História Hope. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Madara Uchiha, Naruto Uzumaki, Obito Uchiha (Tobi), Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha
Tags Alternativo, Ficção, Guardião, Guardioes, Hentai, Indrasaku, Itasaku, Madasaku, Naruto, Obisaku, Romance, Sakura Haruno, Sasusaku, Shoujo, Shurasaku, Uchisaku
Exibições 614
Palavras 1.330
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Adivinha quem voltou com mais um capítulo? Euzinha sz.
Bom, primeiramente eu gostaria muito de agradecer a todos vocês que estão acompanhando a fanfic e também as palavras de apoio. Quando comecei a escrever, nem pensei que faria esse sucesso todo e tão rápido.
Bom, boa leitura sz

Capítulo 2 - A evolução da pequena flor.


Fanfic / Fanfiction Hope. - Capítulo 2 - A evolução da pequena flor.

Capítulo 2: A evolução da pequena flor.

   O tempo foi passando e a garotinha também crescera, não era mais um simples bebêzinho. Agora falava e se firmava, de pé, bambeando um pouco, mas nunca caía. Os Uchihas pareciam se impressionar com qualquer coisa que ela fizesse, seja dizer uma palavra nova ou simplesmente bater palmas.

-Papa! Papa Indla! -Ela estendia os bracinhos para o homem que, perto dela, mais parecia um gigante.

-Oi, querida. -O pegou nos braços, a menininha já estava prestes a completar seus dois anos e trouxera muita felicidade para o acampamento.

-Vamos… Passear. -Disse a palavra com certa dificuldade, fazendo uma caretinha confusa ao pronunciá-la. 

-Sim, sim! Passear. -Ele riu, de longe se podia ver a felicidade de Indra, mais parecia um pai, inexperiente e atrapalhado, mas um pai para aquela criaturinha abandonada no mundo.

   Os outros homens trabalhavam no acampamento, recolhendo pedaços de madeira e cordas de cipó, pareciam querer construir uma espécie de nova cabana... Não, aquilo não se parecia com uma.

-Papa! Bolbuieta! -Sakura era curiosa e sempre falava as coisas de forma engraçada, certamente por ainda ser muito pequena e ter dificuldade para pronunciá-las. 

-Borboleta. -Pronunciou lentamente para ela enquanto o pequeno animal pousava sobre o dedo indicador de Indra, batendo as asas lentamente e logo parando de se mover, como se houvesse encontrado o lugar certo para descansar.

-Hum! Verde… Azul… Amaieio.- Contava as cores do pequeno bichinho, parecia empolgada com o que fazia.

-Indra, arrume suas coisas e as de Sakura, precisamos partir agora. -Avisou Madara ao se aproximar, acariciando os cabelos cor de rosa da menininha.

-O quê? Por quê? -Levantou o olhar, a borboleta voou, o clima parecia um tanto tenso agora.

-Já ficamos muito tempo nessa região. Não quero que venham atrás de nós. -Cruzou os braços sobre o peito, Madara parecia estar realmente preocupado.

-Entendi… Arrumarei tudo dentro de alguns minutos. -Suspirou, o olhar cansado analisou a face de Sakura que agora se encontrava encostada em seu ombro.

-Está bem. Já construímos uma carroça. -Sorriu de forma gentil, como sempre fazia ao ver a pequena menina, depositou um beijo em sua bochecha direita e se retirou.

-Vamos, hime. Precisamos organizar nossas coisas. -A balançou no colo devagar, caminhando apressado até sua tenda.

   Ao chegar no local, deitou a menina sobre a cama, mas ela, teimosa como era, se sentou, agarrando os próprios pés. Indra riu, de forma boba, recolhendo sua mala jogada no canto do cômodo e a encheu com suas roupas e outros pertences.

-Prontinho. Guardei suas roupas aqui também, não quero que tenhamos de levar muito peso. -Segurou na alça do objeto e, com a mão livre, pegou Sakura no colo, a beijando bem no topo da cabeça.

   Todos já se encontravam no lado de fora, um dos cavalos fora conectado a carroça onde as malas foram colocadas, Indra fez o mesmo e seguiu até outro animal.

-Segure Sakura apenas enquanto eu subo. -Estendeu a criança para seu irmão, Shura, enquanto subia no animal de cor preta.

-Boa viagem, Sakura! -Shura fez cócegas na barriga da pequena e a entregou novamente para Indra, que a segurou com firmeza.

-Estão todos prontos? -Perguntou Madara. Obito já estava em um cavalo, sozinho, Shura em outro, também sozinho e Itachi montava com seu irmão mais novo.

-Sim. -Responderam em uníssono.

-Da próxima vez, me avise com antecedência. Não gosto de ser o último a saber das coisas, Madara. -Resmungou Indra ao passar bem ao lado do homem.

-Você só deve seguir as ordens. -Retrucou, sem ao menos elevar a voz.

   A viagem seria longa e cansativa, como sempre eram, os suprimentos se encontravam dispostos a todos eles em seus devidos cavalos. Shura galopava um pouco mais atrás, garantindo a segurança de sua família, Itachi ficava ao centro, preocupado com o irmão, que, ao contrário dele, dormia tranquilo.

-Pense pelo lado bom, Itachi. Pelo menos Sasuke não é mais o mais novo. -Cutucou Obito, segurando firme na pequena corda.

-Tsc. Quanta bobagem. -O garoto revirou os olhos escuros, profundos como a noite que logo cairia.

   Apesar de todas as provocações, discussões e desentendimentos, os Uchihas eram uma família unida, que se importava mais com o outro do que consigo mesmo. Agora não era diferente, protegiam Sakura como se fosse a própria vida.
   A menininha também dormia no colo de Indra, protegida com os braços masculinos a sua volta. Ele não deixaria que nada ou ninguém a tocasse.

-Para onde exatamente nós estamos indo? -Disse Shura, retirando uma mão do arreio para coçar seu olho.

-Reino do Sul, onde ninguém irá nos perturbar por um bom tempo. -Madara respondeu prontamente, como se já esperasse aquela pergunta de algum deles.

   Um silêncio se instaurou por ali, as únicas coisas audíveis eram o som dos cascos se chocando contra o solo e os itens da carroça balançando enquanto atravessavam uma estrada acidentada.
   Pouco a pouco escurecia e apenas a luz da lua iluminava seu caminho. Corujas voavam ao redor dos nômades, mas algo estranho os chamou atenção, podiam sentir a presença de duas pessoas não pertencentes ao grupo.

-Fiquem atentos. -Alertou Indra, protegendo a pequena menina com o seu manto negro.

   Imediatamente todos cobriram seus rostos com os lenços. Um longo instante de pura tensão foi instaurado até dois homens invadirem a estrada, erguiam espadas a frente do peito e os olhavam de forma cruel.

-Vejam só, rapazes. -Provocou Madara, dando uma risada abafada. -Eles têm espadas.

-Se fosse você, não riria. -Um deles resmungou, apontando a espada para o mais velho. -Vamos, passem todas as moedas e os itens valiosos!

-Que hilário… -Disse Indra, completamente sério, aquela feição não combinava com a frase proferida. -Saiam daqui e nos deixem completar o nosso caminho.

-Está ficando louco, homem? Eu posso matá-los agora mesmo. -A espada agora fora apontada para o que os "insultou".

-Oras, calem a boca e saiam do meio. -Os caninos de Indra agora pareciam mais afiados, os olhos tomaram um brilho aterrorizante.

-Seu… Seu… -O desconhecido avançou, executando um golpe contra o peito de Indra.

-Que perda de tempo. -A lâmina se curvou para trás, nem chegando a encostar no corpo do garoto.

-Como… -A boca do bandido estava aberta em pura descrença, olhava para a espada sem entender. 

-Vão embora… Antes que eu exploda seus malditos miolos. -Ele riu, deslizando a língua pelos caninos, o olhar ameaçador os fizera tremer.

   Os dois pareciam paralisados pelo medo, mas logo correram, deixando a espada para trás.

-Oh, genial, irmão. Genial! -Shura riu, olhando para seu irmão.

-Vamos seguir, não quero que Sakura fique neste frio por muito tempo. -Ignorou o comentário, não gostava de elevar seu ego.

-Tem razão, não a queremos doente. -Madara acenou positivamente com a cabeça, voltando a seguir a viagem.

   O resto da noite seguiu tranquilamente, Sakura acordara algumas vezes durante a madrugada para tomar leite e ficara inquieta pelo frio, mas Indra resolveu estes problemas, aumentou a temperatura pelo próprio corpo e a pressionou contra si, fazendo-a voltar a dormir de modo relaxado.

-Faltam pelo menos umas três horas até chegarmos. -Falou Madara, quebrando o silêncio da noite fria.

-Certo. Não há nada de perigoso a nossa volta, pelo menos não no meu sensor. -Falou Obito com seus olhos inquietos.

   O silêncio voltou a reinar, ninguém dormiu durante toda a viagem, a não ser as crianças. Itachi cuidava do irmão como se fosse um adulto, aquilo fazia Shura rir.
   Após um dia cansativo, finalmente chegaram ao reino do Sul, tudo por ali era mais bonito e muito, muito mais frio.

-Agora vamos até a floresta mais próxima. Temos que certificar se é seguro. -Todos concordaram, galopando rapidamente pelos trechos menos movimentados.

   Indra olhava a menina a cada dois segundos, preocupado com sua adaptação ao clima e qualquer inseto que viesse a atacá-la. Agora ele tinha sua princesinha, a pessoa que mais desejava proteger (além de seu irmão). Sakura era sua esperança de dias felizes, o sol após dias de frio rigoroso, a  pequena dele.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...