia os cabelos da nuca e puxava vez ou outra, ao sentir sua pele ser marcada... de novo.

As marcas que Kim ostentava na clavícula bem traçada e no pescoço amorenado eram constantemente beijadas pelo mais novo. E, naquele momento, os beijos foram descendo por todo seu peitoral, à sua barriga lisinha; a lateral de seu quadril foi mordida e depois lambida, ficando vermelha. A virilha do acastanhado foi alvo de alguns chupões, que desceram para as coxas macias que possuía. Gemeu ao sentir seu membro ser tocado levemente pelas mãos atrevidas do mais novo, quem já se encontrava de joelhos. Jogou seus cabelos para trás, bagunçando-os um pouco mais; e essa visão agradou muito o Jeon, que sorriu e pediu permissão.

Uma permissão desnecessária, na visão de Taehyung.

— Me chupa logo, amor. Seja bonzinho com o Daddy, hm?

Jeongguk lambeu a extensão um tanto generosa do outro, enquanto o olhava. O mais velho tinha seus olhos presos na visão pecaminosa que era seu marido o lamber com tanta volúpia. Agarrou-lhe os cabelos em um pedido mudo para que não parasse; e assim foi feito.

O mais novo abriu os lábios, chupando a cabecinha de leve, mexendo com a língua para frente e para trás na fenda, acabando por colocar o resto em sua boca, movimentando em um ritmo bem gostoso para ambos.

Enquanto isso, Taehyung era apenas gemidos.

Sentiu sua garganta ser acertada e retirou lentamente o pênis de sua boca, pois havia engasgado; porém, permaneceu masturbando-o com uma velocidade moderada. E para o outro aquilo era realmente pornográfico. Além do mais, quando foi colocado na boca quentinha e gostosa de novo, empurrou seu quadril de forma bruta e rápida, o fazendo engasgar mais uma vez. Gemeu arrastado e em deleite, deixando o mais novo se recuperar brevemente, para então estocar a boca dele com menos força, estabelecendo um ritmo.

De vez em quando, Jeon masturbava-se um pouco, contrariando o que o Daddy lhe impôs há muito tempo:

"Nunca se toque antes da minha permissão".

Ele sabia que se fosse pego, seria punido de novo. Todavia, a tentação estava maior que sua obediência, pois também sentia os espasmos do mais velho; o orgasmo alheio estaria se aproximando.

— Ah, Jeon, mais rápido, vai. – Gemeu arrastado e largou ao cabelos dele, o deixando fazer sozinho.

Todavia, Jungkook queria tanto sentir seu marido em si, que não se aguentou e direcionou seus dedos por sua entrada; só não esperava estar tão sensível no local. Mal se penetrou e gemeu sem querer. Mas não foi um gemido qualquer... Foi um 'puta' de um gemido melodioso e necessitado, que enviou vibrações por todo o pênis do Kim. Este gemeu junto e um pouco assustado com tamanho prazer que sentira. Olhou para baixo rapidamente e viu seu garoto se tocando.

— Jeongguk-ah, por que tão desobediente? – Questionou retórico.

— Desculpe, Daddy. Mas você estava gemendo tão gostoso. Não resisti. – Jungkook murmurou manhoso, em um quase gemido, na tentativa de se safar.

— Ah, não, Jeon... – Taehyung estava ligeiramente bravo. – Levante-se!

— Por quê? Nããão... – Resmungo, contrariando.

— Levante-se! – E nada. – Eu não estou pedindo, estou mandando. – Kim interrompeu qualquer tentativa de reclamação alheia apenas com essa frase, mordendo o lábio inferior e demonstrando uma feição sexy.

— Puta que pariu. – Jungkook levantou-se trêmulo, devido àquela atitude, pondo-se de frente a ele.

— Quero escutar apenas seus gemidos agora, viu? Entendeu, meu menino desobediente?

— Tae... – Foi interrompido por um arquear de sobrancelhas. – Tudo bem, Daddy.

— Ótimo. Agora, vire-se para seu Daddy e empine de novo.

— Vai me bater de no...? Daddy. – Sentiu sua bunda ser apertada com vontade e o quadril de Taehyung de encontro ao seu. Assim, seus membros se encontraram em uma fricção gostosa e Jeongguk só pode gemer com certa manha.

— Gukkie, shh! – Delicadamente, colocou dois de seus dedos dentro da boca do homem e sussurrou alguns palavrões leves pela visão deleitosa, a qual tinha. – Chupa! Assim, bom garoto. Obedece seu Daddy e eu prometo não ser tão mau.

— Uhum. – Disse meio abafado, por estar lubrificando os dedos do Taehyung.

Depois de muitos apertões, com a temperatura elevada das peles embaçando o vidro do box, Kim retirou seus dedos da boca do mais novo e levou à sua entrada, esfregando circularmente no local. Pode escutá-lo gemer manhoso e vê-lo fechar os olhos. Atreveu-se a deslizar a pontinha de um dos dedos para dentro, se retirando tempo depois. Com a outra mão, girou seu marido, o deixando de costas para si. Ainda, colocou suas duas mãos no quadril dele, abrindo as duas partes, e gemeu em deleite.

— E aqui começa sua punição. – Ao dizer isso, Taehyung começou a movimentar em forma de ondas seu quadril, roçando seu membro de leve na entrada alheia.

— Porra! Daddy! – E em resposta, Jungkook soltou um grunhido em forma de seu nome.

O mais velho continuou a rebolar contra a bunda do mais novo, ora estapeando-a ou apertando, ora gemendo alto, ou sussurrando palavras e frases pornográficas ao pé do ouvido do outro, ora tudo junto.

Jeon estava necessitado; ele não conseguiria manter-se sozinho em pé, mas graças ao apertão firme em seu quadril, o fazia. Rebolava contra o membro de Kim, para ter mais contato, e gemia alto, quando sua entrada era levemente invadida pela glande do mais velho.

— Estamos fazendo muito barulho, não acha?

— Nãã... Deixa os vizinhos saberem o nome do meu marido, quem eu amo muito, e que... – Sua fala foi brevemente interrompida por um gemido arteiro, pois sua entrada foi invadida mais alguns centímetros. – E que me fode gostoso. Ah! – Jungkook quase não terminou de falar, porque foi, finalmente, tomado de forma lenta e maravilhosa.

— Então, deixe eles saberem! – Sorriu pela fala alheia, porém, retornou a pose sexy, colocando-se quase que por inteiro no interior dele. – Você é tão gostoso. Jungkook-ahh. – Elogiou. – Eu te amo tanto! – Taehyung começou a movimentar-se: ia fundo e rápido; voltava lentamente e quase tirava o seu pau de dentro do mais novo. Repetiu esses movimentos algumas vezes, vendo o outro ficar impaciente.

— Daddy, q-quero mais! – Ele pediu, provando sua impaciência, implorou por mais de seu hyung em si.

— Assim? – O mais velho aumentou o ritmo, estocando de forma rápida e apertando mais ainda a pele já marcada de outrem. Soltou uma mão e dirigiu a mesma aos cabelos dele, segurando firme e puxando com certo carinho; mesmo que lá embaixo, esquecia um pouco da delicadeza e fodia seu marido com vontade.

— Tae.... Ah, hyung! – Tudo saía de sua boca arrastado, porque ela só queria gemer, aparentemente. – Porra, você é tão bom, isso é tão bom! – Devido à mente nublada de prazer, Jungkook pronunciava junto frases sem sentido e soltava alguns palavrões. – Me toca!

— Pede direitinho, hum? – Kim diminuiu o ritmo e lambeu o lóbulo da orelha do seu amor.

— Me toque, Daddy. – Olhou para trás, rebolando contra o pau doMe faz gozar, por favor!

— Amo quando você implora. – Taehyung comentou aéreo. – Claro, como você quiser amor. – Então, deslizou a mão da cintura até o membro do rapaz, e começou a movimentá-la no mesmo ritmo que suas estocadas, o aumentando gradativamente.

— Assim, nossa! – Gemeu o mais novo, revirando os olhos em deleite, ao ter o Kim beijando seu pescoço.

Taehyung começou a sentir o orgasmo próximo de novo, mas segurou-se. Movimentou a mão o mais rápido que podia no pênis de Jungkook, escutando seus gemidos ficarem mais intensos, além de que, algumas vezes, este virava seu rosto, com a boquinha aberta e olhava sedento pelo hyung. Isso aumentava a insanidade do mais velho, que reagia indo cada vez mais fundo e mais certeiro no interior quentinho.

Cada vez que acertava aquele ponto em seu marido, beijava-o em seu pescoço e puxava seus cabelos. As pernas do Jeon abriam-se mais e ele as sentia derreter.

Ele queria gozar!

— Vem para o Daddy. – Ordenou Taehyung, fazendo a voz ficar bem mais rouca e sedutora aos ouvidos do mais jovem.

— Goza comigo, então, Daddy.

— Huum... – O calor emitido pela pele branquinha, os estalos causados pelas investidas na bunda alheia, ou pelos tapas deferidos na mesma, os gemidos e lamúrias manhosas de ambos; tudo isso contribuíra para o orgasmo intenso do Kim, que continuou movimentando-se dentro do rapaz. Conseguiu sentir o lugar apertando toda sua extensão e, em seguida, Jungkook gozar em sua mão.

Taehyung parou os movimentos e abraçou o corpo bem definido do mais novo, enquanto colocava seu queixo no ombro e se retirava de dentro dele. Este, quem jogou sua cabeça para trás, envolvendo a nuca do mais velho em sua mão, arranhando de leve.

E ficaram assim um tempo, até ele abrir o chuveiro novamente, enfiando-se embaixo com seu hyung agarrado a si.

— Banho, Taetae!

— Uhum! Banho! Uhum, depois... – O Kim estava quase dormindo em pé e mal havia o escutado.

— Hyung! – Gritou, chamando a atenção do marido, para depois falar calmo próximo a seu ouvido. – Temos que viajar ainda, após o almoço. Não nos atrase, sim? Você vai poder dormir no jatinho, please! Vamos, querido!

— Bobo. – O acastanhado soltou uma risada gostosa ao escutar seu marido falar tão calmo em seu ouvido. Desgrudou-se do corpo dele e pegou o sabonete de sua mão, passando desde o ombro até as coxas voluptuosas e avermelhadas. – Acho que eu te maltratei um pouquinho. Meus maiores pecados estão "vermelhas".

— Seus pecados?

— É! Essas maravilhas que você chama de coxas. – Beijou a boquinha tão maravilhosa quanto, apreciando a maciez do local.

— Ahh! – Jeon gargalhou entre o beijo. – Maltratou... Mas eu fui um menino mau. Mereci, certo?

— Que bom que sabe. – Taehyung abraçou a cintura de Jungkook e o deixou limpar os dois.

Terminaram o banho com muitas carícias e beijos carinhosos. Assim, Taehyung colocou seu roupão; Jungkook enrolou a toalha na cintura. Já no quarto, colocaram uma roupa despojada para almoçar e depois eles trocariam para viajar.

Essa Lua de mel havia de ser inesquecível para ambos.


Notas Finais


Eae men, de novo!
Faço o apelo: Me digam o que acham, por favor!

Até os próximos que procurarei postar o mais rápido possível, mediante vossas opiniões, ok?

Ainda amo muito vocês, e sinto saudades :( beijos~~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...